fbpx

24 dez
Qualidade de vida – 14 dicas de comportamento para você exercitar

01 – Planejamento

 Planeje a sua semana, o seu dia, e até as próximas oito horas, porém não abra mão de sua liberdade de ação, criatividade e improviso, e acima de tudo não seja dependente de nada e de ninguém e tão pouco faça com que as pessoas sejam dependentes de você.

(“Não acrescente dias à sua vida, mas vida aos seus dias” – Harry Benjamin- 1885-1986).

02 – Concentração

 Centralize o seu foco de corpo e alma em cada coisa que vá fazer, procurando fazê-la de forma certa e na primeira vez. Não se permita tentar fazer várias coisas ao mesmo tempo. Pesquisas comprovam que quando se tenta fazer inúmeras coisas ao mesmo tempo, nada sai próximo do razoável, além da sua mente ficar em frangalhos.

(“Nossa mente nunca está bem a não ser quando está em paz consigo mesma.” – Sêneca – Corduba, Hispânia, 4 a.C. — Roma, 65 d.C. ).

 

03 – Se desligar

 A cada duas horas de trabalho concentrado, de uma pausa de dez a quinze minutos. Saia para se arejar, tomar uma água e aproveite para falar com pessoas sobre outros assuntos.

(“O trabalho mais produtivo é aquele que sai das mãos de uma pessoa alegre.” – Victor Pauchet – médico francês, 1869-1936).

04 – Ignore o ser insubstituível

Pense! O que vai acontecer seu eu der uma parada agora! Saiba que nada vai acontecer e no outro dia, as coisas vão estar como deixou. O mesmo ocorre em qualquer atividade humana seja na vida familiar, entre amigos ou profissional.

(“Você está sempre livre para mudar de idéias e escolher um futuro ou um passado diferente.” – Richard Bach – Escritor – E.U.A. – 1936).

05 – Não tente ser responsável por tudo e por todos

 Principalmente quando se trata de fazer com que as pessoas estejam felizes todo o tempo. Claro que dentro do possível, você pode até tentar, mas na grande maioria das vezes são as pessoas que não querem.

(“A felicidade não depende do que nos falta, mas do bom uso que fazemos do que temos.” – Thomas Hardy – novelista e poeta inglês – 1840-1928).

 

06 – Ser humilde

Quando precisar de ajuda deixe ao lado o orgulho e a vaidade, peça a aquelas pessoas que Você considera que são neutras, de bom senso e experientes.

(“Quando venço, não sou eu quem vence. De certa forma, termino o trabalho de um grupo de pessoas.” – Ayrton Senna – piloto brasileiro – 1960-1994).

 

07 – Diga não sem se magoar

Você não é obrigado a agradar todas as pessoas e tão pouco se sentir culpado achando que magoou uma ou outra pessoa. Saiba que um “não” bem colocado e no momento certo evita inúmeras e variadas situações.

(“É pior cometer uma injustiça do que sofrê-la, porque quem a comete transforma-se num injusto e quem a sofre não.” – Sócrates – filósofo ateniense – (470–399 a.C.).

 

08 – Identifique quando uma situação é real ou imaginária

Procure diferenciá-los identificando-os rapidamente. Uma das maiores perdas de tempo e ocupação de nossa capacidade mental são perdidos com situações imaginarias ou adivinhações. Utilize o seu tempo e sua mente somente com os fatos e situações reais.

(“A primeira regra é manter o espírito tranquilo. A segunda é enfrentar as coisas de frente e toma-las pelo que realmente são.” – Marcus Aurelius – Romano – 121, imperador romano de 161 a sua morte em 180).

 

09 – Ansiedade e tensões

Ao exercitar os itens acima, com certeza, você não deverá ter qualquer tipo de tensões e ansiedades, a não ser que se envolva com situações de outras pessoas. Neste caso é melhor observar os diálogos, comportamentos e ações, para se tomar uma posição.

(“A arte de escutar é como uma luz que dissipa a escuridão da ignorância.” – Dalai Lama – monge budista Tibetano – Tenzin Gyatso – 1935 –).

10 – Valorize o seu dia a dia

Descubra a satisfação e o prazer das coisas simples que a vida oferece como alimentar-se, passear na praça, ouvir as pessoas mais experientes, dormir algumas horas a mais, tomar três banhos ao dia, ler um bom livro, curtir a família e os amigos, porém manter o que foi conquistado na vida pessoal e profissional e ficar atento para novos desafios.

(“Plante seu jardim e decore sua alma ao invés de esperar que alguém lhe traga flores” – William Shakespeare – dramaturgo e poeta inglês -1564-1616).

 

11 – Atualização

Num mundo globalizado são de vital importância ser atualizado, informado e usando todas as facilidades que os avanços tecnológicos proporcionam, porém não cometa com Você, a indelicadeza de se tornar um escravo das tecnologias.

(“Pessoas inteligentes acreditam em apenas metade do que ouvem. Os perspicazes sabem em que metade deve acreditar.” – Anônimo –).

 

12 –Harmonia no Lar

Nunca transporte qualquer situação ou dificuldades do seu dia a dia para o seu lar. Faça de sua casa uma espécie de refugio espiritual, de alegria, de confraternização e de satisfação em reencontrar todos os dias os seus entes queridos que adoram compartilhar com Você o seu jeito de Ser.

(“Um herói é uma pessoa comum que encontra força para perseverar e resistir aos mais esmagadores obstáculos.” – Christopher Reeve –ator de cinema estadunidense – 1952-2004 –).

 

13 – Aprecie o verde da natureza

 Visite a natureza, faça caminhadas e transpire com a umidade das arvores. Caminhe pela praia entre no mar e encha-se de energias que a Mãe natureza proporciona tanto emocional como fisicamente.
(“Quem olha para fora, sonha; quem olha para dentro, desperta.” – Carl Young – político e advogado canadense – 1941 –).

14 – Flexibilidade

Toda a rigidez de uma rocha, fica bem numa rocha e jamais nos seres humanos. Para os homens cabe a flexibilidade com firmeza.
(“Apenas os sábios e os estúpidos nunca mudam.” – Confúcio –filósofo Chinês – 551 a.C. – 479 a.C.)

21 dez
Parte 2 – Vamos descomplicar! Como fixar com mais facilidade o conteúdo acadêmico?

Agora vamos aprofundar mais um pouco, na Parte 1 você viu que ler repetidas vezes pode não ser a melhor forma de absorção de conteúdo acadêmico. A metacognição pode ser ensinada e aprendida, então na parte 2 vamos mostrar de uma forma mais prática como colocar isso em prática.

Um exemplo guiado de uso de metacognição

Passe por ciclos de análise e identificação “do quê”Quais são os fatos importantes? Quais são os conceitos mais importantes? O que eu entendo? O que eu não entendo?

Depois, mergulhe mais fundo, identificando onde o conhecimento importante se encaixa em um conhecimento pré-existente. Responda as seguintes perguntas nesse processo:

-Como resumiria isso brevemente? Quais são os principais conceitos?

-Isso me lembra algo que eu já conheço nesse domínio do conhecimento?

-Isso me lembra alguma coisa em outro domínio não relacionado do conhecimento?

-Que outras coisas eu sei que apoiam a veracidade desse conceito?

-Posso pensar em outra coisa que conheça que contradiga esse conceito?

-Conheço exemplos concretos ou práticos que ilustram ou iluminam esse conceito?

-Quão desafiador é para mim compreender isso?

-Se este é o QUE, posso explicar o POR QUE? (ou vice-versa, conforme aplicável)

-Por que isso é tão importante saber?

-Eu acho isso interessante? Por que é esse o caso, ou por que não?

-Eu acho isso surpreendente? Por que é isso ou por que não é esse o caso?

-Como posso aplicar isso no mundo real?

Lembrando o que você aprende para sempre

Como você pode se lembrar do que aprendeu para sempre? Esquecer é o normal da mente humana. Isso foi comprovado pelos experimentos realizados por Ebbinghaus há mais de um século. A única maneira de manter deliberadamente sua capacidade de recuperar o conhecimento específico que você deseja lembrar é manter propositadamente suas memórias através da prática de recuperação.

Se esse termo é novo para você, estamos falando em testar sua memória para cada conceito e fato individual. A prática de recuperação pode ser realizada usando flashcards.

