15 jul
Você está preparado para as transformações do mercado de tecnologia?

Escola de tecnologia aplicada

Segundo a revista Exame, o Brasil pode perder R$ 115 bilhões por falta de profissionais qualificados

Nos primeiros anos de faculdade, o estudante de TI – Tecnologia da Informação -sempre imagina que a essência para ser referência em sua área é tornar-se um bom programador, conhecer a arquitetura de um sistema operacional, entender o funcionamento dos protocolos de rede e compreender os aspectos de segurança dos ambientes e sistemas.

Mas não é bem assim, esses saberes são apenas prerrogativas básicas diante de tantas mudanças de paradigmas, relacionadas aos modelos tradicionais de sistemas, e surgimento de novas tecnologias.

 

Tendências de tecnologia

Segundo levantamento feio pela Gartner, as tendências de tecnologia estão focadas principalmente em:

– Objetos Autônomos: como automatizar rotinas com robôs;

– Blockchain: é uma tecnologia crescente que está atrelada às criptomoedas, ela pode reformular sistemas de identificação, bem como os sistemas bancários;

Espaços Inteligentes: são ambientes capazes de tomar decisões diante de outros aspectos ou ações;

Desenvolvimento Orientado por Inteligência Artificial (IA): em que a IA passa a ser uma co-programadora no processo de desenvolvimento.

 

Todas estas tendências devem ser bem observadas pelos profissionais de TI, principalmente por ser um mercado tão emergente. Tornar-se um especialista em uma área específica pode ser o diferencial tão procurado pelo mercado de trabalho. Por isso os profissionais dessa área devem estar em constantemente processo de aprendizagem, para que possam conhecer e absorver conhecimentos sobre novas tecnologias, que estão constante surgimento.

Profissionais de TI são extremamente requisitados e disputados, isso é notório, e mesmo assim estão em falta no mercado. A revista Exame publicou, em 2018, um artigo identificando que até 2020 o Brasil pode perder R$ 115 bilhões por falta desses profissionais.

 Mesmo com a escassez, o mercado é exigente e seleto. O básico não é mais o suficiente, o profissional de TI deve estar imerso em diversas tendências tecnológicas, bem como saber as boas práticas, e entender que o desenvolvimento em arquitetura monolítica passou a ser uma velha arquitetura, a bola da vez são os Microsserviços.

Nova arquitetura de desenvolvimento

Os projetos em Microsserviços aumentam ainda mais a exigência de novos conhecimentos para a sua disponibilização, como:

Computação em Nuvem: agregando escalabilidade e alta disponibilidade no ambiente;

– Container Docker: que disponibiliza pequenos sistemas operacionais isolados para execução de Microsserviços;

– Kubernetes: um orquestrador de container capaz de gerenciar um cluster agregando resiliência e a saúde do ambiente;

– DevOps: metodologia de desenvolvimento que visa automatizar rotinas e disponibilizar softwares de qualidade e mais rápido.

Uma reflexão que nos chama a atenção é a evolução constante das tecnologias, mudanças de paradigmas que foram capazes de transformar e modificar completamente modelos de negócios como Locação de Filmes para o Netflix, serviço de Táxi para o Uber e serviços de Hotelaria para o Airbnb. Devemos estar constantemente em processo de aprendizagem para que possamos absorver a evolução de tecnologias emergentes e mudanças de paradigmas para a sua aplicação, é isso que irá nos tornar um profissional diferenciado.

12 jul
10 startups que ajudam a ter uma renda extra (e fazem sucesso)

Escola de negócios e gestão

Alguns negócios inovadores resolveram lucrar e, ao mesmo tempo, gerar renda para usuários que ofertam serviços. Confira quais são esses empreendimentos:

A tendência da economia compartilhada (ou economia colaborativa) já está no país há alguns anos, começando com a entrada de negócios como Airbnb e Uber. Alguns empreendedores brasileiros souberam superar os desafios desse tipo de empreendimento e abriram suas próprias empresas.

Além de suas ideias de negócio lucrarem ao resolverem problemas de seus consumidores, elas também podem gerar uma renda extra a usuários que ofertam serviços nas plataformas.

O Site EXAME elencou algumas startups que resolveram adotar esse modelo. Os negócios vão desde entregas de produtos até hospedagem de cães e venda de milhas para passagens aéreas.

Confira, a seguir, algumas startups que ajudam a ter uma renda extra (e fazem sucesso com isso):

1 — Cabenocarro

Cabenocarro

 (Cabenocarro/Divulgação)

A Cabenocarro começou a operar em agosto de 2017, com a proposta de ser uma rede de entregas colaborativas que conecta proprietários de automóveis que realizam um trajeto recorrente no dia a dia (chamados de “viajantes”) a pessoas que precisam enviar itens de um lugar para outro.

O usuário anuncia, por meio da plataforma web ou do app gratuito para Android e iOS, o objeto que precisa entregar, detalhando origem, destino, tamanho e descrição do item. O viajante, após fazer seu cadastro no site e informar dados como documentação do veículo e CNH, escolhe as entregas que deseja fazer.

O ticket médio praticado gira em torno de 30 reais. 80% do valor do serviço fica com o viajante, enquanto a monetização da Cabenocarro se apoia nos 20% restantes.

Hoje, a startup possui 1.500 usuários e 300 entregadores com dados já verificados. Ao todo, 100 entregas foram feitas por meio da Cabenocarro.

 

2 — Descola

Mesa com site da Descola aberto

 (Descola/Divulgação)

A escola online Descola foi lançada em 2013, com a proposta de ser um ambiente de ensino com capacidade de criar experiências de aprendizagem leves, práticas e prazerosas aos alunos.

A startup oferece oportunidade para que profissionais acadêmicos ou do mercado que sejam muito bons em assuntos relacionados a inovação consigam compartilhar o seu conhecimento – e ganhar uma renda extra.

Os materiais de apoio são preparados pela Descola, enquanto o profissional fica responsável por elencar o conteúdo. O professor recebe uma porcentagem por cada venda de curso disponível na plataforma da Descola.

O valor médio por curso é de 150 reais e, segundo a startup, os profissionais de maior sucesso na Descola faturam 15 mil reais por ano.

Atualmente, a plataforma conta com mais de 30 mil alunos e fez parcerias com mais de 50 professores.

 

3 — DogHero

Fernando Gadotti e Eduardo Baer, da DogHero

 (DogHero/Divulgação)

A startup DogHero foi criada para solucionar um problema enfrentado por boa parte dos donos de cães e outros pets: onde deixá-lo durante longas viagens, por exemplo, e saber que ele terá o cuidado que merece?

O funcionamento da startup é muito parecido com o de marcas como Airbnb ou Uber: o usuário abre o aplicativo para Android/iOS ou o site e vê quais “anfitriões” – nome dado para os cuidadores de cachorros – estão próximos.

É possível ver itens como proximidade, experiência do anfitrião com cães, fotos e preços praticados. Também dá para entrar em contato com o anfitrião e marcar encontros de relacionamento – tanto entre vocês dois quanto entre ele e seu pet.

Se as conversas forem bem, o pagamento é feito e o cachorro é hospedado. Ao final da reserva, o cliente pega o pet e consegue deixar uma avaliação do serviço no perfil do cuidador, para que clientes futuros possam ver.

O ticket médio por cliente é de 200 reais. A DogHero cobra uma taxa 25%, já embutida no valor total transacionado, e é assim que se monetiza. Vale lembrar que todas as hospedagens já são cobertas com uma garantia veterinária de 5 mil reais, caso haja alguma emergência.

O negócio possui 15 mil anfitriões e 450 mil cães cadastrados em sua plataforma.

 

4 — Elo7

Aplicativo do Elo7

 (Elo7/Divulgação)

O Elo7 foi criado em 2008, com a proposta de trazer para o universo online produtos autorais e criativos que costumavam ser comercializados apenas localmente.

O marketplace que conecta artesãos, artistas e designers a compradores é uma opção tanto para renda extra quanto para quem quer começar um negócio, mas não planeja investir em um e-commerce próprio ou em uma loja física.

Quem quiser vender pelo Elo7 deve realizar o cadastro na plataforma, inserir seus produtos (com imagens, descrições e preços) e definir como será o pagamento e a entrega.

O ticket médio do Elo7 é 100 reais. Na venda, a comissão da startup vai de 12%, no modo de anúncio clássico, até 18%, no anúncio plus, que possui maior probabilidade de exposição no site. Na comissão já estão inclusas as taxas do processamento do pagamento por cartão ou boleto.

Hoje, a startup possui 4,5 milhões de produtos anunciados e 90 mil vendedores ativos. O Elo7 atingiu em 2016 a marca de 450 milhões de reais em volume de transações e somou mais de 1 milhão de novos compradores. Os números de 2017 ainda não foram fechados, mas é esperado um crescimento de 40% em relação a 2016.

 

5 — Enjoei

O escritório do Enjoei, em São Paulo

 (Larissa Gomes/Enjoei/Divulgação)

Quem está por dentro do mundo das grifes da moda e acompanha as novidades de forma online provavelmente já conhece o que virou esse empreendimento: o site Enjoei.

O marketplace para comprar e vender itens descolados não se posiciona apenas por preços menores, mas principalmente como um “brechó com cara de novo”.

Pessoas podem vender seus acessórios, roupas e sapatos ao montar lojinhas customizadas dentro da plataforma. O Enjoei, por sua vez, faz a moderação de todos os itens antes de serem publicados, por meio de uma curadoria de foto e descrição, e depois os coloca em um modelo de leilão online.

Em troca, o negócio pede uma comissão de 20% sobre o valor total da transação e uma taxa administrativa de 2,15 reais.

