fbpx

20 fev
Qual a diferença entre custo e despesa?

Escola de negócios e gestão

Salário de funcionário é custo ou despesa? E o aluguel do escritório? Entender a diferença vai te ajudar a organizar os gastos da sua empresa.

 

Custo e despesa são pagamentos que as empresas precisam fazer. Saber a diferença entre eles ajudam a organizar os valores que entram e que saem do caixa, mantendo as contas em dia e priorizando gastos quando for necessário.

Entenda, abaixo, a diferença entre custo e despesa.

O que é custo?

É considerado custo todo valor gasto com recursos e serviços para que haja a produção de algo.

Por exemplo, é indispensável ter tecido e equipamentos para que peças de roupa sejam fabricadas. Além disso, as mesmas precisam ser etiquetadas e embaladas para irem à venda. Tudo o que é fundamental para que se crie um produto é tido como custo.

 Outros exemplos de custo:

  • Salário dos funcionários (mão de obra);
  • Gastos com ingredientes para a fabricação do produto;
  • Equipamento e manutenção dos mesmos;

O que é despesa?

Entende-se por despesa todos os gastos com bens e serviços que têm relação com a administração da empresa. Ou seja, contas de luz, água, telefone – necessários para manter a estrutura da companhia funcionando, mas que não contribuem diretamente na produção de novos itens.

Exemplos de despesa:

  • Aluguel do prédio;
  • Gastos com publicidade;
  • Computadores e materiais de escritório para uso dos colaboradores;
  • Impostos;
  • Publicidade (divulgação do produto).

Vale lembrar também que tanto os custos como as despesas podem ser classificadas em fixas e variáveis.

Custos e despesas fixos

Gastos que não variam de acordo com o volume de mercadoria produzido ou vendido.

Custos e despesas variáveis

Gastos que variam conforme o volume produzido ou vendido, como por exemplo a contratação de funcionários temporários para vendas durante as festas de fim de ano.

Em resumo: Pergunte a si mesmo  “se eu eliminar esse gasto, a produção pode ser afetada?” Se a resposta for sim, trata-se de um custo, pois está vinculado a produção. Caso a resposta seja não, temos uma despesa.

Fonte: Blog Nubank 

17 fev
Tendências para a transformação digital em 2020

Escola de negócios e gestão

Internet das Coisas, dados em nuvem e experiência do cliente com as marcas estão entre as principais ferramentas para a transformação digital dos negócios no Brasil

57% dos executivos acreditam que a computação em nuvem será a propulsora dos negócios

Os negócios serão fortemente impactados pela Internet das Coisas (IoT) e dados em nuvem a partir de 2020, conforme o estudo sobre as principais tendências em transformação digital, feito pela CI&T. Os dados coletados mostram que cinco entre dez empresários acreditam que estas serão as tecnologias responsáveis pelo crescimento das empresas este ano.

A pesquisa Tendências para Transformar Sua Empresa em 2020, que contou com parceria da Opinion Box, mostra que 57% dos executivos acreditam que a computação em nuvem será a propulsora dos negócios, seguido pela IoT, preferida por 50% dos pesquisados. Ao todo participaram mais de 500 executivos brasileiros, líderes em suas empresas, nos meses de novembro e dezembro de 2019 e 48% deles lembraram da importância da inteligência artificial e dos assistentes virtuais (41,1%).

Em relação a transformação dos negócios que lideram, os participantes têm certeza de que vão investir em tecnologias como computação em nuvem, mencionada por 46% dos executivos, e inteligência artificial, com 45,6%. Sete em cada dez executivos também acreditam que a automação de processos é um fator importante para a condução do negócio em 2020 e não por acaso 56% dos entrevistados tem como objetivo investir em desenvolvimento digital.

De acordo com a pesquisa feita pela CI&T, 80% dos participantes consideram que a sua empresa se preocupa com a segurança de dados e 75% esperam impactos nos negócios depois da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), prevista para agosto de 2020.

A experiência do cliente com a marca também é vista como ferramenta estratégica para a transformação digital das empresas para 90% dos empresários, com destaque para omnichannel como essencial para o sucesso do negócio para 76% dos respondentes. Já os diferenciais competitivos para melhores experiências do cliente, os destaques foram flexibilidade, personalização e facilidade de compra.

Fonte: Mundo do Marketing 

13 fev
Qual a diferença entre negligência, imprudência e imperícia?

Escola de direito aplicado

Registro de imprudência

Apesar de terem significados bem diferentes, há quem confunda negligência, imprudência e imperícia. As palavras induzem a uma ideia de falta de cuidado, mas há detalhes significativos distintos sobre cada uma delas. Você sabe a diferença entre esses termos? Nós vamos te explicar:

O que é negligência?

A palavra negligência é utilizada para designar uma falta de cuidado em uma situação específica.

No uso cotidiano e no direito, implica falta de diligência ou preguiça, podendo também significar ausência de reflexão proposital sobre determinado assunto.

Por ser caracterizada pela falta de ação de um indivíduo, a negligência também carrega o significado de passividade e inércia. É uma omissão aos deveres que variadas situações demandam.

Exemplos de negligência

– Se um juiz tirar a guarda de uma criança dos pais por negligência, significa que, de alguma forma, os responsáveis falharam em deveres importantes para o bem-estar dela. Alguns desses deveres são não alimentar, não levar à escola e não prover a segurança necessária para um desenvolvimento saudável.

– Na área da medicina, a negligência pode ser grave e até fatal. As ações negligentes nesse âmbito são as mais diversas, como abandonar um doente ou omitir tratamento, assim como um médico cirurgião esquecer algo estranho no corpo do paciente após a operação.

– Há ainda a negligência de informação, quando dados importantes sobre determinados assuntos (como prontuários médicos ou artigos científicos) são omitidos do documento em que deveriam constar.

O que é imprudência?

A imprudência também caracteriza uma falta de cuidado, mas antes disso, uma forma de precipitação. É desrespeitar uma conduta já aprendida anteriormente e atuar sem precauções. Isto pode trazer riscos para a situação em que o indivíduo imprudente se encontra, bem como para terceiros envolvidos.

O comportamento de uma pessoa imprudente geralmente é positivo. A culpa surge com a tomada de uma atitude. Isto é, a imprudência só fica evidente para o indivíduo ao mesmo tempo em que ele pratica a conduta de omissão e falta de precaução.

Exemplos de imprudência

– No trânsito, ultrapassar um veículo pelo acostamento é imprudente. Isto porque o motorista age sem refletir sobre as consequências dos atos. Na ação, ele não toma as precauções necessárias para evitar um acidente, já que fazer esse tipo de manobra pode causar desastres fatais.

– Não utilizar os equipamentos de proteção individual (EPIs) fornecidos para determinada atividade. Caso haja algum acidente que poderia ter sido evitado com o uso de dispositivos de segurança, o sujeito é considerado imprudente, uma vez que não agiu com o zelo necessário para a ação.

Vale destacar: se uma empresa em que há riscos para o funcionário não fornecer EPIs, a organização está sendo negligente.

 

O que é imperícia?

A imperícia é uma falta de habilidade específica para o desenvolvimento de uma atividade técnica ou científica. No caso, o indivíduo não leva em consideração o que conhece ou deveria conhecer, assumindo a ação sem aptidão para desenvolvê-la.

Exemplos de imperícia

– Um exemplo que elucida bem a imperícia é um médico que não tem conhecimentos de cirurgias plásticas fazer este tipo de operação. Por não ter a habilidade necessária para a atividade, os riscos dessa ação são muitos, podendo resultar até mesmo na deformação do paciente.

– Outra situação de imperícia seria um engenheiro elétrico assumir a construção de um edifício sem ter o conhecimento necessário de engenharia civil.

– Mais cotidiano, é uma forma de imperícia alguém consertar um veículo automotor sem ter conhecimento de mecânica, que pode acarretar em riscos para o condutor.

Ao criar esses riscos, e possíveis maus resultados, os profissionais são considerados “imperitos”. Ou seja, incapazes de exercer a tarefa em questão.

Todas as situações acima podem ser passíveis de punição no âmbito civil e criminal, dependendo da gravidade do que foi praticado.

Publicado por: Blog Diferenças

12 fev
As 5 áreas-chave da inteligência emocional para impulsionar sua carreira

Escola de negócios e gestão

De acordo com pesquisa, 90% dos profissionais com melhor performance têm altos níveis de inteligência emocional

inteligência emocional reflete nossa capacidade de gerenciar emoções, o que impacta diretamente na forma como lidamos com os desafios.

Segundo pesquisas realizadas pelo Dr. Travis Bradberry, co-autor do best-seller Emotional Intelligence 2.0, a habilidade corresponde a aproximadamente 58% da nossa performance profissional e por isso ela é considerada uma das habilidades profissionais mais importantes da atualidade.

Sem essa capacidade é comum que a procrastinação, a falta de estímulo, a reclamação e o desentendimento com colegas e gestores tomem conta da vida dos profissionais.

Dessa forma, como esperar por uma promoção ou, até, pelo reconhecimento das coisas boas que você também faz?

A Talent Smart testou a inteligência emocional e descobriu que ela é o antecipador mais forte do desempenho. De acordo com a pesquisa, 90% dos profissionais com melhor performance têm altos níveis de inteligência emocional. O desafio é que esses conjuntos de soft skills, ainda, não são ensinados nas escolas tradicionais e nem nas universidades.

Daniel Goleman, psicólogo, jornalista da ciência e escritor do best-seller ‘Inteligência Emocional’, revelou que a inteligência emocional se divide em cinco áreas-chave:

Autoconhecimento

É o primeiro passo, a organização de tudo que mora aí dentro de você. Você sabia? A maioria das nossas ações são movidas pelo inconsciente, sendo assim, nada mais seguro do que se conhecer para saber que memórias, sentimentos e emoções constroem nossas atitudes. Quando compreendemos nossos impulsos e de onde eles vem, fica mais fácil saber que gatilhos emocionais nos desestabilizam e como encontrar meios  de controlar isso. Além da psicoterapia e de cursos sobre o tema, pedir feedbacks aos seus gestores e colegas de trabalho sobre suas habilidades emocionais pode ser transformador! Indico.