O conceito de flashcards é você vincular aos conceitos e fatos em seus materiais de aprendizagem. Então, na prática de recuperação, se tiver dificuldades com uma resposta, é só “clicar em um link” que abrirá o conteúdo de aprendizado de origem no local exato relevante para o cartão de memória flash. Utilizando a memória e voltar rapidamente à sessão de recuperação.

Isso é especialmente útil, pois você pode fazer isso sozinho, a qualquer momento que desejar. A prática também pode ser alcançada estudando-se com amigos ou na escola quando o professor o testar durante discussões em sala de aula, questionários ou exames. Estou muitos anos além da minha fase acadêmica formal da vida, mas, como aprendiz ao longo da vida, os cartões de memória são meu objetivo para as coisas que quero lembrar para sempre.

 

Aviso: Flashcards são uma ferramenta poderosa para fortalecer a capacidade de recall, mas não devem ser usados ​​para aprender algo em primeiro lugar! Consuma e compreenda ativamente o material primeiro. Registre os principais conceitos e fatos que você deseja lembrar, criando flashcards de repetição espaçada. Em seguida, teste e desenvolva sua capacidade de recordar o que aprendeu com cartões de memória flash!

Por que a prática de recuperação é tão poderosa e como você pode torná-la ainda mais eficaz?

Sabemos que toda vez que você recupera uma memória, você a altera e também fortalece sua capacidade de recuperá-la. Com base nas pesquisas atuais, sabemos que as memórias são armazenadas no nível de um agrupamento de sinapses pertencentes a uma coleção de neurônios.

Este grupo de neurônios é chamado de engrama . O neurônio típico tem milhares de sinapses e, sem dúvida, todo neurônio que participa de um engrama armazenando uma memória específica também participa de muitos outros engramas que armazenam outras memórias. Isso explica por que as memórias são tão associativas e por que, quando lembramos de uma memória, rapidamente temos outras memórias surgindo na consciência, o que parece ser uma cascata espontânea.

Se eu pedir para você pensar em pizza, sem dúvida surgirá um fio de pensamentos relacionados e, às vezes, aparentemente não relacionados. Por exemplo, seu primeiro pensamento em pizza pode provocar uma lembrança de seu primeiro encontro com seu cônjuge quando você foi a uma pizzaria. Esse pensamento pode levar a lembrar que hoje de manhã sua querida esposa pediu para você voltar para casa mais cedo hoje. Então você deve se lembrar de que está aborrecido por ter que cumprir a obrigação de jantar que está correndo para casa para participar. É assim que a Internet do nosso cérebro funciona.

Somos abençoados com uma capacidade de armazenamento quase ilimitada para memórias, mas o problema é recuperá-las quando precisamos delas. É disso que se trata o esquecimento e a experiência da ponta da língua.

Quando praticamos a recuperação, fortalecemos nossa capacidade de recordar essa memória. Isso ocorre porque fortalecemos as conexões sinápticas do engrama da memória. Mas também criamos novas associações cada vez que recuperamos uma memória, ao vinculá-la às circunstâncias e ao contexto em que estamos, toda vez que a recuperamos.

A ciência cognitiva e a neurociência maximizam os neurônios que disparam juntos, são um truísmo e estão incorporados no poder da prática de recuperação deliberada. Cada vez que você pratica a recuperação de um fato ou conceito, facilita a recuperação novamente no futuro.

 

Mas é escalável praticar a recuperação de todos os fatos e conceitos acadêmicos que você gostaria de manter ao seu alcance?

Imagine que você tenha uma coleção de 20.000 flashcards dos conceitos e fatos acadêmicos dos quais deseja se lembrar facilmente. O que você faz quando acorda todas as manhãs? Praticar a recuperação de todos os 20.000?

É aqui que entra a repetição espaçada, espaçamento AKA. O espaçamento permite que você pratique apenas o pequeno subconjunto de sua coleção que você provavelmente está próximo de esquecer. Com um bom algoritmo de espaçamento que seleciona e programa sua prática diária, provavelmente estamos falando em revisar menos de 100 cartões por dia dentre os 20.000 que estão em sua coleção há pelo menos um mês. (Os flashcards mais recentes geralmente precisam de prática mais frequente durante o primeiro mês.)

Os algoritmos de espaçamento geralmente levam em consideração a sua classificação de quão facilmente você conseguiu recuperar a resposta correta no tempo anterior em que praticou o flashcard e o período de tempo desde a última vez que praticou.

Além de tornar escalável o gerenciamento de uma grande coleção de cartões de memória flash, a outra grande vantagem do espaçamento é que você deve praticar a recuperação de maneira ideal quando estiver perto de esquecer uma resposta, mas não atravessar completamente para concluir o esquecimento. Quanto mais esforço for necessário para recuperar uma resposta, mais forte será o efeito de desenvolver sua capacidade de recordar esse conceito ou fato no futuro.

Principais Conclusões

Não há habilidade que você possa dominar que seja mais valiosa do que a capacidade de consumir conteúdo acadêmico com uma mente questionadora, utilizando a metacognição. Ao pensar em sua interação consciente com o conteúdo e ter um diálogo interno enquanto o processa, você pode identificar as partes importantes, controlar o seu nível de atenção e compreensão e considerar cuidadosamente onde esses novos aprendizados se encaixam no universo daquilo que você já conhece.

Ao criar sua base de conhecimento, crie o hábito e a prática de capturar seus aprendizados em flashcards de repetição espaçada enquanto consome seus materiais de aprendizagem. Então, todos os dias, pratique a recuperação desse pequeno subconjunto de cartas que você está quase esquecendo. Você descobrirá que pode manter, continuamente, todos os aprendizados que deseja lembrar. Para sempre.

 

 

20 dez
Vamos descomplicar! Como fixar com mais facilidade o conteúdo acadêmico?

Metacognição e recuperação espaçada: técnicas de aprendizagem apoiadas pela ciência que funcionam

Todo o seu conhecimento conceitual e memória autobiográfica é uma coleção de histórias. Eles estão todos conectados, como os muitos URLs que juntos formam a web mundial. Como a web, se uma “página” em seu conhecimento e memória “intranet” não tiver outras páginas vinculadas a ela, você não poderá mais recuperar esse órfão e deixará de ser conhecimento.

Seu conhecimento conceitual é parte de uma narrativa da sua voz interior. À medida que você encontra novas oportunidades de aprender, brinca com os novos conceitos e fatos e fala sobre eles usando a voz interior. Inconscientemente, você os vincula às coisas que você já conhece, às histórias que você já internalizou.

Quero ensiná-lo a manter deliberadamente esse diálogo interno consigo mesmo e fazê-lo de uma maneira que o torne um aprendiz poderoso ao vincular intencionalmente sua memória e conhecimento através da narrativa.

Essa habilidade, quando aplicada com consciência, é chamada metacognição, pensando sobre seu pensamento. E mais do que simplesmente pensar sobre pensamento, você deve exercitar o autocontrole e fazer escolhas em como você regula sua cognição e aprendizagem.

 

Uma Introdução à Aquisição e Manutenção de Conhecimento

Você deve empregar duas etapas distintas baseadas em ciência:

– O primeiro passo é a fase de aquisição de conhecimento, alimentada pela metacognição. Aqui você consumirá materiais de aprendizagem de uma nova maneira que permitirá não apenas armazená-los na memória, mas também recuperá-los à vontade, o que leva a…

– A segunda etapa, que é um plano permanente de manutenção do conhecimento,baseado na prática de acessar o que você aprendeu e no espaçamento dessas práticas ao longo do tempo.

Aproveite essas táticas, e você não apenas será um aluno estrela, mas também se lembrará do que aprendeu para sempre.

 

Seu principal objetivo ao abordar seus materiais de aprendizagem é extrair todos os conceitos e fatos importantes. Você precisará processar essas informações de maneiras muito específicas, a fim de criar uma infraestrutura de conhecimento que forneça a base para os processos de pensamento de ordem superior mais tarde.

Pense da seguinte maneira: o que você aprende e se compromete com a memória forma uma base sobre a qual se constrói um pensamento e uma análise mais complicados. Você poderá pegar o que aprendeu e brincar com ele, desenvolver, aplicar, avaliar e criar com ele. Você terá uma enorme satisfação ao usar tudo o que aprendeu, em vários domínios do conhecimento, para criar mashups que entregam novas invenções e ideias ao mundo.

