fbpx

30 jun
Oi! Vamos conversar sobre Branding Pessoal?

Sou Rayana Agrélio, tenho 35 anos, sou mãe da Olívia, apaixonada por marketing e por Educação – acredito de verdade na capacidade que o conhecimento tem de mudar o mundo. Tenho MBA em Management pela PUC-Rio, certificação em Branding e Comportamento do Consumidor pelo Insper/SP. Sou Diretora de Relacionamento do iCEV – Instituto de Ensino Superior e fundadora da Bravo.branding, uma consultoria em… branding

Quero te ensinar alguns passos simples para a construção da sua marca pessoal. Mas primeiro:

O que é Branding Pessoal?

Personal Branding é um tópico bastante abordado desde o início da era digital. Sua importância nunca foi tão crítica quanto é hoje. A definição mais simples de Personal Branding seria o ato de identificar, posicionar e promover a si mesmo. Então, vamos ver como criar uma marca pessoal que seja autêntica para você.

Qualquer pessoa com acesso à internet e à mídia social pode estabelecer uma audiência, se posicionar como especialista e começar a atrair clientes para seus negócios. E é exatamente isso que muitas pessoas estão fazendo.

 

Marketing Pessoal x Branding Pessoal

Fuja da armadilha da autopromoção pessoal, que ocorre quando alguém depõe a favor das próprias atividades Marketing Pessoal faz parte do Branding, que é a gestão estratégica da imagem de uma empresa ou pessoa. Branding é sobre o que você acredita, sobre o que você se identifica, sobre qual a impressão que você deixa no mundo, seja de modo consciente ou não.

Você está se comunicando *o tempo todo*. Então faça isso de modo consciente. Provoca sentimentos e identificação com o target, enquanto o do marketing pessoal é fazer com que ele tenha uma ação mais direta

 

Mas pra quê mesmo fazer isso?

Aumenta sua visibilidade, o que, por consequência, eleva as chances de ser contratado, fechar um negócio ou parceria: conquistar a confiança e compartilhar seus valores com o público, existem chances de que outras pessoas indiquem você para novas oportunidades.

 

Boca-a-boca ainda é a melhor propaganda. Uma pessoa tem quatro vezes mais chance de comprar algo quando recebe a indicação de um amigo, reforça suas qualidades e diferencial, entrega valor ao público-alvo, aproxima você de possíveis clientes, contratantes e parceiros, constrói uma boa reputação, posiciona você como autoridade em seu campo de atuação, além de elevar as chances de indicações, promoções, convite para entrevistas de emprego e palestras.

 

Mas advogado pode?

Como construir uma marca na advocacia com as restrições do código de Ética da OAB?

Pode, mas com calma – a “ Publicidade” deve ter caráter informativo. Provimento 94/2000 está sendo atualizado por uma comissão desde 2019. Aprovação dia 17 de junho de 2021 dos artigos 1º e 2º.

Em resumo: … autorizam o marketing jurídico, desde que exercido em conformidade com as normas da OAB, e conceituam esse termo, além de “marketing de conteúdos jurídicos”, “publicidade”, “publicidade profissional”, “publicidade ativa”, “publicidade passiva” e captação de clientela.

 

6 passos simples para a construção da sua marca pessoal

 

Invista em Autoconhecimento

No fim das contas, a gente sabe o que engaja – relacionamento, bebês fofinhos, festas – ou seja, coisas mais leves. Mas é sobre isso que você quer falar? Você é assim? Onde está a sua essência? Descubra quem você é no mundo.

 

Quais são os seus valores? Qual a sua percepção sobre o mundo? Qual impressão você quer que as pessoas tenham sobre você? A partir daí um leque de outros pontos podem ser explorados, como, por exemplo, quais cores e estilo de roupas melhor representam a imagem que você quer passar, com isso você pode definir com quem você quer conversar. Ou seja, seu público alvo, seu nicho.

 

 

Coerência e Consistência

 

 

Não adianta nada criar um personagem! Investimento em Branding Pessoal demanda tempo. Construção de reputação é algo a longo prazo e você não conseguirá manter essa postura durante um longo prazo se ela não for real.

 

A gente sabe o que engaja, mas você assim? Voltamos para o autoconhecimento. Para entender o seu tom de voz, ou seja, como você fala, e a sua mensagem sobre o que você fala é preciso que você se conheça. Caso contrário, o cancelamento vem.

 

Use as redes sociais ao seu favor

 

Utilize as redes sociais em seu potencial máximo. É uma ótima ferramenta de pesquisa: pergunte o que as pessoas querem saber, faça enquetes, converse. Você já tem seguidores, faça deles seus promotores.  Você não precisa transformar seu Instagram em um perfil exclusivamente profissional Conteúdos pessoais geram identificação, o que leva ao nosso próximo tópico:

 

Crie Conexão

Você é a sua marca, independentemente do meio que atua. Você não precisa ser empreendedor no sentido empresarial da palavra. Mas o empreendedorismo aqui está em saber se vender. A sua marca pessoal se torna forte o suficiente a ponto das pessoas confiarem no que você está falando, nas suas indicações. Você deve transmitir aquilo que você vende, por isso mais uma vez, autoconhecimento e coerência,

 

 

Fala, que eles te escutam

Mas fale de forma clara, o conteúdo é rei. Dá um tempo na síndrome do impostor: quando a gente estuda muito sobre um assunto, temos a tendência de achar que aquele tema é bobo ou simples demais. Que as pessoas não vão se interessar sobre aquilo.

 

Lembre: você passou anos estudando – ou pelo menos deveria – e tem gente, muita gente, que não tem noção do que você está falando. Está chegando agora. Para gerar autoridade é preciso falar, falar, falar, e tem gente, sim, querendo escutar.

 

O Instagram, por exemplo, tem canais de distribuição para todos os tipos de conteúdo, desde os bastidores da advocacia, nos Stories, até um assunto complexo, no IG TV.

Comece!

 

Dê sua cara a tapa e arrase.

 

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

avatar

Compartilhe com um amigo

Tags

Tem uma pergunta?
Nós estamos aqui para ajudar. Envie-nos um e-mail ou ligue-nos para (86) 3133-7070
Entrar em contato!
© 2017 iCEV Instituto de Ensino Superior