Autogestão

Depois de conhecer melhor suas emoções, chega o momento de aprender como gerenciar tudo isso. A rotina acelerada das empresas costuma deixar muito pouco tempo para que possamos absorver e perceber melhor o que se passa dentro de nós. Tenho três dicas, muito simples e acessíveis para qualquer profissional. Silencie de manhã e de noite. Bem simples, antes de sair de casa, feche os olhos por 5 minutinhos, perceba o seu corpo, seus pensamentos. Faça o mesmo de noite, antes de dormir. A segunda dica é, respire.

O oxigênio é vital para o bom funcionamento do nosso corpo e sem ele é natural que não façamos boas escolhas. Foque em respirar pelo diafragma, pela barriga, esse é o jeito correto. A respiração pelo peito é a respiração ansiosa e não absorve oxigênio o suficiente. Por último, oxigênio líquido, água. Faça um teste, em um momento de bloqueio criativo, pare, silencie, respire e beba um grande copo de água. Você vai se surpreender como de forma tão simples é possível recuperar o fôlego e começar de novo.

Motivação

Todo mundo é motivado por recompensas, como dinheiro ou status, mas o modelo de Goleman refere-se a motivação para o bem da alegria pessoal, curiosidade ou satisfação de ser produtivo. Reflita, o que te move? Por que você faz o que faz? Quem se beneficia com a sua carreira? Encontre suas motivações e anote elas de forma que você as veja constantemente.

Empatia

Essa categoria refere-se às emoções dos outros. Empatia é a habilidade e prática da leitura das emoções dos outros. Como você pode acolher melhor a personalidade dos seus colegas de trabalho e criar mais conexão com o seu entorno? Inclusive, saber como gerar conexão é outra importante habilidade do futuro.

Habilidades sociais

Esta categoria envolve a aplicação de empatia, bem como saber negociar as necessidades dos outros e equilibrá-las com suas próprias. Isso pode incluir encontrar um terreno comum com os outros, gerenciar relações em um ambiente de trabalho e ser persuasivo.

Espero que essa introdução seja útil para que você desenvolva mais interesse pelo tema e que descubra, ao longo da sua caminhada, quão incrível é poder se conhecer. Lembre-se, é tudo uma questão de tempo, prática e coragem!

Boa jornada!

11 fev
A tecnologia que pode ajudar a desmascarar imagens falsas

Escola de tecnologia aplicada

O projeto da Jigsaw reúne as capacidades de sete desenvolvedores diferentes, compondo um “kit de análise” bem mais completo.

TECNOLOGIA POSSIBILITA CHECAR FOTOS, MAS AINDA NÃO CONSEGUE EXAMINAR VÍDEOS

Entre as muitas informações falsas que circularam durante as eleições de 2018, a maior parte trazia imagens como “prova”. Por exemplo, as fotografias de boletins de urnas que mostravam o candidato Fernando Haddad com quase 10 mil votos enquanto Jair Bolsonaro tinha zero votos, indicando uma suposta fraude eleitoral.

Uma nova ferramenta anunciada nos Estados Unidos junta diversas tecnologias desenvolvidas em diferentes centros de pesquisa para tornar mais eficiente a detecção de imagens manipuladas. Segundo a Jigsaw, uma incubadora de tecnologia do Google, trata-se de uma solução “avançada” para um mundo em que a criação de conteúdo enganoso é cada vez mais sofisticada.

A iniciativa se chama Assembler. Segundo o texto de apresentação, existem muitas ferramentas que conseguem examinar um aspecto específico de uma imagem, mas que têm alcance limitado por causa disso.

Por exemplo: o software que percebe nuances de brilho que podem indicar uma sobreposição de imagens não consegue captar inconsistências em grupos de pixels (um pixel é a menor unidade de uma imagem; uma fotografia é formada por milhares ou milhões de pixels).

O projeto da Jigsaw reúne as capacidades de sete desenvolvedores diferentes, compondo um “kit de análise” bem mais completo. O Assembler ainda está em fase de testes, realizados com organizações jornalísticas em diferentes países. A empresa não planeja disponibilizar a ferramenta para o público.

As tecnologias usadas

Uma das ferramentas incluídas no projeto é um programa que detecta o uso na imagem de uma tecnologia de deepfake chamada StyleGAN. Essa tecnologia usa a inteligência artificial para gerar novos rostos humanos a partir de características de rostos de pessoas existentes. Os resultados são realistas ao extremo.

Outro recurso incorporado no Assembler é um algoritmo que analisa os “patches” (grupos de pixels) de uma imagem para determinar se algum deles foi copiado e colado em outra parte da foto, com o objetivo de cobrir algum elemento que se desejava remover.

IMAGEM MANIPULADA SIMULA ENCONTRO DO EX-PRESIDENTE AMERICANO BARACK OBAMA COM O PRESIDENTE DO IRÃ, HASSAN ROUHANI

Diferenças de contraste ou divisões pouco naturais são o alvo de outra tecnologia que faz parte da iniciativa de checagem do Google. Nesse caso, a inteligência artificial se vale dos valores cromáticos da imagem, ou seja, os graus de luminosidade ou escuridão encontrados.

Desafios do projeto

O projeto consegue dar conta de algumas das técnicas existentes para modificação de fotos, mas não de todas. Ele também, inicialmente, existe como plataforma separada de redes sociais como o Facebook, local de intensa circulação de conteúdo fake.

Outra limitação é que esse tipo de análise ainda não pode ser realizada em conteúdo de vídeo. Atualmente, a manipulação de imagens em movimento é a “vanguarda” do conteúdo fraudulento das deepfakes. Em 2019, um vídeo que coloca frases na boca do fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, evidenciou o nível de sofisticação disponível atualmente.

Outra categoria de deepfake, em que um rosto é enxertado em outro corpo, são motivo de preocupação do Departamento de Defesa dos Estados Unidos desde 2018. O órgão criou um software de análise de vídeos que consegue detectar pistas sutis em imagens manipuladas.

Fonte: Nexo Jornal 

07 fev
Explicando Machine Learning de forma simplificada

Escola de tecnologia aplicada

Você provavelmente já ouviu falar de Machine Learning e inteligência artificial , mas tem certeza de que sabe o que são? Se você está lutando para entendê-las, não está sozinho. Há muita agitação que torna difícil dizer o que é ciência e o que é ficção científica. Começando com os próprios nomes…

Graças às novas tecnologias computacionais, o machine learning de hoje não é como o machine learning do passado. Ele nasceu do reconhecimento de padrões e da teoria de que computadores podem aprender sem serem programados para realizar tarefas específicas; pesquisadores interessados em inteligência artificial queriam saber se as máquinas poderiam aprender com dados.

O aspecto iterativo do Machine Learning é importante porque, quando os modelos são expostos a novos dados, eles são capazes de se adaptar independentemente. Eles aprendem com computações anteriores para produzir decisões e resultados confiáveis, passíveis de repetição. Isso não é uma ciência nova – mas uma ciência que está ganhando um novo impulso.

O aprendizado de máquina é um rotulador de coisas, essencialmente

Ao contrário da crença popular, o Machine Learning não é uma caixa mágica de mágica, nem é o motivo de US $ 30 bilhões em financiamento de VC. Na sua essência, o aprendizado de máquina é apenas um rotulador de coisas , pegando sua descrição de algo e dizendo qual rótulo ele deve receber.

O que parece muito menos interessante do que você lê no Hacker News. Mas você ficaria empolgado o suficiente para ler sobre esse tópico se o chamamos de rotulagem de coisas em primeiro lugar? Provavelmente não, o que mostra que um pouco de marketing e deslumbramento podem ser úteis para obter dessa tecnologia a atenção que ela merece (embora não seja pelas razões que você imagina).

É fenomenalmente útil, mas não tão ficção científica quanto parece

E a inteligência artificial (IA)? Enquanto os acadêmicos discutem sobre as nuances do que a IA é ou não , a indústria está usando o termo para se referir a um tipo específico de Machine Learning. De fato, na maioria das vezes as pessoas as usam de forma intercambiável, e eu posso viver com isso. Então, a IA também é sobre rotulagem de coisas.

 Você estava esperando robôs ? Algo de ficção científica com uma mente própria, algo humanóide? Bem, a IA de hoje não é isso. Mas somos uma espécie que vê traços humanos em tudo. Vemos rostos em torradas, corpos em nuvens, e se eu costurar dois botões em uma meia, posso acabar falando com ela. Esse fantoche de meia não é uma pessoa, e nem a IA – é importante ter isso em mente. Isso é uma decepção? Queixo para cima! A coisa real é muito mais útil.

Deixe-me mostrar por que você deveria estar animado. O que você vê na foto?

Que tipo de animal é esse? Calma, né? Agora me diga o que seu cérebro fez com esses pixels para obter essa resposta.

Você acabou de captar alguns dados bastante complexos através de seus sentidos e, como se por mágica, você o rotulou de ‘gato’. Isso foi tão fácil para você! Que tal se quiséssemos que um computador fizesse a mesma tarefa, classificasse (rotulasse) as fotos como gato / não gato?

O Machine Learning é um novo paradigma de programação, uma nova maneira de comunicar seus desejos a um computador

Na abordagem tradicional de programação, um programador pensaria muito sobre os pixels e os rótulos, se comunicaria com o universo, inspiraria os canais e, finalmente, criaria um modelo. Um modelo é apenas uma palavra chique para receita ou um conjunto de instruções que seu computador precisa seguir para transformar pixels em etiquetas.

Um modelo é uma receita que um computador usa para transformar dados em etiquetas. São apenas alguns códigos que a máquina usa para converter entradas em saídas e podem ser artesanais por um programador ou aprendidos com os dados por um algoritmo.

Mas pense sobre quais seriam essas instruções. O que você está realmente fazendo com esses pixels? Você pode expressar isso? Seu cérebro teve o benefício de eras da evolução e agora simplesmente funciona, você nem sabe como funciona. Essa receita é bem difícil de encontrar.

Explique com exemplos, não instruções

Não seria melhor se você pudesse simplesmente dizer ao computador: “Aqui, veja vários exemplos de gatos, veja vários exemplos de não-gatos e descubra você mesmo”? Essa é a essência do Machine Learning. É um paradigma de programação completamente diferente.