No momento, o Enjoei conta com 800 mil usuários vendedores e 600 mil usuários compradores. São 3 milhões de itens disponíveis na plataforma, com 150 mil transações mensais e ticket médio de 95 reais. Todo mês, mais 700 mil itens são cadastrados no Enjoei.

 

6 — LocalChef

Degustadora da startup LocalChef

 (LocalChef/Divulgação)

A startup LocalChef foi lançada em junho de 2016, como um marketplace para conectar consumidores a chefs autônomos. A ideia é que esses cozinheiros trabalhem de suas próprias residências, enquanto o negócio faz toda a logística para que a comida chegue aos clientes no local e data combinados.

Os chefs que quiserem obter uma renda extra pela plataforma devem se cadastrar e preencher informações básicas sobre formação e pratos oferecidos, por exemplo.

Os atendentes da LocalChef fazem uma seleção prévia e explicam como funciona a startup para os selecionados, além de darem um treinamento básico sobre manipulação de alimentos, higiene e embalagem. Também é preciso enviar pratos para degustação e sessão de fotos. Após a aprovação, o cardápio do chef é colocado na plataforma e as vendas começam.

O ticket médio da LocalChef é de 98 reais. Os chefs ficam com um percentual que varia de 80 a 85% do valor final da compra. O restante do valor fica com a startup, como forma de monetização. A LocalChef também diz organizar e participar de eventos com esses chefs, aumentando a renda dos cozinheiros.

Atualmente, o marketplace conta com aproximadamente 270 chefs ativos e uma base de 4.500 clientes. Ao todo, mais de 6 mil pedidos foram realizados.

 

7 — MaxMilhas

Escritório da MaxMilhas

 (MaxMilhas/Divulgação)

A MaxMilhas foi criada em 2013, com o objetivo de vender passagens aéreas com descontos que podem chegar a 80%. Para isso, o usuário adquire sua passagem pelo site da MaxMilhas por meio das milhas aéreas de algum vendedor.

Quem deseja vender pela plataforma deve entrar no site e informar quantas milhas quer oferecer. Elas então serão anunciadas por um valor calculado a partir oferta de todos os vendedores no momento.

Ao informar seus dados e concluir a oferta, o vendedor deve aguardar a análise da equipe do MaxMilhas. Se aprovada, a oferta fica disponível no site, onde é possível acompanhar seu status. Quando a oferta do vendedor é selecionada, a MaxMilhas faz a emissão da passagem.

No fim, o vendedor recebe o dinheiro referente à quantidade de milhas negociada em sua conta bancária cadastrada. O ticket médio por transação é de 750 reais. A MaxMilhas estabelece uma taxa para cada compra e o valor pedido pelas transações varia entre 10% e 30%, adicionado ao valor total da passagem.

Desde a criação da startup, mais de 700 mil pessoas compraram pela MaxMilhas e outras mais de 50 mil venderam suas milhas.

 

8 — Rapiddo

Rapiddo

 (Rapiddo/Divulgação)

A startup Rapiddo Entregas foi criada em 2014, com o objetivo de mudar o modo como as entregas urbanas são feitas. O negócio conecta entregadores e clientes, intermediando pratos de restaurantes, itens comercializados por empresas e trocas entre pessoas físicas.

O entregador interessado deve ter um aparelho Android para baixar o aplicativo do Rapiddo Entregas. A plataforma exige o preenchimento de um cadastro e disponibiliza vídeos com dicas de segurança no trânsito e instruções para utilizar a ferramenta. Após os documentos serem validados, o interessado em renda extra recebe as entregas de acordo com a sua localização.

O ticket médio das entregas de restaurantes gira em torno de 13 reais, enquanto as entregas administrativas possuem um ticket médio de 30 reais. O motoboy cadastrado recebe 80% de cada entrega feita por ele. Os 20% restantes compõem a monetização do Rapiddo Entregas.

Atualmente, a startup conta com mais de 5 mil entregadores ativos e aproximadamente 40 mil usuários cadastrados, sejam eles pessoa jurídica ou física.

 

9 — Supermercado NOW

Um shopper do Supermercado NOW faz compras

 (Supermercado NOW/Divulgação)

O Supermercado NOW surgiu em 2015, com a proposta de fazer as compras no lugar do usuário e entregar na residência de escolha após duas horas (ou algum horário posterior agendado).

O usuário entra na plataforma, coloca seu CEP e consegue identificar 30 estabelecimentos das oito redes parceiras da Supermercado NOW, na cidade de São Paulo e na região do ABC.

Após escolher o supermercado ideal, o usuário monta sua cesta de produtos – cujo preço é o mesmo das gôndolas, diz a startup. Também é possível colocar observações, como preferências quanto ao estado de amadurecimento e tamanho de legumes e frutas.

Quando o carrinho já está montado, o usuário pode agendar o horário de entrega. O mínimo é de duas horas após o pedido. Há uma prévia do valor e o cliente pode fechar a compra. O pagamento é feito pelo cartão de crédito, de forma online.

A possibilidade de ganhar uma renda extra está em ser um shopper – pessoa cadastrada na plataforma e treinada para seleção dos itens e para a entrega, como um motorista do aplicativo Uber –, que vai ao mercado escolhido e depois à casa do cliente na hora agendada.

A taxa de entrega é integralmente repassada ao shopper. A monetização da Supermercado NOW é feita pela cobrança às redes de supermercado: há uma taxa para cada venda realizada pela plataforma.

Hoje, a startup possui uma base de 20 mil clientes – sendo que 5 mil deles são ativos. O ticket médio é de 250 reais, com duas compras de tal valor por mês.

 

10 — Workana

Escritório da Workana

 (Workana/Divulgação)

A Workana foi criada em 2012, na Argentina, como uma plataforma para unir empresários e profissionais freelancers. Atualmente, é possível contratar e oferecer serviços em áreas como conteúdo, design, manufatura, marketing, tecnologia da informação, tradução e vendas.

O profissional que deseja encontrar um trabalho na plataforma realiza um cadastro e já pode oferecer propostas aos trabalhos publicados por empresários. Esse cliente escolhe a melhor proposta, com base no perfil do freelancer e em seu orçamento. O valor fica retido na plataforma da Workana até o final do projeto, quando o empresário pode testar e aprovar o serviço prestado.

O ticket médio da Workana varia de acordo com a área dos projetos. Em marketing online o ticket é de 504 reais, por exemplo, enquanto na área de desenvolvimento de aplicativos mobile o mesmo ticket é de 1.797 reais. A Workana pede uma taxa de 15% em cima do valor cobrado pelo freelancer.

Hoje, a startup possui mais de 30 mil empresários e 1 milhão de freelancers, com mais de 235 mil projetos realizados.

Publicado por site EXAME 

09 jul
Experiências multidispositivo: a tecnologia muda a indústria e nossas vidas

Escola de tecnologia aplicada

Já parou para pensar quanto tempo passamos em contato com algum aparelho tecnológico no nosso dia a dia?

Desde a hora em que acordamos até o momento em que vamos dormir, temos diversas interações com dispositivos que facilitam nossa vida, seja para manter contato com amigos e família, estudar, trabalhar, fazer exercícios ou simplesmente se divertir. Atualmente, grande parte dessas atividades são centralizadas em nossos smartphones, que são parte inerente da forma como interagimos com o mundo, mas não é apenas através deles que nos mantemos conectados. Hoje em dia, há um verdadeiro ecossistema de produtos que fazem parte de nossa experiência digital.

Não faz muito tempo que entramos nessa era conectada. Em um passado não tão distante, cada um de nós tinha apenas um dispositivo que nos conectava com o mundo online, na maior parte das vezes, um computador desktop. Aos poucos, novos aparelhos foram introduzidos: televisores, relógios e celulares passaram por grandes transformações e tornaram-se inteligentes. Agora, temos smartwatches, tablets, smartphones, televisões e diversos outros dispositivos tecnológicos, todos eles inteligentes e conectados ao mundo online.  O resultado dessas mudanças é quase imensurável, alterando a forma como interagimos com o mundo e consumimos conteúdo.

E não para por aí. Todos esses dispositivos também estão interligados entre si. Nossos smartwatches têm atividade otimizada pelos apps presentes nos smartphones; estes, por sua vez estão profundamente ligados às televisões e notebooks; ambos, por sua parte, também estão direta ou indiretamente relacionados a uma infinidade de outros dispositivos. Assim, por mais que nossos smartphones sejam verdadeiros hubs, concentrando as atividades de uma forma significativa, há todo um ecossistema de produtos por trás, que integra e completa a eficácia que os smartphones têm em nossa rotina.

Essa nova realidade, de novas e melhores tecnologias, traz vantagens incalculáveis à experiência do consumidor. Hoje em dia, a forma como nos relacionamos com as inovações é muito mais fluida, integrada e omnichannel. As ações que tomamos com nossos aparelhos se tornaram tão contínuas e complementares que mal notamos mais por quantos dispositivos passamos em uma simples decisão de compra, por exemplo. O que vemos em comerciais na televisão leva a ações que podem englobar nossos smartphones, tablets e notebooks.

Essa integração está tão presente em nossa rotina que chegamos ao ponto em que a linha divisória entre experiência física e digital se tornou quase imperceptível. Temos, atualmente, funcionalidades que fazem com que ações em nossos dispositivos tenham implicações bem reais em nosso mundo “real”. O impacto que inovações em inteligência artificial trazem ao dia a dia são um ótimo exemplo.

