17 set
5 dicas para recolocação e mudança profissional

Com os atuais cenários no mercado, onde pessoas cada vez mais buscam a recolocação, ou mudança profissional, não basta apenas estar disposto a conquistar o emprego, a ocupação que lhe cabe e trará sucesso. Por isso, o Coach, Empreendedor e Analista Comportamental, Rodolfo Vasconcellos, dá importantes dicas para recolocação e mudança profissional.

O especialista descreve, que segundo relatório produzido em 2016 pelo Fórum Econômico Mundial (FEM), até 2020 35% das habilidades mais demandadas para a maioria das ocupações deve mudar. Estas mudanças são justificadas no contexto da chamada: ‘Quarta Revolução Industrial’, – definida pela era da robótica avançada, automação no transporte, inteligência artificial e aprendizagem automática.

Em 2020, segundo o FEM, as habilidades necessárias serão, nesta ordem de importância: solução de problemas complexos, pensamento crítico, criatividade, gestão de pessoas, empatia com os outros, inteligência emocional, bom senso e tomada de decisão, orientação para serviços, negociação e flexibilidade cognitiva. Quais destas habilidades você possui hoje e quais você precisa desenvolver? Manter a motivação em alta é fundamental para que você prossiga em direção aos seus objetivos.

Sendo assim, anote estes cinco passos listados por Rodolfo como agentes determinantes de organização e estratégia para destaque no mercado:

1 – Conheça a si

O primeiro é conhecer a si mesmo. É identificar quais são seus valores, motivações, interesses e talentos. Aristóteles dizia que: “Conhecer a si mesmo é o começo de toda sabedoria. ” Na busca do autoconhecimento, algumas perguntas importantes precisam ser feitas, entre elas: “Quais são seus valores, interesses e talentos? ”; “O que te deixa realmente motivado? ”. Cabe ressaltar que motivação é tudo aquilo que realmente move a pessoa para a ação. Anote tudo no papel.

2 – Identifique suas competências

O segundo passo é identificar quais são as competências que você precisa desenvolver. Neste passo de preparação, a pessoa precisa responder: “Que tipo de trabalho te daria a oportunidade de satisfazer os seus valores, atender os seus interesses e utilizar os seus talentos? ”; “Quais são as competências que você já possui, e quais são as que você precisa desenvolver para obter esse trabalho desejado? ”. Anote as respostas.

3 – Analise o setor

O terceiro passo é analisar o setor em que pretende atuar para levantar riscos e oportunidades. Em 2016, o Fórum Econômico Mundial emitiu um relatório onde continha as 10 habilidades necessárias para o profissional no mercado de trabalho em 2020. O futuro e as mudanças estão chegando numa velocidade cada vez maiores. É neste contexto que a pessoa precisa responder questões como: “Quais são as características do mercado no qual seu trabalho desejado está inserido? ”; “Quais são as oportunidades e desafios deste mercado? ”; “Quais são as chances de crescimento e desenvolvimento? ”. Anote as respostas.

4 – Defina os seus objetivos

O quarto passo é definir o objetivo, a linha de chegada. Qual o seu objetivo profissional? Onde você quer chegar ou qual vaga você deseja verdadeiramente conquistar? Com as respostas deste passo e dos anteriores, você terá elementos suficientes para transformar uma mera intenção de encontrar o trabalho ideal num objetivo concreto.

5 – Elabore um plano de ação

O quinto e último passo é elaborar um plano de ação. Depois de definir o objetivo, relevante e atingível, é o momento de planejar chegar lá, quando e como. Escreva seu planejamento no papel! Afinal, “A sorte favorece as mentes bem preparadas. ” Pessoas de sucesso têm seus objetivos anotados no papel, se comprometem verdadeiramente com eles e correm atrás de atingi-los com persistência e entusiasmo todos os dias.

Fonte: IDG Now

12 set
8 maneiras de melhorar a capacidade do seu cérebro

Já passou por aquela situação em que você tenta desesperadamente lembrar o nome de alguém ou de um lugar e simplesmente dá um “branco”?

Ouvimos dizer muitas vezes que a memória diminui com a idade, assim como outras funções cognitivas – como o raciocínio.

Mas, calma, há esperança. Existem maneiras de “religar” nosso cérebro.

Então, se você quer aumentar sua capacidade cerebral, siga as dicas abaixo e se prepare para exercitar a mente:

1- Exercício aumenta o cérebro

É verdade – nosso cérebro cresce à medida que nos exercitamos.

A atividade física aumenta as sinapses, cria mais conexões dentro do cérebro e ajuda na formação de células extras.

Uma boa saúde cardiovascular também significa que você transporta mais oxigênio e glicose para o cérebro, além de eliminar toxinas.

Se você conseguir se exercitar ao ar livre, melhor ainda – terá o benefício adicional de absorver mais vitamina D.

Dica: combinar a prática de exercício à exploração de um ambiente diferente, a novas maneiras de fazer as coisas ou compartilhar ideias – dessa forma, você aumenta as chances das células nervosas novas formarem um circuito adequado.

Por exemplo, se você gosta de jardinagem, vale participar de uma horta comunitária para fazer amigos enquanto mexe na terra, ou se juntar a um grupo em vez de ir sozinho.

O mais importante é garantir que você esteja se divertindo – é o desejo de se envolver em algo que ajuda a impulsionar os efeitos do exercício e da interação social no cérebro.

2- Memória em movimento

Essa é uma técnica respaldada por cientistas e reconhecida há muito tempo no mundo da dramaturgia. Se você tentar decorar algo enquanto se movimenta, é muito mais provável que a informação seja retida.