Agora, em vez de fornecer instruções explícitas, você programa com exemplos e o algoritmo de Machine Learning encontra padrões nos seus dados e os transforma nessas instruções que você não poderia escrever por conta própria. Não há mais artesanato de receitas!

AI permite automatizar o indescritível 

Por que isso é emocionante? Trata-se de expressar nossos desejos aos computadores de uma maneira que não podíamos antes. Adoramos fazer com que os computadores façam coisas para nós. Mas como podemos dar instruções se as instruções são realmente difíceis de pensar? Se eles são inefáveis?

IA e Machine Learning são sobre como automatizar o indescritível. Eles se explicam usando exemplos em vez de instruções. Isso desbloqueia uma enorme classe de tarefas com as quais não conseguimos obter computadores para nos ajudar no passado, porque não conseguimos expressar as instruções. Agora todas essas tarefas se tornam possíveis – o Machine Learning representa um salto fundamental no progresso humano. É o futuro e o futuro está aqui!

Evolução do machine learning

Graças às novas tecnologias computacionais, o machine learning de hoje não é como o machine learning do passado. Ele nasceu do reconhecimento de padrões e da teoria de que computadores podem aprender sem serem programados para realizar tarefas específicas; pesquisadores interessados em inteligência artificial queriam saber se as máquinas poderiam aprender com dados.

O aspecto iterativo do Machine Learning é importante porque, quando os modelos são expostos a novos dados, eles são capazes de se adaptar independentemente. Eles aprendem com computações anteriores para produzir decisões e resultados confiáveis, passíveis de repetição. Isso não é uma ciência nova – mas uma ciência que está ganhando um novo impulso.

Embora diversos algoritmos de machine learning existam há muito tempo, a capacidade de aplicar cálculos matemáticos complexos ao big data automaticamente – de novo e de novo, mais rápido e mais rápido – é um desenvolvimento recente. Eis alguns exemplos bem conhecidos de aplicações de machine learning, dos quais você já deve ter ouvido falar:

  • Os carros autônomos super esperados do Google? A essência do machine learning;
  • Ofertas recomendadas como as da Amazon e da Netflix? Aplicações de machine learning para o dia-a-dia;
  • Saber o que seus clientes estão falando de você no Twitter? Machine learning combinado com criação de regras linguísticas;
  • Detecção de fraudes? Um dos usos mais óbvios e importantes de machine learning no mundo de hoje.

Qual a importância do machine learning?

O interesse renovado no Machine Learning se deve aos mesmos fatores que tornaram a mineração de dados e a análise Bayesiana mais populares do que nunca: coisas como os crescentes volume e variedade de dados disponíveis, o processamento computacional mais barato e poderoso, o armazenamento de dados acessível etc.

Tudo isso significa que é possível produzir, rápida e automaticamente, modelos capazes de analisar dados maiores e mais complexos, e entregar resultados mais rápidos e precisos – mesmo em grande escala. E ao construir modelos precisos, uma organização tem mais chances de identificar oportunidades lucrativas – ou de evitar riscos desconhecidos.

O que é preciso para criar bons sistemas de machine learning?

  • Capacidade de data preparation;
  • Algoritmos – básicos e avançados;
  • Processos automatizados e iterativos;
  • Escalabilidade;
  • Modelagem conjunta.

 

Fonte: Wired e Blog SAS

04 fev
Qual a diferença entre preconceito, racismo e discriminação?

Escola de direito aplicado

 

Você sabe qual a diferença entre preconceito, racismo e discriminação? Nós vamos te explicar

Significado

Preconceito

O preconceito é uma opinião feita de forma superficial em relação a determinada pessoa ou grupo, que não é baseada em uma experiência real ou na razão.

Racismo

O racismo é a crença de que os membros de uma etnia possuem características, habilidades ou qualidades específicas desta etnia e, portanto, seriam uma “raça” superior às outras.

Discriminação

A discriminação refere-se ao tratamento injusto ou negativo de uma pessoa ou grupo, por ela pertencer a certo grupo (como etnia, idade ou gênero). É o preconceito ou racismo em forma de ação.

 

Motivo

Preconceito

Baseado na ignorância ou em estereótipos.

Racismo

É um resultado do preconceito, causado pela antipatia e pelo ódio a pessoas com diferentes cor de pele, costumes, tradições, idioma, local de nascimento, etc.

Discriminação

Pode ser causada pelo racismo ou preconceito para com pessoas de diferente idade, gênero, raça, habilidades, orientação sexual, educação, estado civil ou antecedentes familiares.

 

Resultados 

Preconceito

Pode resultar em racismo ou discriminação de um determinado grupo.

Racismo

Normalmente, o resultado é a discriminação ou preconceito com base na etnia, causando efeitos adversos como escravidão, guerras e xenofobia.

Discriminação

Conduz à rejeição e exclusão de um certo grupo de pessoas, assim como causar o bullying, segregação e exclusão social, etc.

 

Manifestação

Preconceito

Como crença.

Racismo

Como crença.

Discriminação

Ação.

 

Natureza

Preconceito

Não consciente.

Racismo

Consciente e não consciente.

Discriminação

Consciente e não consciente.

 

 Ação legal no Brasil

Preconceito

Não pode ser levado à justiça, pois não representa uma ação.

Racismo

Pode ser levado à justiça, de acordo com a Lei 7.716/89.

Discriminação

Pode ser levado à justiça, de acordo com a Lei 7.716/89.

 

Exemplo

Preconceito

Uma pessoa achar que alguém com obesidade não emagrece apenas porque é preguiçosa.

Racismo

Uma pessoa ser considerada mais violenta apenas pela cor da pele.

Discriminação

O fato de homens e mulheres receberem salários diferentes para realizar o mesmo trabalho.

 

O que é preconceito?

O termo preconceito se refere a uma opinião preconcebida ou sentimento formado sobre uma pessoa ou um grupo, sem que haja experiências ou fatos relevantes para comprová-lo.

O termo é usado geralmente de forma negativa, onde os membros pertencentes a um grupo são vistos como inferiores.

Geralmente, ocorre com características que algum grupo considera incomum ou indesejável em outra pessoa ou grupo. Isso acontece quando se critica aspectos como etnia, gênero, nacionalidade, status social, orientação sexual ou afiliação religiosa de alguém.

Além do racismo, as principais formas de preconceito incluem:

  • Machismo: a crença de que as mulheres são menos capazes do que os homens;
  • Homofobia: antipatia, desprezo, preconceito, aversão ou ódio à homossexualidade ou pessoas identificadas ou percebidas como lésbicas, gays, bissexuais ou transgêneros (LGBT);
  • Discriminação religiosa: valorização ou menosprezo de uma pessoa ou grupo por causa de suas crenças.
Preconceito racismo discriminação

O que é racismo?

O racismo parte da ideia de que a espécie humana seria dividida por raças, daí o nome.

No entanto, as diferenças físicas e genéticas que os seres humanos apresentam não são suficientes para caracterizar uma raça. O DNA de uma pessoa branca e uma pessoa negra, por exemplo, varia menos de 0,1%.

Então, o racismo é a ideia de que indivíduos de certa etnia possuem características, habilidades ou qualidades específicas desta etnia. Portanto, seriam uma “raça” superior, enquanto outras, inferiores.

Ele pode assumir a forma de ações, práticas, crenças sociais ou sistemas políticos que consideram que diferentes “raças” devem ser classificadas como superiores ou inferiores. O racismo também pode julgar que pessoas de etnias distintas devem ser tratadas de forma diferente.

As formas clássicas de racismo incluem:

  • Discriminação racial: separação de pessoas através de uma divisão social;
  • Racismo institucional: discriminação racial por parte de grandes organizações com o poder de influenciar a vida dos indivíduos, como governos, corporações, religiões e instituições educacionais;
  • Racismo nos direitos civis: incluem a disparidade histórica, econômica ou social causada pelo racismo passado, afetando a geração atual, e em atitudes racistas e ações inconscientes dos membros da população em geral.

O que é discriminação?

A discriminação é a ação baseada no preconceito. Ocorre quando não se trata membros de determinado grupo com respeito, mas com base em fatores como status, cor da pele ou identidade.

Essa distinção acontece de modo prejudicial, e o fato de alguém ser tratado pior do que outros por algum motivo arbitrário já é considerado discriminação.

Além do racismo, outras formas de discriminação incluem a distinção por:

  • Idade;
  • Linguagem;
  • Deficiência;
  • Etnia;
  • Identidade de gênero;
  • Altura;
  • Nacionalidade;
  • Religião;
  • Orientação sexual;
  • Peso.

Como a discriminação é a ação em si, uma pessoa pode ser preconceituosa e racista, mas não agir de acordo com suas opiniões. Ou seja, não efetua de fato ações de discriminação.

 

Publicado por: Blog Diferenças 

31 jan
6 desculpas que deve parar de dar a si mesmo

iCEV

Sabe aquelas mentirinhas que contamos para nós mesmos, só para procrastinar mais um pouco? Pois é, está na hora de deixá-las para trás! Vamos te mostrar algumas desculpas para identificá-las deixá-las de lado agora mesmo!

1 – “Estou confortável aqui, não há motivos para tentar outra coisa”

O conforto e a estabilidade podem ser seu pior inimigo, te impedem de correr atrás de novos desafios.

Se sente que está fazendo apenas coisas que já conhece, não está aprendendo nada de novo ou não está se arriscando o suficiente para conquistar o que quer, você está na sua zona de conforto.

Procure novos desafios, faça algo fora dessa zona e sinta-se vivo.

2 – “Estou com medo de não dar certo”

Ter medo e cautela é importante, mas deixar que isso te paralise pode atrapalhar no descobrimento do seu potencial.

É aquela coisa, você nunca sabe vai ter sucesso se não tentar. Esse medo é geralmente o receio de sair da zona de conforto

Embora existam obstáculos, você é capaz de superar as adversidades e aprender com elas.

3 – “Alguém deve fazer isso melhor”

Não deixe algo para alguém fazer, se você pode fazer do seu jeito e ainda tirar o máximo proveito e aprendizado disso. Pensando que pode sempre deixar para outra pessoa fazer, você perde a oportunidade de mostrar do que é capaz e, consequentemente, outra pessoa irá se destacar.

Se você puder tomar a frente de uma situação, enxergar algo que precisa ser feito ou criado, não espere que outro tome a sua frente.

