fbpx

16 set
Unity IPO aims to fuel growth across gaming and beyond

Escola de tecnologia aplicada

A look at its core offerings and revenue streams

Image Credits: Nigel Sussman

Unity Software Inc. is set to list on the New York Stock Exchange this month, following its S-1 filing two weeks ago. The 16-year-old tech company is universally known within the gaming industry and largely unknown outside of it. But Unity has been expanding beyond gaming, pouring hundreds of millions of dollars into a massive bet to be an underlying platform for humanity’s future in a world where interactive 3D media stretches from our entertainment experiences and consumer applications to office and manufacturing workflows.

Much of the press about Unity’s  S-1 filing mischaracterizes the business. Unity is easily misunderstood because most people who aren’t (game) developers don’t know what a game engine actually does, because Unity has numerous revenue streams, and because Unity and the competitor it is most compared to — Epic Games — only partially overlap in their businesses.

Last year, I wrote an in-depth guide to Unity’s founding and rise in popularity, interviewing more than 20 top executives in San Francisco and Copenhagen, plus many other professionals in the industry. In this two-part guide to get up to speed on the company, I’ll explain Unity’s business, where it is positioned in the market, what its R&D is focused on and how game engines are eating the world as they gain adoption across other industries.

In part two, I’ll analyze Unity’s financials, explain how the company has positioned itself in the S-1 to earn a higher valuation and outline both the bear and bull cases for its future.

For those in the gaming industry who are familiar with Unity, the S-1 might surprise you in a few regards. The Asset Store is a much smaller business that you might think, Unity is more of an enterprise software company than a self-service platform for indie devs and advertising solutions appear to make up the largest segment of Unity’s revenue.

What is a game engine?

Unity’s origin is as a game engine, software that is similar to Adobe Photoshop, but used instead for editing games and creating interactive 3D content. Users import digital assets (often from Autodesk’s Maya) and add logic to guide each asset’s behavior, character interactions, physics, lighting and countless other factors that create fully interactive games. Creators then export the final product to one or more of the 20 platforms Unity supports, such as Apple iOS and Google Android, Xbox and Playstation, Oculus Quest and Microsoft HoloLens, etc.

In this regard, Unity is more comparable to Adobe and Autodesk than to game studios or publishers like Electronic Arts and Zynga.

What are Unity’s lines of business?

Since John Riccitiello took over as CEO from co-founder David Helgason in 2014, Unity has expanded beyond its game engine and has organized activities into two divisions: Create Solutions (i.e., tools for content creation) and Operate Solutions (i.e., tools for managing and monetizing content). There are seven noteworthy revenue streams overall:

Create Solutions (29% of H1 2020 revenue)

  • The Unity platform: The core game engine, which operates on a freemium subscription model. Individuals, small teams and students use it for free, whereas more established game studios and enterprises in other industries pay (via the Unity Plus, Unity Pro and Unity Enterprise premium tiers).
  • Engine extensions: A growing portfolio of tools and extensions of the core engine purpose-built for specific industries and use cases. These include MARS for VR development, Reflect for architecture and construction use with BIM assets, Pixyz for importing CAD data, Cinemachine for virtual production of films and ArtEngine for automated art creation.
  • Professional services: Hands-on, specialized consulting for enterprise customers using Unity’s engine and other products. Unity expanded its consulting capacity further in April with a $55 million acquisition of Finger Food Studios, a 200-person team in Vancouver that builds interactive media projects for corporate clients using Unity.

Aside from these three product categories, Unity is reporting another group of content creation offerings separately in the S-1 as “Strategic Partnerships & Other” (which accounts for further 9% of revenue):

  • Strategic Partnerships: Major tech companies pay Unity via a mix of structures (flat-fee, revenue-share and royalties) for Unity to create and maintain integrations with their software and/or hardware. Since Unity is the most popular platform to build games with, ensuring Unity integrates well with Oculus or with the Play Store is very important to Facebook and Google, respectively, for example.
  • Unity Asset Store: Unity’s marketplace for artists and developers to buy and sell digital assets like a spooky forest or the physics to guide characters’ joint movements for use in their content so they don’t each have to design and code1 every single thing from scratch. It is commonly used, though larger game studios often use Asset Store assets just for initial prototyping of game ideas.

Operate Solutions (62% of H1 2020 revenue)

  • Advertising: Via the 2014 acquisition of Applifier, Unity launched an in-game advertising network for mobile games. This expanded substantially with the Unified Auction, a simultaneous auction that helps games get the highest bid from among potential advertisers. Unity is now one of the world’s largest mobile ad networks, serving 23 billion ads per month. Unity also has a dynamic monetization tool that makes real-time assessments of whether it is optimal to serve an ad, prompt an in-app purchase or do nothing to maximize each player’s lifetime value. While the Unity IAP feature enables developers to manage in-app purchases (IAP), Unity does not take a cut of IAP revenue at this time.
  • Live Services: A portfolio of cloud-based solutions for game developers to better manage and optimize their user acquisition, player matchmaking, server hosting and identification of bugs. This portfolio has primarily been assembled through acquisitions like Multiplay (cloud game server hosting and matchmaking), Vivox (cloud-hosted system for voice and text chat between players in games), and deltaDNA (player segmentation for campaigns to improve engagement, monetization and retention). There is also Unity Simulate for training AI models in virtual recreations of the real world (or testing games for bugs). Live Services products have usage-based pricing, with an initial amount of usage free.

Unity versus Unreal, versus others

Unity is compared most frequently to Epic Games, the company behind the other leading game engine, Unreal. Below is a quick overview of the products and services that differentiate each company. The cost of switching game engines is meaningful in that developers are typically specialized in one or the other and can take months to gain high proficiency in another, but some teams do vary the engine they use for different projects. Moving an existing game (or other project) over to a new game engine is a major undertaking that requires extensive rebuilding.

Epic Games

Epic has three main businesses: game development, the Epic Games Store, and the Unreal Engine. Epic’s core is in developing its own games and the vast majority of Epic’s $4.2 billion in 2019 revenue came from that (principally, from Fortnite). The Epic Games Store is a consumer-facing marketplace for gamers to purchase and download games; game developers pay Epic a 12.5% cut of their sales.

In those two areas of business, Unity and Epic don’t compete. While much of the press about Unity’s IPO frames Epic’s current conflict with Apple as an opportunity for Unity, it is largely irrelevant. A court order prevented Apple from blocking iOS apps made with Unreal in retaliation for Epic trying to skirt Apple’s 30% cut of in-app purchases in Fortnite. Unity doesn’t have any of its own apps in the App Store and doesn’t have a consumer-facing store for games. It’s already the default choice of game engine for anyone building a game for iOS or Android, and it’s not feasible to switch the engine of an existing game, so Epic’s conflict does not create much of a new market opening.

Let’s compare the Unity and Unreal engines:

Origins: Unreal was Epic’s proprietary engine for the 1998 game Unreal and was licensed to other PC and console studios and became its own business as a result of its popularity. Unity launched as an engine for indie developers building Mac games, an underserved niche, and expanded to other emerging market segments considered irrelevant by the core gaming industry: small indie studios, mobile developers, AR & VR games. Unity exploded in global popularity as the main engine for mobile games.

Programming Language: Based in the C++ programming language, Unreal requires more extensive programming than Unity (which requires programming in C#) but enables more customization, which in turn enables higher performance.

Core Markets: Unreal is much more popular among PC and console game developers; it is oriented toward bigger, high-performance projects by professionals. That said, it is establishing itself firmly in AR and VR and proved with Fortnite it can take a console and PC game cross-platform to mobile. Unity dominates in mobile games — now the largest (and fastest growing) segment of the gaming industry — where it has over 50% market share and where Unreal is not a common alternative. Unity has kept the largest market share in AR and VR content, at over 60%.

Ease of Authoring: Neither engine is easy for a complete novice, but both are fairly straightforward to navigate if you have basic coding abilities and put the time into experimenting and watching tutorials. Unity has prioritized ease of use since its early days, with a mission of democratizing game development that was so concentrated among large studios with large budgets, and ease of authoring remains a key R&D focus. This is why Unity is the common choice in educational environments and by individuals and small teams creating casual mobile games. Unity lets you see but not edit the engine’s source code unless you pay for an enterprise subscription; this protects developers from catastrophic mistakes but limits customization. Unreal isn’t dramatically more complex but, as a generalization, it requires more lines of code and technical skill. It is open source code so can be completely customized. Unreal has a visual scripting tool called Blueprint to conduct some development without needing to code; it’s respected and often used by designers though not a no-code solution to developing a complex, high-performance game (no one offers that). Unity recently rolled out its own visual scripting solution for free called Bolt.

Pricing: While Unity’s engine operates on a freemium subscription model (then has a portfolio of other product offerings), Unreal operates on a revenue-share, taking 5% of a game’s revenue. Both have separately negotiated pricing for companies outside of gaming that aren’t publicly disclosed.

Proprietary engines

Many large gaming companies, especially in the PC and console categories, continue to use their own proprietary game engines built in-house. It is a large, ongoing investment to maintain a proprietary engine, which is why a growing number of these companies are switching to Unreal or Unity so they can focus more resources on content creation and tap into the large talent pools that already have mastery in each one.

Other Engines

Other game engines to note are Cocos2D (an open source framework by Chukong Technologies that has a particular following among mobile developers in China, Japan, and South Korea), CryEngine by Crytek (popular for first-person shooters with high visual fidelity), and Amazon’s Lumberyard (which was built off CryEngine and doesn’t seem to have widespread adoption, or command much respect, among the many developers and executives I’ve spoken to).

For amateur game developers without programming skills, YoYo Games’ GameMaker Studio and Scirra’s Construct are both commonly used to build simple 2D games (Construct is used for HTML5 games in particular); users typically move on to Unity or Unreal as they gain more skill.

There remain a long list of niche game engines in the market since every studio needs to use one and those who build their own often license it if their games aren’t commercial successes or they see an underserved niche among studios creating similar games. That said, it’s become very tough to compete with the robust offerings of the industry standards — Unity and Unreal — and tough to recruit developers to work with a niche engine.

UGC Platforms

User-generated content platforms for creating and playing games like Roblox (or new entrants like Manticore’s Core and Facebook Horizon) don’t compete with Unity — at least for the foreseeable future — because they are dramatically simplified platforms for creating games within a closed ecosystem with dramatically more limited monetization opportunity. The only game developers these will pull away from Unity are hobbyists on Unity’s free tier.

I’ve written extensively on how UGC-based game platforms are central to the next paradigm of social media, anchored within gaming-centric virtual worlds. But based on the overall gaming market growth and the diversity of game types, these platforms can continue to soar in popularity without being a competitive threat to the traditional studios who pay Unity for its engine, ad network, or cloud products.

What’s at the forefront of Unity’s technical innovation?

DOTS

For the last three years, Unity has been creating its “data oriented technology stack,” or DOTS, and gradually rolling it out in modules across the engine.

Unity’s engine centers on programming in C# code which is easier to learn and more time-saving than C++ since it is a slightly higher level programming language. Simplification comes with the trade off of less ability to customize instruction by directly interacting with memory. C++, which is the standard for Unreal, enables that level of customization to achieve better performance but requires writing a lot more code and having more technical skill.

DOTS is an effort to not just resolve that discrepancy but achieve dramatically faster performance. Many of the most popular programming languages in use today are “object-oriented,” a paradigm that groups characteristics of an object together so, for example, an object of the type “human” has weight and height attached. This is easier for the way humans think and solve problems. Unity takes advantage of the ability to add annotations to C# code and claims a proprietary breakthrough in understanding how to recompile object-oriented code into “data-oriented” code, which is optimized for how computers work (in this example, say all heights together and all weights together). This is orders of magnitude faster in processing the request at the lowest level languages that provide 1s-and-0s instructions to the processor.

This level of efficiency should, on one hand, allow highly-complex games and simulations with cutting-edge graphics to run quickly on GPU-enabled devices, while, on the other hand, allowing simpler games to be so small in file size they can run within messenger apps on the lowest quality smartphones and even on the screens of smart fridges.

Unity is bringing DOTS to different components of its engine one step at a time and users can opt whether or not to use DOTS for each component of their project. The company’s Megacity demo (below) shows DOTS enabling a sci-fi city with hundreds of thousands of assets rendered in real-time, from the blades spinning on the air conditioners in every apartment building to flying car traffic responding to the player’s movements.

Graphics

The forefront of graphics technology is in enabling ray tracing (a lighting effect mimicking the real-life behavior of light reflecting off different surfaces) at a fast enough rendering speed so games and other interactive content can be photorealistic (i.e. you can’t tell it’s not the real world). It’s already possible to achieve this in certain contexts but takes substantial processing power to render. Its initial use is for content that is not rendered in real-time, like films. Here are videos by both Unity and Unreal demonstrating ray tracing used to make a digital version of a BMW look nearly identical to video of a real car:

To support ray-tracing and other cutting-edge graphics, Unity released its High Definition Render Pipeline in 2018. It gives developers more powerful graphics rendering for GPU devices to achieve high visual fidelity in console and PC games plus non-gaming uses like industrial simulations. (By comparison, its Universal Render Pipeline optimizes content for lower-end hardware like mobile phones.)

Next-gen authoring

Unity’s Research Labs team is focused on the next generation of authoring tools, particularly in an era of AR or VR headsets being widely adopted. One component of this is the vision for a future where nontechnical people could develop 3D content with Unity solely through hand gestures and voice commands. In 2016, Unity released an early concept video for this project (something I demo-ed at Unity headquarters in SF last year):

Game engines are eating the world

The term “game engine” limits the scope of what Unity and Unreal are already used for. They are interactive 3D engines used for practically any type of digital content you can imagine. The core engine is used for virtual production of films to autonomous vehicle training simulations to car configurators on auto websites to interactive renderings of buildings.

Both of these engines have long been used outside gaming by people repurposing them and over the last five years Unity and Unreal have made expanding use of their engines in other industries a top priority. They are primarily focused on large- and mid-size companies in 1) architecture, engineering, and construction, 2) automotive and heavy manufacturing, and 3) cinematic video.

In films and TV commercials, game engines are used for virtual production. The settings, whether animated or scanned from real-world environments, are set up as virtual environments (like those of a video game) where virtual characters interact and the camera view can be changed instantaneously. Human actors are captured through sets that are surrounded by the virtual environment on screens. The director and VFX team can change the surroundings, the time of day, etc. in real-time to find the perfect shot.

There are a vast scope of commercial uses for Unity since assets can be imported from CAD, BIM, and other formats and since Unity gives you the ability to build a whole world and simulate changes in real-time. There are four main use cases for Unity’s engine beyond entertainment experiences:

  1. Design & Planning: have teams work on interactive 3D models of their product simultaneously (in VR, AR, or on screens) from offices around the world and attach metadata to every component about its materials, pricing, etc. The Hong Kong International airport used Unity to create a digital twin of the terminals connected to Internet of Things (IoT) data, informing them of passenger flow, maintenance issues, and more in real-time.
  2. Training, Sales & Marketing: use interactive 3D content so staff or customers can engage with: a) photorealistic renderings of industrial products; b) VR trainings for risky construction situations; c) online car configurators that render custom designs in real-time; or d) an architect’s plan for new office space with every asset within the project filled with metadata and responsive to interaction, changes in lighting, etc.
  3. Simulation: generate training data for machine learning algorithms using virtual recreations of real-world environments (like for autonomous vehicles in San Francisco) and running thousands of instances in each batch. Unity Simulation customers include Google’s DeepMind and Unity teamed up with LG to create a simulation module specific to autonomous vehicles.
  4. Human Machine Interfaces (interactive screens): create interactive displays for in-vehicle infotainment systems and AR heads up displays, as showcased by Unity’s 2018 collaboration with electric car startup Byton.

Unity’s ambitions beyond gaming ultimately touch every facet of life. In his 2015 internal memo in favor of acquiring Unity, Facebook CEO Mark Zuckerberg wrote “VR / AR will be the next major computing platform after mobile.” Unity is currently in a powerful position as the key platform for developing VR / AR content and distributing it across different operating systems and devices. Zuckerberg saw Unity as the natural platform off which to build “key platform services” in the mixed reality ecosystem like an “avatar / content marketplace and app distribution store”.