Dica: na próxima vez que você tiver uma apresentação ou discurso para fazer, que tal dar uma volta ou dançar para ajudar a guardar o conteúdo?

3- Coma os alimentos certos para abastecer o cérebro

Cerca de 20% do açúcar e da energia que você consome vão para o cérebro, fazendo com que a função cerebral dependa dos níveis de glicose.

Se os níveis de açúcar não forem controlados, sua cabeça pode ficar confusa.

Comer algo de que se goste libera dopamina, que ativa a área de recompensa do cérebro. E é por isso que você sente prazer em comer determinados alimentos.

Mas, além de nutrir os mecanismos de recompensa do cérebro, você precisa alimentar seu intestino com cuidado.

Existem mais de 100 trilhões de bactérias no sistema digestivo humano, que se conectam com o cérebro pelo eixo intestino-cérebro. E o equilíbrio desses micróbios é fundamental para o bem-estar da mente.

Na verdade, o intestino é muitas vezes chamado de “segundo cérebro”. Uma dieta variada e saudável ajuda a manter essas bactérias em sincronia e o cérebro saudável.

Dica: as células do cérebro são compostas por gordura, por isso, é importante não erradicar a gordura da dieta. Ácidos graxos essenciais presentes em nozes, sementes, abacate e peixes são bons para desenvolver o cérebro, assim como o alecrim e açafrão.

Tente também fazer as refeições na companhia de outras pessoas quando puder – a socialização reforça os benefícios de uma boa dieta saudável no cérebro.

4-‘Desligue’ e relaxe

Uma certa dose de estresse é necessária porque nos ajuda a responder rapidamente em situações de emergência. O estresse produz o hormônio cortisol que, ao ser liberado, nos dá energia e ajuda a concentrar.

Mas a ansiedade prolongada e os altos níveis de estresse desconfortável são realmente tóxicos para o cérebro.

É importante, portanto, que a gente aprenda a “desligar” de vez em quando, para permitir que essa parte do cérebro descanse.

E, ao se desconectar, você exercita uma parte diferente do cérebro: a chamada rede neural de modo padrão, que nos permite sonhar e é importante para consolidar a memória.

Ao “desligar” do mundo externo, permitimos que essa parte do cérebro seja ativada e faça seu trabalho.

Então, da próxima vez que você for pego sonhando acordado no trabalho, explique ao seu chefe que você estava fazendo uma atividade cerebral crucial.

Dica: se você achar que é difícil relaxar, por que não tentar técnicas de relaxamento, como meditação, que podem ajudar a reduzir o nível dos hormônios do estresse?

5- Encontre novas formas de desafiar a si mesmo

Uma outra maneira de estimular o cérebro é se desafiar a fazer ou aprender algo novo.

Atividades como aulas de arte ou cursos de idioma aumentam a flexibilidade do cérebro.

Dica: jogue uma partida online contra amigos ou familiares.

Não apenas vai te desafiar, como vai estimular a interação social, o que ajuda o cérebro.

6- Ouça música

Pesquisas indicam que a música estimula o cérebro de um jeito muito peculiar.

Quando você observa a imagem cerebral de alguém que está ouvindo ou tocando música, quase todo o órgão está ativo.

A música pode melhorar a cognição geral, e a memória musical é muitas vezes a última a desaparecer, quando somos afetados por certas condições, como a demência.

Dica: faça parte de um coral ou compre ingressos para ver sua banda favorita.

7 – Estude para uma prova na cama

Se você aprender algo novo durante o dia, será formada uma conexão entre células nervosas no cérebro.

Quando você dorme, essa conexão é fortalecida e reforçada – e aquilo que você aprendeu vira uma lembrança.

O sono é, portanto, um momento realmente importante para a consolidação da memória.

Se você der uma lista para alguém memorizar antes de dormir, há uma grande chance da pessoa se lembrar na manhã seguinte – uma chance maior do que se você tivesse entregado a lista a ela pela manhã.

Dica: se estiver estudando para uma prova, tente repassar na cabeça as respostas em um simulado enquanto adormece.

Caso você tenha passado por um evento traumático ou tenha a memória ruim, tente não pensar nisso antes de dormir, pois pode pressionar a memória e fortalecer as emoções negativas associadas a ela.

Pela mesma razão, evite filmes de terror ou histórias assustadoras na hora de dormir.

Em vez disso, concentre-se em algo positivo que você aprendeu ou experimentou durante o dia para que seja consolidado.

8 – Acorde bem

Todo mundo sabe que o sono é importante. Com menos de cinco horas de sono, você não fica tão forte mentalmente. Já se dormir mais de 10 horas, pode sentir os efeitos do “jet lag”.

Mas a chave para ajudar você a ter um desempenho melhor ao longo do dia é como você acorda.

Idealmente, durma em um quarto escuro e acorde com luz natural, que vá aumentando gradualmente.

Essa luz penetra nas pálpebras fechadas e estimula o cérebro para que tenhamos uma resposta maior de cortisol ao despertar.

A quantidade de cortisol no corpo quando você acorda afeta o desempenho do cérebro durante o dia.

Dica: compre um despertador luminoso que simule a luz do sol para ajudar você a acordar naturalmente.

Para quem tem o sono profundo, vale a pena se certificar de que o despertador venha com um alarme de som tradicional acoplado.