4 – “Eu faço isso depois”

A procrastinação é um problema terrível que muitas pessoas acabam se envolvendo. Ao executar suas atividades somente no último minuto, você se força a fazer as coisas tomado pela pressa, executa sem a mesma precisão, peca pela falta de planejamento e tende a cometer muitos mais erros. Jogando as suas tarefas para depois, você está empurrando suas responsabilidades para o último instante e, talvez, pode ser tarde demais para executá-lo.

5 – “É muito difícil”

Você pode se surpreender com a sua capacidade, não se subestime! Se for muito difícil, você tenta! Com toda certeza haverá muito aprendizado mesmo se não der certo.

6 – “Não tenho o que fazer, não foi culpa minha”

É muito importante perceber que você precisa assumir a responsabilidade por si mesmo, isso demonstra maturidade. Além disso, não ficar

30 jan
7 habilidades de programadores altamente eficazes

Escola de tecnologia aplicada

Existem muitas habilidades técnicas que um engenheiro de software deve dominar, mas outras apenas com a experiência do dia a dia no mercado de trabalho podem desenvolver. Vamos te dizer sete delas para você se tornar um profissional ainda mais preparado.

1. Aprenda a ler o código de outras pessoas

É uma grande habilidade, que possui vários benefícios,  poder seguir o código de outras pessoas.

Não importa o quão confuso ou mal pensado seja o código de um engenheiro anterior, você ainda precisa ser capaz de percorrê-lo. Afinal, é o seu trabalho. Mesmo quando você era esse engenheiro um ano antes.

Essa habilidade o beneficia de duas maneiras. Por um lado, poder ler o código de outras pessoas é uma ótima chance de aprender o que é um design ruim. Enquanto você olha o código de outras pessoas, aprende o que funciona e o que não funciona. Mais importante, você aprende que tipo de código é fácil para outro engenheiro seguir e que código é difícil de seguir.

Você precisa garantir o máximo possível de leitura ao ler o código de outras pessoas. Dessa forma, outros engenheiros entendem o quanto você é um engenheiro superior.

Lembre-se de mencionar a importância do código de manutenção e bons comentários. Isso mostra ainda mais seu domínio na área de programação.

Seu código deve ser tão bem projetado que não requer documentação. De fato, você não deve documentar nenhum código, se for um bom programador. Isso é apenas uma perda de tempo e você precisa gastar seu tempo codificando e em reuniões.

Ser capaz de ler o código confuso de outras pessoas também facilita a atualização quando necessário. Ocasionalmente, isso significa atualizar o código em que você não possui experiência. Por exemplo, uma vez seguimos um script de Powershell a Python e Perl. Tínhamos experiência limitada em Perl, mas ainda tínhamos contexto suficiente para descobrir o que estava acontecendo e fazer as alterações necessárias.

Isso ocorre por ter um entendimento decente de todo o código, além de poder ler os scripts Perl. A leitura do código de outras pessoas o torna valioso porque você pode seguir até sistemas com engenharia excessiva que podem surpreender os outros.

2. Senso para identificar projetos ruins

Existem muitas habilidades que levam tempo para aprender. Uma das habilidades que acreditamos que vale a pena conhecer é entender quais projetos não valem a pena ser realizados e quais são claramente marchas da morte.

As grandes empresas sempre têm muito mais projetos em andamento do que provavelmente jamais serão concluídos ou impactantes. Existem alguns projetos que podem não fazer sentido nos negócios (pelo menos não para você) e outros que são mal gerenciados. Isso não quer dizer que você deva interromper uma ideia quando discordar do projeto. No entanto, se as partes interessadas não puderem explicar adequadamente o que farão com o resultado final, talvez o projeto não valha a pena.

Além disso, alguns projetos podem ser tão focados na tecnologia em vez da solução que pode ficar claro desde o início que não haverá muito impacto. Essa habilidade requer muitos projetos ruins antes que você tenha uma idéia do que realmente é um projeto ruim. Portanto, não gaste muito tempo cedo tentando discernir cada projeto.

Em algum momento de sua carreira, você terá apenas um bom senso.

3. Evitando reuniões

Seja você um engenheiro de software ou cientista de dados, as reuniões são uma necessidade, porque você precisa estar na mesma página com seus gerentes de projeto, usuários finais e clientes. No entanto, também há uma tendência para as reuniões assumirem repentinamente toda a sua agenda. É por isso que é importante aprender a evitar reuniões desnecessárias. Talvez uma palavra melhor para usar seja gerenciar e não evitar. O objetivo aqui é garantir que você gaste seu tempo em reuniões que conduzam decisões e ajudam sua equipe a seguir em frente.

O método mais comum é simplesmente bloquear um bloqueio de duas horas todos os dias, que é uma reunião constante. Geralmente, a maioria das pessoas marca uma reunião recorrente em um momento que considera benéfico. Eles usarão isso como um tempo para acompanhar seu trabalho de desenvolvimento.

Outra maneira de evitar reuniões para que você possa realizar o trabalho é aparecer antes de qualquer outra pessoa. Pessoalmente, gostamos de aparecer cedo porque, em geral, o escritório é mais silencioso. A maioria das pessoas que aparece cedo é como você, apenas querendo fazer o trabalho para que ninguém o incomode.

Isso é importante para colaboradores individuais, porque nosso trabalho exige momentos em que nos concentramos e não conversamos com outras pessoas. Sim, há momentos em que você pode resolver problemas em que pode querer trabalhar com outras pessoas. Mas assim que você passar pelos problemas de bloqueio, precisará codificar. É sobre entrar nessa zona em que você está constantemente segurando muitas idéias complexas sobre o trabalho que está fazendo. Se você estiver constantemente parado, pode ser difícil continuar de onde parou.

4. Esteja sempre com dicas de comando Git

Alguns especialistas em CS começaram a usar o Git no dia em que nasceram. Eles entendem todos os comandos e parâmetros e podem fazer círculos em torno dos profissionais.

Outros experimentam o Git pela primeira vez no primeiro emprego. Para eles, o Git é um cenário infernal de comandos e processos confusos. Eles nunca têm 100% de certeza do que estão fazendo (há uma razão pela qual as folhas de dicas são populares).

Não importa qual sistema de repositório sua empresa use, o sistema será útil se você o usar corretamente e um obstáculo se for usado incorretamente. Não é preciso muito esforço para se transformar em você gastando horas tentando desembaraçar alguma mistura de vários galhos e garfos. Além disso, se você esquecer constantemente de obter a versão mais recente do repositório, também estará lidando com conflitos de mesclagem que nunca são divertidos.

Se você precisar manter uma folha de dicas de comando Git, faça-o. O que quer que torne sua vida mais simples.

 

5. Escreva códigos de simples manutenção

Uma tendência que os engenheiros mais jovens podem ter é tentar implementar tudo o que sabem em uma solução. Existe esse desejo de entender sua programação orientada a objetos, estruturas de dados, padrões de design e novas tecnologias e usar tudo isso em cada pedaço de código que você escreve. Você cria uma complexidade desnecessária porque é muito fácil anexar-se excessivamente a uma solução ou padrão de design que você usou no passado.

Há um equilíbrio com conceitos de design complexos e código simples. Padrões de design e design orientado a objetos devem simplificar o código no grande esquema das coisas. No entanto, quanto mais um processo é abstraído, encapsulado e com caixa preta, mais difícil pode ser a depuração.

 

6. Aprenda a dizer não e priorize

Isso vale para qualquer função, seja você um analista financeiro ou um engenheiro de software. Mas, em particular, os papéis da tecnologia parecem ter todos precisando de algo deles. Se você é um engenheiro de dados, provavelmente será solicitado a fazer mais do que apenas desenvolver pipelines. Algumas equipes precisarão de extrações de dados, outras precisarão de painéis e outras precisarão de novos pipelines para seus cientistas de dados.

Agora, priorizar e dizer não podem realmente ser duas habilidades diferentes, mas elas estão intimamente ligadas. Priorizar significa que você gasta apenas um tempo de alto impacto para a empresa. Considerando que dizer não às vezes significa apenas evitar o trabalho que deve ser tratado por uma equipe diferente. Eles geralmente acontecem em conjunto para todas as funções.

Essa pode ser uma habilidade difícil de adquirir, pois é tentador aceitar todos os pedidos apresentados em seu caminho. Especialmente se você for direto para a faculdade. Você quer evitar decepcionar alguém e sempre recebeu uma quantidade considerável de trabalho.

Nas grandes empresas, há sempre uma quantidade infinita de trabalho. A chave é apenas assumir o que pode ser feito.

Existem muitas habilidades que não são testadas em entrevistas ou mesmo sempre ensinadas em faculdades. Muitas vezes, isso é mais uma limitação do ambiente do que uma falta de desejo de expor os alunos a problemas que existem em ambientes reais de desenvolvimento.

7. Design de Operação

Uma habilidade que é difícil de testar em uma entrevista e difícil de replicar quando você está fazendo cursos na faculdade é pensar em como um usuário final pode usar seu software incorretamente. Costumamos fazer referência a isso como pensar em cenários operacionais.

No entanto, essa é apenas uma maneira educada de dizer que você está tentando falsificar código de prova.

Por exemplo, como grande parte da programação é de manutenção, muitas vezes significa alterar código altamente confuso com outro código. Mesmo uma alteração simples requer o rastreamento de todas as referências possíveis de um objeto, método e / ou API. Caso contrário, pode ser fácil quebrar acidentalmente os módulos que você não percebe que estão conectados. Mesmo se você estiver apenas alterando um tipo de dados em um banco de dados.

Também inclui pensar em casos extremos e pensar em todo um projeto de alto nível antes de iniciar o desenvolvimento.

Quanto aos casos mais complexos em que você está desenvolvendo novos módulos ou microsserviços, é importante dedicar seu tempo e refletir sobre os cenários operacionais do que você está construindo. Pense em como os usuários futuros podem precisar usar seu novo módulo, como eles podem usá-lo incorretamente, quais parâmetros podem ser necessários e se existem maneiras diferentes de um futuro programador precisar do seu código.

Simplesmente codificar e programar é apenas parte do problema. É fácil criar software que funcione bem no seu computador. Mas há várias maneiras de implantar código pode dar errado. Uma vez em produção, é difícil dizer como o código será usado e que outro código será anexado ao seu código original. Daqui a cinco anos, um futuro programador pode ficar frustrado com as limitações do seu código.