If Unity maintains its position as the leading platform for building all types of mixed reality applications into the era when mixed reality is our main digital medium, it stands to be one of the most important technology companies in the world. It would be the engine everyone across industries turns to for creating applications, with dramatically larger TAM and monetization potential for the core engine than is currently the case. It could expand up the stack, per Zuckerberg’s argument, into consumer-facing functions that exist across apps, like identify, app distribution, and payments. Its advertising product is already in position to extend into augmented reality ads within apps built with Unity. This could make it the largest ad network in the AR era.

This grand vision is still far away though. First, the company’s expansion beyond gaming is still early in gaining traction and customers generally need a lot of consulting support. You’ll notice other coverage of Unity over the last few years all tends to mention the same case studies of use outside gaming; there just aren’t that many than have been rolled out by large companies. Unity is still in the stage of gaining name recognition and educating these markets about what its engine can do. There are promising proof points of its value but market penetration is small.

Second, the era of AR as “the next major computing platform after mobile” seems easily a decade away, during which time existing and yet-to-be-founded tech giants will also advance their positions in different parts of the AR tech, authoring, and services stack. Apple, Facebook, Google, and Microsoft are collaborators with Unity right now but any of them could decide to compete with their own AR-focused engine (and if any of them acquire Unity, the others will almost certainly do so because of the loss of Unity’s neutral position between them).

 

Published by Techcrunch

14 set
Como ler mais na era das redes sociais?

iCEV

São muitas distrações para aqueles que desejam mergulhar em um bom livro. Tem como melhorar essa realidade e ler mais?

“Tédio. Falta de criatividade. Confusão. Burrice. Conformismo. Desliga a televisão e vá ler um livro!”, falava o comercial da MTV exibido entre 2004 e 2005. A campanha a favor da leitura pode estar defasada do ponto de vista tecnológico — os celulares se tornaram os grandes inimigos da leitura –, mas a provocação continua relevante.

O Brasil é um dos países que mais dedicam tempo a internetredes sociais e aplicativos de celular. Segundo a quarta edição da pesquisa “Retratos da Leitura“, realizada em 2016 pelo Instituto Pró-Livro, a média de livros lidos por ano no país é de 2,43 por pessoa.

Para Vitor Tavares, presidente da Câmara Brasileira do Livro, o índice é preocupante. “Infelizmente, estamos abaixo da média de países vizinhos nossos da América Latina como Argentina, Chile e Uruguai. Quando falamos dos EUA e de países da Europa e da Ásia, ficamos ainda mais para trás.”

Segundo Tavares, o número pequeno é consequência da falta de políticas públicas voltadas para o incentivo a leitura, cenário que melhorou nos últimos governos mas que segue defasado.

Ainda segundo a pesquisa, jovens são os que mais leem no Brasil+ O alto índice de leitura na juventude tem relação com as leituras obrigatórias nas escolas, mas não é só isso que explica o fenômeno. “Na Bienal do Livro de São Paulo, recebemos milhares de alunos de escola públicas. Eles ficam encantados com os livros, curiosos para descobrir o que há dentro das páginas”, relata Tavares.

Para o presidente da CBL, a criação de um hábito de leitura é fundamental para quem deseja ler. “Quem tem o hábito da leitura sempre vai encontrar um livro para ler”, afirma. Se os seus dias de leitor ficaram na juventude ou você não lê mais como antigamente, Gama aponta alternativas para driblar o celular e voltar a devorar páginas (de livros, não apenas de internet).

De acordo com a pesquisa “Retratos da Leitura”, 56% da população brasileira se declara como “leitora”

A sociedade dos leitores

A leitura pode ser um hábito solitário, mas isso não significa que não seja possível compartilhar a experiência com outras pessoas. Com o distanciamento social, o famoso — e antigo — clube do livro voltou com tudo.

Além dos clubes dos livros virtuais, outra prática que vem ganhando muita adesão são os clubes de leituras de editoras, onde é possível assinar um pacote e receber a cada mês um livro novo selecionado para você.

Circuito Ubu, clube de assinatura da editora Ubu, promete livros que dialoguem com debates contemporâneos da sociedade. Para Florencia Ferrari, diretora editorial da Ubu, os clubes oferecem uma experiência literária diferente para os leitores, criando uma comunidade de conhecimento no caminho.

“Uma das características desse modelo de negócio é que você não é escolhido pelo leitor, você entra dentro da casa da pessoa. Elas são surpreendidas por assuntos que talvez não escolhessem naturalmente.”

A curadoria de editoras talvez não seja a porta de entrada para quem não tem o costume de ler, mas pode ser útil para aqueles que já leem, mas desejam ler mais. “O clube em si não vai fazer milagre. Mas uma cultura de regularidade, de hábito de leitura, acaba contaminando a pessoa”, diz Ferrari.

Na área de assinantes do site, é possível encontrar textos de apoio, entrevistas e palestras relacionadas ao livro do mês. Além disso, os leitores interagem no grupo de Facebook da editora, combinam leituras e — em um passado recente — podiam ir juntos a cursos que a Ubu oferece para os assinantes.

Existem também as assinaturas desvinculadas de editoras. Como é o caso do “Clube do livro 451“, organizado pela revista Quatro cinco um; o “Leiturinha“, clube com o foco em literatura infantil; e a TAG, que seleciona livros focados em áreas como a de negócios. Nesse modelo, a curadoria oferta livros que já estão no mercado brasileiro — mas que não se encontram no radar das pessoas.

Segundo Ferrari, essas assinaturas (de editoras ou independentes) são capazes de criar um incentivo de comunidade: “As pessoas recebem o mesmo livro ao mesmo tempo, isso cria uma relação de pertencimento, coisa que você não tem normalmente com a compra do livro individual. É uma forma de incentivar”.

Tem que correr, tem que suar, tem que malhar

Duas vezes finalista do Prêmio Jabuti na categoria Formação de Novos Leitores e dona do canal de YouTube “Ler Antes de Morrer” — que conta com quase meio milhão de inscritos –, Isabella Lubrano faz resenhas de livros e dá dicas de como melhorar hábitos de leitura.

Parte da onda de BookTubers — YouTubers focados em livros — que abalou o mercado editorial brasileiro, seu principal conselho para aqueles que buscam aprimorar sua leitura é criar uma rotina. “Eu comparo o hábito de fazer leitura com o hábito de fazer exercício. Da mesma forma que não queremos nos exercitar, não queremos ler. Mas é preciso criar resistência.”

Para ela, é por meio da disciplina que se cria o condicionamento físico para vencer a falta de concentração. Uma rotina diária, com metas de leitura e objetivos claros pode ajudar, mas a YouTuber alerta que o momento perfeito para ler jamais vai existir: “Não fica esperando cair do céu o tempo livre, você tem que criar esse tempo na sua vida”. Para ela, é preciso priorizar o hobby se você deseja ler.

A Bíblia é o gênero mais lido pelos brasileiros, seguido por livros religiosos, contos e romances

Como driblar a tecnologia

Pesquisas apontam que os hábitos digitais estão prejudicando hábitos de leitura. Isso é especialmente verdade para jovens, que cada vez mais estão desacostumados com textos longos e críticos. Afinal, mensagens e textos curtos e rápidos dominam a internet.

As pessoas estão tendo cada vez mais dificuldades em se concentrar e processar textos complexos. É como se a habilidade de leitura se atrofiasse com o uso continuo e ininterrupto do celular, explica a neurocientista cognitiva Maryanne Wolf — que dá aulas na Universidade da Califórnia em Los Angeles — em entrevista a BBC Brasil.

Existem inúmeros formatos, jeitos e maneiras de se ler, mas o celular ainda é capaz de atrapalhar todas as alternativas. Felizmente, a vida real ainda não é um episódio de Black Mirror e é possível sobreviver a tentação dos Googles e Facebooks da vida.

Um ambiente tranquilo para ler pode solucionar seus problemas. Estabelecer horários e locais para ler pode ajudar, desde que o celular, e qualquer outro dispositivo eletrônico que não um e-reader, fique longe do alcance.

Se a coceira para checar o feed do Instagram for forte, é sempre possível usar o feitiço contra o feiticeiro. Entender como e onde o seu tempo no celular é gasto é o primeiro passo para uma leitura sem interrupções.

Aplicativos como Toggl, para iOs e o Social Fever, para Android, indicam quanto tempo alguém passa em cada rede social ou aplicativo. Com essas informações em mão, é possível traçar um plano.

As novas versões do sistema iOS vem com ferramentas que podem auxiliar o uso moderado do celular e existem os apps que emitem um alerta quando muito tempo é dedicado à um aplicativo; outros chegam a bloquear outros apps para que não sejam utilizados.

Outra ótima opção é comprar um eReader. Leves e práticos, os aparelhos são perfeitos para acomodar bibliotecas inteiras na palma da mão — e é comum ouvir compradores recentes se gabarem de como eles passaram a ler bem mais devido a praticidade do device.

Você já ouviu a palavra do livro?

Mesmo com diversas opções, ainda existem aqueles que se encontram sem tempo — ou sem paciência — para as páginas a serem enfrentadas em um livro. Para essas pessoas, a solução pode ser consumir literatura em um formato diferente.

O audiobook ainda é novo no Brasil, mas com o boom dos podcasts e um consumo cada vez mais alto de serviços de streaming de música, o futuro onde livros são escutados já é realidade.

Storytel, empresa sueca de audiobook, chegou ao Brasil ano passado e busca popularizar o formato que ainda engatinha por aqui. André Palme, o Country Manager da empresa no país, afirma que o perfil consumidor de audiobooks são de jovens, na faixa de 25-34 anos, que não tem o costume de ler livros.

“Nos audiobooks, falamos com um público que não lê muito, mas que usa outras mídias e vê no áudio uma maneira de consumir entretenimento.” Palme acredita que o áudio — multitarefa e presente no dia a dia das pessoas — tem a capacidade de romper certas bolhas, que por fatores históricos e comerciais, o livro não consegue romper. Além de criar um interesse posterior de compra e leitura do produto físico

Para ele, a literatura em áudio também oferece uma certa democratização. “As pessoas podem não saber ler ou podem ler e não entender, mas quando você conta uma história na oralidade, elas entendem.”

 

Publicado por Revista Gama

07 set
Os prós e os contras da nota de R$ 200

Escola de negócios e gestão

A inflação acumulada e os 'desbancarizados' estão por trás da criação da nova cédula, que, apesar de virar meme na web, reflete questões importantes

Foto: Raphael Ribeiro/BCB Banco Central/Divulgação

Apesar de a nota de 200 reais ter virado meme e ocupado os assuntos mais comentados do Twitter, também se discutem questões sérias sobre a economia brasileira em torno da nova cédula. De acordo com o Banco  Central, ela foi criada pelo mesmo motivo que as de 2 reais e de 20 reais, em 2001 e 2002, respectivamente: reduzir o custo de impressão e de logística do papel em um momento que a demanda pelo dinheiro em espécie aumentou.

 

Em 2020, serão impressas 450 milhões de unidades, em um valor total de 90 bilhões de reais, e ao custo de 146,25 milhões de reais. Com a crise da Covid-19, muitas pessoas sacaram mais dinheiro em espécie, principalmente do auxílio emergencial. O problema é que esses recursos não retornaram aos bancos ou circularam pela economia de forma normal, o que significa que ele está nas mãos do público, muitas vezes em suas casas.

 

“Não foi exclusividade do nosso país, outras nações viveram fenômeno semelhante. Em momentos de
incerteza, é natural que as pessoas busquem a garantia de uma reserva em dinheiro”, disse Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central. Esse fenômeno também é causado pela diminuição das transações presenciais no comércio. Apesar de uma tendência mundial, no Brasil a expansão do volume de dinheiro em circulação foi muito maior: de 6,6% em fevereiro para 35% em junho. Nos EUA, em doze meses ele passou de 4,5% para 11,3%, enquanto no Japão passou de 2,5% para 3,9%.

 

É claro que a novidade tem o seu lado positivo e reduzir os custos de impressão é um deles. Para se alcançar os mesmos 90 bilhões de reais em circulação com cédulas de 100 reais, por exemplo, o custo caria muito mais alto. Além disso, o transporte será facilitado uma vez que o volume é menor. Há, no entanto, do outro lado da moeda, muitos fatores negativos.

 

O fato de as pessoas estarem guardando mais dinheiro em espécie nesse momento de crise remete como o trauma causado em 1990 pelo confisco da poupança, no governo Collor, ainda está na memória da população. “É muito comum encontrar um idoso que não conta em bancos, porque eles não acompanharam toda a evolução do sistema financeiro”, diz Rachel de Sá, economista da XP Investimentos.

 

A inflação naquela época, por exemplo, era de 84% ao mês, e em agosto o IPCA 15 ficou em 0,23%. Mesmo que tenha sido ferida nas últimas décadas, ela ainda existe. Ao se observar a inflação acumulada, o real vem perdeu bastante valor desde maio de 2000. De forma que na época uma nota de 100 reais hoje corrigida pelo IPCA corresponderia a uma de 329,77 reais. Ou seja: quando o dinheiro fica guardado em espécie, ele deixa de render. “É muito ruim  manter o dinheiro no colchão, para a pessoa e para a economia como um todo. Isso reflete a falta de educação financeira”, diz Sá.

 

Outro ponto negativo desse fenômeno é que, na contramão dos objetivos do BC e do que ocorre nos países mais desenvolvidos, ainda há uma grande quantidade de brasileiros fora do sistema bancário. Para receber o auxílio emergencial, muitos cidadãos tiveram de abrir uma conta poupança na Caixa Econômica Federal. Eles, porém, simplesmente sacaram o dinheiro em espécie, afinal a conta poupança não é feita para transações correntes, e guardaram o valor fora do sistema financeiro. Isso tudo depõe contra a agenda de digitalização que vem sendo empreendida pelo BC.

 

No cenário negativo, é possível prever ainda as dificuldades que os comerciantes terão para conseguir dar troco aos seus clientes. Hoje ela já é grande com uma nota de 100 reais, imagine só com o valor dobrado. Por fim, há uma preocupação de que uma nota de maior valor vai facilitar o trabalho de quem deseja lavar altas somas de dinheiro, facilitando a vida dos corruptos que escondem da Justiça malas cheias de notas.

 

Publicado por Revista Veja 

 

04 set
Como aumentar a lucratividade de advogados em escritório

Escola de direito aplicado

Com o mercado jurídico cada vez mais competitivo, os profissionais que administram um negócio buscam garantir que ele cresça e se consolide. Para que isso aconteça é necessário possuir um bom planejamento que lhe auxilie a tomar as melhores decisões mirando aumentar a lucratividade dos advogados em escritório, porque é ela que irá dizer se os resultados dos serviços prestados estão atendendo os gastos e se há lucro.

Contudo, quando se fala em gestão financeira na advocacia, muitos pensam que é algo extremamente difícil e já se desesperam. Mas o que poucos sabem é que administrar um negócio exige muito do que você provavelmente já tem: organização e planejamento.

Em um processo, você não precisa ficar atento aos prazos? Não precisa desenvolver uma estratégia de defesa? Se atentar ao valor da causa? Então, na gestão financeira não é diferente. Nesse caso, você precisa ter atenção, traçar boas metas e ações que visam sempre aumentar a sua lucratividade, porque quanto maior, melhor para o escritório!

Então, quer saber como realizar o sonho de ser um advogado ou advogada rentável e com sucesso? É só conferir as 5 excelentes dicas práticas que o Juris preparou.

Reduza seus custos  

A nossa primeira dica é redução de custos, mas não é qualquer custo. Então, antes de tomar qualquer decisão, tenha sempre muita consciência de todas as despesas realizadas pelo escritório para que você não cometa o erro de cortar algo que fará falta futuramente.

Para te ajudar, organize os gastos por categorias – como, por exemplo, salários, aluguel, limpeza, suprimentos. Com isso, você conseguirá ver com mais clareza onde é possível fazer uma redução e, inclusive, poderá acompanhar mês a mês a evolução dessas despesas, então mantenha os dados sempre atualizados.