Fonte: BBC Brasil

05 set
Viver na era da impaciência

Impacientes. Estamos cada vez mais impacientes. As novas tecnologias estão mudando nossas vidas e alterando nossa relação com o tempo. Por um lado, temos a impressão de que voa, alimentado pelo dispositivo que se tornou uma extensão do nosso corpo, o onipresente celular, uma caixa de surpresas, entretenimento e dispersão que nunca se fecha e parece sempre disposta a nos oferecer uma nova distração. Por outro lado, há momentos em que esse mesmo artefato funciona como um verdadeiro congelador de instantes: tudo para à espera de uma resposta que nunca chega; e então parece que o tempo se alonga.

A psicóloga australiana Aoife McLoughlin publicou em novembro de 2015 um estudo que demonstrou que nosso corpo percebe o tempo de maneira diferente quando passamos longos períodos conectados a dispositivos eletrônicos. Um estudo realizado na Universidade James Cook (JCU), em Queensland, comprovou que, em pessoas e sociedades tecnocêntricas, os relógios internos parecem ter acelerado seu ritmo; fenômeno que pode ser muito útil para trabalhar mais rápido, por exemplo, mas que também faz as pessoas se sentirem mais pressionadas. À medida que o ritmo de nossas vidas acelera, diz a professora que ensina no campus da JCU em Cingapura, a sensação subjetiva de tempo disponível diminui, o que nos faz sentir a pressão do tempo.

Diversos estudos científicos mostram que a percepção que temos dele está ligada às nossas emoções. Se tudo está bem, o tempo corre. Se estamos entediados, ou em perigo, ou de olho no relógio, tudo fica mais lento. O modo como nosso cérebro representa e percebe o tempo continua sendo um mundo de incógnitas para os pesquisadores.

Não temos um corpo especializado em perceber o tempo. Ignacio Morgado Bernal, diretor do Instituto de Neurociências da Universidade Autônoma de Barcelona, explica que são várias as partes do cérebro envolvidas nessa função: o córtex auditivo, o visual, o pré-frontal, os gânglios basais e até mesmo o cerebelo. A rede de neurônios que se mobiliza para avaliar o tempo é, portanto, muito ampla. Mas o tempo está passando mais rápido do que antes? Formulada a pergunta, Morgado Bernal afirma, em conversa por telefone, que por um lado, quando há mais estímulos no ambiente, parece que tudo passa mais rápido, sim, mas lança uma pergunta: “Estamos vivendo melhor agora? Acho que não, a sobrecarga de informação é uma fonte de estresse. E o aumento do estresse afeta nossa percepção do tempo. Se você se sentir mal, tudo fica mais demorado.”

Ramon Bayés, membro da Academia de Psicologia da Espanha e um dos introdutores da psicologia comportamental e experimental neste país, diz que quanto mais importante é para nós uma mensagem, mais longa parece a espera – menosprezado conceito nestes tempos impacientes. “Os tempos de espera são tempos de incerteza”, diz ele. “E incerteza significa sofrimento.”

O psicólogo Bayés, autor do livro El reloj emocional (Alienta), publicado em 2007, afirma que devemos aprender a controlar o tempo para não sermos controlados por ele. Aposentado (nasceu em Barcelona em 1930), mas ativo, escreve por e-mail: “A tecnologia é um obstáculo se somos impacientes e estamos constantemente esperando mensagens que os outros podem nos enviar. Para contrabalançar esta tirania, na educação, é necessário ensinar o valor da ponderação e o controle da demora.”

Fonte: Zero Hora

01 set
Confira os conteúdos mais acessados no nosso site em agosto

Toda semana tem conteúdo novo nos blogs de Direito, Negócios e Tecnologia

Você já conhece os blogs do iCEV? Toda semana tem conteúdo novo nos blogs de Direito, Negócios e Tecnologia – são artigos, notícias e conteúdos escolhidos ou elaborados especialmente para você, leitor. Além disso, nosso site tem a seção Notícias do iCEV, onde você pode ficar bem informado sobre tudo o que acontece na nossa instituição.

A nossa curadoria separou os melhores conteúdos publicados no mês de agosto – aqueles que foram mais acessados ou comentados nas redes – para você que, por alguma razão, tenha perdido. Confira a nossa lista e siga o seu blog preferido para não ficar de fora.

Melhores do mês

1) De pai pra filho: empreendedorismo é coisa de família?

2) 5 novidades iCEV do semestre 2018.2

3) Curso com Pedro Felipe volta com simulações práticas e casos do STF

4) 7 advogados que fizeram história no Brasil

5) Volta às aulas tem pizzada e palestra sobre mente vencedora

 

29 ago
Como conquistar uma rotina produtiva e positiva

Como é a sua rotina?

Nos trabalhos de mentoria que faço para gestão e planejamento de carreiras e no apoio a empreendedores, sempre concluo buscando que o mentorado tenha construído uma rotina com atividades que o ajudem no atingimento dos seus objetivos, definidos durante o processo.

A rotina muitas vezes é vista como algo não muito agradável pois traz uma repetição de atividades e pode colocar as pessoas no modo automático, sem espaço para novas experiências, para inovação ou a devida atenção aos detalhes e nuances no dia a dia.

Mas ao mesmo tempo, uma rotina representada no planejamento de uma agenda com atividades regulares, pode ser uma poderosa ferramenta no desenvolvimento de bons hábitos e também para o condicionamento de comportamentos positivos e produtivos.

Quando desenvolvemos um plano, estratégico ou não, de carreira ou para empreender, um dos grandes desafios está em como executar este. A recomendação adotada nas mentorias é você definir primeiro quanto tempo tem para dedicar ao seu plano, podendo ir de minutos por dia a dias inteiros e depois alocar as atividades definidas no plano, em um cronograma semanal.