 

29 jan
Afinal, o que são deepfakes?

iCEV

Entenda como eles funcionam e por que podem ser perigosos

(Pinscreen/Reprodução)

Os deepfakes nada mais são do que vídeos criados a partir de inteligência artificial e que reproduzem a aparência, as expressões e até a voz de alguém do mundo real. O nome vem da junção de duas expressões em inglês: “deep learning” (“aprendizado profundo”) e “fake” (“falso”). Aprendizado o quê?

O “deep learning” é uma evolução das metodologias de aperfeiçoamento de inteligência artificial. Ela deriva do “machine learning”. O conceito, que veio junto com os primeiros avanços em inteligência artificial, nos anos 1950, quer dizer, literalmente, colocar um computador para aprender. A ideia é fazer o cérebro eletrônico estudar algoritmos até que entenda como ler dados e tomar decisões acertadas. É como se, vendo um mesmo filme várias vezes, ele pudesse reproduzir o que aprendeu fazendo uma história totalmente nova. A técnica possui várias aplicações, de um programa de recomendação de filmes e séries (alô, Netflix) aos vídeos manipulados.

“Os deepfakes surgiram nos anos 1990, ganharam fama por volta de 2014 e atingiram um pico de popularidade em 2017″, explica Hao Li, professor de Ciência da Computação na Universidade do Sul da Califórnia. Em dezembro do ano passado, ele participou da VFXRio, evento brasileiro sobre tecnologia e efeitos visuais.

Como eles são feitos?

Hao é um dos precursores da área, e trabalha há 15 anos no desenvolvimento de tecnologias que aumentem o realismo das projeções virtuais. Ele já atuou em empresas de efeitos visuais como a Weta Digital (de filmes como O Senhor dos Anéis) e a Industrial Light & Magic (Star Wars), além de comandar uma startup especializada em criar avatares do tipo.

No geral, os deepfakes são criados em duas etapas. Na primeira, o software capta imagens de referência da pessoa que será usada no vídeo (o presidente Donald Trump, por exemplo). Quanto mais imagens, maior será a precisão. “O ideal é criar um banco de dados com várias formas e ângulos do rosto”, diz Hao.

Depois, é a vez de gravar os movimentos de uma segunda pessoa, que será a base (ou o molde) para o deepfake. Por fim, a inteligência artificial tem a missão de unir as duas coisas para criar o vídeo falso. No exemplo abaixo (cujo vídeo você pode conferir clicando na imagem), as imagens captadas de Trump foram inseridas no molde, feito a partir do vídeo de imitação:

(Pinscreen/Reprodução)

No passado, a manipulação de rostos digitais era uma técnica restrita a profissionais de efeitos visuais. A ideia do deepfake é que, com inteligência artificial, todo o trabalho seja feito por meio de softwares. Um programa da Samsung, por exemplo, consegue criar vídeos falsos com apenas uma imagem de referência. Já o Zao é um app chinês que faz com que o seu rosto seja transportado para uma cena de filme ou série – basta tirar uma selfie.

Quais as suas aplicações?

A aplicação mais famosa para este tipo de manipulação são os efeitos cinematográficos. Em 2019, filmes como Projeto Gemini e O Irlandês usaram técnicas similares para rejuvenescer os atores. Gemini, em especial, criou uma versão mais jovem do ator Will Smith, que contracenou com sua versão mais velha, de carne e osso.

“Os deepfakes podem ser usados também em dispositivos de realidade virtual, ou para criar sistemas de chats com interações mais realistas”, lembra Hao. A Fundação Carnegie, em um vídeo sobre o tema, diz que a tecnologia também pode ser usada para dar acessibilidade a pessoas com esclerose lateral amiotrófica, permitindo que pacientes criem cópias digitais da sua voz para ajudá-los quando não conseguirem mais falar.

Quais são os perigos envolvendo deepfakes?

A alta na popularidade dos deepfakes em 2017 apontada por Hao tem motivo. Naquele ano, um usuário do fórum Reddit criou um software de deep learing que permitia ao usuário trocar o rosto de uma atriz de filme pornô pelo de celebridades. O programa analisava milhares de imagens de atrizes, modelos e cantoras para criar um padrão de rosto para cada uma. Depois, era só jogar no video desejado e ter um filme protagonizado por quem quer que fosse.

A partir daí, diversas campanhas surgiram para alertar sobre os perigos da tecnologia, que se tornou uma espécie de versão turbinada das já conhecidas fake news (“notícias falsas”, em inglês). Esta aqui, por exemplo, foi feita pelo BuzzFeed, e é “estrelada” por uma versão falsa do ex-presidente dos EUA Barack Obama.

Os vídeos falsos, então, possuem uma série de maus usos: eles podem humilhar, chantagear ou difamar alguém, atacar organizações, incitar violência política, cancelar acordos diplomáticos e até fraudar eleições.

Deepfakes devem ser proibidos?

Apesar do desenvolvimento até aqui, vamos que combinar que, olhando com atenção, mesmo os vídeos falsos falsos mais convincentes conseguem ser desmascarados. Em setembro de 2019, Hao deu uma entrevista ao canal norte-americano CNBC, em que afirmava que deepfakes “perfeitamente reais” começariam a surgir dali a seis meses. “Eu mantenho essa previsão e digo mais: isso já está acontecendo.”

Para o professor, o grande entrave dos deepfakes é a resolução: em baixa qualidade, eles podem confundir, mas quando a resolução aumenta, as imperfeições ficam expostas. “No entanto, já existem pesquisas em desenvolvimento para criar deepfakes em alta definição”, disse Hao. Ele cita um teste feito pelo sua própria empresa, a Pinscreen – também com Donald Trump, feita a partir de uma imitação do ator Alec Baldwin. Veja abaixo:

Em meio a isso, surge o debate: se os deepfakes podem ser tão perigosos, eles não deveriam ser proibidos?

“Eu sou contra a generalização, e acho que nem tudo deve ser proibido”, defende Hao, que traz como exemplo o seu trabalho no filme Velozes e Furiosos 7, no qual ele foi um dos responsáveis pela reencenação digital do ator Paul Walker, que morreu durante as gravações. “A família de Paul estava de acordo e ajudou durante o processo. Tudo foi feito como uma forma de homenageá-lo – e funcionou”.

A tecnologia dos vídeos falsos evolui em uma velocidade muito maior que a lei – o que impede a criação de uma única norma que os regule. Dessa forma, Hao, assim como boa parte dos especialistas, defende que mais de uma medida deve ser tomada em relação os deepfakes. “O ideal seria que os países criassem organizações que digam o que é aceitável e o que deve ser proibido.” Deepfakes em vídeos pornôs, nem pensar.

Além disso, é preciso aprimorar os algoritmos e técnicas de reconhecimento de vídeos falsos, o que facilitaria o combate a conteúdos nocivos. Projetos de lei que determinem os parâmetros para o compartilhamento também poderão ajudar plataformas de mídias sociais a atualizar suas políticas internas. Se organizar direito, ninguém cai em mentira.

Facebook vai começar a banir Deepfakes de sua plataforma

O Facebook anunciou que vai começar a banir vídeos com deepfake da sua plataforma. O anúncio, divulgado em um blog da empresa, afirma que conteúdos do tipo manipulam a realidade, e são um grande desafio para a indústria tecnológica.

Os vídeos serão excluídos caso as edições não estejam óbvias para o usuário ou se levarem o espectador a acreditar que uma pessoa tenha dito coisas que, na verdade, nunca disseram. 55 checadores, que falam 45 idiomas diferentes, serão os responsáveis por analisar e sinalizar os vídeos falsos – a medida não inclui sátiras e outros produções humorísticas.

Não é a primeira vez que o Facebook se envolve no combate aos deepfakes. Em setembro de 2019, a empresa doou US$ 10 milhões para um fundo voltado a aprimorar as tecnologias de detecção desse tipo de material. Mas a companhia já também recebeu críticas por se recusar a retirar um vídeo falso da presidente da Câmara dos Deputados dos EUA, Nancy Pelosi, que viralizou no país no ano passado.

Deepfakes podem ser inofensivos. Neste vídeo, por exemplo, o rosto do ator Harrison Ford foi rejuvenescido e colocado em algumas cenas de Solo: Uma História Star Wars, do qual ele não participou. Mas, em muitos casos, podem ser perigosos e aumentar a desinformação, como manipular discursos de personalidades e chefes de Estado.

Até o próprio Mark Zuckerberg já foi vítima dos softwares de deepfake. No vídeo, o presidente do Facebook, em uma versão criada em computador, afirmava que o sucesso de sua plataforma era devido a uma parceria feita com uma organização secreta.

Fonte: Super Interessante

28 jan
Mais que Soft Skills: o que é necessário para uma carreira de sucesso?

iCEV

Quem está em busca de um emprego ou crescer na carreira precisa ter muito mais do que as mais famosas soft skills, como visão sistêmica e liderança, por exemplo.

Existem outras habilidades que também trarão bons resultados para a evolução profissional, vamos te dizer quais são para que você possa desenvolvê-las ou aprimorá-las.
Confira quais são:

1- Extrair o máximo da diversidade de gerações

Não adianta apenas saber lidar com diferentes gerações é preciso colocá-las juntas e fazê-las produzir ideias combinadas e inovadoras

2- Relativizar problemas

Ao invés de fazer alarde com problemas pequenos, saiba dimensioná-los para evitar que a empresa fique ansiosa sem necessidade

3- Objetividade

Não floreie suas comunicações, cada segundo perdido com informações que não interessam o negócio perde dinheiro

4- Checagem de dados e fatos

Não tome decisões baseadas em achismos, sempre use dados e fatos que mostrem a verdade

5- Timing da tomada de decisão

Não basta tomar a melhor decisão, é preciso usá-la no tempo correto, nem muito cedo para não “queimar” boas ideias nem tão tarde que o negócio fique prejudicado

6- Aprender com os erros dos outros

Além de aprender com seus próprios erros, ter a perspicácia de enxergar erros alheios e moldar sua atuação e evitar cair nas mesmas armadilhas de seus colegas!