Lembre-se de que nem todas as despesas processuais são de responsabilidade do advogado ou advogada, e sim, do cliente. Por isso, veja quais foram os valores de honorários combinados entre as partes, porque pode ser que você esteja atribuindo como despesa valores que estão sendo pagos pelo cliente como locomoção, hospedagem, alimentação, fotocópias, entre outras que estão vinculadas indiretamente às despesas do processo.

Após essa análise, saber onde reduzir será muito mais fácil e você poderá fazer sem medo. Por exemplo, percebeu que a conta de luz está chegando acima do orçamento previsto? Converse com seus colegas de escritório sobre a importância da economia não só para a empresa, como também para o meio ambiente.

Observe onde ocorrem mais desperdícios, quais são as áreas que mais gastam energia e quais aprimoramentos devem ser aplicados para obter o resultado que você deseja. A instalação de sensores de movimento em locais como banheiro e recepção, por exemplo, é uma ótima ideia para reduzir custos.

Se quiser saber mais, o Juris possui um Guia de Redução de Custos para Escritórios de Advocacia  para transformar a gestão do seu negócio em uma experiência mais lucrativa, sem cair em armadilhas.

Além disso, uma boa opção de redução de custos e aumento de lucratividade, no que diz respeito à estrutura física, é por meio do coworking – um espaço de trabalho compartilhado. Nesses ambientes, muito utilizados por empresas e freelancers, as pessoas dividem as despesas gerais. Então, acaba sendo uma ótima oportunidade para aqueles que buscam não ter preocupações burocráticas como aluguéis, por exemplo, principalmente quando está iniciando um negócio.

Vale dizer que por ser um local onde várias pessoas de diferentes áreas e setores dividem o mesmo ambiente de trabalho, é possível criar uma ótima rede de networking. O que só tem a agregar para sua vida profissional!   

Marketing Jurídico 

Aposte no marketing jurídico, seus futuros clientes precisam conhecer você e  para isso você precisa ser visto pelo mercado. Diante de algumas restrições da OAB, muitos advogados ficam sem saber por onde começar e o que pode ser feito.

Segundo o Código de Ética e Disciplina da OAB e o provimento 94/2000 da OAB Federal, os advogados e advogadas podem publicar suas informações na internet, revistas, jornais, cartão de visita, mas por outro lado, não podem fazer propagandas em rádios, outdoors e panfletos.   

Então, respeitando as restrições, é possível planejar e colocar em ação várias formas de promover seu trabalho e, assim, aumentar sua lucratividade. Para começar, saiba em qual área você deseja atuar e especialize-se. A partir daí, tudo será mais fácil, porque você poderá começar a dar palestras para seu nicho, onde irá conhecer pessoas novas, o que também te auxilia a realizar o networking.

Além disso, crie sua marca! Algo que facilmente irá te identificar. Por exemplo, quando você pensa em um símbolo de uma maçã mordida. O que te lembra? Se isso te remete a alguma marca, é porque ela possui uma identidade visual bem-sucedida. Faça o mesmo para você! Daí é só padronizar, desde o papel timbrado com o nome e sua logomarca à decoração do escritório.

O ambiente virtual não pode ficar de fora! Crie um site e blog, ou tenha um perfil no Instagram, Facebook, Twitter Linkedin. Essas plataformas poderão ser vistas como uma extensão do seus serviços e é onde seus futuros clientes poderão conhecer sua formação, suas especialidades e seu contato (endereço/número de telefone), por isso é importante manter os dados sempre atualizados.

Para atrair ainda mais pessoas e aumentar a sua lucratividade, você pode criar conteúdos e divulgar em suas redes sociais, assim você poderá demonstrar quais áreas você domina e todo seu conhecimento. Mas, tome bastante cuidado com a poluição visual. Saiba escolher bem as cores e procure não escrever textos longos demais em plataformas como o Instagram, as pessoas costumam interagir mais com posts menores e objetivos.

E, lembre-se, quanto mais regulares forem as postagens, mais as pessoas irão acessar sua página!

Busque o seu aprimoramento 

Para se manter em um mercado de trabalho extremamente competitivo, é preciso se inovar e se atualizar sempre. Então, aprimore-se em sua área, faça cursos, participe de congressos, seja como palestrante ou ouvinte.

Em ambientes como congressos jurídicos e simpósios, você terá acesso a conteúdos atuais e relevantes, e também terá contato com profissionais de vários lugares e áreas. Então, poderá estabelecer relacionamentos que podem virar oportunidades de trabalho, parceria e trocas importantes de informações sobre interesses em comum.

Um profissional desatualizado não é lucrativo!

Expanda suas áreas de atuação 

Talvez seja hora de aumentar a equipe! Ao expandir as áreas de atuação, você pode: tornar-se especialista em outra área ou pode criar uma equipe multidisciplinar (o que também é ótimo!).

Isso mesmo, você pode contratar um advogado de apoio que irá te auxiliar no atendimento das necessidades de diferentes clientes. Para isso, um advogado ou advogada correspondente é ideal, uma vez que trata-se de um profissional capacitado e especialista em fornecer apoio logístico e suporte à causa, sem contar que você não precisará investir em espaço, ou seja, conseguirá aumentar a sua lucratividade.

Assim, ao contratar correspondentes você poderá aumentar a demanda sem prejudicar, contudo, a satisfação do cliente e a qualidade do serviço. Consequentemente, essa expansão de atuação já dá para ter um aumento de lucratividade de advogados em escritório porque irá aumentar o seu segmento de clientes.

Além disso, uma outra possibilidade é celebrar parcerias com outros escritórios que atuem em áreas similares à sua, gerando assim mais clientes para todos. Uma boa alternativa para aumentar a lucratividade dos advogados em escritório é focar em áreas como meio ambiente, tecnologia e internet, pois são ramos que tem crescido e podem gerar novas demandas e clientes.

Preste serviços de consultoria e assessoria 

Quem nunca teve alguma dúvida sobre um tema que não domina muito bem? A maioria das pessoas possuem dificuldades em analisar contratos, interpretar cláusulas e leis. Por isso, o serviço de consultoria e assessoria jurídica é uma boa forma de aumentar a sua lucratividade.

Mas você sabe o que significa prestar consultoria jurídica? Ou melhor, você sabe por que esse ramo da advocacia tem crescido nos últimos anos?

Bom, a consultoria é um serviço de apoio e age de forma preventiva. Isso quer dizer que consiste em desenvolver planejamentos, relatórios e prestar opiniões especializadas de como agir frente a algumas situações, justamente para evitar o litígio.

Ela pode abranger diversas áreas, variando de acordo com o ramo de atividade do cliente. Então pode ser:

  • Trabalhista;
  • Comercial;
  • Ambiental;
  • Tributário, entre outras;

Por exemplo, se você se identifica com Direito Tributário e deseja se tornar um consultor jurídico nessa área, provavelmente terá clientes que precisarão que você elabore relatórios e pareceres sobre a incidência tributária nos serviços ou produtos fornecidos por seu cliente.

A consultoria tem crescido muito nos últimos anos porque auxilia no crescimento das empresas, uma vez que com um consultor jurídico analisando as questões legais do empreendimento, permite que o seu cliente concentre seus esforços no core business (negócio principal).

Nesse sentido, a consultoria pode ajudar a aumentar a lucratividade dos advogados em escritório e a do seu cliente, uma vez que ambos estarão focando em atividades que geram lucro de forma estratégica.

Se interessou? Então estude diferentes assuntos, não se limite a uma única área e busque sempre conhecimento. Utilize a tecnologia a seu favor e, com isso, aumentará sua lucratividade!

Publicado por Blog Juriscorrespondente 

31 ago
31 eventos online para empreendedores que acontecem esta semana

Escola de negócios e gestão

Confira cursos, eventos e palestras que serão disponibilizados online esta semana de setembro para ajudar quem tem ou quer começar um negócio

Oportunidade: há dezenas de eventos online gratuitos disponíveis durante o período de isolamento social para empreendedores (Tang Ming Tung/Getty Images)

A crise pode ser uma oportunidade. Com a pandemia de coronavírus, muitas associações, empresas e universidades estão organizando eventos online para ajudar o empreendedor que está precisando se reinventar neste momento.

Para facilitar a busca para quem procura atividades online, EXAME preparou uma lista de eventos que vão acontecer nesta primeira semana de setembro.

Entre os cursos online pensados para este momento está um desenvolvido pela EXAME Academy em parceria com a aceleradora de negócios ACE. No curso, empreendedores de todos os setores aprendem o passo a passo da inovação disruptiva – e os motivos pelos quais ela é fundamental para o sucesso do negócio. Veja aqui.

Confira a lista de cursos abaixo:

1 –  SaaStock

Data: dias 31 de agosto e 1º de setembro, das 11h às 16h
Custo: a partir de US$ 40
Inscrições: pelo site

Entre 31 de agosto e 1º de setembro, acontece o SaaStock, um dos principais eventos de empresas que oferecem softwares como serviço (SaaS, na sigla em inglês) do mundo com foco na América Latina. No dia 31, às 15h, Sidney Castro, diretor na Wayra, terá um workshop para falar sobre como desenvolver negócios. Já no dia 1º de setembro, às 12h15, haverá um painel moderado por Rodrigo Baer, sócio da Redpoint eventures, com a presença da Livia Brando, diretora da Wayra Brasil.

2 –  AI WEEK 

Data: de 31 de agosto até 4 de setembro, das 17h às 18h
Custo: gratuito
Inscrições: pelo site

O Distrito, empresa de inovação aberta, realiza a semana da inteligência artificial para discutir de que forma o avanço desta tecnologia vem transformando os principais segmentos de negócios do Brasil: finanças, saúde, marketing e varejo e indústria. Batizado de AI WEEK, o evento aborda, ainda, o impacto e a vantagem da aplicação de algoritmos e ferramentas inteligentes de aprendizagem de máquina em empresas. O evento contará com diversos nomes de peso, como Marco Knabben, da Bosch; Vivian Gasperino, da Rumo; Frank Meylan, da KPMG South América; Basil Bouraropoulos e Carolina Bessega, da Stradigi AI; Iomani Engelmann, da Pixeon; Daniel Christiano, da Semantix, Marcel Jientara, da Alana; Rodrigo Scotti, da Nama; Gustavo Araújo, do Distrito; entre outros.

3 –  Mentoria do Fórmula (oito sessões)

Data: todas as segundas-feiras, a partir do dia 31 de agosto, das 19h às 22h
Custo: 1.497 reais
Inscrições: pelo site

A Mentoria do Fórmula surge como uma forma inovadora de manutenção e orientação em meio a pandemia. Mesmo após tudo isso passar, ainda será necessário que empresários, autônomos e profissionais liberais estejam antenados e bem posicionados no mundo digital, além de entenderem como o consumidor pós-pandemia irá se comportar. É sobre tudo isso que a especialista em produtividade e comportamento, Karina Pólido irá tratar durante as aulas.

4 –  Semana ABIHPEC de Mercado

Data: de 31 de agosto a 4 de setembro
Custo: gratuito
Inscrições: pelo site

A ABIHPEC (Associação Brasileira de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos) reunirá durante todas as manhãs entre os dias 31 de agosto e 4 de setembro diversos profissionais de peso e principais institutos de pesquisa protagonistas do setor de HPPC (Higiene pessoal, perfumaria e cosméticos). Entre as empresas participantes temos Perception, Mintel, IQVIA, Locomotiva, Nielsen, Peclers, Euromonitor, Segmenta, Qualibest, Google, L’oreal, P&G, Avon, entre outros. As lives vão trazer análises sobre o setor para os próximos meses, em tempos de covid-19.

5 –  O que vale a pena importar dos EUA?

Data: dia 1º de setembro, às 17h
Custo: gratuito
Onde: pelo YouTube

A transmissão ao vivo irá tratar sobre como iniciar uma importação dos Estados Unidos para o Brasil, como encontrar fornecedores, quais produtos são mais procurados, como comercializar marcas registradas e também fará uma análise do comportamento do mercado durante a pandemia. Participam do evento Eduardo Ferreira, presidente da Mainô Sistemas; Carlos Araújo, fundador do ComexBlog; Silvia Ortiz, executiva de vendas da Action Cargo Miami; e Alexandre Correa, presidente da Atb Business LLC.

6 –  Impacto da pandemia nas moradias, loteamentos e cidades

Data: dia 1º de setembro, às 17h30
Custo: gratuito
Onde: pelo YouTube

Eduardo Guimarães, sócio-diretor da Guima Arquitetura, e Marcelo Gonçalves, sócio-consultor da Brain Inteligência Estratégica, vão realizar uma aula ao vivo sobre como a pandemia da covid-19 afetou as moradias, os loteamentos e as cidades.

7 –  Papo de Empreendedor: Como escalar o seu negócio no modelo educacional 

Data: dia 1º de setembro, às 19h
Custo: gratuito
Onde: no Instagram

A especialista em negócios Priscila Guskuma iniciou em agosto uma série de lives em seu Instagram chamada Papo de Empreendedor com objetivo de apresentar histórias inspiradoras de empreendedorismo. Na quarta edição do evento online, ela irá abordar o tema “Como escalar o seu negócio no modelo educacional”. Priscila recebe Ícaro Silvério, fundador do IOPEM, instituto educacional que prepara jovens a partir da 7ª série para ingressar nas Escolas e Academias Militares através dos seus diversos Concursos de Admissão. O empreendedor reinventou seu modelo de negócio em plena pandemia realizando a transição das aulas presenciais para o digital conquistando diversos alunos durante o período.

8 –  Como a Inteligência Artificial transforma a economia e a sociedade?

Data: dia 1º de setembro, às 19h
Custo: gratuito
Inscrições: pelo site

Em comemoração aos dez anos da empresa, a SGA Tecnologia Inteligente, empresa especializada em soluções de tecnologia em nuvem, irá promover o webinar “Como a Inteligência Artificial transforma a economia e a sociedade?”, voltado para os profissionais de tecnologia. O evento contará com a palestra da Tania Cosentino, diretora geral da Microsoft Brasil, e Dora Kaufman, professora da PUC-SP, e será mediado por Armindo Sgorlon, presidente da SGA Tecnologia.

9 –  Live: O Mundo é Múltiplo e o Aprender Também

Data: dia 1º de setembro, às 19h30
Custo: gratuito
Onde: pelo Instagram

Com intuito de tirar dúvidas, dar dicas e falar tudo o que precisam saber sobre como o aprendizado contínuo está reformulando nossa forma de ver o aprendizado e a educação, a Sputnik promove um debate com a participação da Andréia Matos, cientista social e pesquisadora, e a presidente da escola corporativa, Marina Achutti.

10 –  Live – Como Manter um Bom Fluxo de Caixa no Condomínio

Data: dia 1º de setembro, às 19h30
Custo: gratuito
Onde: no Instagram

A live tem o objetivo de apresentar a novidade do mercado condominial que é a fusão de Kiper, Porter e Villaro com a criação do Porter Group. O encontro, conduzido por Odirley Rocha, diretor comercial do Porter Group, irá abordar os serviços da Villaro, fintech garantidora de crédito do grupo, e terá como convidada Carolina Salvador (presidente da Villaro Condominial), com uma abordagem sobre as possibilidades do uso da tecnologia e da inovação no fluxo de caixa de condomínios.

11 –  Hackeando o LinkedIn: a importância da rede no mercado de trabalho

Data: dia 1º de setembro
Custo: gratuito
Inscrições: pelo site

O Aquário Casa Firjan realiza a palestra gratuita “Hackeando o LinkedIn: a importância da rede no mercado de trabalho”. O encontro vai reunir especialistas, como a gerente de marketing do LinkedIn para América Latina, Ana Carolina Almeida, que vai falar como aproveitar a plataforma para alavancar a carreira. Também debatem sobre a plataforma Nélio Xavier, criador e apresentador do podcast Insider; Ana Cláudia Freire, executiva de talentos da IBM para América Latina; e Diego Cidade, presidente da Academia do Universitário e LinkdIn Top Voices.