Muito se fala sobre hábitos positivos e produtivos, e até em alguma técnica ou atividade ou exercício para desenvolvimento destes hábitos, mas como efetivamente algo se torna um hábito? Através da repetição, da regularidade e do aprendizado com a execução / prática.

É muito comum vermos as séries de exercícios nas academias de ginástica, que fazem parte do treinamento frequente das pessoas que buscam um condicionamento físico melhor, mais saúde e algum outro objetivo. Na gestão da carreira e no empreendedorismo o mesmo deve acontecer.

A busca por clientes (prospecção), a revisão das métricas do negócio, as atividades para aumentar seu Capital Social, a investigação de empresas e modelos de negócios, são atividades que devem fazer parte da rotina e da agenda dos profissionais e empreendedores e podem ser definidas e monitoradas, assim.

Uma agenda bem montada para a semana, com todas as atividades, permite um melhor desenvolvimento das características do ALFREDO (Atitude, Liderança, Foco, Resultados, Empatia, Disciplina e Organização). Isto fará sua agenda ser mais produtiva e contribuir efetivamente para o atingimento dos seus objetivos.

Também é desejável que se inclua na rotina os momentos de ócio, que incluem o descanso (horas de sono e quem sabe até uma sonequinha após o almoço) e os momentos criativos para se colocar em um ambiente e em condições que ajudem a reflexão, o desenvolvimento do seu reportório e o brotar de ideias.

Hoje mesmo estive em um cliente onde sou advisor de estratégia e marketing, quando descobrimos que alguns dos controles de atendimento ao cliente não estavam atualizados. A pergunta que deixei foi: em que rotina e de quem, deveria estar incluída a função de atualizar os dados dos clientes atendidos para follow-up e depois quem deveria revisar regularmente os indicadores de conversão. Estávamos justamente abordando a questão de uma orientação da empresa com o cliente no centro da estratégia e uma cultura analítica de dados, incluindo a medição dos objetivos, do desempenho, dos resultados, etc, sempre com o cliente no foco. A ideia é criar uma ou várias rotinas para as ações chave do plano.

Aprendemos em casa, na educação, sobre bons hábitos como arrumar a cama, dormir cedo para acorda cedo, cumprir com as obrigações antes da diversão, etc. Estes são hábitos, que fazem parte da rotina desde cedo.

Já se falou também que a prática, o treinamento é o que leva ao verdadeiro aperfeiçoamento, tendo até referencias como 10 mil horas de prática para se ficar como em algo (música, esportes etc). Tudo faz parte de uma rotina de atividades.

Outro fator que gosto de lembrar aos mentorados é que a rotina pode ter um aspecto competitivo. Imagine que dois candidatos com habilidades similares estão em busca de uma posição, empresa ou cliente, sendo que um deles monta um rotina que dedica do dobro de horas para esta busca. Quem terá mais chance de conseguir o objetivo?

A rotina deve ser ampla, e incluir um equilíbrio de atividades em diversas áreas, pois apesar do exemplo acima dar a impressão que se deve alocar o máximo de tempo para o atingimento de um objetivo e para eventualmente chegar lá antes da concorrência, não se deve ter um único objetivo (por exemplo profissional ou financeiro), de curto ou de longo prazo, e deixar todo o resto de fora da sua rotina, outras áreas como saúde, família etc. O desequilíbrio acaba cobrando seu preço, então o recomendado é ter objetivos amplos e equilibrados, planejar ações nas diferentes áreas, alocar o tempo necessário e competitivo e assim construir uma rotina produtiva e positiva.

Rotinas também podem contribuir para a criação ou o desenvolvimento de culturas corporativas. Já vimos rituais, por exemplo, para a celebração de conquistas, ou para rampa de novos colaboradores, ou para estar em contato com clientes e parceiros. É possível criar uma rotina para o empreendimento / empresa, além das atividades regulares individuais e com isto ir criando uma cultura corporativa que traga produtividade e resultados de acordo com seus valores.

Algumas empresas possuem as reuniões de post-mortem para cada projeto, que eu chamava de “Learning & Results”, então antes mesmo do projeto ser iniciado já se sabe que no final haverá uma documentação, uma análise dos resultados e dos aprendizados para que se possa evoluir e usar este conhecimento e as referências para os próximos projetos.

Uma rotina de aprendizado é característica das empresas de classe mundial, que buscam aprender e administrar o seu Capital Intelectual, com a frequência de atividades, como a reunião de “Learnings & Results”. Isto também pode se aplicar para indivíduos.

A administração do Capital Financeiro, muito relevante no empreendedorismo e na gestão pessoal, também deve ser incluída em uma rotina que envolve controles, análises e decisões sobre várias opções de alocação e busca de recursos.

A rotina as vezes é muito criticada, por engessar modelos e por ser uma muleta quando algo dá errado, levando a culpa porque as pessoas seguiram a ordem de execução das atividades planejadas, sem refletir ou flexibilizar sua prática e sem entender a razão de ser destas atividades. Aí a ferramenta ou técnica para implantação do seu plano deixa de ser  produtiva e positiva, então isto requer uma atenção próxima e uma revisão constante, com engajamento de todos.

Pronto?

Como está sua rotina atual?

Dá para ser mais produtivo e positivo e criar bons hábitos?

Mãos à obra.