Com o aprendizado de máquina, é possível automatizar diversos passos e decisões que tomamos, de forma com que os aparelhos, em conjunto, criem condições diferenciadas, que descomplicam nossa interação com o ambiente. Vejamos, por exemplo, o quanto as famosas assistentes virtuais conseguem nos ajudar. A Bixby, da Samsung, por exemplo, memoriza a rotina do usuário, se adapta às suas necessidades, otimiza o uso de aplicativos e pode ser conectado a diversos aparelhos, até mesmo eletrodomésticos em alguns casos. É dessa forma que coisas que poderiam parecer futurísticas há apenas alguns anos, como um lar inteligente e integrado, estão cada vez mais ao nosso alcance.

Essa realidade, além de alterar a forma como nós, como consumidores, temos contato com o mundo, também adequa a forma como a indústria pensa seus próximos lançamentos e inovações.

Tendo esse ciclo virtuoso, em que alterações na indústria levam a novos hábitos de consumo e vice-versa, cria-se a empolgante situação de inovações constantes e surpreendentes no mercado de tecnologia. É extremamente animador poder vivenciar todas essas mudanças, que transformam a forma como nos relacionamos com nosso ambiente e nos dão a certeza de que muita coisa está por vir, melhorando a forma como nos conectamos, tanto com quem amamos quanto com os demais aparelhos a nossa volta.

Publicado por Olhar Digital

06 jul
“Reconhecimento é a melhor forma de estimular alguém”

Escola de negócios e gestão

Para o filósofo Mário Sérgio Cortella, a ausência de reconhecimento é a grande causa da atual desmotivação nas empresas

O salário não é a principal fonte de insatisfação dos brasileiros dentro das empresas. Mais do que uma remuneração condizente com o que seria justo pelo seu trabalho, as pessoas querem ser reconhecidas e valorizadas dentro das organizações. Ser mais uma peça da engrenagem é um fardo nos tempos atuais, defende o filósofo Mário Sérgio Cortella. Docente, educador, palestrante e consultor de empresas, Cortella afirma que a principal causa da atual desmotivação é a ausência de reconhecimento. E ela manifesta-se de várias formas: do chefe injusto à falta de valorização em cada projeto e tarefa. Não é uma questão puramente de promover o elogio desmesurado, mas uma forma de “dar a energia vital ao funcionário para continuar fazendo e seguindo em frente”. É principalmente evitar a mensagem de que “não ser mandado embora já é um elogio” ou que “o silêncio é a melhor maneira de dizer que está tudo em ordem”.

Em seu novo livro, Mário Sérgio Cortella fala sobre reconhecimento e de outras questões que considera inerentes à insatisfação de muitas pessoas hoje em relação ao próprio emprego. Em Por Que Fazemos O Que Fazemos, publicado pela Editora Planeta, o professor reflete sobre próposito e por que as pessoas almejam empregos que conciliam uma satisfação pessoal e a certeza de não realizar um esforço “inútil” dentro da sociedade. Este tipo de aflição ganha maior evidência com a geração millennial que passou a almejar um “projeto de vida que não soe como conformado”, ou seja, do trabalho pelo trabalho. É sonhar com o trabalho grandioso, com uma rotina que não seja monótona, com um ‘projeto que faça a diferença’. Por outro lado, é uma geração também que chega – em parte –  com pouca disciplina, que tem ambição e pressa, que vê seus desejos como direitos – e ignora os deveres.

Todas essas aflições corporativas têm moldado a forma de atuar das empresas e das pessoas na hora de se associarem a um emprego. Em momentos de crise econômica, elas ganham um nível de contestação ainda maior. Em entrevista à Época NEGÓCIOS, Cortella comenta esses dilemas e mudanças, os “senões” de se fazer o que se ama e por que há uma “obsessão enorme por uma ideia de felicidade que não existe”:

 

As pessoas não querem mais somente um salário mais alto, querem acreditar que fazem algo importante, autoral. Por que a necessidade de ter propósito ganhou maior relevância? É uma questão geracional?

Ela é mais densa e angustiante na nova geração que enxerga muitas vezes na geração anterior, que a criou, certa estafa em relação ao propósito. É muito comum que jovens e crianças enxerguem hoje nos pais algum cansaço e até tristeza naquilo que fazem. O pai e mãe dizem “eu trabalho para sustentar, esse é meu trabalho”. Há uma grande conformidade. E essa conformidade de certa forma acabou marcando uma nova geração, a millennial, que traz aí a necessidade de ter algum projeto de vida. Eles não querem repetir um modelo que, embora esforçado, dedicado e valoroso soa, de certa maneira, como conformado. Hoje há uma aflição muito grande na nova geração de maneira que se traduz numa expressão comum: “eu quero fazer alguma coisa que me torne importante e que eu goste”. A geração anterior tinha um pouco essa preocupação, mas deixou um tanto de lado por conta da necessidade.

 

Quando o sr. se refere à geração Y, aos millennials, está considerando um recorte ou o todo?

Claro que temos recortes. Não estou falando de quem está atrelado ao reino da necessidade, que precisa trabalhar sem discussão porque precisa sobreviver. Esta é uma questão de outra natureza. O termo millennial que eu adoto, como muitos, é aquele que cunharam para quem nasceu a partir dos anos 1990. E essa geração tem recortes mais diretos em relação à camada social. Evidentemente se você considerar aqueles que são escolarizados, têm boa condição de vida e que estão acima da classificação oficial da classe D, essa geração tem mais possibilidade de escolha à medida que a sobrevivência imediata não é uma questão. Ela pode viver até mais tempo com os pais e ser por eles sustentada. Isso vem acontecendo. Já integrantes das classes D e E têm mais dificuldade – uma parcela às vezes encontra sobrevivência na transgressão, no crime de outra natureza e outros encontram aquilo que é o trabalho suplicial que o dia a dia coloca sem escolhas.

 

Como o senhor diz no seu livro até para ser mochileiro, você precisa ser livre de uma série de restrições…

Sim, você precisa dominar outro idioma, saber se virar. Há uma diferença entre um filho meu, de camada média, com uma mochila nas costas andando pela rua em relação ao modo que ele se conduz, à maneira como ele se dirige às pessoas do que ele ser, por exemplo, um andarilho. Uma pessoa pode até ser mochileira, mas ela já tem condições prévias que a tornam uma mochileira com menos transtornos do que como seria de outro modo.

 

O senhor diz frequentemente que, para fazer o que se gosta, é preciso fazer uma série de coisas das quais não se gosta. Esse entendimento provém de uma educação na empresa, da família ou escola?

É uma questão de formação familiar. Hoje há uma nova geração que, especialmente nas classes A, B e C, cresceu com facilitações da vida. Hoje a gente até fala em “adolescência estendida” que vai até aos 30 anos e não necessariamente até os 18 anos. São as pessoas que continuam vivendo com os pais, sob sustentação. Isso acabou levando também a uma condição, que uma parcela dos jovens entende que “desejos são direitos”, que vão obter aquilo porque é desejo deles e um outro vai providenciar. Cria-se assim a perspectiva equivocada de que as coisas podem ser obtidas sem esforço. Mas sabe, eu lembro sempre, trabalhar dá trabalho. Como costumo dizer: “só mundo de poeta que não tem pernilongo”. É óbvio que isso não anula a riqueza que essa nova geração tem de criatividade, expansividade, de receptividade em relação a vários modos de ser. Uma geração mentalmente rica, mas que precisa de um disciplinamento – que não é torturante, mas pedagógico – e que começa na família e vai encontrando abrigo na empresa. Essas estruturas são importantes para que essa energia vital não se dissipe. É preciso organizar essa energia de modo que não se perca com inconstâncias, para ser algo que possa de fato gerar benefício para o indivíduo e para a comunidade dele.

 

As empresas ainda não sabem lidar, de forma geral, com a energia desses jovens?

Não, elas ainda estão começando a aprender. Há algumas que já possuem uma certa inteligência estratégica e estão se preparando e preparando seus gestores para que acolham essa nova geração como um patrimônio e não como um encargo. Porque quando você acolhe a nova geração como um encargo, em vez dela ser “sangue novo”, ela se torna algo que é perturbador. E é claro que não é só o jovem que tem de se preparar para essa condição. É necessário que a pessoa que a receba seja acolhedora, mas que também se coloque em uma postura de humildade pedagógica. Que ela saiba que vai aprender muito com alguém que chega com novas habilidades que a geração anterior não tem. Lidar nos dois polos de maneira que equipes multigeracionais ganhem potência em vez de entrarem em situação de digladio ou confronto.

 

Nesses dois polos, os profissionais mais seniores ficam inseguros com receio de que seu papel não seja mais relevante nas organizações. Como eles podem lidar com esse novo cenário?

Eu só conseguirei ter essa percepção de que estou ficando para trás se eu deixar de lançar mão daqueles que chegam com coisas que eu ainda não conheço. E aí eu não vou ter só a percepção, eu vou ficar mesmo para trás. A gente aprende muito com quem chega, mas a gente também tem o que ensinar. Tem dois princípios que precisamos implantar: 1) quem sabe, reparte 2) quem não sabe, procura. Se eu formar seniores e juniores nesses dois princípios, de um lado vai ter generosidade mental e de outro a humildade intelectual. Essas duas trilhas virtuosas serão decisivas para que a gente construa maior potência no que precisa ser feito.

 

Com todos esses dilemas e mudanças, a ambição é necessária? Uma pessoa ambiciosa é boa ou perigosa para a empresa?

A pessoa ambiciosa é aquela que quer ser mais e melhor. É diferente de uma pessoa gananciosa, que quer tudo só para si a qualquer custo. Uma parte do apodrecimento que nosso país vive no campo da ética hoje se deve mais à ganância do que à ambição. Eu quero um jovem ambicioso. Eu, Cortella, sou ambicioso. Quero mais e melhor. Mais e melhor conhecimento, mais e melhor saúde. Mas não quero só para mim e a qualquer custo. A ganância é a desordem da ambição. É quando você entra no distúrbio que é eticamente fraturado. Por isso, é necessário que uma parte dos jovens seja ambiciosa. Um ou outro tem sim essa marca da ganância caso ele seja criado em uma família, estrutura, comunidade, na qual a regra seja a pior de todas: “fazemos qualquer negócio”. E essa regra é deletéria, é malévola aos negócios que, embora possam ser feitos, não devem ser feitos. A ambição é necessária, mas a ganância tem que ser colocada fora do circuito.