12 –  Projeto Trilha Digital – Instituto das Cidades Inteligentes

Data: de 1º de setembro a 27 de outubro
Custo: gratuito
Inscrições: pelo site

O Instituto das Cidades Inteligentes (ICI), em parceria com a Associação dos Deficientes Físicos do Paraná (ADFP-PR), vai promover cursos e palestras online sobre temas relacionados ao mercado de trabalho. O objetivo é incentivar a inclusão digital, social e profissional, iniciativa que integra o projeto social Trilha Digital do ICI, que completa um ano em setembro. Todos os instrutores são colaboradores voluntários do ICI. Nessa etapa, serão oferecidas palestras com temas como: finanças domésticas, escolhas em meio à crise, tecnologia no mercado de trabalho, segurança de informação e privacidade digital, saúde mental, humanidade e tecnologia, desafios do trabalho remoto e tendências da tecnologia.

13 –  Bilingual Education Summit – BEST 2020

Data: de 1 a 3 de setembro de 2020
Custo: a partir de 50 reais
Inscrições: pelo site

O BEST 2020, é o maior evento de educação bilíngue do mundo, esse ano acontece de forma 100% digital e aberto a todos, e vai discutir “Os caminhos da educação no Brasil”, provocando reflexões e fomentando a inovação no setor”, além de abordar temas como tecnologia, inteligência emocional e diversidade. Promovido pela International School, plataforma focada em soluções de ensino bilíngue para escolas, terá a presença da ativista e Prêmio Nobel, Malala Yousafzai, cofundadora da Fundação Malala. Além dela, os escritores Daniel Goleman (autor de “Inteligência Emocional”, Editora Bantam Books), Shawn Archor (“O jeito Harvard de ser feliz”, Editora Saraiva) e Martha Gabriel (autora de “Você, eu e os robôs”, Editora Atlas). Entre os brasileiros estão o técnico de vôlei Bernardinho, a executiva de TI e fundadora do Movimento Black Money Nina Silva, a filósofa Djamila Ribeiro e o ator Lázaro Ramos, além dos finalistas do Global Teachers Prize, bem como a participação de Ulisses Cardinot, fundador e presidente da International School.

14 –  II Semana da Transformação Organizacional

Data: de 1 a 3 de setembro
Custo: gratuito
Inscrições: pelo site

Adaptar os conceitos e práticas ao novo normal é uma realidade necessária às corporações. Sempre foi importante se atualizar, mas agora é fundamental. Para isso, a Massimus, startup que atua no Brasil e exterior com treinamento e formação Ágil (Scrum), promove a II Semana da Transformação Organizacional. Será de 1 a 3 de setembro com aulas online e gratuitas sobre novas práticas e conceitos de gestão. Na programação, serão três aulas: O conceito da Transformação Organizacional e o momento em que vivemos; Da Transformação Digital à Organizacional e 7 passos para criar o seu projeto de Transformação Organizacional.

15 – I Fórum de Integração Varejo & Indústria Rio de Janeiro

Data: dia 2 de setembro, às 9h
Custo: gratuito
Inscrições: pelo site ou pelos telefones (11) 9 5958 6191/(21) 9 9676 6183

Em evento online, o presidente da Associação de Supermercados do Estado do Rio de Janeiro (ASSERJ), Fábio Queiróz, junto com o presidente da revista SA Varejo, Sergio Alvim, irão comandar uma discussão sobre o futuro do varejo. A crise pode não ter precedentes, mas o varejo precisa avançar, é hora de reaprender o negócio e realizar mudanças.

16 – A importância da inovação no nosso dia a dia

Data: dia 2 de setembro, às 16h
Custo: gratuito
Onde: pelo YouTube

A transmissão ao vivo tem como objetivo falar sobre o quão importante é se inovar no dia a dia e o quanto a inovação é a chave para sobrevivência das empresas. A porta-voz da live é a Mônica Schimenes, fundadora do grupo de comunicação MCM Brand Group. Ela recebe Catarina Viegas, executiva de vendas da IBM.

17 –  Às quartas vestimos rosa: humanização das marcas no digital

Data: dia 2 de setembro, a partir das 18h
Custo: gratuito
Onde: no Instagram

Humanização das marcas no digital será o tema da live comandada por Pedro Rabelo, presidente do Bagy, plataforma que ajuda pequenos e médios varejistas a criarem seu e-commerce, que recebe a blogueira Ana Neves Cardoso. Ela começou em 2014, como afiliada, vendendo doces gourmet apenas no Instagram para ter renda extra. Com o passar do tempo, adquiriu experiência e aprendeu os macetes de venda e marketing digital. Durante a live, Ana vai mostrar o motivo pelo qual não vale a pena comprar seguidores em redes sociais e que o retorno financeiro é consequência de muito trabalho, não milagre.

18 –  Workshop de Autoconfiança

Data: dia 2 de setembro, das 19h às 21h30
Custo: de 10 a 97 reais
Inscrições: pelo site

A Escola ELAS, focada em liderança feminina no Brasil, promove um curso de capacitação para promover a autoconfiança pessoal e profissional de mulheres.

19 –  Wacom Academy

Data: de 2 a 5 de setembro
Custo: gratuito
Inscrições: pelo site

Com grandes mentores nacionais e internacionais, o Wacom Academy, um dos maiores festivais de design, arte e fotografia da América Latina, será realizado entre os dias 2 e 5 setembro de 2020. Este ano, por conta da pandemia de covid-19, o formato do evento será totalmente digital e gratuito. Só a lista de brasileiros confirmados no evento contempla artistas renomados de diversas áreas, como o escultor Alex Oliver, a ilustradora Bianca Nazari e cartunista Guilherme Bandeira.

20 –  LGPD e os impactos jurídicos nas empresas no Brasil

Data: dia 3 de setembro, às 11h
Custo: gratuito
Inscrições: pelo site

Fernando Zilveti e Marcela Cavallo debaterão na próxima live do Zilveti Advogados sobre os impactos jurídicos da Lei Geral de Proteção de Dados nas empresas.

21 –  Festival Nova E-ducação

Data: dia 3 de setembro, das 14h às 20h
Custo: gratuito
Inscrições: pelo site

A Plataforma Eleva promove um evento online e gratuito chamado Festival Nova E-ducação, com objetivo de pensar a educação digital do Brasil para o ensino pós-covid. Nesse evento, estarão presentes o ator Bruno Gagliasso, a filósofa Djamila Ribeiro, o escritor Mia Couto e o empresário Jorge Paulo Lemann, além de Antônia Mendes, diretora geral da Plataforma Eleva.

22 –  As revoluções em processos e treinamentos de vendas B2B

Data: dia 3 de setembro, às 16h
Custo: gratuito
Inscrições: pelo site

Ricardo Corrêa, presidente da Ramper, e Maurício Vergani, presidente da neoxs, irão mostrar aos gestores como repensar seus processos e treinamentos de vendas para empresas para obter o melhor do seu time de vendas. Entre os tópicos de debates estão o início da transformação da área comercial, como unir pessoas e processos para gerar alta performance, como avaliar indicadores e rituais de ramp-up, além da importância do desenvolvimento contínuo dos profissionais.

23 –  Liga ON | O Novo Mercado e as Startups no Setor de Energia

Data: dia 3 de setembro, às 17h
Custo: gratuito
Inscrições: pelo site

Este evento da Liga Ventures irá abordar como a tecnologia desenvolvida por startups estão colaborando para a transformação e adaptação do mercado de Energia no Brasil. Com mais de 140 startups com soluções para o setor, o Brasil apresenta um forte potencial para a criação e adoção de startups base tecnológica em toda a cadeia de energia. Vamos discutir pontos chaves para intensificar ainda mais esse desenvolvimento e quais são os próximos desafios e oportunidades que poderão ser encarados pelos empreendedores do setor. Participam Gabriel Mann dos Santos, diretor de comercialização de energia da ENGIE, Guilherme Slovinski Ferrari, diretor de novos negócios, estratégia e inovação da ENGIE, e Talita de Oliveira, vice-presidente do conselho de administração da CCEE.

24 –  Masters inGaia Live 

Data: dia 3 de setembro, às 17h
Custo: gratuito
Onde: pelo YouTube

Com a chegada da pandemia, as imobiliárias, administradoras de locação e corretores reconheceram a importância da digitalização para que os negócios avancem não só durante o distanciamento social, como no cenário pós-pandemia. A startup inGaia atua justamente para ajudar na digitalização do mercado imobiliário, não só com ferramentas, soluções e serviços, como com informação. Por isso, a empresa está realizando, toda semana, uma live com especialistas para promover debates sobre essas transformações e auxiliar o mercado imobiliário. Na próxima edição, serão debatidas as mudanças de comportamento na procura de imóveis no Brasil. O evento contará com a presença de Bruno Serpa Pinto, presidente da Spin Inovações Imobiliárias; Geraldo Rodrigues, presidente da Rede Nexus; Nelson Parisi Jr, presidente da Rede Imobiliária Secovi; e José Eduardo Andrade Junior e Mickael Malka, da inGaia.

25 –  Fraud Session 6 

Data: dia 3 de setembro, às 18h
Custo: gratuito
Inscrições: pelo site

A sexta edição da Fraud Session, webinar organizado pela Konduto em parceria com a Emailage, vai falar sobre os desafios da área de combate à fraude cibernética nos próximos anos e o futuro das empresas que criam soluções tecnológicas para dificultar a vida dos criminosos. Para isso, o evento contará com a presença de Amador Testa, cofundador da Emailage, e de Tom Canabarro, presidente e cofundador da Konduto.

26 –  Tech Banking: criando os bancos do futuro

Data: 3 de setembro, a partir das 19h
Custo: gratuito
Inscrições: pelo site

A tecnologia nunca foi tão protagonista no desenvolvimento dos negócios. No setor financeiro, ela aparece como a chave para melhorar a experiência do cliente e altera hábitos de consumo de bilhões de pessoas ao redor do mundo. Por trás do open banking, PIX, da ampliação da oferta de meios de pagamentos e inúmeras outras revoluções vividas por esse mercado nos últimos anos, estão empresas dedicadas a fazer com que as tecnologias cheguem a todas as camadas da sociedade. Diante desse cenário disruptivo, a fintech Zoop, de tecnologia para serviços financeiros, promove um evento com executivos da Amazon Web Services (AWS), Grupo Movile e Visa para comentar como o tradicional sistema bancário está evoluindo para um modelo mais democrático.

27 –  Como conseguir experiência em programação sem ter um trabalho? 

Data: 3 de setembro, às 20h
Custo: gratuito
Onde: pelo site

Organizado pela Trybe, escola de programação e desenvolvimento web, o encontro trará a participação de quatro profissionais que possuem ampla experiência em tecnologia, reunindo dicas do que é possível fazer para potencializar o seu talento como um programador. O bate papo trará Carina dos Santos, líder de projetos na WatchGuard, focada em gestão e processos ágeis com Scrum; Edy Segura engenheiro de software da Inatel, com mais de uma década de experiência no desenvolvimento de plataformas web; Elias Eugênio, da WatchGuard, com mais de 20 anos de experiência como desenvolvedor; e Julio Martins, engenheiro de computação do Inatel.

28 –  4ª Onda – Covid-19: impactos e desafios para o mercado imobiliário

Data: dia 4 de setembro, às 9h30
Custo: gratuito
Inscrições: pelo site

A equipe da Brain Inteligência Estratégica realiza o webinar para discutir como o mercado imobiliário brasileiro está reagindo aos impactos da covid-19 desde o início da pandemia no país.
A quarta rodada de pesquisa explora a visão das empresas atuantes no setor e também dos possíveis compradores de imóveis.

29 –  B2W Summit capacita empreendedores

Data: dia 4 de setembro, às 17h30
Custo: gratuito
Inscrições: pelo site

Empreendedores têm a oportunidade de participar gratuitamente de uma jornada de oficinas de capacitação da plataforma de conteúdo digital B2W Summit’20. Os encontros virtuais reúnem especialistas do mercado para dar dicas práticas e oferecer soluções para o dia a dia dos profissionais. As oficinas abordam temas como melhorias na gestão do negócio, produção de conteúdo criativo e tendências do mercado, no intuito de ajudar os empreendedores a aumentarem as vendas. O próximo encontro, marcado para sexta-feira, dará o ponta pé inicial para a Black Friday 2020. Até dezembro, serão 30 oficinas feitas via plataforma Zoom, com vagas limitadas.

30 –  Direção de Filmes e Propaganda

Data: inscrições abertas; curso será de 14 a 18 de setembro
Custo: 740 reais
Inscrições: pelo site

Parte do programa de Educação Continuada da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), o curso Direção de Filmes e Propaganda – coordenado e ministrado por Roney Giah – conta com um conteúdo voltado a capacitar o aluno a compreender e dominar noções básicas de direção como a escolha e formação de equipe; liderança no set de filmagem; estruturação de um filme a partir da planilha de custos; criação de tratamento; concepção de storyboard; e como construir e apresentar um pitch para clientes ou para um canal. O objetivo é capacitar profissionais para atuar como diretores de filmes para os mercados cinematográfico e publicitário.

31 – 3ª Jornada FIEMG Lab 4.0

Data: inscrições abertas até 23 de setembro
Custo: gratuito
Inscrições: pelo site

Estão abertas as inscrições da 3ª Jornada FIEMG Lab 4.0, programa de aceleração com foco em soluções voltadas para a indústria. As 50 startups selecionadas participarão de um cronograma com 12 meses de duração, dividido em três fases que têm como objetivo fortalecer a conexão com o segmento industrial, gerando negócios, e desenvolver as soluções tecnológicas. Entre os benefícios estão: acesso a um fundo de 1 milhão de reais para a realização de provas de conceito, mentoria com especialistas e benefícios financeiros de até 260 mil reais para os 10 empreendimentos que obtiverem melhor performance na segunda fase do programa. Além disso, dez empreendedores da terceira fase receberão uma bolsa de pesquisa da FAPEMIG no valor de 1.521 reais.

Publicado por Exame 

28 ago
Juros compostos: o que é e como utilizar ao investir

Escola de negócios e gestão

Muitos já devem ter ouvido falar sobre os juros compostos, mas não possuem o conhecimento sobre seus benefícios na vida financeira

Muitos já devem ter ouvido falar sobre os juros compostos, mas não possuem o conhecimento sobre seus benefícios na vida financeira na utilização para investir.

Sabendo de sua importância, abordaremos neste artigo os investimentos que são influenciados pelos juros compostos, além de apresentar seu significado e como realizar os cálculos.

O que são juros compostos

Basicamente, os juros compostos são juros aplicados sobre juros, possibilitando um aumento no rendimento de forma significativa. Por causa disso, eles costumam ser muito úteis no mercado financeiro e na utilização da matemática financeira.

Um exemplo sobre o uso dos juros compostos é a aplicação nas contas vencidas no mês. A dívida sofre um aumento por causa dos juros que começam a incidir sobre os juros já existentes.

Apesar dos juros compostos apresentarem um resultado negativo para o devedor, este tipo de cálculo pode ser um grande aliado para quem busca investir seu dinheiro em aplicações financeiras. Isto é, quando se tem uma boa organização financeira, é possível se favorecer com os juros.

Como calcular os juros compostos?

No primeiro momento, o cálculo dos juros compostos pode ser considerado complicado. Vamos explicar como fazer esta conta e você vai perceber como o procedimento é simples.

Veja qual é a fórmula para calcular os juros:

M = C (1+i)^t

Sendo:

  • M: capital acrescido de juros, conhecido como montante final
  • C: valor inicial da dívida, caracterizado como capital aplicado
  • i: uma taxa de juro (%)
  • t: tempo

Vamos supor que você realizou uma aplicação de 8.000 reais, com uma taxa de 1% ao mês, no período de seis meses.

Confira o cálculo realizado com a fórmula dos juros compostos:

  • Montante = capital x (1 + taxa de juro) elevado ao período de tempo definido
  • Montante = 8.000 x (1 + 0,01)⁶
  • Montante = 8.492,12

É interessante enfatizar que não é preciso decorar a fórmula para o cálculo. Atualmente, você encontra várias ferramentas pela internet que podem ser utilizadas para o cálculo dos juros compostos. Uma delas é a Calculadora do Cidadão, uma ferramenta gratuita do Banco Central. Conforme o exemplo acima, após o período de seis meses, você terá em mãos 8.492,12 reais, sendo que os 492,12 reais são decorrentes aos juros compostos. E claro, quanto mais tempo você deixar este dinheiro aplicado, maior será o rendimento.