 

 

24 jan
Constituição cidadã, mais de 30 anos: direitos, amarras e desafios

Escola de direito aplicado

Dia 24 de janeiro é comemorado o Dia da Constituição Federal

PARLAMENTARES COMEMORAM A APROVAÇÃO DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL, EM 22 DE SETEMBRO DE 1988

Entre 1987 e 1988, o Congresso Nacional se dedicou a redigir a nova Constituição Federal do Brasil. O resultado desse trabalho simbolizou não só a formalização de princípios sociais e políticos que passariam a vigorar no país, mas também o fim da ditadura militar.

Chamada de Constituição cidadã pelo deputado Ulysses Guimarães, presidente da Assembleia Nacional Constituinte, a nova Carta substituiu o texto de 1967, que havia consolidado o golpe de 1964 ao conferir mais poderes à União e ao presidente da República.

“A persistência da Constituição é a sobrevivência da democracia. Quando, após tantos anos de lutas e sacrifícios, promulgamos o estatuto do homem, da liberdade e da democracia, bradamos por imposição de sua honra: temos ódio à ditadura. Ódio e nojo” . Ulysses Guimarães,  presidente da Assembleia Nacional Constituinte, em discurso em 5 de outubro de 1988.

Com o fim do regime militar, em 1985, a aprovação da Constituição pelos parlamentares em 22 de setembro de 1988 foi um dos marcos principais na transição para a democracia. A promulgação da Carta ocorreu em 5 de outubro do mesmo ano.

Três décadas depois da aprovação, a Constituição mantém intactos pontos essenciais em sua concepção, ao mesmo tempo em que soma dezenas de alterações e atrai debates sobre as necessidades de ser ou não revista para dar conta dos desafios dos tempos atuais.

O QUE é a Constituição

ULYSSES SEGURA UM EXEMPLAR DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988

É o conjunto de normas que regem o país. Está acima de todas as outras leis em vigor. Estabelece direitos e deveres dos cidadãos, disciplina o ordenamento jurídico e organiza o papel do poder público, definindo atribuições dos entes da federação (municípios, estados e União) e dos três Poderes (Executivo, Legislativo e Judiciário). A Constituição também impõe limites para seus agentes — incluindo a possibilidade de impeachment do presidente da República.

Por ter sido formatada após a ditadura militar, período de 21 anos em que houve uma forte restrição de direitos civis e políticos no país, a Constituição de 88 se notabilizou pela ampliação dos direitos e garantias individuais, buscando, a partir de um extenso detalhamento, evitar eventuais retrocessos institucionais.

Os direitos básicos estão listados e assegurados, em especial, no artigo 5º do texto, que afirma, entre outros pontos, o seguinte:

todos são iguais perante a lei
é livre a manifestação do pensamento, de expressão e de religião
é inviolável a vida privada
é assegurado a todos o acesso à informação
é livre a locomoção no território nacional
é livre o direito de manifestação
é garantido o direito de propriedade
Nenhuma outra lei pode contradizer ou se sobrepor à Carta Magna. Se uma lei a confronta, é declarada inconstitucional. Esse controle cabe ao Supremo Tribunal Federal, órgão máximo do Judiciário brasileiro, cuja função maior é ser o guardião da Constituição — atribuição estabelecida pela própria Carta.

QUEM fez a Constituição de 88

FOTO: ARQUIVO/AG. SENADO REUNIÃO DO CENTRÃO, COMPOSTO POR CONSTITUINTES DE VÁRIOS PARTIDOS

A Constituição de 1988 é a sétima adotada no país — a sexta, se considerado somente o período republicano. A primeira data de 1824, imposta pelo então imperador do Brasil Dom Pedro 1º.

A Carta foi elaborada e debatida durante 20 meses por 559 parlamentares (72 senadores e 487 deputados federais) que integraram a Assembleia Nacional Constituinte. Houve ainda intensa participação de representantes da sociedade civil, com organizações de classe, entidades sociais e religiosas, e lideranças indígenas.

A convocação da Constituinte foi resultado do compromisso firmado durante a campanha presidencial de Tancredo Neves (1910-1985), primeiro presidente civil eleito, pelo voto indireto, após a ditadura. Tancredo, porém, morreu antes de assumir o cargo. Coube ao vice José Sarney assumir o Palácio do Planalto e instalar a Assembleia Constituinte.

FOTO: ARQUIVO/AG. SENADO INDÍGENAS ACOMPANHAM DAS GALERIAS DO CONGRESSO A VOTAÇÃO DA CONSTITUIÇÃO DE 1988

A escolha dos parlamentares foi feita por meio de eleições gerais em 1986. Deputados e senadores tomaram posse em fevereiro de 1987. Os eleitos tinham como função mais importante elaborar a nova Constituição, mas tiveram de conciliá-la com as demais atividades de um parlamentar.

Isso ocorreu porque a Constituinte não era exclusiva, ou seja, não foi instalada somente para redigir a futura Carta e ser dissolvida ao final dela. Por essa razão, após a votação do projeto, deputados e senadores continuaram no Congresso até a conclusão dos mandatos.

A maioria dos constituintes era filiada ao PMDB (atual MDB) e ao PFL. Entre os parlamentares, somente 26 eram mulheres, todas deputadas.

OS PARTIDOS EM 1987


O PMDB fazia oposição à ditadura militar. PFL e PDS, por sua vez, eram compostos por egressos da Arena, partido de sustentação do regime.

As três maiores bancadas faziam parte do “Centro Democrático”, que representava setores mais conservadores no Congresso, incluindo ainda partidos menores como o PDC e o PTB. Como oposição, representando grupos da centro-esquerda, havia as siglas recém-criadas, em especial o PT e o PDT.

Ulysses Guimarães, do PMDB, foi escolhido pela maioria como presidente da assembleia. Na função, ele foi um dos protagonistas na condução dos trabalhos.

Além de Ulysses, estavam ali parlamentares que se tornariam alguns dos principais líderes políticos do país, como Itamar Franco, Fernando Henrique Cardoso, Luiz Inácio Lula da Silva e Michel Temer, além de Mário Covas, José Serra e Geraldo Alckmin, que saíram do PMDB antes do fim da assembleia (junto com FHC) para fundar o PSDB.

As várias forças em jogo

FOTO: ARQUIVO/AG. SENADO ULYSSES RECEBE EMENDAS POPULARES PARA O TEXTO DA CONSTITUIÇÃO DE 1988

A instalação da Assembleia Nacional Constituinte foi o passo inicial de um processo marcado por intensos debates. A organização do que entraria ou não na Carta foi feita a partir de comissões temáticas. As que tratavam de temas relacionados à economia e ao trabalho eram as mais disputadas pelos partidos.

Em paralelo, havia lobby dos mais diversos setores e a pressão de movimentos sociais, todos em busca de ver seus interesses contemplados. Ao todo, 122 emendas populares foram protocoladas no Congresso, assinadas por cerca de 15 milhões de brasileiros.

“Os corredores do Congresso fervilhavam de pessoas. Nós tínhamos milhares de pessoas diariamente no Congresso, nos corredores, nos gabinetes, levando papéis, levando pareceres, levando opiniões”
Bernardo Cabral, deputado constituinte pelo PMDB-AM, em relato à TV Senado divulgado em 2013.

Ao final das sessões, debates e audiências, em meados de 1987, os parlamentares tiveram de consolidar em um só projeto tudo o que havia sido feito nas comissões. A relatoria era do deputado amazonense Bernardo Cabral (PMDB), que recebeu a primeira versão, com 501 artigos.

Entre a formatação final e o início da votação, ficou para trás, por exemplo, a ideia de que o Brasil adotaria o sistema parlamentarista, em substituição ao presidencialismo. A proposta enfrentou resistências, em especial vindas do governo federal, e foi retirada.

Ficou definido que o sistema de governo seria debatido em um plebiscito futuro, o que ocorreu em 1993 — quando a maioria optou pela continuidade do presidencialismo, em vez do parlamentarismo ou da monarquia.

FOTO: ARQUIVO/AG. SENADO MANIFESTANTES COBRAM ARTIGOS SOBRE DESAPROPRIAÇÃO DE TERRAS NA CONSTITUIÇÃO

A formatação final envolveu mais embates. O projeto só começou a ser votado em janeiro de 1988. A análise em plenário expôs as divergências entre os parlamentares, exigindo 119 sessões até que se finalizasse a primeira votação, em 30 de junho de 1988.

Havia críticas por parte do setor empresarial, que considerava excessivos os direitos previstos. De outro lado, partidos da oposição diziam que faltavam direitos a trabalhadores e minorias. Sarney, presidente da República, chegou a usar a rede nacional de rádio e TV para dizer que aquela versão tornaria o país “ingovernável” em razão dos gastos previstos.

Após mais ajustes, três meses depois houve uma segunda votação. Em 22 de setembro, por 474 votos a 15, e 6 abstenções, a terceira versão foi aprovada. A bancada do PT votou contra o projeto, mas assinou a nova Constituição.

QUANDO a Constituição foi aprovada

FOTO: ARQUIVO/AGÊNCIA BRASIL – 1984 MANIFESTANTES DEFENDEM DIREITO A VOTO NA FRENTE DO CONGRESSO, EM BRASÍLIA

Os primeiros passos em direção a uma nova Constituição começaram ainda na década de 1970, dentro do grupo político que viria a formar o PMDB. Com apoio de outros setores, a legenda discutia a volta da democracia no país, ainda sob o comando dos generais desde 1964.

Até 1985, vigorou no país um regime durante o qual se registrou o chamado milagre econômico ao mesmo tempo em que as desigualdades sociais foram aprofundadas. No campo político, generais adotaram práticas arbitrárias, como o fechamento do Congresso, cassação de mandatos políticos e a imposição do bipartidarismo (com Arena, de apoio ao governo, e o MDB, oposição autorizada).

 

FOTO: CELIO AZEVEDO/AG. SENADO – 01.10.1985 TANCREDO NEVES DISCURSA NA SESSÃO DO COLÉGIO ELEITORAL, EM QUE FOI ELEITO PRESIDENTE DA REPÚBLICA

Houve censura aos veículos de comunicação, a artistas e repressão violenta a manifestações populares, com registros de prisão e tortura de pessoas contrárias ao regime. Em 2014, a Comissão da Verdade atribuiu à ditadura a responsabilidade pela morte e desaparecimento de 434 pessoas.