 

E quando você junta ambição e pressa? 

Não é algo que traz bons resultados. Uma das coisas boas da vida não é ter pressa, é ser veloz. Se você faz um trabalho apressadamente, você vai ter que fazer de novo. Quando eu vou consultar médico, eu quero velocidade para chegar à consulta, mas eu não quero pressa na consulta. Velocidade resulta de perícia, habilidade, de ser alguém que tem competência no que faz. A pressa resulta da imperícia. Por isso, o desenvolvimento da perícia, habilidade, competência permite que se faça algo velozmente. E se sou veloz, aquilo que resulta da minha ambição pode se transformar no meu êxito. Se sou apenas um apressado, vou ter que lançar mão de trilhas escusas para chegar ao mesmo objetivo – e o nome disso é Lava Jato.

 

Há um certo profissional que prefere hoje estabilidade e quer seguir uma carreira linear, sem grandes saltos. Mas é visto como um profissional medíocre. Ele está errado?

É um direito que ele tem. Uma pessoa tem direito de fazer essa escolha, mas ela também não pode se lamentar em relação ao resultado que isso traz. Afinal de contas, essa é uma vida morna, sem vibração. Não é uma que eu gostaria de seguir. Mas pode ser feita. Ninguém é obrigado a atuar de um outro modo. Eu acho que escolher essa vida irá beirar, em algum momento, à monotonia e isso gerará tristeza e frustrações.

 

Essa pessoa não projeta provavelmente as expectativas dela dentro da empresa?

Não, ela apenas vê aquilo ali como emprego. Emprego é fonte de renda e trabalho é fonte de vida. Trabalho dá vitalidade, emprego pode te dar dinheiro. Qual a diferença entre trabalho e emprego? O trabalho você faria até de graça. Há pessoas que encontram no emprego o trabalho que gostariam de ter. Há pessoas que não encontram e são infelizes e outras ficam apenas na rotina do emprego. Não seremos nós a dizer a alguém que ele não pode fazer isso, mas a mediocridade como escolha não deixa de ser mediocridade só porque foi escolhida.

 

Do mesmo modo, há quem projete todas as expectativas dentro da empresa…

Sim e isso tem piorado muito. Como o ambiente econômico piorou e a vida ficou mais complexa em relação à condição de sobrevivência, muita gente se encontra desmotivada. Ela até faz, mas não queria estar fazendo daquele modo e às vezes nem tem clareza do porquê está fazendo.  A empresa precisa entender que necessita criar movimentos de estímulo em relação a essa atividade, promover formação continuada, reconhecimento, tudo aquilo que faz com que a pessoa ganhe energia e receba combustível. Ninguém motiva alguém, o que se pode é estimular. A motivação é movimento interno – mas uma pessoa se encontrará mais motivada se ela for estimulada a fazê-lo. Empresa inteligente faz isso, promove momentos de reconhecimento para que as pessoas se sintam autorais naquilo que fazem, nos quais as pessoas entendam que as empresas se interessam por elas e não somente as usam. Entendam que são um bem, não apenas uma propriedade no sentido maquinário do termo. E quem é cuidado por uma organização também vai querer cuidar dela.

 

Em uma empresa com hierarquia muito rígida, é muito difícil fazer isso caso a caso, correto?

Se a empresa não tiver isso vai ter que inventar. Se ela é capaz de inventar participações do mercado, novas tecnologias e inovação, ela terá também de buscar inovação na formação de pessoas. Isso dá trabalho, mas é garantia de futuro. Quando a empresa fala que o maior ativo é gente, isso precisa ser demonstrado. Lealdade é reciprocidade. Se eu não percebo lealdade por parte de quem me contrata quanto à minha dedicação… eu preciso ver que a empresa se dedica a mim também. E isso não é com relação ao meu salário, porque eu vou sempre querer que ele seja superior, mas que seja evidente que a empresa consegue cuidar de mim, ajudar a aumentar minha capacidade, competência, não me colocar apenas como um peão de xadrez dentro do tabuleiro. Porque aí uma hora a reciprocidade virá.

 

No livro, o senhor defende que as empresas devem realizar atividades que façam seus funcionários refletirem sobre o propósito do trabalho que realizam. Por que essa é uma atividade tão rara nas empresas?

Algumas empresas temem que, ao promover essa revisão, a pessoa abandone a companhia. Só que é necessário promover situações, criar ocasiões que levem a refletir sobre a razão de estar ali para que quando a pessoa resolva continuar na empresa, ela fique de modo mais legal, mais persistente e sólido. De nada adianta eu ter um grupo que nem pensa sobre a razão e no primeiro tropeço desiste, enfraquece, perde energia. É uma medida cautelar, é criar ocasiões que façam vir à tona as razões e os senões pelas quais alguém está ali. Assim é possível corrigir e dar maior densidade à razão para que ela continue de uma forma muito mais substantiva. É questão de estratégica, um caminho de perenidade que seja maior do que aquele que traz apenas uma ilusão ou  uma simulação de lealdade.

 

Se você olhar para as organizações que não têm um produto muito mais admirado, como elas podem fazer para atrair e reter talentos em um mundo onde o propósito é mais valorizado?

Há algumas pessoas que não querem mais trabalhar em uma organização que comercializa algo que seja malévolo, menos sedutor, encantador. Isso tem levado as próprias empresas a reorientarem seu modo de atuação. Um dos produtos que hoje está no alvo é o refrigerante, sendo visto como fonte de malefício. Mas as grandes empresas do varejo vêm reordenando a sua atuação nesse campo de maneira a tornar aquele produto como algo que não seja entendido como maléfico. É difícil trabalhar hoje na indústria do tabaco, na indústria armamentista. Mas veja bem, o que é trabalhar na indústria armamentista? É trabalhar naquela que faz míssil ou naquela que faz computador que também é colocado no míssil? Essa inter-relação leva a uma revisão dessas percepções. A empresa não pode ser sedutora apenas na aparência, precisa explicitar os compromissos que tem. É muito mais difícil enganar alguém hoje do que há algumas décadas. A fonte de informação é imediata. Não sou tão iludível quanto era quando era menino. Um jovem de 20 anos tem informações sobre uma organização que não se conseguia tão facilmente antes.

 

O senhor aponta no livro que o maior descontentamento atual dos funcionários nas empresas não é salarial, mas a falta de reconhecimento. Por que a questão ganhou força nos últimos anos?

Hoje há um anonimato muito forte na produção. Como a gente tem uma estrutura de trabalho em equipe muito grande, o trabalho em equipe quase leva à anulação do reconhecimento do indivíduo. E isso significa que um trabalho em equipe não prescinde da atuação de cada pessoa. É necessário que não se gere anonimato. Eu insisto: reconhecimento não é só pecuniário, financeiro, é autoral. É necessário que a empresa exalte, mostre quem colaborou com aquilo. À medida que você tem reconhecimento, comemoração, celebração, isso dá energia vital para continuar fazendo. Não se entende aquilo como sendo apenas uma tarefa. O reconhecimento ultrapassa a ideia de tarefa. Não sei se seu pai fazia isso, mas chegava em casa com o boletim da escola, altas notas, e ele dizia: “não fez mais que a obrigação” – isto é altamente desestimulador. É preciso reconhecer, dizer que é bacana, comemorar. Aquilo que estimula a continuar naquela rota. Reconhecimento é a principal forma de estímulo que alguém pode ter.

 

No livro, o senhor também cita a obsessão por “uma tal ideia de felicidade” que acaba levando as pessoas a viverem muito mais a expectativa do que a realização. Por que isto ocorre?

A felicidade não é o lugar onde você chega. A felicidade é uma circunstância que você vivencia no seu dia a dia. Não tem “a felicidade”. Você tem circunstâncias de felicidade, ocasiões, que quando vêm à tona não devem ser deixadas de lado. Ninguém é feliz o tempo todo – isso seria uma forma de idiotia – à medida que a vida tem suas turbulências. Mas quando ela vier, admita a felicidade. Colocar a felicidade só num ponto futuro, inatingível, isso é muito mais resultante de uma dificuldade de lidar com a questão do que concretamente uma busca efetiva. Por isso, sim, a felicidade é uma desejo porque o mundo tecnológico nos colocou em contato com tantas coisas, mas nos deu uma certa marca de solitariedade, de ficar solitário com relação àquilo que se tem, a uma ausência de contato muito forte. Tudo é muito virtual e isso acaba gerando desconforto interno, angústia nas pessoas. E a felicidade é um nome que as pessoas dão para superar essa angústia.

 

O que é felicidade para o sr?

É a que eu tenho na minha vivência. Quando percebo uma obra feita, uma aula bem dada, um abraço sincero, afeto verdadeiro, conquista merecedora. São meus momentos de felicidade. Não são um lugar onde desejo chegar.

 

Publicado por Época Negócios

24 jun
Facebook anuncia Libra, sua moeda digital; operação começa em 2020

Escola de tecnologia aplicada

O Facebook e outras 27 empresas parceiras anunciaram oficialmente na última terça-feira (18) que planejam lançar uma moeda digital chamada Libra no primeiro semestre de 2020. E, se tudo der certo, a Libra poderá se tornar a moeda digital padrão em todo o mundo.