Diferença entre juros simples e juros compostos

Os juros simples costumam ser utilizados em situações de curto prazo, por exemplo, um empréstimo de dinheiro para um amigo ou familiar. Então, os juros incidem apenas sobre o valor principal, e não sobre os juros gerados a cada mês.

Já os juros compostos são os juros de um determinado período que serão somados ao capital e utilizados para o cálculo de novos juros do período seguinte.

Para mais esclarecimentos sobre a diferença entre juros simples e os juros compostos, veja um exemplo prático das duas situações.

Juros simples

Fórmula: C.i.t

Onde:

  • C: capital inicial
  • i: taxa de juro
  • t: tempo

Juros simples: R$ 10.000 x 0,01 x 10 = R$ 1.000

Total: R$ 11.000

Juros compostos

Fórmula: M = C (1+i) ^ t

Juros compostos: 10.000 x (1 + 0,01) elevado a 10

Total: R$ 11.046,20

Com os juros compostos, o capital teve um aumento a cada mês, apresentando um melhor resultado no período. Mas, é claro, precisamos sempre ter em mente que esta situação pode ser tanto positiva quanto indesejada.

Conheça os investimentos que utilizam os juros compostos

Existem vários tipos de investimento que utilizam os juros compostos como forma de remuneração. Os mais conhecidos são as aplicações em renda fixa, por meio das quais os investidores se beneficiam com os resultados obtidos no longo prazo.

CDB – Certificado de Depósito Bancário

O Certificado de Depósito Bancário (CDB) é um título emitido por bancos que usam este capital para financiar suas atividades. Ao final do período, a instituição financeira devolve o valor acrescido de juros.

Os juros utilizados neste título de renda fixa podem sofrer uma variação entre as instituições. Normalmente, os juros do CDB são atrelados ao Certificado de Depósito Interbancário (CDI).

Tesouro Direto

Os títulos do Tesouro Direto são uma possibilidade para as pessoas que desejam aplicar seu dinheiro em ativos de baixo risco. Com ele, o investidor empresta seu dinheiro ao governo em troca de um rendimento atrelado à Taxa Selic ou ao IPCA.

Como o Tesouro Direto é um investimento oferecido pelo governo, não é possível encontrar variações dos juros entre as instituições financeiras. Neste caso, o investidor precisa ficar atento sobre as várias opções disponíveis, as taxas atreladas e o período de vencimento de cada um.

Portanto, o recomendado é que se faça uma pesquisa sobre o título público que melhor se adequa às suas necessidades do momento.

LCI (Letra de Crédito Imobiliário) e LCA (Letra de Crédito do Agronegócio)

As letras de crédito foram criadas para impulsionar as atividades do setor imobiliário (LCI) e do setor de agronegócio (LCA).

São investimentos isentos de imposto de renda para pessoa física, o que chama a atenção de muitos investidores.

Ações

A renda variável também funciona indiretamente com os juros compostos, mas para esta modalidade não é possível prever os rendimentos que obterá ao investir na bolsa de valores. Devido à ausência da previsibilidade, os juros compostos podem apresentar resultados negativos. Por exemplo, as ações que você investiu podem sofrer quedas em um determinado período.

Por causa deste cenário incerto, a renda variável demanda uma análise mais cuidadosa, mas, com uma boa estratégia, a renda variável pode ser considerada uma excelente opção. Os juros compostos podem ser grandes aliados em seus investimentos, mas também podem ser grandes inimigos quando o assunto é uma conta vencida. O segredo está em utilizar este mecanismo a seu favor. Aproveite os grandes benefícios dos juros compostos e fuja dos prejuízos que eles podem te causar.

27 ago
5 bibliotecas python interessantes

Escola de tecnologia aplicada

Você já pensou que a visualização de dados pode estar na linha de comando?

Como uma das linguagens de programação mais populares, python tem um grande número de bibliotecas excelentes que facilitam o desenvolvimento como Pandas, Numpy, Matplotlib, SciPy, etc.

No entanto, neste artigo, vou apresentar a vocês algumas bibliotecas que são mais interessantes do que muito úteis. Acredito que essas bibliotecas podem mostrar outro aspecto do Python e o prosperar da comunidade.

1. Bashplotlib

Honestamente, quando vejo esta biblioteca pela primeira vez, questionei por que as pessoas podem precisar disso? Bashplotlib é uma biblioteca Python que nos permite traçar dados em um ambiente stdout de linha de comando.

Logo percebi que provavelmente será útil quando você não tiver nenhuma GUI disponível. Bem, este cenário pode não ser tão frequente, mas não impede minha curiosidade e sentir que é uma biblioteca Python muito interessante.

Bashplotlib pode ser facilmente instalado com .pip

pip install bashplotlib

Vamos ver alguns exemplos. No código abaixo, eu importei para gerar algumas matrizes aleatórias, bem como o , é claro.numpybashplotlib

import numpy as np
from bashplotlib.histogram import plot_hist
arr = np.random.normal(size=1000, loc=0, scale=1)

plot_hist é uma função a partir disso é para plotar dados 1D em um histograma, assim como faz em Matplotlib. Então, eu uso Numpy gerou uma matriz aleatória com 1.000 números que normalmente são distribuídos. Depois disso, podemos facilmente traçar esses dados da seguinte forma:bashplotlibplt.hist

plot_hist(arr, bincount=50)

A saída é assim

Não é interessante? 🙂

Além disso, você pode traçar seus dados em um gráfico de dispersão de arquivos de texto

2. PrettyTable

O Bashplotlib que acabei de introduzir é para traçar dados no ambiente de linha de comando, enquanto PrettyTable é para tabela de saída em um formato bonito.

Da mesma forma, podemos facilmente instalar esta biblioteca usando .pip

pip install prettytable

Em primeiro lugar, vamos importar a liberdade.

from prettytable import PrettyTable

Então, podemos usar para criar um objeto de tabela.PrettyTable

table = PrettyTable()

Uma vez que tenhamos o objeto de tabela, podemos começar a adicionar campos e linhas de dados.

table.field_names = ['Name', 'Age', 'City']
table.add_row(["Alice", 20, "Adelaide"])
table.add_row(["Bob", 20, "Brisbane"])
table.add_row(["Chris", 20, "Cairns"])
table.add_row(["David", 20, "Sydney"])
table.add_row(["Ella", 20, "Melbourne"])

Para exibir a mesa, basta imprimi-la!

print(table)

PrettyTable também suporta refinar os estilos de mesa, em quase todas as perspectivas que você pode pensar. Por exemplo, você pode alinhar corretamente o texto na tabela:
table.align = 'r'
print(table)

Classificar a tabela por uma coluna

table.sortby = "City"
print(table)



Você pode até mesmo obter sequência HTML da tabela

3. FuzzyWuzzy

Esta biblioteca não é apenas muito interessante, mas também muito útil, na minha opinião. Muitas vezes você pode querer implementar um recurso de pesquisa “confuso” para o seu programa. FuzzyWuzzy fornece uma solução fora da caixa e leve para isso.

Instale-o como de costume.pip

pip install fuzzywuzzy

Importar a biblioteca:

from fuzzywuzzy import fuzz

Vamos fazer um teste simples.

fuzz.ratio(“Let’s do a simple test”, “Let us do a simple test”)

Como mostrado o resultado “93” significa que essas duas cordas têm 93% de semelhança, o que é bastante alto.

Quando você tem uma lista de strings, e você quer pesquisar um termo contra todos eles, FuzzyWuzzy vai ajudá-lo a extrair as mais relevantes com suas semelhanças.

from fuzzywuzzy import processchoices = ["Data Visualisation", "Data Visualization", "Customised Behaviours", "Customized Behaviors"]process.extract("data visulisation", choices, limit=2)
process.extract("custom behaviour", choices, limit=2)


No exemplo acima, o parâmetro diz fuzzyWuzzy para extrair os resultados “top n” para você. Caso contrário, você terá uma lista de tuplas com todas essas cordas originais e suas pontuações de semelhança.limit

4. TQDM

Você geralmente desenvolve ferramentas de linha de comando usando Python? Se assim for, esta interessante biblioteca vai ajudá-lo quando sua ferramenta CLI está processando algo demorado, mostrando uma barra de progresso para indicar o quanto foi feito.

Instalação usando, novamente.pip

pip install tqdm

Quando você tiver uma função de uso de loop, basta substituí-la por tqdm.rangetrange

from tqdm import trangefor i in trange(100):
    sleep(0.01)




De forma mais geral, você pode querer fazer um loop de uma lista. Isso também é fácil com tqdm.

from tqdm import tqdm
for e in tqdm([1,2,3,4,5,6,7,8,9]):
    sleep(0.5)  # Suppose we are doing something with the elements



tqdm funciona não apenas para o ambiente de linha de comando, mas também iPython/Jupyter Notebook.


Image for post

5. Colorama

Deseja adicionar algumas cores aos seus aplicativos de linha de comando? Colorama torna muito fácil produzir tudo na sua cor preferida.

Instalar o Colorama precisa de novo.pip

pip install colorama

O Colorama suporta renderizar a cor do texto de saída em “primeiro plano” (a cor do texto), “fundo” (a cor de fundo) e “estilo” (estilo extra da cor). Podemos importar

from colorama import Fore, Back, Style

Em primeiro lugar, vamos mostrar alguns avisos usando a cor amarela.

print(Fore.YELLOW)
print("This is a warning!")
Image for post

Então, vamos tentar mostrar alguns erros usando uma cor de fundo vermelho.

print(Back.RED + Fore.WHITE + "This is an error!")


Image for post

Esse vermelho é muito brilhante. Vamos usar o estilo “dim”.

print(Back.RESET + Style.DIM + "Another error!")

Aqui estamos definindo “RESET” para voltar a alterar a cor de fundo para padrão.

Image for post

O estilo “DIM” torna a fonte meio invisível. Quando quisermos mudar tudo de volta ao normal, basta definir “Estilo” para “RESET_ALL”

print(Style.RESET_ALL)

Image for post

Resumo

Graças a esses desenvolvedores de código aberto que contribuem para a comunidade Python e a prosperam.

Antes de ver a biblioteca Bashplotlib, tenho que dizer que nunca tive essa ideia de traçar dados em um ambiente de linha de comando. Não importa se pode ou não ser útil para você, eu diria que a diversidade das ideias de desenvolvimento e criativos das pessoas nunca terminou.

A vida é curta, use Python!

Publicado por Medium 



25 ago
Transparência e informação em tempos de pandemia

Escola de direito aplicado

Está em curso uma tentativa de desestruturação do sistema de transparência custosamente constituído ao longo das últimas décadas

A ideia de governo aberto e promoção da transparência na gestão pública não é nova e amadureceu muito nas últimas décadas. Incrementalmente, ao longo de anos, a Administração Pública Federal, seguida por diversos entes subnacionais, constituiu um sistema de transparência e acesso à informação, formado por inúmeros mecanismos, como a Lei de Acesso à Informação, o Portal da Transparência e os de diversos canais instituídos de participação social.

No contexto da crise atual, a ampla utilização e robustecimento desse sistema seriam medidas fundamentais para o enfrentamento da pandemia. Lamentavelmente, a postura do governo federal vem se dando no sentido oposto, em uma busca incessante pela desestruturação de tal sistema, o que vem comprometendo severamente a capacidade de reação do país ao desafio colocado.

Em qualquer esfera de governo, seja qual for a circunstância, área ou instância decisória, a transparência cumpre papel central, transversal e multifacetado. É evidente que não há democracia sem participação e essa última só pode ser plenamente exercida por cidadãs e cidadãos que usufruam de um ambiente de livre circulação de informações sobre toda a sorte de assuntos públicos.

Para além disso, a cada dia se fortalece a ideia – impulsionada pela organização da sociedade civil, pesquisas acadêmicas e boas práticas de gestão – de que governar com transparência não é apenas o cumprimento de um dever do Estado para com a sociedade, mas também uma condição indispensável para a formulação e execução de políticas públicas sólidas e efetivas.

Se é que ainda havia dúvidas fundadas sobre a necessidade de apostar enfaticamente na promoção e ampliação da transparência governamental, o cenário instaurado pela disseminação da COVID-19 eliminou-as por completo. Como se sabe, trata-se de um novo vírus, para o qual não há vacina testada ou remédio de eficácia comprovada, com expressivas taxas de contágio e de mortalidade.

As informações incontroversas a seu respeito são ainda limitadas, mas são conhecidas ao menos três medidas que, se utilizadas de modo articulado e cooperativo, mostram-se capazes de evitar o rápido espraiamento do vírus, dando condições para que os sistemas de saúde possam ser ampliados e adaptados antes de submetidos a uma demanda que os colapse: (i) distanciamento social; (ii) a adoção de medidas de higiene pela população; e (iii) a produção e disponibilização de informação de qualidade sobre questões como a evolução do quadro epidemiológico, perfil de população afetada, e medidas de prevenção e de cuidado a serem adotadas pelas pessoas.

As três ferramentas dependem, naturalmente, do Estado e da sociedade. Contudo, de modo acentuado nesse caso, evidencia-se o inescusável papel do primeiro na coordenação dos esforços sociais em torno dos objetivos coletivos de mitigação dos efeitos da pandemia.

Assim, a transparência governamental se tornou, a olhos vistos, uma condição necessária e insubstituível para que qualquer país afetado possa atravessar a maior crise sanitária do último século sem gerar um número explosivo de óbitos e vivenciar o colapso de seu sistema de saúde, colocando em risco grande parte da população e o próprio tecido social.

Não há como conter o vírus sem que, sob a liderança e protagonismo estatal, sejam concentrados esforços, entre outras frentes, no sentido de promover a transparência governamental. É o que bem ilustram o que constituem, até aqui, os casos de maior sucesso no enfrentamento da pandemia.

Nesse sentido, os mais de 50 mil mortos e 1 milhão de casos contabilizados no Brasil – suficientes para colocar o país na segunda pior posição em todo o mundo em ambos os quesitos – por si já constituiriam um indício claro, para qualquer observador externo, sobre as escolhas que o governo federal vem fazendo em termos de promoção de transparência para enfrentar a COVID-19 e seus efeitos.

Para a sociedade brasileira, que presencia angustiada uma verdadeira escalada contra a transparência, fica evidente que o estado de coisas a que se chegou a partir de ações e omissões do governo federal em relação à precária produção e divulgação de informações sobre a pandemia, combinada com a disseminação de informações sem embasamento científico, é objetivamente incompatível com a ordem constitucional e o Estado Democrático de Direito[i].

As ilustrações desse preocupante movimento de desmonte do sistema federal de transparência e acesso à informação são inúmeras e algumas delas merecem ser destacadas.

A ausência de testagem em larga escala, a disseminação de informações desprovidas de comprovação científica – que inclusive embasaram decisões de alocação de recursos, passando por obscuridades relativas à própria metodologia dos insuficientes dados divulgados pelo governo ensejaram diversas demandas judiciais que colocaram o judiciário, e especialmente o STF, como ator protagonista da crise.

São exemplos a liminar concedida pelo ministro Alexandre de Moraes, na ADPF 960, determinando a divulgação de dados elementares sobre o número de infectados e mortos pelo vírus, no país. Assim também se dá com outros casos ainda em julgamento, tais como a ADPF 676 que questiona, entre outros pontos, a ausência de justificativa científica para adoção de protocolos de ação, elemento indispensável para que se possa construir políticas públicas de combate aos efeitos do Coronavírus.

Ao mesmo tempo, ficou clara a conduta de deliberadamente negligenciar a Lei de Acesso à Informação (LAI), conforme demonstrado pelo relatório “8 anos de Lei de Acesso à Informação: Transparência para superar a crise, publicado em 30 de maio deste ano, pela Artigo 19.

Entre outros pontos, a pesquisa evidenciou que informações que deveriam ser espontaneamente compartilhadas não vêm sendo disponibilizadas mesmo após requisição formal, além de ter revelado falhas graves da atuação do Ministério da Saúde consubstanciadas na divulgação de dados divergentes entre si e na deficiência de oferecer respostas satisfatórias às questões que lhe são apresentadas em relação à pandemia e as ações para seu enfretamento.