Como processar e extrair as pérolas em seus materiais de aprendizagem

Uma das maiores ineficiências, endêmica entre os alunos enquanto estudam, é o consumo e o re-consumo de seus materiais de aprendizagem.

Os alunos destacam o que consideram conceitos importantes e, em seguida, releiam repetidamente os destaques. Eles ouvirão uma palestra e depois ouvirão novamente. Eles assistirão a um vídeo repetidamente, esperando que o conhecimento contido nele permaneça.

Como os alunos geralmente encaram a leitura como uma atividade passiva, apenas uma pequena quantidade do conteúdo é transferida da página para o cérebro. A releitura passiva realiza pouco mais do que foi alcançado durante a primeira passagem e leva o mesmo tempo. Destacar texto e reler passivamente os destaques acrescenta muito pouco ao conhecimento do aluno.

Se você está em uma missão séria para aprender, deve se tornar hábil em extrair conhecimento do conteúdo e enxertá-lo em sua mente. Este é um processo muito ativo e deliberado – não o consumo passivo e o re-consumo de materiais de aprendizagem.

O conhecimento contido em uma parte do conteúdo acadêmico inclui, invariavelmente, fatos relevantes para esse domínio da matéria. Esses fatos são os elementos mais granulares e atômicos de qualquer corpo de conhecimento – os blocos de construção que formam a base de uma bolsa de estudos maior e mais complexa. Para seus propósitos, nem todas as informações factuais podem valer a pena ser memorizadas.

Enquanto lê, você precisa fazer julgamentos educados sobre quais fatos precisam ser colhidos e retidos e quais apenas acrescentam comentários coloridos à história.

Quando você consome conteúdo acadêmico, sua missão é analisar, compreender e extrair. Até a escrita acadêmica mais densa contém alguma palha.

Quando você lê para aprender, precisa processar o material e destilá-lo até a substância principal. Você está procurando as informações relevantes que deseja levar consigo. Então você precisa instalar o novo conhecimento em seus processos de pensamento, para que você possa fazer uso real dele.

Este é um exercício quase militar. Às vezes, pode não ser um passeio. É preciso esforço. É muito mais rigoroso do que a maneira passiva e ineficaz que a maioria dos alunos lê. Você está estudando o material em busca de fatos importantes, temas centrais, conceitos e conhecimento de procedimentos que determinará serem dignos de seu foco, carga cognitiva, compreensão e comprometimento com a memória.

Geralmente, os conceitos em seus materiais de aprendizagem exigem que você gaste o maior esforço metacognitivo. Conceitos são abstrações que geralmente ajudam a organizar fatos e ideias em um sistema de entendimento. O conhecimento conceitual pode ser difícil de entender e “entender” em um primeiro passe.

Em uma circunstância ideal, você terminará de ler um conteúdo e nunca precisará retornar a ele. Mas você pode ler uma frase, parágrafo ou seção do conteúdo durante sua primeira e única leitura enquanto luta para analisá-la e entendê-la.

Às vezes, isso pode ser um exercício árduo. É também uma das muitas vezes em que você aplicará a metacognição ao desconstruir e reconstruir um conceito. Você precisará criar uma representação mental de algo que possa ser concreto e do mundo real ou talvez seja algo mais abstrato que seja apenas um conceito ou ideia. Essa representação interna ou modelo mental é como você vai pensar, manipular intelectualmente e brincar com o conceito.

Esse processo é “envolvente”, à medida que você digere mentalmente a nova idéia e a anexa deliberadamente a outro conhecimento que já possui. É aqui que você está aprendendo mais ativamente enquanto lê.

Metacognição pode ser ensinado e aprendido 

Ao analisar as palavras, frases, frases, parágrafos, seções e ilustrações do conteúdo do aprendizado, você deve identificar e registrar todos os fatos que deseja lembrar.

Você encontrará todos os conceitos apresentados na peça. Com cada conceito, é necessário executar uma avaliação interna da qualidade para determinar se você possui total compreensão. Essa é uma parte importante do processo metacognitivo. Esse pensamento sobre o seu pensamento é como você avalia ativamente o status de sua compreensão.

Pensar no material que você está lendo e refletir sobre como você está processando mentalmente o material requer alguma mudança de contexto.

Leia e pense sobre o conteúdo. Em seguida, pense em como você está processando o conteúdo. À medida que você aprende a executar essa alternância, você experimentará uma carga cognitiva potencialmente desgastante, especialmente até que a metacognição se torne um hábito. Não desanime – ficará mais fácil. Metacognição é algo que pode ser ensinado e aprendido .

Ao consumir suas fontes de aprendizado, você encontrará a apresentação de conceitos que às vezes são obtusos e não explicados de uma maneira que você possa entender. A melhor abordagem quando você tem essa experiência é encontrar outra fonte para aprender esse conceito.

Em vez de lutar com a abordagem de um autor para fornecer esse conhecimento específico, você deve procurar o ensino de outros especialistas. Isso é fácil de realizar, graças à Web e ao Google, leia rotineiramente várias fontes sobre o mesmo assunto.

 

Continue a ler na Parte 2

13 dez
Coloca os fones de ouvido, abre o livro e esquece do mundo

As músicas e os ritmos certos podem potencializar seu foco e desenvolver seu cérebro

Dependendo do estilo, a música pode relaxar, animar, concentrar e diversas outras sensações

Sabia que a música pode te ajudar a focar mais nos estudos? Na verdade, a música é capaz de gerar diversos efeitos na mente, não é à toa que serviços de streaming conquistam seus usuários com playlists personalizadas para cada mood. Dependendo do estilo, a música pode relaxar, animar, concentrar e diversas outras sensações. Então, as músicas e os ritmos certos podem potencializar seu foco e desenvolver seu cérebro.

Música clássica para focar

Segundo uma pesquisa feita pela Universidade de Caen, na França, financiada pelo serviço de música online Spotify, o estilo de música mais indicado para quem quer aumentar a concentração é a música clássica. Os estudantes que escutaram esse tipo durante seus estudos tiveram um desempenho, em média, 12% melhor em suas provas. Muito interessante, não é ?

Eles fizeram uma lista com as músicas com maior poder de aumentar o aprendizado e melhorar a memorização. Olha só:

• Beethoven, o Concerto para Violino e Orquestra em D Major, Op 61
• Tchaikovsky, o Concerto No. 1 em B bemol menor para Piano e Orquestra
• Mozart, Concerto para Violino e Orquestra, Concerto No. 7 in D major
• Haydn, Sinfonia Nº 67 em Fá Maior; Symphony No.69 em B. Maior
• Beethoven, Concerto No. 5 em Mi bemol maior para piano e orquestra, Op. 73 (“Imperador”).
• Corelli, Concerti Grossi, Op. 6, N ° 2, 8, 5, 9.
• Handel, The Water Music.
• JS Bach, Fantasia em Sol maior, Fantasia in C Minor e Trio in D minor; As variações canônicas e Toccata.
• Corelli, Concerti Grossi, Op. 4, N ° 10, 11, 12
• Vivaldi, Cinco Concertos para Flauta e Orquestra de Câmara.

 

Ouça músicas ou músicas cerebrais em repetir

Existe uma outra teoria que diz que ouvir a chamadas “brain music” repetidamente melhora o foco. No livro “On Repeat: How Music Plays the Mind”, a psicóloga Elizabeth Hellmuth Margulis explica esse ponto.

Quando você está ouvindo uma música repetidamente, tende a se dissolver na música, o que impede a mente divagar ou perder a concentração com coisas que não importam.

Existem sites que permitem ouvir os vídeos do YouTube repetidamente e outros que são verdadeiras sessões de concentração.

 

Escute o que te agrada

Mas não é só música instrumental que pode te ajudar não, viu?
De acordo com Aurilene Guerra, mestre em neuropsicologia e professora de Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), a música tem a finalidade de ampliar e facilitar a aprendizagem e favorece muito o desenvolvimento cognitivo e sensitivo, então é muito importante que o estilo de música agrade, de tal forma que ele realmente cristalize na memória uma situação.

Ou seja, se quiser ouvir um rock, um metal pesado ou uma lambada, pode, desde que realmente te ajude a concentrar.