Por Elber Mazaro
Fonte: Startupi

22 ago
3 características que um profissional de sucesso deve reunir

Não se torture relacionando sucesso profissional apenas à conquista dos melhores cargos e salários. A dica é Fernando Mantovani, diretor-geral da Robert Half, empresa de executive search. “Também é bem-sucedido aquele que encontra outros motivos – além dos financeiros – para ser feliz nas atividades que realiza, em uma posição menos glamorosa ou pela companhia onde se encontra”, alerta.

No livro “Liderar com o coração”, do técnico de basquete Mike Krzyzeweski – conhecido como Coach K –, o norte-americano revela que sempre espera que os atletas de seu time entrem em jogo e nos treinos com paixão, excelência e estabilidade. E, na visão do executivo, essas são três importantes características que um profissional de sucesso deve reunir.

Paixão

Em geral, durante a semana, as atividades profissionais tomam a maior parte do nosso tempo. Imagine como será difícil cumprir o expediente, vencer desafios e atingir metas se nada em volta despertar sua motivação? “Dessa forma, busque a sua paixão no trabalho, seja ela, por exemplo, a empresa, a equipe, o chefe, as atividades em si, o propósito das ações ou o conforto que a remuneração desse trabalho te proporciona. Se conseguir unir tudo, melhor ainda”, aconselha Mantovani.

Excelência

Executar apenas as ações solicitadas está fora de cogitação para profissionais que desejam garantir a empregabilidade. É preciso ir além, mostrar a capacidade de ter uma visão completa das ações e, sempre que possível, se antecipar aos problemas. Diante de crises, os empregadores admiram profissionais que mapeiem soluções e proponham ações corretivas no processo que resultou no dano.

Estabilidade

Cada vez mais o mercado pede por profissionais que apresentem equilíbrio emocional para encontrar as melhores soluções para cumprir metas, mesmo diante das adversidades do dia a dia, de momentos de pressão e do contato com perfis diversos entre pares, subordinados, superiores, clientes ou fornecedores. Isso tudo requer maturidade, e eu não estou me referindo a idade.

“Desenvolver ou aprimorar as características listadas não é garantia exata de sucesso, mas, certamente, aumentará as chances de êxito de maneira considerável. Mude as atitudes como forma de treino, depois incorpore à sua rotina e, quando se der conta, esse novo perfil será parte do seu DNA”, finaliza ele.

Fonte: ITF Mídia

08 ago
5 novidades iCEV do semestre 2018.2

1 – Sob nova direção

O professor Thiago Rodrigo é empreendedor com experiência de dar inveja: são 10 anos de sala de aula e mais de 5 mil alunos e uma história pessoal de muita determinação. Agora ele assume a coordenação do curso de Administração de Empresas no iCEV. Chegou a fazer 3 graduações ao mesmo tempo até o coração bater mais forte para o mundo dos negócios. Thiago é mestre em Administração pela Universidade de Fortaleza e tem pesquisa na área de Empreendedorismo, Educação e Gestão. Vem seguir ele!

 

2 – Quer passar em concurso? Pergunte-me como 

A disciplina  Teoria Geral do Processo no Direito chega com tudo no segundo período do curso de Direito! E quem comanda é nada menos que o professor e juiz Nazareno Reis, que, além de talento para docência tem um currículo impressionante de aprovações em concursos: antes de ser juiz, foi aprovado nos certames para procurador do INSS, analista da Justiça Federal e analista do Ministério Público. Detalhe: sempre em primeiro lugar. Quer saber mais? Clica aqui.

 

3 – Se não for pra ser pioneiro eu nem vou

O professor Leonardo Ribeiro Gonçalves acabou de voltar do mestrado em Direito da Regulação na FGV do Rio e está super antenado com as novas vertentes de estudo sobre Análise Econômica do Direito. Os alunos do iCEV são estimulados, desde cedo, a compreender e analisar o Direito sob a perspectiva econômica, alinhado com as novas necessidades de mercado. Somos a única instituição do Piauí a oferecer essa disciplina na graduação. Vanguarda, que chama, né?

 

4 – TQR 

Chegou a vez do queridão de todos entrar em ação! Gorthon Moritz vai relacionar assuntos pertinentes à Contabilidade aplicada à Administração, orientando desde cedo os estudantes a extrair informações das demonstrações contábeis para auxiliar nas tomadas de decisão. A disciplina é Fundamentos da Contabilidade na Administração. Bagagem de sala de aula o Gorthon tem de sobra, agora se você quiser saber o lado B desse professorzão, a gente dá uma mãozinha aqui.

 

5 – Escrever um livro, plantar uma árvore, criar uma startup

A partir deste semestre o encontro com a tecnologia e inovação tem data marcada com os alunos da Escola de Negócios e Gestão: todo sábado é dia de testar novas ideias no Laboratório de Práticas Empreendedoras – o hub iCEV  é uma incubadora de startups, onde jovens empreendedores e desenvolvedores trocam experiências e conhecimentos sob a supervisão dos mestres Victor Hugo e Thiago Rodrigo. Você tem alguma dúvida de que grandes negócios sairão daqui?

 

 

02 ago
Confira os conteúdos mais acessados no nosso site em julho

Toda semana tem conteúdo novo nos blogs de Direito, Negócios e Tecnologia

Você já conhece os blogs do iCEV? Toda semana tem conteúdo novo nos blogs de Direito, Negócios e Tecnologia – são artigos, notícias e conteúdos escolhidos ou elaborados especialmente para você, leitor. Além disso, nosso site tem a seção Notícias do iCEV, onde você pode ficar bem informado sobre tudo o que acontece na nossa instituição.

A nossa curadoria separou os melhores conteúdos publicados no mês de julho – aqueles que foram mais acessados ou comentados nas redes – para você que, por alguma razão, tenha perdido. Confira a nossa lista e siga o seu blog preferido para não ficar de fora.