Por fim, muito sintomática a aprovação de relatório pelo TCU, no último dia 24 de junho, apontando falhas graves na atuação do governo federal no combate ao Covid 19. A auditoria realizada pelo órgão em relação à conduta do comitê de enfrentamento da pandemia não identificou, conforme o relatório, os componentes básicos da estratégia de mitigação dos efeitos da pandemia, chamando a atenção para os riscos de desperdício de recursos e aumento do número de infectados e mortos. Anotou ainda a falta de divulgação ampla das ações sanitárias adotadas pelo governo, determinando providências básicas, como a divulgação das atas de reunião do comitê de crise.

Por tudo isso, nota-se que está em curso uma tentativa de desestruturação do sistema de transparência e acesso à informação custosamente constituída ao longo das últimas décadas. No contexto da pandemia, o preço desse desmonte é incomensurável, na medida em que implica minar uma das principais ferramentas públicas para enfrentar a crise sanitária que acomete o país.

A hora de agir é agora. Se é certo que muito estrago já foi feito pela inobservância da transparência governamental até aqui, não é menos relevante que sérios prejuízos futuros podem ser evitados pela reversão dessa situação, sendo mais do que bem vindas as primeiras reações mais contundentes do STF, órgãos de controle e da sociedade civil.

Publicado por JOTA

21 ago
As melhores e piores empresas do primeiro trimestre 100% pandêmico

Escola de negócios e gestão

Com um trimestre inteiro de pandemia, já podemos saber quem foi afetado, e como.

Quando a pandemia começou e os circuit breakers dominaram a Bolsa, a principal pergunta que todos os investidores em ações queriam e precisavam ver respondida era: como isso vai afetar as empresas?

As respostas mais comuns eram “depende do caixa”, “depende da saúde financeira”, “depende do mercado em qual a empresa está”… enfim: DEPENDE.

Um trimestre completo sob pandemia já passou, e os resultados das companhias já foram divulgados. Portanto, agora podemos ter algumas respostas bem melhores que “depende”.

Neste episódio do Stock Pickers o tema é esse. Quem foi bem? Quem foi mal? Quem surpreendeu nesta temporada de resultados 100% afetada pela covid-19? Luiz Aranha, da Moat, e Felipe Passaro, da Trafalgar deram suas opiniões.

“Esperava uma catástrofe”, diz Aranha. “Tivemos, sim, tombos relevantes, mas não foi tão ruim quanto poderia ter sido”, completa.

E-commerce e tecnologia

Uma das mais óbvias teses para os tempos de pandemia é o e-commerce, afinal, com lojas fechadas e isolamento social, só nos restaria comprar pela internet. A tese parece ter se confirmado e trazido excelentes resultados financeiros, principalmente sobre o Mercado Livre.

Já era esperado que os resultados viessem fortes, mas não com uma expansão de margem tão relevante”, afirma Passaro. Essa temporada de resultado tem sido mais para confirmar a saúde das empresas”, conclui.

Setor financeiro

Aranha tomou posição neste que é o maior debate do Ibovespa: long ou short em bancos. A Moat está comprada e uma das razões principais é a pandemia, ou a retomada posterior. “O país começa a se alavancar. Dinheiro precisa ser emprestado para a retomada e isso deve ser bom para os bancos incumbentes”, afirma. Bancos incumbentes são os famosos bancões (Itaú, Bradesco, Banco do Brasil e Santander).

 

Publicado por Infomoney

18 ago
Accenture está contratando para mais de 500 vagas com home office

Escola de tecnologia aplicada

A empresa vai contratar profissionais de qualquer lugar do Brasil e oferece kit completo para o home office

Para se preparar para as demandas do mercado pós-pandemia, a Accenture está com 556 vagas abertas para trabalho remoto na área de tecnologia.

A consultoria se antecipa às tendências na área de computação em nuvem, prevendo que as companhias vão investir mais em tecnologias para a transformação digital.

“Quem não fez isso antes, sofreu mais agora. Com a crise, as empresas precisarão de investimentos certeiros para resolver seus problemas e se adaptar. Na migração de seus sistemas para a nuvem, mais do que nunca vão precisar também manter a segurança de informações e a privacidade de dados”, comenta a diretora executiva Flavia Picolo.

Aproveitando os aprendizados com o home office na quarentena, a empresa quer atrair os profissionais da área oferecendo oportunidades para trabalhar de casa.

“O profissional de tecnologia sempre teve uma super demanda, e que agora será ainda maior. Não estamos buscando apenas o especialista em Cloud, mas todos os componentes da área, como desenvolvedores backend e frontend”, diz a diretora.

Além da parte técnica, eles também valorizam pessoas com habilidades comportamentais para se encaixar na cultura da Accenture e na nova forma de trabalho. O destaque é para um perfil empreendedor, criativo e com vontade de inovar.

A flexibilidade da empresa se estende para os benefícios e a recepção dos contratados. Todos poderão personalizar o kit de equipamentos para ter todo o suporte em casa que teriam nos escritórios.

A ideia é que profissionais de qualquer lugar do Brasil possam se candidatar às vagas. Não tem internet boa em casa? Precisa de cadeira, apoio de pé, teclado e mouse? A empresa vai ajudar com isso.

“Além dos equipamentos, não queremos que eles percam o acesso a conhecimento que todos têm na empresa. Os novos contratados terão treinamentos online, certificação em cloud e mentores para acompanhar a carreira. Nada se perde nesse processo, apenas se soma”, explica ela.

Para a diretora, essa também será uma oportunidade para que mais mulheres possam seguir a carreira na área de TI. O trabalho em casa será aliado a horários mais flexíveis, o que facilita o equilíbrio entre o serviço e responsabilidades com a família.

As vagas tem como requisito conhecimento em Java, Angular, Mobile, React, iOS, Cloud ou DevOps. Saiba mais e se inscreve pelo site.

A área de TI, em particular a de programação, é uma das que mais contrata no Brasil mesmo com a crise. Até 2024, a projeção era de ao menos 70 mil novos postos de trabalho por ano, um crescimento ao redor de 10%, segundo a Brasscom, associação de empresas do setor.

As crises sanitária e econômica de 2020 podem mudar em algo as projeções, mas o essencial continua: vai faltar gente capacitada para trabalhar com tecnologia no Brasil. A escassez é mais aguda entre profissionais da chamada “ciência de dados”, dedicada aos softwares para análise de uma quantidade enorme de informações.

Publicado por Exame

14 ago
Cursos de pós-graduação valem como tempo de atividade jurídica para concursos, decide STF

Escola de direito aplicado

Decisão no plenário virtual foi por maioria, julgando improcedente pedido da OAB.

O Pleno do STF julgou improcedente ação da OAB e assentou a validade de cursos de pós-graduação como tempo de atividade jurídica. Por maioria, o colegiado entendeu que, em sua atividade regulamentadora, o CNMP pode densificar o comando constitucional de exigência de “atividade jurídica” com cursos de pós-graduação.

O Conselho Federal contestou o art. 3º da resolução 11/06, do CNJ, e o parágrafo único do art. 1º da resolução 29/08, do CNMP. Os dispositivos tratam da possibilidade de que cursos de pós-graduação, na área do Direito, sejam considerados válidos para a composição do período de atividade jurídica exigido pelos arts. 93, I, e 129, §3º da CF/88.

A relatora, ministra Cármen Lúcia, votou por não permitir que tais cursos fossem computados como atividade jurídica:

O pressuposto básico do concurso público é a isonomia entre os candidatos, que, para ser legítima, deve sujeitar-se ao juízo de razoabilidade. Não se mostra razoável a manutenção de critério que, além de não atender ao intento de maturidade profissional do concorrente às carreiras jurídicas, beneficia alguns candidatos em detrimento de outros.”

Contudo, a maioria dos ministros acompanhou a divergência do ministro Edson Fachin. S. Exa. apontou no voto que há indicação evidente de que o estudo teórico e a prática devem ser conduzidos de forma indissociada, sem que exista, entre eles, uma relação de hierarquia para os fins buscados pela norma.

Para Fachin, pela própria natureza desse tipo de formação, pressupõe-se que o candidato que o conclua com o sucesso terá adquirido um conhecimento que extrapola os limites curriculares da graduação em Direito, de modo que a consideração das atividades de pós-graduação no cômputo do triênio constitucional não implica violação da isonomia dos concursos públicos.

A obtenção dos títulos decorrente da formação continuada tende, em verdade, a privilegiar uma visão mais ampla da formação do integrantes das variadas carreiras jurídicas. Visão esta que, por ter fulcro no tríptico ensino-pesquisa-extensão do art. 207 da CRFB/88, promove o alargamento das competências classicamente associadas a essas profissões.”

Os ministros Moraes, Fux, Barroso, Toffoli e Celso de Mello acompanharam a divergência de Fachin. Por unanimidade, os ministros concluiram pela perda de objeto no caso da resolução do CNJ contestada.

Publicado por Blog Migalhas 

13 ago
Como ficam os concursos públicos durante e após a pandemia?

Escola de direito aplicado

 

É inegável que a Pandemia da Covid-19 prejudicou sobremaneira o planejamento orçamentário da União, dos Estados e dos Municípios. Primeiro, porque a implementação das medidas de isolamento fez a economia praticamente parar, o que causou a diminuição da oferta e da demanda de vários produtos e uma enorme redução na arrecadação de impostos por parte dos entes federativos. Não bastasse a redução da receita, os gastos com saúde pública – estritamente necessários para o combate ao coronavírus – aumentaram consideravelmente.

Assim, o setor público aumentou seus gastos e reduziu suas receitas, o que levou ao inevitável aperto nas contas públicas. Diante deste cenário, uma das saídas encontradas pelas gestões estatais foi o estabelecimento de critérios mais rígidos para os gastos com pessoal. Diversos órgãos desistiram da ideia de lançar editais, vários outros simplesmente suspenderam a realização do certame.

Na tentativa de controlar estes gastos, foi editada pelo Congresso Nacional a Lei Complementar 173/2020, que estabeleceu uma série de proibições aos gestores públicos até dezembro de 2021, cujos pontos de maior relevância para os concursos públicos serão tratados a seguir.

Primeiro ponto que trazemos é a possibilidade de suspensão dos prazos de validade dos concursos públicos já homologados enquanto durar o período de calamidade pública. Isto quer dizer que os prazos de validade estabelecidos no edital ficam congelados enquanto durar a pandemia, sendo retomados tão logo o poder legislativo edite ato decretando o encerramento da calamidade pública.

 

E quanto à criação de novos cargos?

Outro tema interessante diz respeito aos candidatos aprovados dentro das vagas em concursos já finalizados. Nestes casos, os candidatos tem direito à sua nomeação dentro do prazo de validade do edital do concurso– ainda que o órgão realizador do concurso tenha sido afetado pela Pandemia. Os tribunais tem entendido que nestes casos os candidatos tem direito adquirido à sua nomeação, especialmente porque a verba orçamentária para o preenchimento dos cargos já estava destinada.

E quanto à criação de novos cargos? É possível durante a pandemia? Não! A lei impede que os órgãos da administração direta e indireta criem cargos, empregos ou funções públicas que impliquem em aumento de despesa até dezembro de 2021. Ou seja: está proibida a criação de novas vagas para preenchimento por concurso público durante o prazo mencionado.

 

Seletivos e vagas temporárias 

Apesar da impossibilidade de criação de vagas, a lei estabelece como exceção a realização de testes seletivos para preenchimento de cargos temporários. Como exemplo dessa possibilidade, mencionamos o que tem ocorrido na área da saúde. Neste caso, a necessidade da contratação de pessoal aumentou diante da crise sanitária, o que fez com que mais seletivos fossem realizados e mais vagas temporárias fossem preenchidas.

Outra hipótese que permite a realização de concursos é no caso do preenchimento de vagas por reposição, desde que não haja aumento de despesa.  Assim, o que se pode perceber é que, apesar da conjuntura, todos os órgãos podem realizar concursos, desde que i) não haja aumento de despesas e ii) que seja para fazer as reposições dos cargos decorrentes de vacância.

07 ago
O que você precisa saber para se tornar mais criativo em 11 passos

Escola de negócios e gestão

A criatividade não é um dom, mas uma habilidade do ser humano ligada à nossa capacidade de invenção e inovação. Assim como qualquer competência, é possível praticar a criatividade para despertá-la e desenvolvê-la, tornando-se uma pessoa mais criativa.

Profissionais criativos nem sempre têm picos de imaginação. Problemas pessoais, cansaço físico, baixa autoestima, ruídos externos… Tudo isso pode acabar com a produtividade de especialistas em criação de conteúdo.

Apesar disso, não se desespere. Mesmo com a falta de inspiração, existem diversos meios para estimulá-la.

Não são segredos milenares, mas dicas práticas para você aplicar no conforto do seu lar ou escritório cotidianamente.

Neste artigo, você aprenderá as melhores técnicas para impulsionar a criatividade e se livrar de vez das suas horas ociosas diante da tela do PC. Mas primeiro, precisamos definir:

O que é criatividade?

A criatividade não é um dom, mas uma habilidade do ser humano ligada à nossa capacidade de invenção, reinvenção e inovação. Assim como qualquer competência, é possível praticar a criatividade para despertá-la e desenvolvê-la, tornando-se uma pessoa mais criativa.

Só se cria algo a partir de experiências anteriores. Diz o ditado, certeiro:

Para quem só conhece martelo, todo parafuso é prego.

O que pessoas criativas têm de diferente é um repertório amplo e uma capacidade de recorrer a ele, desmontar e montar novamente as suas vivências. É combinando o que se sabe com o que se conhece que faz nascer o novo. Assim, vamos te ensinar como criar esse repertório:

Como ser mais criativo em 11 passos

Para os pesquisadores , a maior causa da ausência de criatividade é a falta de estímulos. O cérebro é um órgão complexo e alimentar as diversas partes que o compõem é essencial para ter novas ideias.

Acordar, ir ao trabalho, realizar as mesmas tarefas, voltar para casa, assistir a programas semelhantes e dormir. Esse tipo de atividade cotidiana é tudo que você deve evitar para trazer a inspiração.

Segundo o sociólogo e psicólogo inglês Graham Wallas, existem quatro fases para o surgimento de uma ideia. São elas:

  1. preparação: consiste no estudo preparatório acerca de um tema;
  2. incubação: o tempo em que a ideia é formulada dentro da mente, de maneira despercebida pelo ser;
  3. iluminação: é quando a ideia chega à consciência,
  4. verificação: ocorre ao “checar” se a ideia é realmente boa.

Assim, aquele pequeno devaneio se torna uma grande ideia. Mas, como você pôde ver, existe um processo.

Ser mais criativo envolve mudar sua forma de pensar e trabalhar para remover os obstáculos no caminho de sua criatividade natural, permitindo que você a alcance e a desenvolva.

Os passos a seguir são dicas e técnicas simples de como fazer isso por meio de novos hábitos e mudanças de mentalidade:

1. Tenha um propósito

Assim como para qualquer objetivo traçado, você será muito mais eficiente se tiver um propósito. Ou seja, um motivo pelo qual deseja ser mais criativo.

Pode ser para se tornar um escritor melhor, um designer diferenciado ou simplesmente ter mais facilidade para solucionar problemas da sua rotina.

Mas é preciso ter um propósito que inspire você a seguir em direção a inovações e novas soluções para atingir seus objetivos.

2. Estude muito

Como dito antes, não existem ideias sem conhecimento. É preciso que exista uma base para o surgimento da criatividade.

Você pode tentar exercitar isso agora mesmo. Pense em uma área sobre a qual você não compreende. Agora tente inventar soluções e novidades para revolucionar o setor. Difícil, não é?

Por sorte, hoje temos a internet. Um dossiê infinito de informações disponíveis à distância de um clique. Você pode assistir vídeos, ler artigos e livros, ouvir podcasts e mais uma infinidade de materiais disponíveis de maneira gratuita e instantânea.

Seria absolutamente inútil se uma maçã caísse sobre a cabeça de Isaac Newton e ele não tivesse pesquisado sobre a matemática e a física durante os anos anteriores.

O próprio cientista conta como funcionava o seu processo criativo:

“Eu apenas mantenho o assunto diante de mim, sempre pensando. Até que os segredos são revelados, um por um, bem lentamente, completos e claros”.

Então, lembre-se: seja qual for o tema sobre o qual você escreverá, é preciso estudá-lo e compreendê-lo. Só assim será possível absorver informações e iniciar o processo criativo.