Nos streamings de música existe uma infinidade de playlists já prontas para concentração nos estudos, com música clássica, jazz, brain music, e vários outros estilos. É só colocar os fones, abrir o livro e esquecer do mundo.

04 dez
This Morning Routine will Save You 20+ Hours Per Week

The most productive countries in the world do not work 8 hours per day. Actually, the most productive countries have the shortest workdays.

Tempo de leitura: 15 minutos 

The traditional 9–5 workday is poorly structured for high productivity. Perhaps when most work was physical labor, but not in the knowledge working world we now live in.

Although this may be obvious based on people’s mediocre performance, addiction to stimulants, lack of engagement, and the fact that most people hate their jobs — now there’s loads of scientific evidence you can’t ignore.

The Myth of the 8 Hour Workday

People in countries like Luxembourg are working approximately 30 hours per week (approximately 6 hours per day, 5 days per week) and making more money on average than people working longer workweeks.

This is the average person in those countries. But what about the super-productive?

Although Gary Vaynerchuck claims to work 20 hours per day, many “highly successful” people I know work between 3–6 hours per day.

It also depends on what you’re really trying to accomplish in your life. Gary Vaynerchuck wants to own the New York Jets. He’s also fine, apparently, not spending much time with his family.

And that’s completely fine. He’s clear on his priorities.

However, you must also be clear on yours. If you’re like most people, you probably want to make a great income, doing work you love, that also provides lots of flexibility in your schedule.

If that’s your goal, this post is for you.

Quality Vs. Quantity

If you’re like most people, your workday is a blend of low-velocity work mixed with continual distraction (e.g., social media and email).

Most people’s “working time” is not done at peak performance levels. When most people are working, they do so in a relaxed fashion. Makes sense, they have plenty of time to get it done.

However, when you are results-orientedrather than “being busy,” you’re 100 percent on when you’re working and 100 percent off when you’re not. Why do anything half-way? If you’re going to work, you’re going to work.

To get the best results in your fitness, research has found that shorter but more intensive exercise is more effective than longer drawn-out exercise.

The concept is simple: Intensive activity followed by high quality rest and recovery.

Most of the growth actually comes during the recovery process. However, the only way to truly recover is by actually pushing yourself to exhaustion during the workout.

The same concept applies to work. The best work happens in short intensive spurts. By short, I’m talking 1–3 hours. But this must be “Deep Work,” with no distractions, just like an intensive workout is non-stop. Interestingly, your best work — which for most people is thinking — will actually happen while you’re away from your work, “recovering.”

For best results: Spend 20% of your energy on your work and 80% of your energy on recovery and self-improvement. When you’re getting high quality recovery, you’re growing. When you’re continually honing your mental model, the quality and impact of your work continually increases. This is what psychologists call, “Deliberate Practice.” It’s not about doing more, but better training. It’s about being strategic and results-focused, not busyness-focused.

In one study, only 16 percent of respondents reported getting creative insight while at work. Ideas generally came while the person was at home, in transportation, or during recreational activity. “The most creative ideas aren’t going to come while sitting in front of your monitor,” says Scott Birnbaum, a vice president of Samsung Semiconductor.

The reason for this is simple. When you’re working directly on a task, your mind is tightly focused on the problem at hand (i.e., direct reflection).Conversely, when you’re not working, your mind loosely wanders (i.e., indirect reflection).

While driving or doing some other form of recreation, the external stimuli in your environment (like the buildings or other landscapes around you) subconsciously prompt memories and other thoughts. Because your mind is wandering both contextually (on different subjects) and temporally between past, present, and future, your brain will make distant and distinct connections related to the problem you’re trying to solve (eureka!).

Creativity, after all, is making connections between different parts of the brain. Ideation and inspiration is a process you can perfect.

Case in point: when you’re working, be at work. When you’re not working, stop working. By taking your mind off work and actually recovering, you’ll get creative breakthroughs related to your work.

Take your time

Your First Three Hours Will Make or Break You

“Typically, we have a window of about three hours where we’re really, really focused. We’re able to have some strong contributions in terms of planning, in terms of thinking, in terms of speaking well,” Friedman told Harvard Business Review.

This makes sense on several levels. Let’s start with sleep. Research confirms the brain, specifically the prefrontal cortex, is most active and readily creative immediately following sleep. Your subconscious mind has been loosely mind-wandering while you slept, making contextual and temporal connections.

So, immediately following sleep, your mind is most readily active to do thoughtful work.

So, your brain is most attuned first thing in the morning, and so are your energy levels. Consequently, the best time to do your best work is during the first three hours of your day.

I used to exercise first thing in the morning. Not anymore. I’ve found that exercising first thing in the morning actually sucks my energy, leaving me with less than I started.

Lately, I’ve been waking up at 6AM, driving to my school and walking to the library I work in. While walking from my car to the library, I drink a 250 calorie plant-based protein shake (approximately 30 grams of protein).

Donald Layman, professor emeritus of nutrition at the University of Illinois, recommends consuming at least 30 grams of protein for breakfast. Similarly, Tim Ferriss, in his book, The 4-Hour Body, also recommends 30 grams of protein 30 minutes after awaking.

Protein-rich foods keep you full longer than other foods because they take longer to leave the stomach. Also, protein keeps blood-sugar levels steady, which prevent spikes in hunger.

I get to the library and all set-up by around 6:30AM. I spend a few minutes in prayer and meditation, followed by a 5–10 minute session in my journal. The purpose of this journal session is get clarity and focus for my day.

Journaling about your dreams is one of the fastest ways into a peak state.

So I write down my big picture goals and my objectives for that particular day. I then write down anything that comes to my mind. Often, it relates to people I need to contact, or ideas related to a project I’m working on. I purposefully keep this journal session short and focused.

By 6:45, I’m set to work on whatever project I’m working on, whether that’s writing a book or an article, working on a research paper for my doctoral research, creating an online course, etc.

Starting work this early may seem crazy to you, but I’ve been shocked by how easy it is to work for 2–5 hours straight without distractions. My mind is laser at this time of day. And I don’t rely on any stimulants at all.

Between 11AM–noon, my mind is ready for a break, so that’s when I do my workout. Research confirms that you workout better with food in your system. Consequently, my workouts are now a lot more productive and powerful than they were when I was exercising immediately following sleep.

After the workout, which is a great mental break, you should be fine to work a few more hours, if needed.

If your 3–5 hours before your workout were focused, you could probably be done for the day.

Protect Your Mornings

We all need to work within the constraints of our unique contexts. However, if you work best in the morning, you gotta find a way to make it happen.This may require waking up a few extra hours earlier than you’re used to and taking a nap during the afternoon.

Or, it may require you to simply focus hardcore the moment you get to work.A common strategy for this is known as the “90–90–1” rule, where you spend the first 90 minutes of your workday on your #1 priority. I’m certain this isn’t checking your email or social media.

Whatever your situation, protect your mornings!

I’m blown away by how many people schedule things like meetings in the mornings. Nothing could be worse for peak performance and creativity.

Schedule all of your meetings for the afternoon, after lunch.

Don’t check your social media or email until after your 3 hours of deep work. Your morning time should be spent on output, not input.

If you don’t protect your mornings, a million different things will take up your time. Other people will only respect you as much as you respect yourself.

Protecting your mornings means you are literally unreachable during certain hours. Only in case of serious emergency can you be summoned from your focus-cave.

Mind-Body Connection

A March 2016 study in the online issue of Neurology found that regular exercise can slow brain aging by as much as 10 years. Loads of other research has found that people who regularly exercise are more productive at work. Your brain is, after all, part of your body. If your body is healthier, it makes sense that your brain would operate better.

If you want to operate at your highest level, you need to take a holistic approach to life. You are a system. When you change a part of any system, you simultaneously change the whole. Improve one area of your life, all other areas improve in a virtuous cycle. This is the butterfly effect in action and the basis of the book, The Power of Habit, which shows that by integrating one “keystone habit,” like exercise or reading, that the positivity of that one habits ripples into all other areas of your life, eventually transforming your whole life.

Consequently, the types of foods you eat, and when you eat them, determine your ability to focus at work. Your ability to sleep well (by the way, it’s easy to sleep well when you get up early and work hard) is also essential to peak-performance. Rather than managing your time, then, you should really be focused on managing your energy. Your work schedule should be scheduled around when you work best, not around social norms and expectations.