Em 1980, o movimento pela Constituinte cresceu, em consonância com outras ações que apontavam para o fim da ditadura, como a Lei da Anistia e o fim do bipartidarismo, ambos em 1979. Em 1984, a campanha das diretas reforçava o clima de abertura política.

Políticos, artistas e movimentos civis apostavam na força das manifestações para eleger, pelo voto popular, o presidente que substituiria o general João Batista Figueiredo, último presidente da ditadura. A despeito da intensa mobilização, a Câmara rejeitou a emenda que propunha o voto direto.

Coube então ao Colégio Eleitoral, com a participação apenas de parlamentares, eleger em 1985 Tancredo, o primeiro presidente civil após o regime.

“A primeira tarefa de meu governo é a de promover a organização institucional do Estado. (…) É nessa discussão ampla que ireis identificar os vossos delegados ao poder constituinte e lhes atribuir o mandato de redigir a lei fundamental do País”
Tancredo Neves

em seu primeiro pronunciamento após a eleição, em 15 de janeiro de 1985

Após a eleição e a morte de Tancredo, Sarney deu sequência ao projeto político. Em paralelo, ele lançou o Plano Cruzado, em 1986, na tentativa de conter a inflação e a alta desenfreada dos preços.

Enquanto boa parte da sociedade tinha de lidar com os efeitos da instabilidade econômica no dia a dia, brasileiros também viam a cultura pop florescer na década de 1980. O rock nacional ganhava mais espaço e surgia um dos mais conhecidos festivais de música do mundo, o Rock in Rio. A televisão aberta assumia cada vez mais relevância na cultura, na comunicação e nos hábitos de consumo.

Fora do Brasil, a política internacional estava às voltas com as ações econômicas de viés liberal de líderes como a primeira-ministra britânica Margaret Thatcher (1925-2013) e o presidente americano Ronald Reagan (1911-2004). Nesse momento, caminhava-se para o fim da Guerra Fria, disputa pós-Segunda Guerra entre Estados Unidos e então União Soviética, bloco comunista desfeito em 1991.

EM QUE pontos a Constituição foi alterada ou ignorada

Mesmo sendo a lei máxima do país, a Constituição pode ser alterada. Mas dentro de regras estabelecidas pela própria Carta, que determina um rito específico a fim de se evitarem alterações excessivas e sem o devido debate público.

Para isso serve a emenda constitucional, nome dado à norma editada para substituir, acrescentar ou eliminar algum trecho da Constituição. Uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição) só entra em vigor após ser debatida em comissão especial e aprovada em duas votações tanto na Câmara quanto no Senado. São necessários três quintos dos votos (308 dos 513 deputados e 49 dos 81 senadores).

“A constituição certamente não é perfeita. Ela própria o confessa, ao admitir a reforma”. Ulysses Guimarães, presidente da Assembleia Nacional Constituinte, em discurso em 5 de outubro de 1988

Ainda assim, a Constituição impõe alguns limites às mudanças, considerando irrevogáveis as chamadas cláusulas pétreas, descritas no artigo 60. São elas:

a forma federativa de Estado (com a divisão entre União, Distrito Federal, estados e municípios)
o voto direto, secreto, universal e periódico
a separação dos Poderes
os direitos e garantias individuais (descritos no artigo 5º)
Entre 1988 e setembro de 2018, foram feitas 99 emendas, que trataram de temas como:

reeleição para presidentes, governadores e prefeitos (1997)
reforma do Judiciário (2004)
fim do voto secreto para análise de perda de mandato de deputados e senadores (2013)
direitos aos empregados domésticos (2013)
aumento de 70 para 75 anos a idade da aposentadoria compulsória para ministros de tribunais (2015)
imposição de limite por 20 anos ao crescimento dos gastos públicos à inflação do ano anterior (2016)
Alterações mais profundas quase sempre são alvo de intenso debate e disputa partidária. A votação da PEC da reeleição, em 1997, foi entrecortada por denúncias de compra de votos na Câmara em troca de apoio ao texto. A despeito do escândalo, o episódio não impediu a aprovação da medida, que permitiu a Fernando Henrique disputar a reeleição naquele ano, saindo vitorioso.

Depois, os governo Lula (2003-2010) e Dilma Rousseff (2011-2016) propuseram convocar constituintes a fim de se debater mudanças no sistema político. Recebidas com críticas pela oposição, as ideias não avançaram.

A questão da regulamentação

Mesmo após tantas mudanças, há outras centenas de dispositivos da Constituição à espera de regulamentação. Quando passou a vigorar, o texto tinha 382 dispositivos (termo genérico usado para se referir a artigos e parágrafos que compõem a Carta) que careciam de leis específicas. Estas leis definiriam a maneira como diretrizes previstas na Constituição seriam colocadas em prática.

Desde então, 263 foram regulamentados, a exemplo do que fizeram o Estatuto da Criança e do Adolescente e o Código de Defesa do Consumidor. Mas, até setembro de 2018, havia outros 119 pontos sem regulamentação. Em parte isso deixa temas relevantes sem regras claras, como o direito de greve de servidores públicos.

De outra parte, indica que alguns temas mostraram-se irrelevantes ou de difícil aplicação. Um exemplo era a norma que limitava a taxa de juros reais a 12% ao ano, que acabou revogada por uma emenda constitucional em 2003.

Os artigos não votados

O longo processo de discussão e redação da Constituição revelou suas falhas anos depois. Em 2003, o então ministro do Supremo, Nelson Jobim, contou ao jornal O Globo que dois dos artigos da Carta foram incluídos sem serem votados em plenário.

Jobim foi um dos deputados constituintes do PMDB. Segundo ele, a inclusão daqueles trechos ocorreu após uma deliberação somente entre líderes partidários que integravam a Comissão de Redação, responsável pelos ajustes finais do texto.

Um dos artigos era essencial, já que estabelecia o princípio da independência entre Executivo, Legislativo e Judiciário. O outro artigo segue sob sigilo, parte do “pacto de silêncio” que Jobim disse ter assumido com Ulysses. A revelação provocou reações entre parlamentares e representantes do meio jurídico, que pediram o impeachment de Jobim do Supremo, o que não ocorreu.

COMO a Constituição influenciou os rumos do país

Os artigos dispostos na Constituição de 1988 forjaram os princípios do que se entende por um Estado de bem-estar social — organização em que o Estado tem participação ativa na organização social e econômica de um país.

Inspirados em textos constitucionais de democracias já consolidadas, idealizadores da Carta brasileira vislumbravam nele um meio para combater problemas crônicos do país, como a desigualdade social. Não à toa, estão entre os primeiros artigos aqueles que tratam dos “direitos sociais”. Eles asseguram a todos os brasileiros:

educação
saúde
alimentação
trabalho
moradia
transporte
lazer
segurança
previdência social
proteção à maternidade e à infância
assistência aos desamparados
Esses princípios nortearam em parte a formatação de políticas públicas nacionais, como o SUS (Sistema Único de Saúde); a Previdência Social e a educação pública, com a definição de responsabilidades de cada ente federativo (União, estados e municípios) para essa área.

Para tanto, a Constituição previu como os governos federal, estaduais e municipais deveriam organizar receitas e despesas para garantir aqueles direitos, obrigando, por exemplo, que um percentual mínimo da receita de impostos fosse investido em saúde e em educação.

Na área trabalhista, a Carta também estabeleceu direitos essenciais, incluindo a unificação do salário mínimo em todo o país. Houve ainda a definição da jornada de trabalho de oito horas diárias e 44 horas semanais (antes, eram 48 horas), 13º salário e o aviso prévio, implantando e ampliando temas previstos na CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), de 1943.

POR QUE a Constituição está em debate permanente

FOTO: ARQUIVO/AG. BRASIL ATENDIMENTO EM AGÊNCIA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL

Os 250 artigos da Constituição brasileira fazem dela uma das maiores do mundo, atrás apenas da lei máxima da Índia. O tamanho da Carta reflete a diversidade de temas incluídos nela e o processo de sua elaboração, marcado pela participação dos mais variados atores sociais e econômicos.

Alguns de seus autores atribuem ao contexto do país a necessidade de se fazer uma lei tão longa, que fosse capaz de dar conta dos diversos problemas políticos (ainda consequência da proximidade com o regime militar), sociais e econômicos, conferindo ao Estado um papel de bastante protagonismo.

Ao longo de 30 anos, têm sido recorrentes os debates em torno do texto constitucional e sobre a necessidade ou não de se rever pontos da Carta.

Mais recentemente, a discussão voltou quando o governo Michel Temer propôs uma reforma da Previdência, o que demandaria alterações na Constituição. Voltou também durante a tramitação da reforma trabalhista, aprovada em 2017, que não mexeu na Carta, mas alterou leis que, para parlamentares da oposição e para alguns professores de direito, ameaçam direitos previstos em 1988.

A Constituição em debate

CUSTO

As diversas obrigações do Estado definidas pela Carta tornam alto o custo público para implementação dos direitos sociais, na avaliação, por exemplo, do economista Marcos Lisboa, ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda (2003-2005). A vinculação orçamentária, que determina um percentual mínimo de investimento em certas áreas, acaba sobrecarregando o poder público.

“Os princípios da Constituição de 1988 são consensuais. Outra coisa é como implementa esses princípios. (…) A prioridade não é desvincular gastos em saúde e educação. A prioridade é melhorar a eficácia desses gastos. (…) Universalizar o acesso ao ensino básico foi uma imensa conquista. Mas não conseguimos uma educação de qualidade”
Marcos Lisboa

economista e presidente do Insper, em entrevista ao Nexo, publicada em 28 de abril de 2016

AMPLITUDE

A extensão dos direitos e a previsão de como eles deveriam ser alcançados aparece como tema complementar acerca do debate sobre custos e implementação da Carta. Diretor da FGV Direito SP, Oscar Vilhena Vieira entende a necessidade de rever pontos (como o regime da Previdência), mas sem mexer em direitos básicos.