Melhores do mês

1 – “Vai advogar ou fazer concurso?” Nem um, nem outro!

2 – #tbt iCEV: Relembre os momentos que marcaram o primeiro semestre!

3 – Falar bem não é fácil – mas tem como aprender

4 – 3 mitos sobre a poupança: a queridinha dos brasileiros pode ser uma armadilha?

5 – A mistificação do Direito

25 jul
3 dicas para um aprendizado mais rápido e efetivo

Qual a melhor forma de aprender coisas novas? Essa pergunta, sempre atual, ganha novo significado em tempos de imediatismo e exigências profissionais cada vez maiores: “qual a forma mais rápida de aprender algo?” talvez seja a questão que muitos querem ver respondida.

Para fugir de um processo de aprendizado tedioso e que tome mais tempo que o necessário, David Hoffeld, CEO da empresa de treinamento, coaching e consultoria em vendas Hoffeld Group e autor do livro The Science of Selling (A ciência das vendas, em tradução livre), listou, em artigo na Fast Company, as três principais dicas para quem quer ganhar novos conhecimentos de forma rápida e efetiva.

Aprender em doses pequenas

Para Hoffeld, a primeira lição é que a chance de fixarmos algo em nossa mente é maior se estudarmos o assunto diversas vezes por curtos períodos, em vez de tentar aprender de uma vez só, dedicando horas seguidas para isso. É o chamado “efeito de espaçamento”, a tese de que o desenvolvimento de habilidades é mais eficiente quando a revisitamos o tema de tempos em tempos.

Isso não implica me um processo de aprendizado mais demorado. “Como o efeito de espaçamento estimula a retenção de informações, estender o processo de aprendizado em um certo período de tempo reduz a chance de que você tenha que relembrar o que aprendeu, ou mesmo recomeçar do zero um mês ou um ano depois”, explica. Ou seja, a principal arma do aprendizado de longo prazo é combater o esquecimento.

O segredo do cérebro

A maioria das pessoas, quando quer aprender algo, foca em compreender o tema. Mas para Hoffeld, tão importante quanto a compreensão é a repetição do esforço. Isso é necessário para acostumar partes extremamente importantes do nosso cérebro: os núcleos da base, que desempenham papel fundamental no desenvolvimento das funções motoras.

Esses núcleos aprendem devagar e precisam de constantes estímulos. Por isso, é possível saber como algo funciona em teoria, mas dominar completamente a prática é muito mais difícil.

“Quando se ensina uma criança a andar de bicicleta, você pode explicar como pedalar em poucos minutos. Mas, ainda que ela entenda como funciona a bicicleta, as primeiras tentativas provavelmente não terão sucesso. Isso porque, assim como outras habilidades, andar de bicicleta requer treinar os núcleos da base do cérebro, o que demanda repetição”, cita Hoffeld.

Dez minutos de atenção

Um dos maiores obstáculos ao aprendizado efetivo, diz o empreendedor, são as distrações. Manter atenção máxima ao que estamos aprendendo é chave para absorver a totalidade do assunto, e, para Hoffeld, é uma ilusão achar quer conseguimos fazer isso por longos períodos de estudo. A solução, diz, é o que neurocientistas chamam de “microaprendizado”: quebrar as sessões em períodos bem curtos, mas com foco total naquilo.

“Pesquisas indicam que a habilidade do cérebro de prestar atenção normalmente varia de perto de zero até cerca de dez minutos. Então foque em desenvolver conhecimentos a partir de pequenas e numerosas sessões. Isso vai te ajudar a dar atenção máxima à tarefa e obter o maior resultado no menor tempo possível”, sugere.

Além de ser mais efetivo, o método reforça o já citado efeito de espaçamento, “esticando” o aprendizado em múltiplos períodos de estudo, e também o estímulo repetitivo aos núcleos da base do cérebro. “Sessões rápidas e focadas de repetição podem parecer ineficientes quando você as planeja em seu calendário. Mas do ponto de vista do seu cérebro, é a rota mais rápida para a maestria em qualquer assunto”, garante David Hoffeld.

Fonte: Época Negócios

24 jul
As 4 maneiras mais produtivas para aproveitar o tempo de folga

Para fugir do estresse cotidiano não é necessário que o destino final seja uma ilha remota. Na verdade, segundo  Elizabeth Grace Saunders, coach de gerenciamento do tempo escreve para a Harvard Business Review, muitas pessoas ficam exaustas só de pensar no planejamento – e do investimento – que uma grande viagem requer.

A especialista defende tirar “mini-férias”, reservando algumas horas ou até dois dias livres nos finais de semana para fugir da rotina sem adicionar mais tarefas ao dia a dia corrido.

Testando em sua rotina, ela disse que a prática traz mais felicidade e leveza. Para quem se sente exausto, parar por apenas algumas horas para se desligar com certa regularidade pode ter benefícios à saúde no longo prazo.

Confira com as quatro formas mais produtivas para aproveitar o tempo de descanso:

Dois dias

Viagens de final de semana e para lugares próximos são uma opção econômica e sem as preocupações a mais do planejamento necessário para um longo período fora.

Não é preciso escolher o local com cuidado ou fazer um roteiro detalhado, apenas uma jornada de algumas horas para um destino diferente pode refrescar a mente e recarregar a energia.

Um dia

Todo mundo tem aquela lista de tarefas que nunca se resolvem. E resolver até o menor dos problemas pode trazer grande alívio para seu cotidiano. Quem não gosta da sensação de missão cumprida?