Segundo o Facebook, a Libra funciona à base do blockchain, embora não esteja claro por que a moeda vai usar essa tecnologia. Ao contrário de criptomoedas como o bitcoin, a Libra terá uma reserva de ativos reais, não pode ser minerada, não há limite para o número de Libra que pode ser produzido, e não será descentralizada no lançamento.

“Hoje estamos compartilhando os planos da Calibra, uma recém-criada subsidiária do Facebook cujo objetivo é fornecer serviços financeiros que permitirão que as pessoas acessem e participem da rede Libra”, disse o Facebook em um comunicado publicado em seu site. “O primeiro produto que a Calibra apresentará é uma carteira digital para Libra, uma nova moeda global impulsionada pela tecnologia blockchain. A carteira estará disponível no Messenger, WhatsApp e como um aplicativo independente – e esperamos lançá-la em 2020”.

A ideia da Calibra é facilitar a transferência de dinheiro para contatos e pagar itens. No futuro, o Facebook fala também em usar a carteira digital para transporte público, substituindo o cartão físico geralmente usado para a tarefa.

O Facebook, sua empresa recém-criada Calibra, e seus 27 outros parceiros estão formando um grupo em Genebra, na Suíça, chamado Associação Libra, que administrará o projeto da moeda digital. Em seu white paper, a Libra é descrita como algo que será “governado como um bem público”, apesar do fato de que o objetivo final é que o Facebook e seus parceiros ganhem dinheiro com o empreendimento.

Publicado por Gizmodo Brasil 

19 jun
Empresas devem planejar no curtíssimo e no longo prazo, diz consultor do Vale do Silício

Escola de negócios e gestão

Para John Hagel, da Deloitte, um mundo em constante tranformação pede novas estratégias: pensar a empresa em dois tempos é uma delas

Pensar no curtíssimo e no longo prazo: essa é a principal estratégia que John Hagel, diretor do Center for the Edge, da Deloitte, e consultor de empresas no Vale do Silício, recomenda para que as empresas sobrevivam a um mundo em constante transformação. “Hoje todos nós vivemos sob muita pressão. Em situações como essa, a reação natural dos seres humanos é não pensar a longo prazo”, afirmou ele durante o Singularity Brazil Summit 2019, evento que aconteceu este mês de junho em São Paulo. “Temos que expandir os nossos horizontes.”

Em vez de formular o tradicional plano de cinco anos, diz ele, as empresas hoje devem lidar ao mesmo tempo com duas linhas do tempo. Uma vai de seis a doze meses, e determina os objetivos imediatos, diante do cenário existente hoje. A outra se refere ao que vai acontecer em 10-20 anos, e permite às empresas formular previsões, ações e determinar os recursos que serão necessários a longo prazo. “Trabalhe no curtíssimo e no longo prazo, e esqueça tudo o que está no meio”, diz ele.

 

John Hagel, consultor de empresas no Vale do Silício. (Foto: Divulgação)

Outra estratégia para lidar com as mudanças é escanear o ecossistema e encontrar parcerias, seja com empresas de grande e médio porte ou startups – ação considerada fundamental para o consultor. “Ao colaborar com outros empreendedores e líderes, você conquista mais rapidamente novas habilidades e expertise que são essenciais para um mundo em revolução”, diz. “Hoje a maioria das empresas disruptivas captam os seus recursos por meio de parcerias.”

Para motivar os colaboradores nesse novo centário, diz Hagel, é preciso focar nas suas paixões. “Hoje as empresas falam em engajamento, mas poucas lembram de falar em paixão.” A paixão a que ele se refere diz respeito ao explorador, que quer enfrentar novos desafios. “A empresa deve tentar acessar essa paixão nos funcionários, e estimulá-los a enfrentar desafios motivadores. Só dessa maneira se engajarão com os projetos “Hoje, a maioria dos profissionais com quem me encontro sente medo. Queremos que eles se sintam esperançosos e motivados”, diz Hagel.

Em um mundo de contante mudança, a figura do líder tem papel fundamental. Segundo Hagel, o líder é aquele que faz as melhores perguntas e admite não ter todas as respostas. “Ele estimula as pessoas a encontrarem suas próprias soluções”, afirma. “Expor suas vulnerabilidades também desperta a confiança dos colegas.”

Nenhuma dessas soluções é simples, diz Hagel. Pesquisa feita pela sua consultoria nos Estados Unidos indicou que 13% dos trabalhadores não sentem paixão pelas suas funções no trabalho. Para o consultor, esse gap representa uma oportunidade de ação. “Precisamos entender as motivações dessas pessoas para alcançar os nossos objetivos”, afirma.

 Publicado por Época Negócios

 

 

 

18 jun
Justiça proíbe youtuber que humilhou um mendigo de usar a rede social por cinco anos

Escola de direito aplicado

ReSet também é condenado a 15 meses de prisão e a pagar o equivalente a 88.000 reais de indenização

Uma juíza de Barcelona proibiu o youtuber conhecido como ReSet de utilizar essa rede social durante os próximos cinco anos. Kanghua R., de 21 anos, criador do popular canal que leva seu apelido, foi condenado por humilhar um mendigo ao lhe oferecer biscoitos Oreo recheados com pasta de dente e gravar a cena em vídeo. A titular do tribunal penal número 9 de Barcelona também impôs ao jovem uma pena de prisão de 15 meses − que ele não precisará cumprir porque não tem antecedentes − por crime contra a integridade moral.

A sentença, à qual o EL PAÍS teve acesso, é inédita: proíbe Kanghua de “ir” à cena do crime − uma cena virtual, o YouTube, a plataforma de vídeos do Google − durante cinco anos. Também ordena que apague, durante esse período, seu canal. E o proíbe de criar uma conta nova, o que significa que o negócio de ReSet acabou por um bom tempo. A juíza impôs ao jovem, além disso, o pagamento de uma indenização de 20.000 euros (88.000 reais) pelos “danos morais” causados à vítima, um sem-teto de origem romena que dorme no bairro La Marina, na Zona Franca de Barcelona.

A procuradoria de crimes de ódio promoveu a investigação contra Kanghua, que nasceu na China e foi criado na Espanha. A juíza considerou que o vídeo que ele postou foi “um ato claro e inequívoco de conteúdo vexatório” e que, além disso, a ingestão da pasta de dente provocou um “sofrimento físico” − o morador de rua vomitou e teve desconforto digestivo − e psíquico. No julgamento, o jovem alegou que o vídeo fazia parte dos “desafios” que ele encarava periodicamente em seu canal, e que foi tudo “uma brincadeira”. Graças ao vídeo do mendigo e dos biscoitos, o youtuber teve um lucro de 2.000 euros (8.800 reais). Agora, terá de pagar uma indenização dez vezes maior que essa quantia.

O youtuber ReSet diante da juíza na Cidade da Justiça de Barcelona. MASSIMILIANO MINOCRI

 

Os fatos remontam ao início de 2017, quando ReSet estava “entre os 200 youtubers mais importantes da Espanha e Ibero-América”, segundo um relatório que a polícia da Catalunha apresentou no julgamento. Depois de três anos com o canal aberto, Kanghua somava 1,1 milhão de assinantes e seus vídeos tinham alcançado 124 milhões de visualizações.

 

O jovem aceitou o desafio de um dos usuários de seu canal de rechear biscoitos Oreo com pasta de dente, mas o modificou ao decidir dá-los a um morador de rua. Fez isso, diz a sentença, “para atrair de forma efetiva a atenção mórbida de seus seguidores” e, de quebra, obter “um apetitoso aumento da receita” que recebia do Google por publicidade. Kanghua foi às ruas com seu celular e se deparou com Gheorge L., que pedia esmola na frente de um supermercado. Entregou-lhe 20 euros (88 reais) e o pacote de biscoitos. Gravou a cena e a subiu ao YouTube, onde comentou: “Talvez eu tenha ido um pouco longe, mas veja o lado positivo: isso o ajudará a limpar os dentes. Acho que ele não os limpa desde que ficou pobre”.

O vídeo provocou uma enorme polêmica. ReSet o apagou e, poucos dias depois, foi ver o sem-teto para passar a noite com ele. Também pagou 300 euros (1.320 reais) à filha do homem para evitar que o denunciasse. Um amigo de Kanghua, também youtuber, reconheceu no julgamento que o incentivou a tomar essa iniciativa. Mas não “para que refletisse sobre o quanto sua ação tinha sido degradante”, e sim para “limpar sua imagem”, assinala a sentença da juíza Rosa Aragonés.

“Não foi um ato isolado”, diz a sentença, que lembra como, em outros vídeos, ReSet mostrou “comportamentos cruéis” e sempre com “vítimas fáceis ou vulneráveis”. Algo que ele não negou no julgamento: “Se me meto com gente mais musculosa, corro o risco de que me batam, porque as pessoas têm muito mau humor”. O youtuber ofereceu, por exemplo, sanduíches com excrementos de gato a idosos e crianças em um parque.

Kanghua “humilhou uma pessoa vulnerável, sem lar, de muito mais idade, que não fala as línguas oficiais e se deteriorou devido à vida nas ruas e ao alcoolismo”, ressalta a juíza. O comportamento de ReSet foi ainda mais grave porque ele divulgou a ação no YouTube. Embora tenha sido apagado depois, o vídeo continua circulando na Internet. No julgamento, o youtuber fez uso do direito à última palavra para tentar minimizar o caso: “Faço as coisas para dar espetáculo, as pessoas gostam de coisas mórbidas”.