3. Saia da sua zona de conforto

Uma característica comum a todos os grandes criativos da humanidade é a fome pelo conhecimento. Eles observavam o mundo, aprendiam sobre variados temas e se arriscavam em áreas que não dominavam por completo.

E não é à toa. Sair da zona de conforto é um exercício necessário para que o cérebro ative diferentes áreas e, consequentemente, formule novas ideias.

Mas não entre em pânico, você não precisa começar do zero. Existem muitas áreas relacionadas a todos os temas e é possível conectá-las.

Você é fera em marketing digital? Então, comece a aprender sobre programação. É um expert em literatura? Então, ainda há outras 6 artes sobre as quais aprender. Tem conhecimentos em nutrição? Ótimo, então, é hora de começar a explorar a educação física.

Isso também inclui os seus hobbies. Portanto, assista a séries de gêneros que não está acostumado, jogue outros esportes e converse com novas pessoas. O cérebro humano é uma ferramenta muito mais poderosa do que você imagina. Então, explore o máximo do seu potencial.

Muitas vezes, até mesmo pequenos atos podem impulsionar a criatividade. Escolher uma rota diferente para ir ao trabalho. Sentar-se em outro lugar durante o café da manhã. Tentar adivinhar objetos de olhos vendados.

No caso de redatores, essa é uma possibilidade bastante vívida. Candidatar-se em outras categorias, aprender sobre novas técnicas de escrita, consumir diferentes formatos de conteúdo.

e você parar para refletir, os grandes pensadores sempre se arriscam em novas áreas. Leonardo da Vinci, por exemplo, foi um renomado artista. Além de pintor, ele era escultor, poeta e músico. Aí estão as áreas relacionadas.

Mas, além disso, destacou-se como arquiteto, cientista, matemático, anatomista, botânico, inventor e engenheiro.

Calma, você não precisa igualar os feitos de um dos maiores gênios da humanidade. A ideia é que você saiba que quanto mais você desafia seu cérebro, mais ideias surgem.

4. Fuja da rotina

A mesmice é, certamente, um remédio de baixa qualidade para o cérebro. Quando você faz as mesmas coisas todos os dias, o seu cérebro se acostuma com a rotina e estagna.

Não adianta forçar, suas ideias não surgirão de um momento para o outro. Durante a fase da incubação, elas estão se desenvolvendo, mesmo que você não perceba.

Então, sempre que a sua criatividade estiver em baixa, tente realizar atividades que geralmente não fazem parte do seu dia a dia. Mesmo à frente do computador, existem milhões de possibilidades.

Abra as janelas do seu quarto ou escritório. Deixe que os seus cinco sentidos trabalhem. Sinta o vento bater no rosto. Cheire novos aromas. Experimente sabores inéditos. Vá a lugares que nunca foi. Escute músicas diferentes das usuais. Ao estimular o funcionamento dos sentidos, a criatividade surge naturalmente.

Um exemplo: quando Gabriel Garcia Márquez sofria um dos piores bloqueios criativos de sua vida, ele foi convencido pela esposa a viajar, algo que ele raramente fazia. Assim que chegaram à praia, ele teve uma ideia que, mais tarde, se tornaria o romance Cem Anos de Solidão, uma de suas maiores obras-prima.

5. Observe o mundo ao seu redor

Muitas vezes, as ideias surgem das associações mais absurdas. Vivenciar tudo que o mundo oferece pode fazer emergir a criatividade em instantes.

Steve Jobs, por exemplo, teve a ideia de criar embalagens compactas para seus produtos depois de observar a caixinha na qual estava o seu sanduíche.

E quando George Orwell viu um garoto em uma carroça puxada por um burro, ele se perguntou: e se os animais percebessem a força que têm? Nascia ali A Revolução dos Bichos, um dos best-sellers mais lidos de todos os tempos.

O mesmo aconteceu diversas vezes na história da humanidade. Um bom observador pode acessar as áreas mais criativas do cérebro com facilidade. Então, exercite essa atividade!

6. Relacione-se com as pessoas ao seu redor

Muitas vezes temos uma fonte inesgotável de criatividade nas pessoas que estão ao nosso lado. Conversar com a família e amigos pode ser um ótimo meio de conseguir estimular as novas ideias.

Você sabe quem são Dustin Moskovitz, Chris Hughes e o Brasileiro Eduardo Saverin? Eles eram alunos de Harvard que dividiam o quarto com um sujeito estranho chamado Mark Zuckerberg.

Eles poderiam ter se atentado aos estudos e ignorado a ideia absurda do colega, que queria criar um site para eleger as pessoas mais atraentes da faculdade. Em contrapartida, Mark poderia também negligenciar as sugestões dos amigos para transformar aquilo em algo maior.

Mas essa história não termina assim. Eles conversaram, se divertiram e, juntos, fundaram o Facebook, a maior rede social da atualidade. Hoje, todos eles são empreendedores bem sucedidos.

Portanto, relacionar-se é uma ótima solução para estimular a criação de novas ideias. Esse processo é também conhecido como brainstorm (algo como tempestade cerebral, em português), e é um dos modelos de maior sucesso nos ramos criativos de negócios.

7. Peça ajuda para outra pessoas

Certamente, duas mentes criativas pensam melhor do que uma. Então, externalizar as suas ideias pode ser o que faltava para que elas comecem a fluir.

Na antiga Grécia, famosos pensadores como Platão e Aristóteles costumavam discutir com seus alunos para formular novos pensamentos. A arte do diálogo sempre foi a favorita dos filósofos, que acreditavam que o auxílio de outras mentes criava argumentos mais concisos.

Você não está sozinho, então, compartilhe suas considerações com os outros. Essa prática pode surpreendê-lo, e será possível retribuir em outro momento.

8. Descanse bastante

A incubação pode ocorrer em diversos níveis temporais. Pode ser que ela venha em cinco minutos ou demore anos até que, finalmente, se torne uma ideia palpável.

Isso não impede que você tenha uma ideia genial em poucos minutos. Ou que, depois de um longo período de pensamentos, você perceba que a sua idealização não era assim tão boa.

Em ambos os casos, é preciso dar um tempo para a sua mente. Repare que, se pensarmos literalmente, isso não acontece nunca. O cérebro de um ser humano vivo nunca deixa efetivamente de funcionar, mesmo enquanto dorme.

A verdade é que pausas e descansos fazem muito bem para o cérebro. Você já deve ter reparado que, quanto mais você pensa em algo, mais difícil é desenvolver o raciocínio acerca do tema.

Isso acontece porque o processo da incubação ocorre inconscientemente. Por isso, é necessário se distrair para deixar as partes ocultas da sua mente trabalhar.

Uma dos métodos mais conhecidos para produtividade no mundo corporativo é a Técnica Pomodoro. Basicamente, ela consiste em trabalhar por um período longo (como uma hora seguida) e exercer outras atividades por um breve tempo (como cinco minutos).

Então, sempre que você se sentir extenuado de pensar nas ideias que colocará em um texto, por exemplo, faça uma pausa. Assista a um vídeo no YouTube, mexa no seu celular ou apenas vá até o lado de fora e volte a observar o mundo. Se possível, termine a tarefa no dia seguinte.

Essa prática certamente poderá ajudá-lo a reorganizar as coisas. Relaxar, dormir, sentar, distrair. Essas ações são tudo que você precisa para voltar com tudo.

9. Coloque as ideias no papel

Depois de tudo isso, as ideias começarão a surgir. A princípio, elas podem não ser tão boas assim. Isso pode ocorrer por diversos motivos: faltaram estudos para servir de alicerce, você não descansou o suficiente ou elas simplesmente ainda não se formaram totalmente.

Ainda assim, sabemos como é trabalhar com prazos. Nem sempre é possível esperar para cumprir um tarefa.

Nessa fase, onde inicia-se a iluminação, você não ouvirá um plim nem uma lâmpada se acenderá na sua cabeça, como nos antigos desenhos animados. Então, mesmo que não considere as ideias tão boas, coloque-as no papel.

De forma similar, elas podem desaparecer em devaneios. Então, registrá-las é a melhor forma de garantir que você não perderá o fio da meada.

10. Não tenha medo de errar

Charles Darwin, Thomas Edison, Alexander Graham Bell, George Orwell, Ludwing van Beethoven, Nikolas Tesla, Louis Pasteur, Albert Einstein, Galileu Galilei, Henry Ford, Steve Jobs, Santos Dumont, Larry Page e Sergey Brin. Você sabe o que esses nomes têm em comum?

Se você respondeu que todos eles foram gênios à sua maneira, acertou. Mas o ponto é que, em algum momento de suas carreiras, foram desacreditados. Foram chamados de loucos, burros, medíocres. E, ainda assim, persistiram em suas ideias.

Os erros acontecem. E, acredite, nem sempre de fato existem. Às vezes uma ideia pode parecer boba, mas se você não tentar, não terá o prazer de se arrepender e, com isso, aprender.

11. Crie. Crie qualquer coisa

Desenhe, escreva, cante, pinte. Absolutamente qualquer coisa.

Crie um blog post. Uma escultura. Uma nova receita para aquele macarrão de sábado de madrugada.

Faça uma nova maquiagem e penteado, mesmo que não vá sair com eles.

A criação não precisa (e nem sempre deve) ser grandiosa ou perene. Entenda que criar é parte da sua essência e não fuja dela.

Tente inovar e impulsionar a criatividade em pequenos passos diariamente. Reinvente-se a cada instante. Pense em criações, frases e orações que nunca usou. O importante é manter a originalidade em seus atos.

Dessa forma, a criatividade se torna natural para você e nunca mais terá que ler outro artigo como esse para desenvolvê-la.

Publicado por Rockcontent 

06 ago
Uma visão panorâmica sobre os institutos da arbitragem, mediação e conciliação

Escola de direito aplicado

No decorrer de décadas de desenvolvimento do âmbito jurisdicional, nada é mais claro e evidente que esse mesmo sistema, que continha uma promessa implícita de ser a ferramenta que resolveria todos os problemas de seus jurisdicionados, não pode mais suprir todas as demandas em um tempo otimizado.

Diante dessa “deficiência”, o tão esperado desejo de obter uma tutela jurídica acabou se arrastando ao longo de vários anos, introduzindo um sentimento de desesperança em quem recorreu a este método.

A culpa para tal demora não pode ser atribuída a nenhum indivíduo em específico, pois são inúmeras as razões que podem levar uma simples ação a se tornar uma grande “dor de cabeça”.

Muitas vezes, são as próprias partes que ignoram a ideia de cooperação processual (em que todos os integrantes daquele processo devem colaborar para o seu devido andamento), passando a praticar ações protelatórias que não têm outro intuito que não seja prejudicar o outro.

 

Dispostos a colaborar

Dessa forma, um processo repleto de hostilidade recíproca entre A e B acaba por ocupar a vez, na via judiciária, de um conflito entre C e D, estes últimos dispostos a colaborar e a resolver o quanto antes o seu problema, apenas necessitando de um procedimento legal para legitimá-lo.

Não seria uma novidade afirmar que o Poder Judiciário, apesar de sua enorme ramificação e respaldo, trata apenas de forma superficial a respeito da eliminação de controvérsias, mas nem sempre de fato resolvendo o conflito.

Assim, ao perceber a existência de muitos cenários entre C’s e D’s, pensou-se em disponibilizar a estes casos outras ferramentas mais céleres que também tivessem êxito na solução de conflitos, servindo, assim, como uma escapatória para o Judiciário, que passaria a receber (teoricamente) menos processos, na tentativa de reduzir a sua morosidade.

Com o advento, dentre outros dispositivos legais, das leis nº 9.307/96 e 13.140/2015, bem como de preceito sobre o assunto no Código de Processo Civil de 2015, foram instaladas formas diversas da via jurisdicional para a solução voluntária de uma controvérsia, através da arbitragem, da mediação e da conciliação, o que se passa a analisar individualmente.

 

Arbitragem

Dentre os três métodos que serão discutidos, a arbitragem é a única que atua na performance da heterocomposição, ou seja, o conflito será resolvido por um juízo preestabelecido e não exatamente pelas partes.

Neste viés, há uma semelhança com a competência para julgamento de processos no âmbito judiciário, pois, em ambos os casos, há uma determinação prévia de qual juízo será competente para dirimir a controvérsia.

Em sua primeira forma de manifestação, as denominadas Câmaras de Arbitragem, inclusive possuem regulamento próprio ao qual as partes estarão submetidas, além de contarem com, por exemplo, secretarias e sala de audiências, o que eleva o seu respaldo e a sua eficácia.

Outra variante pela qual a arbitragem pode se manifestar é na hipótese das partes não elegerem um juízo arbitral, mas optarem pela arbitragem ad hoc, na qual um terceiro terá a incumbência de dissolver a lide.

Ou seja: o método arbitral é aquele em que as partes elegem uma pessoa estranha à relação principal, o chamado árbitro, para que este imponha uma solução ao litígio, cabendo a elas se submeterem à decisão dada por ele. Pode-se dizer que seria o caso de um figurante acabar como protagonista na lide dos personagens principais.

A eleição da ferramenta arbitral é formalizada através da convenção de arbitragem, na qual as partes manifestam sua vontade de desincumbir o Poder Judiciário de apreciar um litígio que abranja direitos patrimoniais disponíveis e encarregar ao juízo de um árbitro escolhido por elas de analisá-lo.

A mencionada convenção se dá de duas formas: cláusula compromissória e compromisso arbitral, aquela encontra-se disposta no artigo 4º da Lei 9.307/96 (Lei de Arbitragem).

Quanto ao compromisso arbitral, este é celebrado por termo nos autos, perante o juízo ou tribunal, onde está em curso a demanda, correspondendo a um ato ocorrido quando já há um litígio em andamento.

Por fim, no tocante ao árbitro, é relevante explicitar que esse “personagem”, apesar de não ser requisitada a sua formação jurídica, deve ser alguém que tenha a confiança das partes, sendo ele, inclusive, equiparado ao cargo de funcionário público quando no exercício de suas funções, conforme o artigo 17 da Lei de Arbitragem.

 

Mediação

Muitos são os que acabam por afirmar que a mediação e a conciliação, na verdade, são sinônimas. Entretanto, apesar da proximidade de conceitos, de antemão afirma-se que tal declaração não é verídica, fazendo com que passemos a discorrer a respeito, na tentativa de que o liame entre esses institutos fique devidamente claro.

Do ponto de vista histórico, a mediação foi legalizada mediante a Resolução 125 do Conselho Nacional de Justiça. Este dispositivo objetivava disseminar a cultura da pacificação social, de forma a estimular a autocomposição e, ao mesmo tempo, disciplinar a capacitação dos mediadores. Posteriormente, surgiu a Lei 13.140/15, conhecida como Lei de Mediação.

Mas, afinal, o que seria o método da mediação? Trata-se de um procedimento voluntário de solução de conflitos (autocomposição), no qual as partes recorrem a um mediador e podem chegar a um acordo.

Vale ressaltar que a mediação geralmente ocorre quando as partes já possuíam um vínculo anterior ao litígio, devendo o mediador apenas restaurar o diálogo entre elas, sendo o acordo uma consequência do restabelecimento dessa comunicação.

A mediação é um processo de progressiva comunicação entre as partes até o momento em que elas estejam satisfeitas com o arranjo final, isto ocorrendo com o auxílio, mas não com a imposição direta, do mediador.

A mediação também é regida por inúmeros princípios, muitos deles, inclusive, comuns ao Poder Judiciário, como, por exemplo, a boa-fé e a imparcialidade, este segundo referente não a um julgador, mas ao mediador.

Não seria redundante mencionar que, diante da maior facilidade em que se obtém um acordo entre as partes, o método da mediação corrobora bastante para desafogar o Judiciário, ao desburocratizar a solução de conflitos de forma a desenvolver soluções adequadas às reais necessidades e possibilidades dos envolvidos.

 

Conciliação

Por último, mas não menos importante, encontra-se a conciliação. Esta, sendo alvo de pequenos equívocos ao ser confundida com a mediação, por ambas serem formas de autocomposição.