Don’t Forget to Psychologically Detach and Play

“Recovery” is the process of reducing or eliminating physical and psychological strain/stress caused by work.

One particular recovery strategy that is getting lots of attention in recent research is called “psychological detachment from work.” True psychological detachment occurs when you completely refrain from work-related activities and thoughts during non-work time.

Proper detachment/recovery from work is essential for physical and psychological health, in addition to engaged and productive work. Yet, few people do it. Most people are always “available” to their email and work. Millennials are the worst, often wearing the openness to work “whenever” as a badge of honor. It’s not a badge of honor.

Research has found that people who psychologically detach from work experience:

When you’re at work, be fully absorbed. When it’s time to call it a day, completely detach yourself from work and become absorbed in the other areas of your life.

If you don’t detach, you’ll never fully be present or engaged at work or at home. You’ll be under constant strain, even if minimally. Your sleep will suffer. Your relationships will be shallow. Your life will not be happy.

Not only that, but lots of science has found play to be extremely important for productivity and creativity. Just like your body needs a reset, which you can get through fasting, you also need to reset from work in order to do your best work. Thus, you need to step away from work and dive into other beautiful areas of your life. For me, that’s goofing off with my kids.

Stuart Brown, founder of the National Institute for Play, has studied the “Play Histories” of over six thousand people and concludes playing can radically improve everything — from personal well-being to relationships to learning to an organization’s potential to innovate. As Greg McKeown explains“Very successful people see play as essential for creativity.”

In his TED talk, Brown said, “Play leads to brain plasticity, adaptability, and creativity… Nothing fires up the brain like play.” There is a burgeoning body of literature highlighting the extensive cognitive and social benefits of play, including:

Cognitive

  • Enhanced memory and focus
  • Improved language learning skills
  • Creative problem solving
  • Improved mathematics skills
  • Increased ability to self-regulate, an essential component of motivation and goal achievement

Social

  • Cooperation
  • Team work
  • Conflict resolution
  • Leadership skill development
  • Control of impulses and aggressive behavior

Having a balanced-life is key to peak performance. In the Tao Te Ching, it explains that being too much yin or too much yang leads to extremes and being wasteful with your resources (like time). The goal is to be in the center, balanced.

Listen to Brain Music or Songs on Repeat

WordPress founder, Matt Mullenweg, listens to one single song on repeat to get into flow. So do authors Ryan Holiday and Tim Ferriss, and many others.

Give it a try.

You can use this website to listen to YouTube video’s on repeat.

I generally listen to classical music or electronic music (like video game type music). Here’s a few that have worked for me:

Source: Medium 

11 fev
Dia Internacional das Mulheres e Meninas na Ciência

As Nações Unidas estimam que menos de 30% dos pesquisadores em áreas científicas e tecnológicas sejam mulheres

Em mensagem para o Dia Internacional das Mulheres e Meninas na Ciência, lembrado neste 11 de fevereiro, a UNESCO e a ONU Mulheres alertam para obstáculos à participação feminina nos setores de tecnologia, engenharia e programação — nichos da atividade produtiva que estão entre os que mais crescem no mundo. Sem inclusão, o futuro do mercado de trabalho poderá testemunhar desigualdades de gênero ainda mais sérias, segundo as agências internacionais.

 

Atualmente, as Nações Unidas estimam que menos de 30% dos pesquisadores em áreas científicas e tecnológicas sejam mulheres. Habilidades em ciência, tecnologia, engenharia e matemática, conhecidas pela sigla STEM em inglês, serão fundamentais em economias marcadas pelo avanço da automatização e pela criação de empregos em áreas que exigem alta qualificação. Pesquisas sugerem que 65% das crianças que entram no hoje ensino fundamental I terão profissões que ainda não existem.

 

“Estudos recentes estão mostrando que mudanças no mercado global de trabalho resultarão em 58 milhões de novos empregos líquidos, particularmente (envolvendo) analistas de dados e cientistas, especialistas em inteligência artificial e aprendizado das máquinas, desenvolvedores e analistas de softwares e aplicativos e especialistas em visualização de dados”, afirmaram as dirigentes da UNESCO, Audrey Azoulay, e ONU Mulheres, Phumzile Mlambo-Ngcuka.

 

“Infelizmente, há evidência de problemas correntes para as mulheres em profissões importantes como engenharia, com baixa retenção, progressão (de carreira) e reintegração após a licença-maternidade. O Relatório de Lacunas de Gênero do Fórum Econômico Mundial de 2018, por exemplo, mostra que, globalmente, apenas 22% dos profissionais de inteligência artificial são mulheres: um verdadeiro abismo de gênero que reflete questões significativas como segregação profissional e condições de trabalho desfavoráveis.”

 

Estimativas apontam que, para cada 20 vagas de trabalho perdidas no futuro, as mulheres ganhariam em retorno um posto na área de STEM. Entre os homens, a proporção é alarmantemente diferente — eles ganhariam uma vaga em STEM para cada quatro postos eliminados. Processos seletivos aprimorados, estratégias de retenção e de promoção da participação feminina, assim como programas de educação continuada para mulheres, poderiam ajudar a fechar essa lacuna.

 

“Além de enfrentar essas barreiras, a melhoria da conectividade digital e a disponibilidade de tecnologia a preços acessíveis também podem garantir maior igualdade nos campos de STEM, permitindo que mulheres e meninas se beneficiem plenamente como cientistas, estudantes e cidadãs”, acrescentaram as chefes dos organismos internacionais.

 

“Lutar contra as desigualdades desde cedo dentro do sistema de educação é vital, e é por isso que a UNESCO trabalha para estimular o interesse das meninas em disciplinas (da área) de STEM, combater estereótipos no currículo escolar e aumentar o acesso a orientadoras mulheres.”

 

A UNESCO também celebra a participação das mulheres em pesquisa e desenvolvimento por meio do prêmio e programa L’Oréal-UNESCO para as Mulheres na Ciência. A agência da ONU promove ainda a Organização para as Mulheres na Ciência para o Mundo em Desenvolvimento. Ambas as iniciativas oferecem para pesquisadoras de todo o mundo bolsas, oportunidades de mentoria e de fazer contatos.

 

Outra iniciativa do organismo internacional é o Projeto de Avanço de STEM e Gênero, que apoia a inclusão da igualdade de gênero em políticas, planos e legislações nacionais sobre ciência, tecnologia e inovação. Um dos focos é a produção de dados desagregados por sexo.

 

Já a ONU Mulheres promove os Princípios de Empoderamento das Mulheres (WEP, na sigla em inglês). Eles oferecem às empresas — incluindo nos setores digitais, de tecnologia da comunicação e informação, tecnologia da ciência e inovação, STEM, arte e design — uma orientação concreta sobre como empoderar as mulheres no local de trabalho, nos mercados e na comunidade. A agência chama todas as companhias a assinar e implementar essas diretrizes.

 

“Por meio de todas essas iniciativas, estamos determinadas em encorajar uma nova geração de mulheres e meninas cientistas a enfrentar os principais desafios do nosso tempo”, afirmaram as chefes das duas agências da ONU.

 

Phumzile e Audrey lembraram o ativismo da sueca Greta Thunberg, uma jovem de apenas 15 anos que organizou no ano passado uma greve em seu país de origem, com o intuito de cobrar ações do governo contra as mudanças climáticas. A estudante deixou de frequentar a escola para passar dias na frente do Parlamento e pressionar as autoridades. Greta tornou-se uma nova voz da juventude engajada com a ação climática, comparecendo à Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas (COP24), na Polônia, e inspirando jovens de outras partes do mundo.

 

“Canalizando a criatividade e a inovação de todas as mulheres e meninas na ciência e investindo adequadamente em ecossistemas inclusivos de educação de STEM, de pesquisa e desenvolvimento e ciência, de tenologia e inovação, temos uma oportunidade sem precedentes de alavancar o potencial da Quarta Revolução Industrial para beneficiar a sociedade.”

 

Fonte: ONU BR (Nações Unidas no Brasil)

05 dez
Vai fazer o vestibular iCEV? Veja dicas especiais que preparamos!