Fonte: El País – Internacional 

13 jun
A contradição entre meios e fins na lógica da Lava Jato

Escola de direito aplicado

As conversas reveladas pelo The Intercept Brasil entre o então juiz federal Sergio Moro e o procurador Deltan Dallagnol colocam em xeque a operação contra a corrupção iniciada em Curitiba em 2014

Em 2004, o então Juiz Sérgio Moro publicou um artigo que se tornaria um clássico. Em “Considerações sobre a operação Mani Pulite”, Moro, a pretexto de analisar a operação italiana que inspirou a Lava Jato brasileira, revelou grande parte de sua própria estratégia na condução daquela que se tornou a mais importante investigação de corrupção da história do país.

A certa altura do texto, Moro escreve que “é ingenuidade pensar que processos criminais eficazes contra figuras poderosas, como autoridades governamentais ou empresários, possam ser conduzidos normalmente, sem reações”.  E acrescenta que, muito embora “um Judiciário independente, tanto de pressões externas como internas” seja “condição necessária para suportar ações judiciais da espécie”,  “a opinião pública, como ilustra o exemplo italiano, é também essencial para o êxito da ação judicial”.

Sérgio Moro deixava claro que o processo penal deveria ser orientado pelo princípio da efetividade e que, para isso, o peso da opinião pública era indispensável. A visão de processo penal descrita – e defendida – no artigo tornou-se a visão prevalecente entre os membros da Lava Jato, e chegou, inclusive, ao Supremo Tribunal Federal, com a mudança de entendimento sobre a prisão após condenação em segunda instância. Ela pode ser descrita como a prevalência, no âmbito do processo penal, da racionalidade substantiva sobre a racionalidade formal, típica dos juristas. Para os atores da Lava Jato, os fins do processo penal – avaliados a partir de uma racionalidade substantiva – deveriam orientar e, quando necessário, superar o apego aos meios com o qual os juristas treinados na racionalidade formal estavam acostumados a operar.

Essa prevalência dos fins envolvia uma instrumentalização do processo penal, cujas regras deveriam ser interpretadas e aplicadas com vistas a atingir um determinado objetivo: a condenação e prisão, em tempo rápido, de acusados de corrupção. Em outras palavras, a máxima efetividade do sistema criminal. É somente sob essa lógica que se pode entender entender diversas decisões controversas proferidas pelo então Juiz Sérgio Moro.

O caso mais emblemático foi, sem dúvidas, a divulgação dos áudios entre Dilma Rousseff e Luiz Inácio Lula da Silva. A decisão de divulgação, fundamentada no interesse público da conversa, foi posteriormente anulada pelo Supremo Tribunal Federal. É difícil que Moro não soubesse que se tratava de uma medida de exceção: mas ela se justificava na lógica da Lava Jato. Ela era um meio necessário à obtenção de um fim visto por eles como nobre e meritório.

Mas a lógica dos meios e fins que orientou toda a concepção de processo penal da Lava Jato – justificando, por exemplo, longas prisões preventivas, conduções coercitivas e regras de direito probatório pouco ortodoxas – dependia de pelo pelos menos três elementos: a nobreza dos fins, a necessidade dos meios e a excepcionalidade dos desvios. Em outras palavras: o sucesso, inclusive entre membros do Judiciário, da visão de processo penal defendida no âmbito da Lava Jato dependia de que os desvios de padrões estritos de legalidade fossem raros e fortemente justificados sob o ponto de vista de uma racionalidade substantiva.

O desvio reiterado de regras era uma estratégia autodestrutiva porque, afinal, ainda era de processo que estávamos falando. Se houve aqueles que defendessem a decisão de Sérgio Moro na divulgação do famoso “áudio do Bessias” era porque se acreditava que a medida tanto estava justificada quanto não colocava em xeque o núcleo de garantias processuais dos envolvidos. Ela era adequada justamente porque era única. O respeito ao _rule of law_, entendido a partir de uma visão substantiva, estava garantido pela excepcionalidade da medida.

Essa concepção de meios e fins colaborou para o sucesso dessa nova visão de processo penal. Muitos acreditavam que pequenos desvios da legalidade não comprometiam o núcleo duro das garantais formais dos acusados, além de favorecer certos fins importantes que deveriam ser perseguidos através do processo.

O conteúdo das mensagens divulgadas pela agência de notícias The Intercept Brasil, no entanto, põe em xeque a legitimidade da lógica de meios e fins que orientou a Lava Jato. As conversas entre Moro e Deltan Dallagnol, líder da força tarefa do MPF, revelam um Juiz diretamente engajado com o órgão acusador, orientando o Procurador da República em linhas de investigação, ordem de operações e até em situações mais prosaicas, como o desempenho de uma colega na condução de audiências.

As conversas não só não são normais, como flertam, diretamente, com as causas de suspeição previstas no Código de Processo Penal. Espera-se do Juiz – e mesmo o Juiz criminal – que seja um ator imparcial e neutro, não um parceiro do órgão acusador. Mas será que não seria mais um caso em que a finalidade nobre perseguida por Moro e pelos procuradores justificaria a existência de um heterodoxo condomínio entre acusação e Juiz?

E é aqui que a justificativa padrão para muitas decisões de Sérgio Moro encontra dificuldades. Justificar mensagens como as divulgadas sob o pretexto de que a quebra da parcialidade do juiz se justificaria pela finalidade de “prisão de corruptos” desafia tanto a necessidade dos meios quanto sua excepcionalidade. Em que medida um relacionamento tão próximo, inclusive com dicas de ordens de operação, pode ser considerado um meio imprescindível para a efetividade do processo penal? Acaso a operação enfrentava um grave risco que exigiria a quebra da parcialidade do Juiz? Mais grave ainda: se até mesmo a parcialidade do Juiz e a equidistância das partes podem ser relativizadas pelo argumento finalístico da Lava Jato, qual a limite para a flexibilização dos meios em nome dos fins?

As conversas entre Moro e Dallagnol tanto não se justificam numa lógica de meios e fins como colocam em xeque a própria lógica que justificou tantas e tão variadas decisões proferidas no âmbito da operação Lava Jato. Quando o Direito gradativamente abre mão dos meios, não se sabe quais deles restarão intactos na procura pelos fins.

 

 

Publicado originalmente em Nexo Jornal

 

 

06 jun
Inteligência artificial dá vida a Mona Lisa

Escola de tecnologia aplicada

Já não restam dúvidas de que parecem infinitas as possibilidades da inteligência artificial

Você já parou alguma vez para pensar como seria a Mona Lisa na vida real? Seus trejeitos, sua forma de falar? Como sacudiria os cabelos e como sorriria de verdade? Pois a inteligência artificial resolveu isso para a humanidade. O Samsung AI Center, que fica em Moscou, na Rússia, publicou um estudo que mostra como já é tecnicamente possível “dar vida” e “animar” um rosto a partir de um único frame de imagem – foto ou pintura. Adicionar voz a partir daí é moleza. Quase qualquer um pode fazer.

No experimento, La Gioconda, pintada por Leonardo Da Vinci entre 1503 e 1506, mexe de um lado para o outro. O mesmo acontece com a atriz americana Marilyn Monroe e o pintor espanhol Salvador Dalí, falecidos em 1962 e 1989, respectivamente. A partir de fotografias históricas de ambos, os especialistas animaram celebridades de todas as partes do mundo. Veja o vídeo a seguir:

 

 

Passei os últimos dias mostrando o resultado dessa experiência aos mais diversos tipos de profissionais – de checadores de fatos a professores do ensino médio, passando por artistas plásticos e arquitetos. A reação foi a mesma para todos – e na mesma ordem. Primeiro veio o encantamento. Já não restam dúvidas de que parecem infinitas as possibilidades da inteligência artificial, e todas elas são surpreendentes. Um dos indivíduos expostos a esse avanço tecnológico chegou a pensar em seus entes queridos falecidos e a exclamar “Nossa! Então meus pais e meus avós poderiam voltar a falar e se movimentar? Que coisa incrível!”

Mas, logo em seguida, a reação se associava à veracidade dos fatos. Comentários na linha “Então dá para manipular qualquer coisa agora” se tornaram frequentes. E, por estarem diante de uma fact-checker, surgia o questionamento: “Os checadores já estão preparados para verificar esse tipo de alteração?” A resposta é, provavelmente, não.

No exemplo da Mona Lisa, os especialistas mostram com clareza que é possível fazer não apenas uma versão da Gioconda, mas três – com três estilos e personalidades diferentes: uma mais risonha, mais extrovertida, e outras mais tímidas, mais acanhadas. São sutilezas que vão além da técnica e que, obviamente, adicionam camadas de dificuldade à checagem de fatos.

Extrapole essa técnica a cenários imagináveis possíveis. Pense em políticos falecidos que podem “renascer” dizendo frases que jamais disseram ou se comportando de forma que não condizem com seu estilo real. É fato que fizeram isso com Barack Obama, Donald Trump e Vladimir Putin, entre outros. Mas imagine fazer isso com Josef Stálin ou Adolph Hitler – que já não estão vivos para negar possíveis falas falsas. Será necessário avançar diversos graus na análise técnica de imagens e vídeos para poder flagrar algo assim como falso.

E é por isso que a checagem de fatos não pode ser exclusivo de jornalistas ou especialistas em dados. É urgente que profissionais formados em áreas relacionadas à tecnologia da informação, à inteligência artificial e ao uso ostensivo de vídeos se integrem à massa de checadores ao redor do mundo. Os avanços nesse tipo de manipulação também têm de acompanhar o lado do fact-checking. Caso contrário, estaremos fadados ao atraso – e ao fracasso.

Fonte: Agência Lupa

12 fev
Vale a pena cursar Administração?

Escola de negócios e gestão

Descubra quais as vantagens desta formação

O curso de administração está entre as opções mais amplas do mercado atualmente. Por conta disso, quem se forma nesta graduação consegue trabalhar em diversos setores e também tem o conhecimento necessário para montar o próprio negócio.