É importante que as tarefas não tenham relação com o trabalho, mas com a vida pessoal. É um tempo para cuidar de si mesmo: marcar manicure, cabeleireiro, organizar a casa ou escolher móveis novos. Tudo pode ser feito sem pressa e vai significar uma pendência menos no caminho.

Algumas horas

Quando foi a última vez que você viu aquele amigo querido? Ou que saiu com seu parceiro sem as crianças? Com o tempo, fica difícil equilibrar o tempo dedicado à família, aos amigos e ao trabalho. Pensar ativamente no tempo de folga como uma oportunidade para socializar ajuda a encontrar um equilíbrio.

Enquanto trabalha

Pode parecer estranho, afinal você ainda estará trabalhando. No entanto, quem tem a opção de trabalho remoto pode se beneficiar com a mudança de ambiente. O escritório pode ser estressante por si só, com colegas fazendo barulhos, reuniões de última hora e o local fechado.

Além de ganhar o tempo gasto no transporte para o trabalho, encontrar um lugar calmo e ao sol para trabalhar é relaxante.

Fonte: Exame

18 jul
O professor de Harvard que ensina a ser feliz

Os cursos mais populares da Universidade Harvard, nos Estados Unidos, não ensinam medicina nem direito, mas felicidade. No ano passado, mais de 1 000 alunos se inscreveram para assistir às aulas do professor Tal Ben-Shahar, que usa um ramo da psicologia para ajudar os estudantes de graduação na busca da realização pessoal.

Na primeira vez que ministrou o curso, há dez anos, oito pessoas se inscreveram. A fama cresceu e, embora os alunos façam trabalhos, não recebem notas, mas algo mais pessoal. “Eles falam que a aula muda a vida deles”, diz Tal. Nesta entrevista, ele mostra como encontrar satisfação profissional e pessoal.

 Aulas que têm como enfoque otimismo e felicidade não são algo comum em uma universidade tradicional como Harvard. Por que criou o curso?

Tal Ben-Shahar – Comecei a estudar psicologia positiva e a ciência da felicidade porque me sentia infeliz. No meu segundo ano de estudante em Harvard, quando cursava ciência da computação, eu era bem-sucedido, pois tinha boas notas e tempo para atividades que me davam prazer, como jogar squash. Mesmo assim era infeliz.

Para entender por que, mudei de área e fui cursar filosofia e psicologia. Meu objetivo era responder a duas perguntas: por que estou triste e como posso ficar feliz? Estudar isso me ajudou, e decidi compartilhar o que aprendi.

 Uma pesquisa de doutorado feita no Brasil revela visões diferentes do que é ser bem-sucedido, que vão além de dinheiro e poder. As pessoas buscam algo mais profundo?

Tal Ben-Shahar – Sucesso não traz, necessariamente, felicidade. Ter dinheiro ou ser famoso só nos faz ter faíscas de alegria. A definição de sucesso para as gerações mais novas mudou. Não é que as pessoas não busquem dinheiro e poder, mas há outros incentivos.

No passado, sucesso era definido de maneira restrita, e as pessoas ficavam numa empresa até a aposentadoria. Agora, há uma ânsia por ascender no trabalho, ter equilíbrio na vida pessoal e encontrar um propósito.

Qual a principal lição sobre a felicidade o senhor aprendeu? 

O que realmente interfere na felicidade é o tempo que passamos com pessoas que são importantes para nós, como amigos e familiares — mas só se você estiver por inteiro: não adianta ficar no celular quando se encontrar com quem você ama. Hoje, muita gente prioriza o trabalho em vez dos relacionamentos, e isso aumenta a infelicidade.

 Descobrir para onde queremos ir seria a grande questão?

Muita gente não sabe o que pretende da vida simplesmente porque nunca pensou sobre o assunto. As pessoas vivem no piloto automático. Ouvem de alguém que deveriam ser advogado ou médico, e acreditam em vez de se perguntar do que gostam. Essa é a questão fundamental.

 Como aplicar as diretrizes da psicologia positiva no dia a dia do trabalho?

Uma maneira é pensar nos progressos diários que um profissional alcança no fim de cada dia. Segundo uma pesquisa de Teresa Amabile, professora de administração da Harvard Business School, quem faz isso tem índices mais altos de satisfação e é mais produtivo.

Deve-se também valorizar os próprios pontos fortes e, no caso dos chefes, os pontos fortes das pessoas da equipe, o que aumenta a eficiência dos times. Isso não significa deixar de lado as fraquezas, que devem ser gerenciadas. Apenas que a maior parte da energia precisa ser gasta fortalecendo os pontos fortes ao máximo.

Dá para fazer isso mesmo em momentos de crise ou de baixo desempenho?

Sim, desde que os profissionais sejam realistas. Em 2000, quando Jack Welch­ (ex-presidente da GE e referência em gestão) foi nomeado o gerente do século pela revista Fortune, perguntaram que conselho ele daria a outros gerentes. A resposta foi: aprendam a encarar a realidade.

O mesmo se aplica nesse caso. A psicologia positiva não defende que os erros e os pontos fracos sejam ignorados. Apenas propõe uma mudança de foco: parar de enxergar só o que vai mal e ver o que dá certo — mesmo nas crises. A proposta é observar o quadro completo da realidade.

Qual sua opinião sobre o discurso de que basta fazer o que ama para encontrar satisfação profissional?