No próximo sábado, 8, tem Vestibular iCEV! E, para ajudar quem tá na reta final de estudos, a gente preparou essas dicas sobre o que é cobrado na prova.

Confira o edital do Vestibular iCEV 2019.1

A boa notícia é que o exame do iCEV segue o modelo adotado pelo Enem – portanto, se você estudou para as provas do exame nacional, é provável que esteja preparado para o nosso certame.

5 diferenciais iCEV que você precisa conhecer

A instituição oferece vagas para os cursos de Administração, Ciências Contábeis e Direito. Para participar da seleção é necessário que o candidato se inscreva através do site até o dia 7 de dezembro.

Curiosidade: Como o cérebro funciona durante o vestibular?

No iCEV a prova inicia às 14 horas – mas os portões abrem ao meio dia, não se atrase!

Ferramentas que vão te ajudar nos estudos para o vestibular

Olho nas dicas:

Prova objetiva

São 60 questões de múltipla escolha, divididas em áreas do conhecimento:
– Linguagens e suas tecnologias (incluindo língua estrangeira: Inglês)
– Matemática e suas tecnologias
– Ciências Humanas
– Ciências da Natureza

Redação
– Texto em Língua Portuguesa do tipo dissertativo-argumentativo, sobre o tema de ordem social, científica, cultural ou política
– Atenção para o raciocínio, a objetividade, a coesão, a coerência, a clareza e a correção de linguagem!

 

29 nov
Confira os conteúdos mais acessados no nosso site em novembro

Toda semana tem conteúdo novo nos blogs de Direito, Negócios e Tecnologia

Você já conhece os blogs do iCEV? Toda semana tem conteúdo novo nos blogs de Direito, Negócios e Tecnologia – são artigos, notícias e conteúdos escolhidos ou elaborados especialmente para você, leitor. Além disso, nosso site tem a seção Notícias do iCEV, onde você pode ficar bem informado sobre tudo o que acontece na nossa instituição.

A nossa curadoria separou os melhores conteúdos publicados no mês de novembro – aqueles que foram mais acessados ou comentados nas redes – para você que, por alguma razão, tenha perdido. Confira a nossa lista e siga o seu blog preferido para não ficar de fora.

Melhores do mês

1 – Melhores colocados no Vestibular iCEV 2019 ganharão bolsa de até 90%

2 – 5 áreas promissoras no Direito

3 – As 8 vezes em que alunos iCEV foram longe demais

4 – Direitos Humanos é tema de aula especial com professor convidado

5 – Vestibular iCEV 2019.1 tem acolhida e alta procura por novos cursos

26 nov
Vem fazer matrícula? Saiba o que você precisa trazer

Atenção aprovados no Vestibular iCEV 2019: as matrículas já estão a todo vapor por aqui.

Para facilitar, reunimos aqui todas as informações que você precisa para esta etapa. Tome nota!

– As matrículas vão até o dia 28 de novembro, na Secretaria do iCEV, das 14h às 21h (segunda a sexta).

– Só pode realizar a matrícula os aprovados (maiores de 18 anos), seus responsáveis ou portadores de uma procuração.

– Você vai precisar trazer cópia dos seguintes documentos:

RG
CPF
Comprovante de residência
Certidão de Nascimento ou de Casamento
Certificado de Dispensa de Incorporação ou Reservista do Serviço Militar, para maiores de 18 anos – ou Certificado de Alistamento se o candidato tiver 18 anos (somente para candidatos do sexo masculino)
Certidão de Quitação Eleitoral, para maiores de 18 anos
Certificado de Conclusão do Ensino Médio ou equivalente
Histórico Escolar do Ensino Médio

Se você for estrangeiro, traga também o Registro Nacional de Estrangeiros – RNE; passaporte e apólice de seguro (com vigência igual a duração do curso)

Se você concluiu o Ensino Médio no exterior deve trazer, além dos documentos acima, prova de equivalência de estudos, fornecida por autoridade competente no Brasil; tradução juramentada do Histórico Escolar e do Certificado de Conclusão do Ensino Médio.

Ah, traga com você os originais de todos os documentos para conferência – exceto se as suas cópias forem autenticadas, ok?

Seja bem-vindo ao iCEV!

12 nov
6 dicas para escolher bem sua faculdade

O primeiro desafio do processo para entrar numa universidade é decidir em qual delas você gostaria de entrar. A escolha pode ser feita ao acaso, por recomendações de amigos e parentes ou pode ser o resultado de meses de pesquisa. De qualquer maneira, é importante estar feliz com as suas escolhas.

Com isso em mente, existem algumas coisas que você pode considerar na hora de escolher a faculdade que podem fazer toda a diferença. São elas:

1 – Tenha certeza de que você escolheu o curso certo

É fundamental que não exista nenhuma dúvida sobre o curso escolhido. Afinal, entrar na faculdade significa dedicar pelo menos quatro anos da sua vida com estudos e muitos anos mais trabalhando na área. Por isso, vale a pena se dedicar e pesquisar opções de trabalho, salário, além de descobrir mais sobre o curso (nessa tarefa o Google é seu amigo).

2 – Consulte rankings de universidade

Para as faculdades brasileiras existe o Ranking Universitário Folha, onde você pode conferir a colocação das faculdades por curso e localização, em categorias como qualidade de ensino, avaliação do mercado e avaliação no Enade. É importante escolher a faculdade que mais se adequa com você. Esses números podem ajudar a descobrir qual é essa instituição, mesmo que ela não seja o primeiro lugar.

3 – Descubra o conteúdo do curso

A grade de matérias costuma estar disponível no site da faculdade. Caso o site da faculdade não ofereça essa informação, sempre vale a pena ligar para o lugar ou procurar entrar em contato com alunos.

4 – Confira as atividades extracurriculares disponíveis

A vida universitária é mais do que estudar. Por isso, times esportivos, clubes de leitura e aulas extras costumam ser oferecidas por faculdades. Encontrar alguma atividade que se encaixe com você pode ser o diferencial entre as instituições que mais lhe agradam.

5 – Pense em onde você vai morar

Considere que talvez você tenha que se mudar, ou passar mais tempo ou menos tempo no transporte dependendo da faculdade escolhida. Se o caso for de encontrar uma nova casa, confira preços de alojamentos próximos à faculdade – isso ajuda a reduzir os custos. Também pode ser uma boa ideia procurar alguém com quem dividir uma casa ou apartamento.

08 nov
8 dicas de ouro para uma redação nota 1000

Faltam poucos dias para as provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2018, marcadas para os dias 4 e 11 de novembro. Uma das etapas da avaliação consiste em escrever uma redação com base em um tema proposto, contemplando algumas competências linguísticas.

Algumas dicas podem ser valiosas e ajudar a ter sucesso na prova de redação, fazendo a diferença na pontuação final.

Dicas para fazer uma boa redação

  1. Observe atentamente a proposta de redação. Veja o que é solicitado, identifique o foco da questão levantada e vá direto ao assunto, sem rodeios. Deixe sua tese explícita, de forma que não gere nenhum tipo de dúvida para a banca de correção.
  2. Explore o seu conhecimento de mundo, indo além do que se apresenta na coletânea. Trabalhe com domínio o seu repertório cultural adquirido ao longo de anos de estudo e leituras.
  3. Faça referências a outras disciplinas, de modo que as matérias estudadas ao longo dos anos do Ensino Médio, principalmente, dialoguem entre si e, dessa forma, auxiliem na elaboração de argumentos contundentes e relevantes.
  4. As citações são importantes e podem ser o diferencial do seu texto, mas cuidado ao fazê-las. Valorize argumentos de autoridade, entretanto, tendo exata noção de quando e em que contexto aplicá-los. Não basta citar, é imprescindível, na sequência, propor uma reflexão autoral sobre o que foi citado.
  5. 5. Elabore a conclusão de seu texto com uma boa proposta de intervenção, respeitando e explorando seus componentes: agente, ação, meio e finalidade. Aprofundá-los em termos de ideias, de modo a deixar claro seu grau de envolvimento e empatia com questões sociais que, em regra, são a tônica das propostas do Enem.
  6. Cuide para que seu texto tenha coesão e coerência. Para manter a coesão, tenha cautela ao usar os conectores, com base nos seus valores semânticos. A disposição das ideias dentro do texto é que lhe atribuirão coerência.
  7. Fuja dos clichês. Referências comuns tendem a empobrecer seu texto. Seja criativo, use seu nível de informação.
  8. Trabalhe o seu texto de forma cíclica, para que sua redação dê aos leitores a sensação de começo, meio e fim bem definidos.