 

Afinal, as empresas precisam de um profissional com formação em administração para trabalhar não só neste ramo, mas nos setores de marketing, recursos humanos (RH), planejamento, financeiro e contabilidade.

 

Como é a graduação em administração?

 

Este curso, que normalmente tem duração de quatro anos, é um dos mais versáteis do mercado, porque traz matérias de diferentes áreas.

 

A grade curricular reúne marketing e comportamento do consumidor, contabilidade, micro e macroeconomia e matemática financeira. Por esse motivo, aproveite todos os conhecimentos das matérias, mesmo que algum tema não agrade tanto.

 

Principais áreas de atuação

 

Existem diversas áreas de atuação para graduandos e graduados em Administração, no mercado de trabalho. As principais são:

 

– Gestão de pessoas: Envolve todos os aspectos relacionados as pessoas, como recrutamento, seleção, capacitação e acompanhamento do desenvolvimento dos funcionários ou colaboradores. É a área da administração responsável por gerar bom entrosamento e motivação entre todos os colaboradores.

 

– Gestão de materiais e logística: Se preocupa com as matérias primas, insumos e os produtos finais, gerenciando sua movimentação e armazenagem, desde os fornecedores até os clientes finais, garantindo que cada coisa esteja em seu local no momento adequado.

 

– Produção e operações: Trata do gerenciamento de matérias primas, insumos e quaisquer recursos utilizados pelas organizações para produzir produtos ou oferecer serviços. Avalia a eficiência e eficácia dos processos em busca de melhores produtos e serviços.

 

– Marketing: É a área que lida com os clientes. Para isso, pesquisa o que as pessoas esperam dos produtos e serviços e quais os seus desejos. Após estas pesquisas o marketing é responsável por ajudar a definir como será o produto/serviço, o preço a ser praticado, os locais de venda e os meios mais efetivos de publicidade.

 

– Finanças: Atua no gerenciamento dos recursos financeiros, recebimentos, pagamentos e na prestação de contas. Analisa informações e índices para identificar a viabilidade dos negócios e de investimentos.

 

– Gestão estratégica: Define objetivos e metas, bem como planos para se chegar até lá. Suas análises envolvem o ambiente interno da organização, mas também o externo, que são os mercados, os concorrentes, clientes, etc.

 

Com estes conhecimentos consolidados o administrador tem ampla área de atuação, seja para atuar em organizações já existentes ou para empreender e criar o próprio negócio.

 

E, aí, ficou com vontade de ingressar no curso de Administração?

 

No iCEV, os acadêmicos de Administração têm aulas práticas, que mesclam teoria com empreendedorismo, e ainda  criam e/ou desenvolvem o próprio negócio no Laboratório de Práticas Empreendedoras.

 

Quer inovar junto com a gente? Pois, venha fazer iCEV!

 

Fontes: Konkero / administradores.com

11 fev
Dia Internacional das Mulheres e Meninas na Ciência

iCEV

As Nações Unidas estimam que menos de 30% dos pesquisadores em áreas científicas e tecnológicas sejam mulheres

Em mensagem para o Dia Internacional das Mulheres e Meninas na Ciência, lembrado neste 11 de fevereiro, a UNESCO e a ONU Mulheres alertam para obstáculos à participação feminina nos setores de tecnologia, engenharia e programação — nichos da atividade produtiva que estão entre os que mais crescem no mundo. Sem inclusão, o futuro do mercado de trabalho poderá testemunhar desigualdades de gênero ainda mais sérias, segundo as agências internacionais.

 

Atualmente, as Nações Unidas estimam que menos de 30% dos pesquisadores em áreas científicas e tecnológicas sejam mulheres. Habilidades em ciência, tecnologia, engenharia e matemática, conhecidas pela sigla STEM em inglês, serão fundamentais em economias marcadas pelo avanço da automatização e pela criação de empregos em áreas que exigem alta qualificação. Pesquisas sugerem que 65% das crianças que entram no hoje ensino fundamental I terão profissões que ainda não existem.

 

“Estudos recentes estão mostrando que mudanças no mercado global de trabalho resultarão em 58 milhões de novos empregos líquidos, particularmente (envolvendo) analistas de dados e cientistas, especialistas em inteligência artificial e aprendizado das máquinas, desenvolvedores e analistas de softwares e aplicativos e especialistas em visualização de dados”, afirmaram as dirigentes da UNESCO, Audrey Azoulay, e ONU Mulheres, Phumzile Mlambo-Ngcuka.

 

“Infelizmente, há evidência de problemas correntes para as mulheres em profissões importantes como engenharia, com baixa retenção, progressão (de carreira) e reintegração após a licença-maternidade. O Relatório de Lacunas de Gênero do Fórum Econômico Mundial de 2018, por exemplo, mostra que, globalmente, apenas 22% dos profissionais de inteligência artificial são mulheres: um verdadeiro abismo de gênero que reflete questões significativas como segregação profissional e condições de trabalho desfavoráveis.”

 

Estimativas apontam que, para cada 20 vagas de trabalho perdidas no futuro, as mulheres ganhariam em retorno um posto na área de STEM. Entre os homens, a proporção é alarmantemente diferente — eles ganhariam uma vaga em STEM para cada quatro postos eliminados. Processos seletivos aprimorados, estratégias de retenção e de promoção da participação feminina, assim como programas de educação continuada para mulheres, poderiam ajudar a fechar essa lacuna.

 

“Além de enfrentar essas barreiras, a melhoria da conectividade digital e a disponibilidade de tecnologia a preços acessíveis também podem garantir maior igualdade nos campos de STEM, permitindo que mulheres e meninas se beneficiem plenamente como cientistas, estudantes e cidadãs”, acrescentaram as chefes dos organismos internacionais.

 

“Lutar contra as desigualdades desde cedo dentro do sistema de educação é vital, e é por isso que a UNESCO trabalha para estimular o interesse das meninas em disciplinas (da área) de STEM, combater estereótipos no currículo escolar e aumentar o acesso a orientadoras mulheres.”

 

A UNESCO também celebra a participação das mulheres em pesquisa e desenvolvimento por meio do prêmio e programa L’Oréal-UNESCO para as Mulheres na Ciência. A agência da ONU promove ainda a Organização para as Mulheres na Ciência para o Mundo em Desenvolvimento. Ambas as iniciativas oferecem para pesquisadoras de todo o mundo bolsas, oportunidades de mentoria e de fazer contatos.

 

Outra iniciativa do organismo internacional é o Projeto de Avanço de STEM e Gênero, que apoia a inclusão da igualdade de gênero em políticas, planos e legislações nacionais sobre ciência, tecnologia e inovação. Um dos focos é a produção de dados desagregados por sexo.

 

Já a ONU Mulheres promove os Princípios de Empoderamento das Mulheres (WEP, na sigla em inglês). Eles oferecem às empresas — incluindo nos setores digitais, de tecnologia da comunicação e informação, tecnologia da ciência e inovação, STEM, arte e design — uma orientação concreta sobre como empoderar as mulheres no local de trabalho, nos mercados e na comunidade. A agência chama todas as companhias a assinar e implementar essas diretrizes.

 

“Por meio de todas essas iniciativas, estamos determinadas em encorajar uma nova geração de mulheres e meninas cientistas a enfrentar os principais desafios do nosso tempo”, afirmaram as chefes das duas agências da ONU.

 

Phumzile e Audrey lembraram o ativismo da sueca Greta Thunberg, uma jovem de apenas 15 anos que organizou no ano passado uma greve em seu país de origem, com o intuito de cobrar ações do governo contra as mudanças climáticas. A estudante deixou de frequentar a escola para passar dias na frente do Parlamento e pressionar as autoridades. Greta tornou-se uma nova voz da juventude engajada com a ação climática, comparecendo à Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas (COP24), na Polônia, e inspirando jovens de outras partes do mundo.

 

“Canalizando a criatividade e a inovação de todas as mulheres e meninas na ciência e investindo adequadamente em ecossistemas inclusivos de educação de STEM, de pesquisa e desenvolvimento e ciência, de tenologia e inovação, temos uma oportunidade sem precedentes de alavancar o potencial da Quarta Revolução Industrial para beneficiar a sociedade.”

 

Fonte: ONU BR (Nações Unidas no Brasil)

06 fev
Pacote Moro: Processo penal maquiavélico e a máquina de produzir confissões

Escola de direito aplicado

O projeto do novo código propõe a possibilidade de barganha entre Ministério Público e Defesa

Na idade média, a confissão era considerada a “Rainha das Provas”. Era comum que, tanto os julgamentos dos Tribunais da Santa Inquisição quanto dos tribunais laicos girassem em torno da obtenção da confissão por parte do acusado. Essa confissão era extraída, em regra, por meio de torturas e suplícios. Uma das características dessa era do suplício-espetáculo na história do processo penal (conhecida como sistema inquisitório) era o fato de não haver clara separação entre pena e processo.

Em pleno século XXI, no Brasil, estamos correndo o risco de resgatar semelhante modelo de processo penal, por meio do Projeto de Lei Anticrime proposto pelo agora Ministro da Justiça Sérgio Moro e do Projeto do Novo Código de Processo Penal (PL 8.045/2010), mormente no que tange às propostas de inserção de modelo de justiça criminal negocial baseado na confissão de culpa.

 

O pacote Moro

O projeto do novo código, em seus artigos 283 e 284, propõe a possibilidade de barganha entre Ministério Público e Defesa, que podem, tendo a confissão como pré-requisito, entrar em um acordo acerca da pena a ser imposta (antecipadamente), sem que seja necessário o julgamento de um terceiro isento (Juiz).