Lília Maia de Morais Sales trata sobre o tema, entendendo o método da conciliação como: “[…] meio de solução de conflitos em que as pessoas buscam sanar as divergências com o auxílio de um terceiro, o qual recebe a denominação de conciliador. A conciliação em muito se assemelha a mediação. A diferença fundamental está na forma de condução do diálogo entre as partes”

De início, é válido ressaltar que até mesmo o Código de Processo Civil se dispôs a tratar sobre esses dois métodos, de forma a expor a devida aplicação de cada um deles, conforme os §§ 2º e 3º do artigo 165 do referido código.

– § 2º O conciliador, que atuará preferencialmente nos casos em que não houver vínculo anterior entre as partes, poderá sugerir soluções para o litígio, sendo vedada a utilização de qualquer tipo de constrangimento ou intimidação para que as partes conciliem.

– § 3º O mediador, que atuará preferencialmente nos casos em que houver vínculo anterior entre as partes, auxiliará aos interessados a compreender as questões e os interesses em conflito, de modo que eles possam, pelo restabelecimento da comunicação, identificar, por si próprios, soluções consensuais que gerem benefícios mútuos.

Diante disso, percebe-se que, enquanto na mediação o terceiro tenta facilitar a comunicação entre os litigantes para que eles mesmos cheguem a um acordo; na conciliação o terceiro facilitador tem uma participação mais incisiva (podendo manifestar a sua opinião sobre uma solução justa para o conflito, bem como propor os termos do acordo), porém imparcial e neutra com relação ao conflito.

A conciliação é bastante mencionada em dispositivos legais, sendo exercida no âmbito e sob o controle do Poder Judiciário, além de poder ocorrer antes ou durante a demanda judicial. Portanto, seu ponto positivo é o de ser capaz de evitar a instauração de um novo processo judicial ou encurtar a sua duração.

Chegando a um acordo de conciliação, o desgaste do processo judicial é evitado, visto que o conflito já é resolvido de forma rápida e eficaz.

 

Ferramentas apropriadas

Os métodos adequados de solução de conflitos aqui expostos são a prova cabal de que a via voluntária é igualmente eficaz, e ainda mais célere, quando comparada aos processos judiciais.

Apesar de recentes, essas ferramentas apresentarão cada vez mais um crescimento em sua demanda, o que proporcionará uma boa redução na morosidade do Judiciário.

Correspondem não apenas a ferramentas legalmente instituídas, mas uma nova abertura de possibilidades para que as partes possam resolver, objetiva e subjetivamente, os mais variados conflitos

Um outro fator favorável para o acolhimento dessas propostas, é o de que as decisões obtidas por esses institutos são executáveis judicialmente, conforme disposto nos incisos II, III e VII do artigo 515 do Código de Processo Civil, ratificando a eficácia dessas outras formas.

Ademais, as próprias partes, ao optarem por tais métodos adequados, apresentam grau de satisfação elevado, visto que o litígio é resolvido de forma a agradar a todos os envolvidos, sem que estes sejam submetidos a desgastes emocionais, financeiros e temporais.

Isto posto, resta aos litigantes terem a pretensão de, primeiramente, recorrerem a alguns desses métodos, para que possam resolver a sua demanda por uma vertente bem mais acessível e de efetiva legalidade.

 

04 ago
O que é Reforma Tributária e quais pontos estão em discussão?

Escola de negócios e gestão

Imposto de Renda Negativo, Nova CPMF, PIS e Cofins unificados… A reforma pode mudar muitos dos impostos que você paga hoje. Entenda o que está na primeira proposta..

PIS, Cofins, IOF, ICMS, IPVA, IR… A lista de impostos pagos pelos brasileiros parece infinita. A Reforma Tributária, que vem aparecendo cada vez mais nos noticiários, pode ser um primeiro passo para simplificar.

O projeto de lei prevê a unificação do PIS (Programa de Integração Social) e da Cofins (Contribuição para Financiamento da Seguridade Social), e tem como ideia criar um tributo sobre bens e serviços que seja mais fácil de entender, preencher e recolher, com alíquota de 12%.

Ficou confuso? É normal, são muitas coisas em discussão. Veja, abaixo, os principais pontos dessa primeira proposta explicados.

O que é Reforma Tributária?

Começando do princípio: uma reforma tributária visa a mudança da forma como são cobrados os impostos, taxas e outras contribuições obrigatórias em um país. Trata-se de uma reforma político-econômica cujo objetivo principal é modernizar o sistema de pagamento e ajudar a corrigir possíveis problemas econômicos e sociais – como moradia, desemprego, saúde e educação.

Vale lembrar: Reforma Tributária não é sinônimo de redução de impostos. Eles podem ou não diminuir.

O que foi apresentado na proposta de Reforma Tributária do governo?

A proposta tributária, apresentada em julho de 2020, propõe a Unificação de PIS e Cofins, Imposto de Renda negativo, CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira) e aborda ainda outros temas. Entenda cada um deles.

1. IR negativo

O IR Negativo é uma proposta pensada para  trabalhadores informais – que não possuem um único empregador . A ideia é que esse tipo de prestador de serviço não tenha que arcar com encargo trabalhista. Por isso a proposta do IR negativo.

O IR negativo acontece quando, em vez de pagar impostos, pessoas com renda mínima recebem pagamentos complementares do governo.

Segundo o Ministério da Economia, ao declarar os R$500 no Imposto de Renda, o governo depositaria 20% do rendimento mensal do trabalhador informal em uma conta. Ou seja, nem a empresa, nem o trabalhador precisa contribuir. Tal valor poderá ser sacado quando ele se aposentar.

2. Nova CPMF

A nova CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira), visa elaborar um novo imposto sobre pagamentos e transações eletrônicas – uma espécie de imposto digital -, com alíquota de 0,2% a 0,4%.

Vale lembrar que a alíquota é o valor utilizado para calcular quanto será determinado tributo a ser pago pela empresa, como impostos, taxas e contribuições. Em outras palavras, a alíquota é proporcional ao rendimento.

Segundo o governo, com isso seriam arrecadados de R$ 60 bilhões a R$ 120 bilhões por ano.

No entanto, não se sabe ainda se a cobrança irá refletir sobre qualquer pagamento feito pela internet (utilizando o internet banking, por exemplo) ou apenas em compras online de bens e serviços.

3. Unificação de impostos

O objetivo é criar um único imposto, unificando os tributos já existentes. Por enquanto, a reforma deve unir apenas PIS e Cofins, que são impostos federais. O ISS (Imposto Sobre Serviços), o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços), IOF (Imposto sobre Operações Financeiras), por exemplo, devem permanecer iguais.

Atualmente, vários setores de serviços pagam o equivalente a 3,65% da receita bruta de PIS e Cofins. Com a mudança, esse percentual seria de 12%.

Quais os próximos passos da Reforma Tributária?

Nessa primeira fase, está em discussão a unificação do PIS e da Cofins. O Ministério da Economia disse que a proposta de reforma tributária deve ter mais três etapas, que incluem na discussão: mudanças na forma como é cobrado o IPI (Imposto Sobre Produtos Industrializados); alterações na cobrança da renda de pessoas jurídicas e físicas e também isenção da folha de pagamentos.

IR negativo e a nova CPMF devem ficar para a segunda fase.

No momento (Julho 2020) a proposta está sendo analisada pelo Congresso Nacional.

Postado por Blog Nubank

30 jul
As principais características de um líder atual de sucesso

Escola de negócios e gestão

Você consegue listar quais são as principais características de um líder atual? Saber definir com clareza algumas dessas características é fundamental para quem trata com o mercado de trabalho, afinal, o próprio mercado está em constante mudança e desenvolvimento.

Toda essa evolução faz com que as características de um líder atual sejam diferentes daquelas vistas em lideranças do passado. Hoje, líderes efetivos têm múltiplas habilidades, e vão além de apenas conduzir equipes a fim de alcançar metas e objetivos.

Como definir um líder?

Em qualquer época, um líder é visto como alguém que guia uma ou mais pessoas para o cumprimento de algo estipulado. Hoje, porém, entendemos que essa jornada não compreende apenas o alcance de resultados, mas também a evolução, de alguma maneira, de todos que participam do processo.

Líderes são pessoas com um elevado poder de inspirar quem está ao seu redor, de influenciá-los e guiá-los em uma empreitada, que pode ter motivações pessoais ou profissionais.

Diante disso, muitos podem pensar que não possuem as principais características de um bom líder. Porém, a questão: qualquer habilidade pode ser desenvolvida. Bons líderes estão sempre lapidando seus conhecimentos, com o tempo, derrotas (e consequentes aprendizados) e a persistência para tentar novamente.

A importância de um líder para as empresas

Embora as tecnologias, a pressão (interna e externa) e a alta competitividade mercadológica tenham transformado o mercado, o papel do líder ainda é de extrema importância em qualquer negócio. Porém, assim como os modelos de negócio e de gestão, o modelo de liderança também mudou com o passar do tempo.

O maior exemplo é em relação à liderança autocrática, que não cabe mais na cultura organizacional de uma empresa focada em se desenvolver continuamente. Ordens, execuções e limitações perspectivas não têm mais espaço em meio a um panorama impulsionado pela revolução tecnológica e social.

As características de um líder atual devem dar espaço para uma liderança construída em conjunto com os colaboradores, que são mais participativos e buscam inspirações em uma figura que sirva de exemplo para eles.

Se o líder de hoje não tiver esse conjunto de habilidades e competências, ele acaba desmotivando seus colaboradores, o que contribui para o aumento do turnover da empresa. Motivação e eficiência são qualidades inerentes a esse papel de um líder atual.

Em um contexto geral, para as empresas um bom líder engloba diversos aspectos, tais como:

  • Compartilhar poder e conhecimento para que todos tenham autonomia e responsabilidades;
  • Ter flexibilidade ao lidar com regras e normas;
  • Contribuir com feedbacks e orientações aos colaboradores;
  • Relacionar-se com todos de sua equipe;
  • Delegar, mas também de maneira participativa no processo produtivo.

Esse perfil que prioriza o desenvolvimento da equipe, a satisfação de cada um de seus colaboradores (e o desenvolvimento de seus talentos) e a atenção à melhoria gradual do fluxo de trabalho — que se reflete em uma experiência memorável para os clientes —é o que faz da liderança essencial dentro de uma empresa.

Principais características de um líder atual

O mercado, assim como o mundo todo, está passando por transformações e processos de remodelagem de conceitos e práticas. A tecnologia tem promovido a automatização de todos os setores, com softwares que auxiliam na gestão e nos processos organizacionais e facilitam as tarefas do universo empresarial, assim como a adoção de novos modelos de trabalho, como o home office.

Tudo isso faz com que um líder atual precise estar antenado às inovações e às novas tecnologias, além de estar integrado aos processos de gestão organizacional.

Também é preciso que um bom líder conduza sua equipe a obter bons resultados, e incentive o crescimento prezando sempre por um grupo harmônico. A valorização do capital humano é fundamental e um líder atual deve ter essa visão.

Há, ainda outros fatores indispensáveis para uma liderança de sucesso. Entre as principais características de um líder atual, destacamos:

1. Boa comunicação

Um bom líder atual precisa ter boas habilidades de comunicação, afinal, é através da comunicação garante o entendimento correto por todas as partes, além de evitar equívocos e conflitos.

Ser capaz de se expressar abertamente e criar empatia com outras pessoas é o fundamento de uma liderança eficaz. E, para conseguir isso, o segredo é simples: ouvir. A única maneira de fazer as pessoas seguirem você é fazendo com que elas se sintam ouvidas.

Algumas dicas ajudam para a garantir a boa comunicação:

  • Prefira sempre conversas feitas pessoalmente;
  • Mantenha contato visual com quem está falando;
  • Mostre interesse sincero no que o outro diz.

Para muitos especialistas, a comunicação é a principal qualidade de ser um grande líder. Portanto, invista nisso!

2. Integridade

Sem integridade é praticamente impossível conquistar a confiança de uma equipe. Você não pode esperar que seus colaboradores sejam honestos quando não é isso o que você passa para eles – ou para os negócios das empresa.

Um líder é honesto quando pratica o que prega, vive de acordo com seus valores centrais, lidera pelo exemplo e segue adiante. A integridade é a pedra angular de todas as outras qualidades de liderança. Sem ela, é difícil sustentar qualquer discurso.

3. Valorização do capital humano

Como já citamos, uma das principais características de um líder atual é a valorização do capital humano. Isso significa valorizar seus colaboradores, e também incentivá-los ao desenvolvimento e ao crescimento, sem o medo de ser substituído.

Um bom líder entende que o seu sucesso está diretamente atrelado à evolução de sua equipe. Por isso, é preciso incentivar essa evolução, assim como oferecer meios para que ela aconteça.

Neste sentido, é importante que o líder esteja sempre atualizado e incentive todos os seus comandados a estarem também.

4. Flexibilidade

Cada indivíduo tem um perfil e se dá bem trabalhando com pessoas de determinada personalidade, mas um líder precisa ter a flexibilidade de saber trabalhar com pessoas extremamente variadas, muitas vezes dentro de um mesmo time.

Sendo assim, todo líder atual deve saber com a diversidade nas empresas, que se expressam de maneira diferente e trabalham de maneira diferente.

5. Confiança

Para ser um líder eficaz, é preciso arregaçar as mangas e assumir o comando. E isso só é possível quando há confiança suficiente para liderar, sabendo que seus planos e visão não são apenas viáveis para a equipe, mas são efetivamente o melhor.

Sem confiança em si mesmo, é impossível manter um papel de liderança. Quanto mais você acreditar em si mesmo, mais poderá gerenciar qualquer situação estressante, além de passar confiança também aos seus colaboradores.

6. Propósito claro de atuação

Hoje os melhores líderes têm um propósito claro de atuação, ele norteia suas ações e dá sentido ao que é feito, inspirando todo o time na busca por resultados exponenciais.

É preciso deixar claro por que se faz o que é feito, refletir os motivos que o levam a agir e com isso engajar as outras pessoas.

7. Ousadia

O mercado atual é muito competitivo e demanda cada vez mais dos profissionais. Assim, mais uma característica de um líder atual é a ousadia, quase como uma busca por novos patamares.

É importante que essa ousadia não seja apenas na busca por bons resultados, afinal, erros sempre podem acontecer e devem ser tratados como aprendizados. Pense sempre na ousadia como algo que deve trazer novos desafios, novas perspectivas e ideias.

8. Inteligência emocional

A inteligência emocional vai além de ser uma pessoa que consegue controlar suas próprias emoções. Dentro do mundo empresarial há vários situações estressantes e que são difíceis de lidar, como o desligamento de funcionários, crises internas, entre outros.

Em todas essas situações é necessário agir com muita astúcia, e ter a capacidade de sentir o ambiente e as pessoas. Por isso a inteligência emocional é uma das características mais valorizadas por muitas empresas.

9. Feedbacks

A importância dos feedbacks no ambiente de trabalho é inegável. Cabe ao líder saber mostrar os pontos de melhora sem causar nenhum tipo de mal-estar ou constrangimento.

Em contrapartida, também é preciso receber bem os feedbacks de seus colaboradores, pois um ponto de vista diferente pode trazer melhorias inestimáveis aos processos e consequentemente melhores resultados.

Embora os feedbacks estejam muito ligados à boa comunicação, muitas vezes este pode ser um problema pontual: ter uma comunicação, mas não saber dar ou receber bons feedbacks. Portanto, vale trabalhar esse ponto com atenção.

 10. Inteligência organizacional

A inteligência organizacional está ligada à forma que um líder leva a organização a fazer o que ele deseja. Basicamente ela consiste em competências que devem ser aprimoradas e colocadas em prática, como enviar mensagens que reforçam a estratégia, ter um plano de ação, entre outros.

É importante usar os pontos fortes da própria organização para alcançar seus objetivos, visando sempre obter o máximo de efeito com o mínimo de esforço de sua parte, ou seja, delegando atividades e sendo criterioso com a escolha de quem faz o quê.

Essas são algumas das principais características de um líder atual e, ao trabalhá-las e adequá-las às situações do dia a dia no trabalho, é possível alcançar resultados inspiradores e de êxito.

Publicado por Xerpay

Tem uma pergunta?
Nós estamos aqui para ajudar. Envie-nos um e-mail ou ligue-nos para (86) 3133-7070
Entrar em contato!
© 2017 iCEV Instituto de Ensino Superior