07 nov
7 motivos para escolher iCEV em 2019

1 – Método de ensino: case method

O método ativo de aprendizagem é um dos maiores diferenciais do iCEV – Instituto de Ensino Superior. A aposta no protagonismo do aluno inspira-se no case method, adotado pelas mais renomadas escolas de negócios do mundo, como a Harvard Business School, nos EUA. O modelo é também conhecido como “sala de aula invertida”: conteúdos e textos são disponibilizados na plataforma online do aluno antecipadamente.

2 – Diálogo entre as escolas

O iCEV é organizado em três eixos temáticos, comandados pelas nossas escolas: Escola de Direito Aplicado, Escola de Negócios e Gestão e Escola de Tecnologia Aplicada. As escolas dão amplitudes maior aos cursos e discussões – e, consequentemente, a formação dos alunos. Há cursos de curta duração e experiências práticas como o Laboratório de Práticas Empreendedoras, que conectam alunos de cursos distintos e em períodos diferentes do cursos para a troca de experiência e conhecimentos.

3 – Incentivo ao segundo idioma

Para formar o líder do futuro, os cursos da Escola de Negócios e Gestão do iCEV oferecem a disciplina English for Business & Technology – são aulas práticas de inglês com foco em conversação para negócios. Investir na fluência em uma segunda língua é passo importante para formar profissionais globais, capazes de comprar e vender produtos sem fronteiras.

4 – Aulas práticas

Já reparou que é botando a mão na massa que a gente aprende? O iCEV não subestima o potencial dos alunos – desde o primeiro período as disciplinas são práticas, com foco sempre no exercício dos estudantes e simulações de casos reais – como o curso de Jurisprudência do Direito Constitucional, com professor Pedro Felipe,  No curso de Administração a experiência prática ainda é complementada pelos depoimentos reais de empresários de sucesso!

 

5 – Laboratório de práticas empreendedoras

Os encontros com a tecnologia e inovação são frequentes na Escola de Negócios e Gestão: são momentos de testar novas ideias, no Laboratório de Práticas Empreendedoras – o The Hub. A iniciativa  é uma incubadora de startups, onde jovens empreendedores e desenvolvedores trocam experiências e discutem tomadas de decisões com supervisão dos mestres Victor Hugo e Thiago Rodrigo.

6 – Dois professores em sala de aula

O iCEV conta com a prática da tutoria: todas as disciplinas possuem um tutor, estudantes de cursos ou áreas afins que auxiliam os professores na preparação das aulas, correção de provas e atividades. A presença do tutor possibilita um acompanhamento mais individualizado no aprendizado de cada aluno – os tutores organizam revisões e ajudam a tirar dúvidas sobre os conteúdos – e, de quebra, serve como experiência para os jovens que pretendem seguir carreira na docência.

7 – Resultados

No curso de Direito, a preparação para a OAB e concursos começa desde o primeiro período  – o aluno é colocado em contato com as disciplinas jurídicas e com a prática jurídica desde o primeiro período da graduação. Na Administração, o reforço vem com auxílio para o planejamento de carreira e formação de empreendedores. Mais do que excelentes alunos, o iCEV forma profissionais de sucesso que serão desejados pelo mercado!

06 nov
Como escolher o curso certo para o seu perfil?

Procure conhecer bem a si mesmo e aos cursos e carreira que pretende seguir. Com certeza você já ouviu muito isso, mas de fato esse encaminhamento é a melhor forma de escolher uma profissão. E buscar referências e informações com amigos, familiares, amigos dos seus pais e outras pessoas que já estão no mercado de trabalho ou na faculdade é a melhor maneira de conseguir esse conhecimento.

Além disso, Denise Retamal, diretora-executiva da RHIO’S Recursos Humanos e responsável pelo programa de orientação de carreiras “Jobs of the Future”, defende que o estudante, antes de escolher um curso, pense na carreira que deseja para a vida. “Hoje, mais importante do que a profissão é a carreira que você constrói. O mercado pede expertise, que á soma de conhecimentos multidisciplinares com experiências múltiplas – não necessariamente de trabalho, mas de vida”, diz ela.

Isso exige dois passos. Primeiro, é preciso olhar para dentro de si e analisar suas habilidades, gostos e personalidade. Depois, deve procurar as carreiras que possam combinar com você e buscar a maior quantidade possível de informações sobre elas. Veja palestras, congressos, pesquise sobre o mercado, converse com profissionais da área. Conhecer a universidade e tentar participar de atividades por lá, incluindo até algumas aulas, também pode ajudar você a se decidir.

O intuito, nessa etapa, não é decidir por uma profissão, como geólogo ou médico. É descobrir áreas e temas de interesse com os quais você gostaria de trabalhar a longo prazo – por exemplo, exploração mineral ou cirurgia infantil. “Há carreiras, como a nanotecnologia, que podem ser aplicadas em vários segmentos. Não adianta escolher um curso de graduação sem saber o que vai fazer com ele”, completa Denise.

Como fazer a escolha certa

1 – Analise-se: liste suas habilidades, gostos e personalidade.

2 – Busque informações de fora: procure as carreiras que permitirão aplicar e desenvolver suas habilidades e gostos e junte a maior quantidade possível de informações sobre elas

A ideia é que, se você já sabe aonde quer chegar na carreira, terá mais clareza para definir os passos e ferramentas necessários para isso – como os cursos de graduação e especialização que vai fazer, os idiomas que precisa aprender, estágios e a melhor instituição para estudar (dependendo do lugar, os cursos podem ter focos diferentes), por exemplo. “Com esse preparo, ao final do curso a sua inserção no mercado de trabalho já será mais natural”, afirma Denise.

Pergunte-se:

– Em que profissões poderei usar as habilidades que já tenho?

– Eu conheço bem o curso que pretendo fazer? Já dei uma olhada na grade para ver que matérias vou estudar?

– Em que locais, empresas e cargos poderei aplicar os conhecimentos adquiridos na faculdade?

Em relação à profissão escolhida, reflita e escreva em um papel as respostas às seguintes questões:

Sobre a profissão que você pensa em fazer:

– Que atividades terei de fazer nessa profissão e vou gostar?

– Que atividades terei de fazer e não vou gostar?

– Que atividades não farei, mas gostaria de fazer?

– Que atividades não farei e não gostaria de fazer?

Depois de fazer isso, é preciso considerar se as vantagens e desvantagens vão compensar. Você vai se sentir realizado se não puder usar algumas de suas habilidades? E se tiver de fazer coisas que não gostaria? Se não consegue ver sangue, por exemplo, e ainda assim quer fazer Medicina, vale se perguntar por que você quer tanto essa carreira e se o saldo será positivo no fim do processo.

Fonte: Guia do Estudante

01 nov
As 8 vezes em que alunos iCEV foram longe demais

1) Quando eles se uniram para formar a Atlética.

 

2) Quando estiveram presentes na Feira das Profissões do CEV Colégio falando sobre seus cursos.

 

3) Quando fizeram uma visita solidária à Casa Presente de Deus, levando donativos arrecadados pelos alunos do 10º período de Direito.

 

4) Quando a Júlia decidiu criar um Instagram para compartilhar seus resumos e esquemas de estudo.

5) Quando participaram do Findinexa Brasil, o maior evento de empreendedorismo da América Latina

 

6) Quando a Polianna, ainda no 1º período de Direito, passou na 1ª etapa do concurso da Policia Civil

7) Quando os alunos de Administração desenvolveram o projeto “Máquina de Startup”, para estudantes do Ensino Médio.

8) Quando criaram uma campanha de arrecadação de donativos para vítimas de enchente no Piauí #iCEVemação

30 out
5 diferenciais iCEV que você precisa conhecer

1 – Um chromebook por aluno

Cada aluno iCEV recebe um chromebook para uso pessoal e exclusivo. Chromebook são computadores que executam o Chrome OS, sistema operacional do Google.

A experiência iCEV alia ensino e tecnologia – o equipamento é usado para consulta de bibliografia online, textos e realização de quiz, através da plataforma iCEV.