Semelhante proposta aparece no “pacote Moro”, com a sugestão de criação do art. 395-A no Código de Processo Penal. Se pretende implementar este instituto, inspirado principalmente no modelo de barganha criminal existente na common law, mormente no plea bargaining norte-americano, por razões que refletem a racionalidade punitiva de correntes vinculadas ao discurso do Eficientismo Penal.

A ideia é pular etapas processuais para substituir uma justiça criminal morosa e burocrática por outra que atinja, rapidamente, a sua finalidade. O problema crucial, no entanto, parece estar aí: qual é esta finalidade? No cenário de expansão penal atual, em que proliferam os discursos de Lei e Ordem e o fetiche da justiça criminal como solução para grande parte dos problemas sociais, o imaginário popular passa a determinar cada vez mais a forma como se conduzem as políticas criminais e mesmo as decisões judiciais.

O legislador penal e o juiz criminal, de repente, se veem instados a agradar a um grande público sedento de vingança (ou de “justiça”, como se prefere utilizar eufemisticamente). O inconsciente coletivo transborda em gozo punitivo.

Como justificar, então, a insistência em utilizar os Estados Unidos da América como modelo a ser copiado na esfera das políticas criminais? É preciso lembrar que os EUA estão entre os únicos países que, na contramão dos tratados e convenções internacionais sobre direitos humanos, insistem em manter a pena de morte, a prisão de caráter perpétuo, a tortura institucionalizada (veja-se Guantánamo), afora de contarem com a maior população carcerária do mundo (tanto em números absolutos quanto em termos proporcionais) e um dos sistemas penais mais seletivos e estigmatizantes de que se tem notícia.

Nos EUA, graças ao instituto do plea bargaining, pouquíssimas questões penais chegam a termo por meio de um julgamento. Em geral, é mais comum a confissão prévia de culpa, com a consequente negociação da pena com o Órgão Acusatório, que o exercício do contraditório e da ampla defesa.

No Brasil não parece ser diferente quando falamos dos chamados crimes de menor potencial ofensivo, nos quais a transação penal com o Ministério Público já é possível sem que, no entanto, se presuma existência de culpa (o “pacote Moro”, inclusive, pretende ampliar as hipóteses de aplicação deste instituto).

 

Quais os riscos dessa proposta?

Temos aí, então, um primeiro risco da proposta: a do estímulo a um processo penal maquiavélico, em que os fins justificam os meios, entendido o fim como a aplicação de sofrimento (pena) ao acusado. Esse risco comporta, inclusive, a grande possibilidade de extração de falsas confissões, com consequente aplicação de pena a inocentes. Essa preocupação é tão real que não passou despercebida pelo legislador processual penal pretérito.

O segundo risco iminente do projeto é o estímulo a um excesso de acusação como mecanismo de empoderamento da posição negocial do Ministério Público. O excesso de acusação já é comum no Brasil, com denúncias que trazem quantidade desarrazoada de tipos penais, muitos sem qualquer cabimento, ou a aplicação banalizada de qualificadoras, agravantes, causas de aumento de pena (é cada vez mais raro se deparar, por exemplo, com uma denúncia por homicídio simples – o homicídio qualificado tornou-se regra).

Criou-se uma cultura na qual o bom Promotor é o Promotor duro, que pede a condenação nas penas mais severas, que denuncia pela maior quantidade de delitos e, principalmente, o que consegue mandar a maior quantidade de pessoas para as jaulas públicas. Promotor bom é Promotor que condena e quanto maior a pena, melhor o acusador.

Assim, será ainda maior o estímulo ao excesso de acusação com este modelo de justiça criminal negocial, pois quanto mais terrível for a acusação, mais espaço para barganha terá o acusador.

O terceiro grande problema em torno da questão é que, mais uma vez, tanto Ministro Sérgio Moro como legislador, na proposta do novo CPP, perderam a oportunidade de devolver o protagonismo à vítima, permitindo que ela ou seus representantes participem da negociação.

Nosso sistema penitenciário se encontra em situação de conhecida falência, com superpopulação carcerária generalizada e condições desumanas de cumprimento das penas. Para implementar essa política criminal eficientista de justiça negocial e condenação prévia, onde colocaremos essas pessoas que optarão pela barganha e pela encarceramento antecipado? Que efeitos terá a pena sobre essas pessoas? Predominarão efeitos positivos ou efeitos negativos? Por fim, quanto custará para implementar essa política criminal? Quantos novos presídios se precisará construir? Quem pagará esta conta?

Assim, nas asas do eficientismo penal, o “pacote Moro” e PL 8.045/2010 convidam o Brasil a um retrocesso que ameaça o sistema acusatório e se propõe a estimular um processo penal maquiavélico, a transformar a justiça criminal em uma máquina de produzir confissões, a perpetuar a exclusão processual da vítima e, por fim e principalmente, a promover um encarceramento massivo e inútil para o qual o país não está minimamente preparado.

05 dez
Vai fazer o vestibular iCEV? Veja dicas especiais que preparamos!

iCEV

No próximo sábado, 8, tem Vestibular iCEV! E, para ajudar quem tá na reta final de estudos, a gente preparou essas dicas sobre o que é cobrado na prova.

Confira o edital do Vestibular iCEV 2019.1

A boa notícia é que o exame do iCEV segue o modelo adotado pelo Enem – portanto, se você estudou para as provas do exame nacional, é provável que esteja preparado para o nosso certame.

5 diferenciais iCEV que você precisa conhecer

A instituição oferece vagas para os cursos de Administração, Ciências Contábeis e Direito. Para participar da seleção é necessário que o candidato se inscreva através do site até o dia 7 de dezembro.

Curiosidade: Como o cérebro funciona durante o vestibular?

No iCEV a prova inicia às 14 horas – mas os portões abrem ao meio dia, não se atrase!

Ferramentas que vão te ajudar nos estudos para o vestibular

Olho nas dicas:

Prova objetiva

São 60 questões de múltipla escolha, divididas em áreas do conhecimento:
– Linguagens e suas tecnologias (incluindo língua estrangeira: Inglês)
– Matemática e suas tecnologias
– Ciências Humanas
– Ciências da Natureza

Redação
– Texto em Língua Portuguesa do tipo dissertativo-argumentativo, sobre o tema de ordem social, científica, cultural ou política
– Atenção para o raciocínio, a objetividade, a coesão, a coerência, a clareza e a correção de linguagem!

 

04 dez
Da igualdade à individualidade: democracia ou política identitária?

Escola de direito aplicado

A luta pela igualdade conquistou direitos e transformou a sociedade de forma louvável e inquestionável. Até que algo mudou. A busca por um mundo melhor passou a ser a luta para que o mundo me reconhecesse. Parte da palestra proferida ao Fronteiras do Pensamento por Mark Lilla, cientista político e autor do livro “O progressista de ontem e o do amanhã: Desafios da democracia liberal no mundo póspolíticas identitárias”:

 

(Originalmente publicado aqui)

29 nov
Confira os conteúdos mais acessados no nosso site em novembro

iCEV

Toda semana tem conteúdo novo nos blogs de Direito, Negócios e Tecnologia

Você já conhece os blogs do iCEV? Toda semana tem conteúdo novo nos blogs de Direito, Negócios e Tecnologia – são artigos, notícias e conteúdos escolhidos ou elaborados especialmente para você, leitor. Além disso, nosso site tem a seção Notícias do iCEV, onde você pode ficar bem informado sobre tudo o que acontece na nossa instituição.

A nossa curadoria separou os melhores conteúdos publicados no mês de novembro – aqueles que foram mais acessados ou comentados nas redes – para você que, por alguma razão, tenha perdido. Confira a nossa lista e siga o seu blog preferido para não ficar de fora.

Melhores do mês

1 – Melhores colocados no Vestibular iCEV 2019 ganharão bolsa de até 90%

2 – 5 áreas promissoras no Direito

3 – As 8 vezes em que alunos iCEV foram longe demais

4 – Direitos Humanos é tema de aula especial com professor convidado

5 – Vestibular iCEV 2019.1 tem acolhida e alta procura por novos cursos

26 nov
Vem fazer matrícula? Saiba o que você precisa trazer

iCEV

Atenção aprovados no Vestibular iCEV 2019: as matrículas já estão a todo vapor por aqui.

Para facilitar, reunimos aqui todas as informações que você precisa para esta etapa. Tome nota!

– As matrículas vão até o dia 28 de novembro, na Secretaria do iCEV, das 14h às 21h (segunda a sexta).

– Só pode realizar a matrícula os aprovados (maiores de 18 anos), seus responsáveis ou portadores de uma procuração.

– Você vai precisar trazer cópia dos seguintes documentos:

RG
CPF
Comprovante de residência
Certidão de Nascimento ou de Casamento
Certificado de Dispensa de Incorporação ou Reservista do Serviço Militar, para maiores de 18 anos – ou Certificado de Alistamento se o candidato tiver 18 anos (somente para candidatos do sexo masculino)
Certidão de Quitação Eleitoral, para maiores de 18 anos
Certificado de Conclusão do Ensino Médio ou equivalente
Histórico Escolar do Ensino Médio

Se você for estrangeiro, traga também o Registro Nacional de Estrangeiros – RNE; passaporte e apólice de seguro (com vigência igual a duração do curso)

Se você concluiu o Ensino Médio no exterior deve trazer, além dos documentos acima, prova de equivalência de estudos, fornecida por autoridade competente no Brasil; tradução juramentada do Histórico Escolar e do Certificado de Conclusão do Ensino Médio.

Ah, traga com você os originais de todos os documentos para conferência – exceto se as suas cópias forem autenticadas, ok?

Seja bem-vindo ao iCEV!

Tem uma pergunta?
Nós estamos aqui para ajudar. Envie-nos um e-mail ou ligue-nos para (86) 3133-7070
Entrar em contato!
© 2017 iCEV Instituto de Ensino Superior