Isso pode ser a solução para alguns. Na maioria dos lugares e trabalhos, é possível identificar aspectos significativos para cada pessoa. Uma pesquisa feita com profissionais que trabalham em hospitais mostrou que tanto no caso de médicos quanto de enfermeiros e auxiliares havia profissionais que enxergavam o trabalho como um chamado e outros que o viam apenas como um emprego.

Em outras palavras, o foco que damos ao trabalho acaba sendo mais importante do que a natureza dele. Alguém que é funcionário de um banco pode pensar que trabalha com planilhas o dia todo ou que está ajudando as pessoas a gerenciar sua vida.

O jornalista britânico Oliver Burkeman defende que não se deve buscar felicidade, mas o equilíbrio, pois ninguém pode ser feliz sempre. O que acha disso?

Concordo. A primeira lição que dou na minha aula é que nós precisamos nos conceder a permissão de sermos seres humanos. Isso significa vivenciar emoções dolorosas, como raiva, tristeza e decepção. Temos dificuldade de aceitar que todo mundo sente essas emoções às vezes. Não aceitar isso leva à frustração e à infelicidade.

Você é feliz? 

Eu me considero mais feliz hoje do que há 20 anos e creio que serei ainda mais feliz daqui a cinco anos. A felicidade não é estática. É um processo que termina apenas com a morte. Encontrei significado em meu trabalho e faço o que me dá prazer, mesmo tendo, como todo mundo, momentos de estresse e sofrimento — esse é o equilíbrio que todo profissional deve almejar.

Mas também procuro desfrutar de coisas fora do mundo do trabalho: passar tempo com minha família, com meus amigos e encontrar um espaço na agenda para a ioga. Tudo com moderação.

Fonte: Exame

11 jul
7 conselhos para você melhorar o desempenho no trabalho e da sua carreira

Você já parou para pensar se tem alta performance no seu trabalho? Na sua vida pessoal? Na sua vida relacional? Na sua qualidade de vida? Vivemos em uma sociedade onde a cobrança por resultados e desempenho tem se tornado cada vez mais frequente. Às vezes nem sabemos ao certo o que é alta performance, mas sabemos que é preciso alcançá-la.

O que é alta performance, afinal?

Segundo os dicionários, alta performance é atingir o seu potencial ao máximo e poder desfrutar de tudo que suas habilidades podem proporcionar. Ter alta performance implica produtividade e entrega de resultados.

Fruto da minha própria experiência e vivência listei sete segredos da alta performance que compartilho aqui, para que você, leitor, possa desenvolver uma mente de alta performance.

São eles:

1 – Clareza nos objetivos

Você pode não saber para onde REALMENTE DESEJA ir, mas precisa definir com clareza para onde está indo. Procure sempre definir seu rumo e manter isso claro em sua mente. Você verá que vai chegar lá muito mais frequentemente e muito mais rápido.

2 – O poder do aqui e agora

É necessário ter consciência de seu momento e da sua presença física e temporal. Como saberemos se estamos presentes em determinadas situações, ou não? O meio mais simples para isso é perguntarmos:

Em quais níveis de presença emocional e física, estou neste exato momento?

Imagine uma escala de 1 a 10. Imaginou?

3- Motivação com disciplina

Motivação é aquela força interior que todos temos e que se modifica ao longo da vida, nos direcionando para os nossos objetivos.

Disciplina é capacidade do ser humano de se manter focado naquilo que é necessário para alcançar um objetivo traçado. Ou seja: a pessoa sabe o que precisa fazer e o faz com toda a dedicação até que sua meta seja alcançada.

4- Foco no positivo

Aquilo em que você coloca o seu foco tende a aumentar na vida e a afetar a maneira como você percebe a realidade.

Foco total na ação positiva, emoções positivas, pensamentos e crenças positivas, linguagem positiva, resultados positivos.

5 – “Mindset”/Feedback

Nosso mindset – define nosso nível de empenho, em nossas ações na busca de melhores resultados. Tudo começa em nossa mente. Nossas crenças, valores, regras e necessidades, nos definem. Definem quem somos.

Tenha maturidade e principalmente profissionalismo para receber Feedbacks em algo que você fez ou desempenhou. Você só tem a ganhar com isso, renovando suas habilidades e aprimorando cada vez mais suas tarefas.

Lembre de situações em que você deu o seu melhor. Alta performance, significa ser o seu melhor.

6 – Resiliência

Uma pessoa que tem resiliência é alguém que sabe superar as dificuldades e desafios que se apresentam. Se você sabe superar a si mesmo, seus diálogos internos negativos, suas crises pessoais, você já está na metade do caminho para atingir seus objetivos.

7 – Sentir gratidão

Reconheça o poder da gratidão em todos momentos e conquistas, até pelas pequenas coisas. Comece a agradecer e ficará impressionado como terá mais coisas para ser grato. A gratidão é um processo poderoso de transformar sua energia e conquistar o que você quer.

E por fim, quando estamos em um estado de alta performance, somos capazes de influenciar os outros. Podemos transmitir nosso entusiasmo através de nossa presença. Automaticamente, as outras pessoas também se tornarão entusiasmadas, e terão uma alta performance.

Mãos à obra, não é só pensar em fazer, planejar o fazer, falar que vai fazer é fazer. Então comece a agir. Cresça. Desafie-se. Busque e alcance o sucesso.

Fonte: Ana Slaviero*/ IDG Now

(*) Ana Slaviero é especialista em transição de carreiras, palestrante e coach 

 

Tem uma pergunta?
Nós estamos aqui para ajudar. Envie-nos um e-mail ou ligue-nos para (86) 3133-7070
Entrar em contato!
© 2017 iCEV Instituto de Ensino Superior