Em 2019, venha ser iCEV! Inscreva-se no vestibular!

 

2 – Dois professores por disciplina

O iCEV conta com a prática da tutoria: todas as disciplinas possuem um tutor, estudantes de cursos ou áreas afins que auxiliam os professores na preparação das aulas, correção de provas e atividades. A presença do tutor possibilita um acompanhamento mais individualizado no aprendizado de cada aluno – os tutores organizam revisões e ajudam a tirar dúvidas sobre os conteúdos – e, de quebra, serve como experiência para os jovens que pretendem seguir carreira na docência.

Tutores iCEV

3 – Constitucional, Civil e Penal já no 1º período

Logo no primeiro período o aluno do curso de Direito, o estudante entra em contato com disciplinas de Direito Penal, Direito Constitucional e Direito Civil – consideradas as três grandes áreas do direito. A ideia é não subestimar a capacidade dos estudantes, fincada ainda na crença de que o conhecimento é em teia, não em escala – e quanto mais cedo o aluno inserir-se nos grandes debates jurídicos, aplicando o conhecimento em casos reais, melhor para o aprendizado.

4 – Dupla graduação em Negócios

A Escola de Negócios e Gestão conta com dois cursos de graduação: Administração e Ciências Contábeis, e está preparada para formar o gestor completo. A grande novidade é que os dois cursos possuem uma grade em comum nos cinco primeiros períodos – após esse ciclo básico, o aluno pode decidir em que área deseja concluir sua graduação e só então seguir para os períodos de disciplinas específicas. Essa sistemática oferece a possibilidade de uma dupla formação: estendendo um pouco a primeira graduação, o estudante pode sair do iCEV com dupla certificação!

É mais que uma graduação. É iCEV! Tudo sobre o vestibular 2019

5 – Oficinas e cursos de extensão para ir além

Além das disciplinas comuns a cada curso oferecido, o iCEV não para de investir em cursos de extensão que complementam uma formação 360º. Em 2018 isso ficou marcado por iniciativas como o curso Jurisprudência do Direito Constitucional, comandado pelo juiz Pedro Felipe e o curso de argumentação e literatura “Expedições pelo mundo da cultura”, com Danny Barradas.

Curso Pedro Felipe

08 out
Como planejar o dia para ser mais produtivo

No começo do dia de trabalho, a intenção é sempre boa: você o começa energizado, decidido a ser mais eficiente, organizado e dar conta de tudo que precisa fazer. Porém, ao longo dele, por mais que seu plano fosse, aparentemente, infalível, as coisas não acontecem como previsto e a sua produtividade vai por água abaixo.

O site Quartz preparou um especial sobre como planejar o dia para valorizar prioridades, seu foco e até o aproveitamento da sua energia – um recurso que parece finito, mas não é, e que é decisivo em sua capacidade produtiva. As quatro estratégias a seguir podem te ajudar a recuperar o controle da sua rotina e se concentrar nas tarefas mais importantes.

Como planejar o dia (da melhor forma!):

1 – Escolha as tarefas certas para trabalhar

A Matriz de Einsenhower – nomeada em homenagem ao ex-presidente dos Estados Unidos Dwight Eisenhower, que notoriamente disse “Os urgentes não são importantes e os importantes nunca são urgentes.” – ajuda a priorizar. Sim, são coisas diferentes.

Basicamente, o foco da técnica é nessa distinção. Embora a maioria de nós as confunda o tempo todo, para organizar sua rotina, é importante entender isso.

Se você pegar alguns minutos para categorizar cada tarefa, pode perceber que está gastando tempo com as atividades erradas. Resumidamente, a Matriz consiste em quatro caixas, com o eixo horizontal representando “urgência” e o vertical “importância”.

Tarefas urgentes, mas não importantes, tendem a produzir muita ansiedade. E isso é o que nos distrai das tarefas mais importantes (mas não urgentes). Essas tarefas geralmente não têm prazos, o que torna tentador simplesmente adiá-las.

2 – Bloqueie pedaços de tempo para o “trabalho intenso”

O venture capitalist Sam Altman chamou a Distração Digital de “uma das grandes crises de saúde mental do nosso tempo”. Nós olhamos nossos smartphones 150 vezes por dia (em média) e de acordo com o professor de ciência da computação Cal Newport, isso prejudica muito a capacidade de pensar com clareza e criativamente.

De acordo com o professor, o remédio é o “trabalho intenso” (deep work): maximizar a intensidade do trabalho por unidade de tempo. Ele menciona a tática de agrupar o trabalho intelectual importante, mas difícil, em longos trechos ininterruptos de atividade.

Ele ainda recomenda uma programação fixa que proporcione o equilíbrio ideal entre esforço e descanso. Há vários graus dessa aplicação – Newport, por exemplo, para de trabalhar às 17h30 – e um dos mais simples de seguir é o Pomodoro, que estipula ciclos de 25 minutos de trabalho seguidos de pausas rápidas. Vá testando e ajuste o seu cronograma de acordo com o que dá melhores resultados para você.

3 – Esteja atento ao “custo” das reuniões

Paul Graham, co-fundador da startup incubadora Y Combinator, considera que existam dois tipos de cronogramas: o “cronograma do criador” e o “cronograma do gerente”. Se você alterna entre reuniões, teleconferências e e-mail, provavelmente tem uma agenda de gerentes. Os gerentes tendem a organizar seus dias em blocos de uma hora, mais ou menos. Já os criadores, como escritores, programadores e artistas, têm trabalho que requer longos períodos de concentração ininterrupta.

As agendas dos criadores e dos gerentes tende a se cruzar nas reuniões, e ambos os tipos de profissionais devem entender as ramificações disso. Mesmo uma breve reunião pode ter um efeito em cascata, seja forçando você a mudar de contexto ou impedindo que você inicie um projeto ambicioso, porque sabe que uma interrupção no meio do dia o aguarda. Devemos estar sempre nos perguntando: “Essa reunião é necessária?”

4 – Lembre-se do seu recurso secreto: energia

Ao contrário do tempo, que é finito, a energia pode ser “reabastecida”. No entanto, a maioria dos conselhos de produtividade concentra-se em extrair eficiência em vez de gerenciar esse recurso.

Uma abordagem pensada por Tony Schwartz e Jim Loehr (descrita no livro “The Power of Full Engagement”), dá conta de que para tirar o máximo de um profissional, é preciso fortalecer e abastecer sua energia física, mental, emocional e espiritual. Cada uma dessas categorias merece sua própria seção, mas fundamentalmente, para as companhias, trata-se de reconhecer que os funcionários não são um tipo de pessoa, são pessoas.

Os locais de trabalho e os gerentes podem apoiar a energia física de seus colegas por meio de atitudes e políticas sobre nutrição, condicionamento físico e sono; energia emocional, ajudando-os a gerenciar sua resposta ao estresse; e energia mental, ajudando-os a se concentrar nas tarefas.

Quanto à energia espiritual, é mais provável que as pessoas que encontram sentido em seu trabalho sintam mais energia positiva, foquem melhor e demonstrem maior perseverança – mas isso deve vir do topo de uma organização. Você também pode “atacar” cada um desses elementos em si mesmo, procurando ter equilíbrio em todas as categorias.

5 – Engula o sapo!

Sabe aquela tarefa temida que parece tomar conta da sua lista de tarefas, atrapalhando sua produtividade e pairando como uma nuvem o dia todo? Essa tarefa é o “sapo” e o ideal é tentar “engoli-lo” o quanto antes.

O hábito de enfrentar imediatamente esse trabalho mais importante fará com que você tenha o sentimento de vitória logo no início do dia. Para a maior parte das pessoas, isso significa um aumento na energia produtiva. Ao mesmo tempo em que completar a tarefa tirará um peso da sua agenda e também lhe dará força para o resto do dia.

Depois de engolir o sapo, é hora de diminuir o resto da sua lista de tarefas. Comece perguntando a si mesmo: “Qual é o uso mais valioso do meu tempo agora?”

Fonte: Época Negócios

Tem uma pergunta?
Nós estamos aqui para ajudar. Envie-nos um e-mail ou ligue-nos para (86) 3133-7070
Entrar em contato!
© 2017 iCEV Instituto de Ensino Superior