“Há coisas que não podem ser desvinculadas (…) e friso que essas duas coisas são saúde e educação. E há outras coisas que devemos, sim, pensar em mecanismos de maior flexibilização. (…) Isso não significa que não devemos repensar mecanismos da eficiência a esses investimentos”
Oscar Vilhena Vieira

diretor e professor da FGV Direito SP, em entrevista ao Nexo, publicada em 28 de abril de 2016

DETALHISMO

Além dos artigos que tratam da organização política e jurídica do país e dos direitos fundamentais, a Constituição traz ainda questões ambientais, culturais, tributárias, sobre transporte e tantas outras. Entre pesquisadores e constituintes, há quem veja no excesso de temas a explicação para as inúmeras alterações feitas desde 1988, como avalia o cientista político Rogério Arantes, professor da USP.

“Minha preocupação era evitar que ela [a Constituição] fosse muito detalhada porque isso introduziria muita rigidez no processo político e administrativo brasileiro. Mudar a Constituição é sempre algo complexo. Na verdade, o que era objeto de leis em outros países acabou entrando na nossa Constituição”
José Serra

senador e deputado constituinte, em relato à TV Senado divulgado em 2013

PELO MUNDO: as origens das constituições

A expressão Carta Magna, comumente usada para se referir à Constituição, é referência à “Magna Charta”, do latim, que significa Grande Carta. Trata-se de um documento inglês de 1215 que impôs limites ao rei João da Inglaterra (conhecido como João sem Terra) e determinou que, a partir dali, ele deveria obedecer a procedimentos legais.

A importância da Grande Carta, cujo reconhecimento ocorreu somente séculos depois, foi sinalizar ao monarca que mesmo ele estava abaixo da lei. É sobre essa reconfiguração de poderes que tratam as primeiras constituições (algumas delas inspiradas na Grande Carta), dentro de um contexto de limitação do poder dos monarcas europeus, segundo definição do professor de direito Giuseppe de Vergottini, da Universidade de Bolonha, na Itália.

Por essa razão, explica Vergottini, o conceito de Constituição é associado, em essência, à ideia da separação de poderes e de garantias de direitos a todos os cidadãos.

Constituições na história

MAIS ANTIGA

Vem dos Estados Unidos, em 1787, aquela que é considerada a primeira e mais antiga Constituição do mundo moderno. Ela ainda está em vigor e teve 27 ajustes feitos desde então. E é pequena, comparativamente à brasileira, abordando mais princípios gerais da organização do país.

TEXTOS EUROPEUS

Em sequência, veio a da França, em 1791, que tinha como direitos fundamentais a liberdade e a igualdade de todos perante a lei. A Constituição francesa passou por dezenas de alterações, estando em vigor a versão de 1958. Na Alemanha, a primeira Constituição data de 1849, também passando por alterações. Está em vigor a de 1949. Com textos menores do que a versão brasileira, as cartas europeias influenciaram alguns dos princípios presentes na Carta de 1988.

NA AMÉRICA LATINA

Entre os países próximos do Brasil, México e Costa Rica têm a Constituição mais antiga, de 1917 e 1949, respectivamente. A mais recente, de 2010, é da República Dominicana. Neste momento, Venezuela e Cuba discutem mudar as leis máximas vigentes. Segundo pesquisadores, muitas das Cartas sofreram influência dos modelos europeus, mas a partir da década de 1980 há quem observe, nas constituições mais recentes, textos em que se sobressaem características mais próprias desses países.

EM ASPAS: considerações sobre a Constituição

“A garantia da dignidade da pessoa humana é o princípio mais importante na Constituição de 1988. (…) A Constituição criou sistemas, como o de educação, que é libertadora. Não há democracia sem os direitos fundamentais devidamente cumpridos”. Cármen Lúcia, ministra e ex-presidente do Supremo Tribunal Federal, em declaração em 9 de agosto de 2018

“O texto final, em face dessas negociações das diversas correntes políticas, tornou-se adiposo, com um elenco considerável de dispositivos sem nenhuma densidade constitucional, como aquele (…) que impunha a manutenção do Colégio Pedro 2º, no Rio de Janeiro, na órbita federal. Teve, todavia, méritos como: exigir a harmonia e independência dos Poderes (artigo 2º) e multiplicar o elenco dos direitos e garantias individuais”. Ives Gandra da Silva Martins, advogado e professor emérito da Universidade Mackenzie, em artigo à Folha de S.Paulo, de 18 de setembro de 2018.

“Os 30 anos da Constituição nos encontram na necessidade de defendê-la mais do que nunca de tentativas autoritárias. Sua vigência, mesmo que com deficiências, nos garante um ambiente de liberdade, pluralidade e tolerância. Este é o momento mais importante, desde 1988, para lembrar que esses valores precisam ser preservados”
Juana Kweitel, diretora-executiva da Conectas Direitos Humanos, em declaração ao Nexo.

“No mercado de balas de prata em que se transformou a política brasileira, não falta quem argumente pelo fim da Constituição de 1988, afirmando sua ruína fatal, nem quem sustente, no polo oposto, que todos os compromissos constitucionais se encontram hoje em perfeita harmonia institucional. Além de irreais, nenhuma dessas leituras faz justiça à Constituição de 1988. É dela que deve partir, afinal, a resposta madura à sua crise de identidade”. Conrado Hübner Mendes, professor de Direito Constitucional da USP, em artigo à revista Cult, de setembro de 2018.

VÁ AINDA MAIS FUNDO

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, versão oficial disponibilizada no site do Palácio do Planalto

Constituições anteriores do Brasil, compilação disponível no site do Palácio do Planalto

“Constituição, governo e democracia no Brasil”, artigo dos cientistas políticos Cláudio Gonçalves Couto e Rogério Bastos Arantes (2006)

“Políticas Sociais no Brasil: descentralização em um Estado federativo”, artigo da professora do Departamento de Ciência Política da USP Marta Arretche (1999)

Publicado por: Nexo Jornal 

 

22 jan
Linkedin divulga as 15 profissões em alta no Brasil em 2020

iCEV

O LinkedIn divulgou hoje a lista “profissões emergentes”, com as 15 posições em ascensão para o ano de 2020 no Brasil. O levantamento reúne as profissões que vivem um momento de alta com base em dados de usuários do LinkedIn com perfil público que tenham ocupado uma ou mais posições em tempo integral no Brasil nos últimos cinco anos. Além da lista, a rede social inclui quais são as habilidades mais requisitadas e os setores que mais contratam.

O destaque na edição deste ano o motorista. Ao observar os três setores da economia que mais devem demandá-los neste no, constata-se que, entre eles, estão as empresas ligadas a internet e a serviços e facilidades ao cliente, como os aplicativos de transporte de passageiros e os de compras e entregas. “Esperamos que essa lista seja um norte para as pessoas que estejam nessa transição ou ainda, no início da carreira”, diz Milton Beck, diretor geral do LinkedIn para a América Latina.

Confira abaixo a lista completa:

1. Gestor de mídias sociais

Cinco conhecimentos primordiais: marketing digital; redes sociais; Adobe Photoshop; Adobe Illustrator; e marketing. Três segmentos que mais buscam a profissão: Publicidade e marketing; mídia online; e internet.

2. Engenheiro de cibersegurança

Cinco conhecimentos primordiais: Docker Products; Ansible; DevOps; Amazon Web Services, AWS; e Kubernetes. Três segmentos que mais buscam a profissão: Tecnologia da Informação e serviços; software de computadores; serviços financeiros.

3. Representante de vendas

Cinco conhecimentos primordiais: Outbound Marketing; inbound marketing; pré-venda; vendas internas; e prospecção. Três segmentos que mais buscam a profissão: Softwares de computadores; tecnologia da Informação e serviços; e internet.

4. Especialista em sucesso do cliente

Cinco conhecimentos primordiais: Inbound marketing; auxiliar no sucesso do cliente; relações com o cliente; marketing digital; e experiência do cliente. Três segmentos que mais buscam a profissão: Tecnologia da Informação e serviços; software de computadores; e internet.

5. Cientista de dados

Cinco conhecimentos primordiais: Machine Learning; ciência de dados; linguagem Python; linguagem R; e ciência de dados. Três segmentos que mais buscam a profissão: Tecnologia da Informação e serviços; bancos; e softwares de computadores.

6. Engenheiro de dados

Cinco conhecimentos primordiais: Apache Spark; Apache Hadoop; grandes bancos de dados; Apache Hive; e a linguagem de programação Python. Três segmentos que mais buscam a profissão: Tecnologia da Informação e serviços; bancos; e serviços financeiros.

7. Especialista em Inteligência Artificial

Cinco conhecimentos primordiais: Machine learning; deep learning; linguagem de programação Python; ciência de dados; Inteligência Artificial (IA). Três segmentos que mais buscam a profissão: Tecnologia da Informação e serviços; softwares de computadores; e instituições de ensino superior.

8. Desenvolvedor em JavaScript

Cinco conhecimentos primordiais: React.js; Node.js; AngularJS; Git; e MongoDB. Três segmentos que mais buscam a profissão: Tecnologia da Informação e serviços; softwares de computadores; e internet.

9. Investidor Day Trader

Cinco conhecimentos primordiais: Bolsa de valores; Technical Analysis; investimentos; mercado de capitais; e o investimento de curto prazo Trading. Três segmentos que mais buscam a profissão: Serviços financeiros; mercado de capitais; e gestoras de fundos de investimentos.

10. Motorista

Cinco conhecimentos primordiais: Serviço ao cliente; Microsoft Word; liderança; Microsoft Excel; e vendas. Três segmentos que mais buscam a profissão: Internet; transportes terrestres e ferroviários; e serviços e facilidades ao cliente.

11. Consultor de investimentos

Cinco conhecimentos primordiais: Investimentos; mercado de capitais; mercado financeiro; renda fixa; e análise financeira. Três segmentos que mais buscam a profissão: Serviços financeiros; mercado de capitais; e bancos.

12. Assistente de mídias sociais

Cinco conhecimentos primordiais: Redes sociais; marketing digital; Adobe Photoshop; Instagram; e publicidade. Três segmentos que mais buscam a profissão: Publicidade e marketing; internet; Tecnologia da Informação e serviços.

13. Desenvolvedor de plataforma Salesforce

Cinco conhecimentos primordiais: Desenvolvimento de Salesforce.com; linguagem de programação Apex; recursos do Salesforce.com; administração de Salesforce.com; e Visualforce. Três segmentos que mais buscam a profissão: Softwares de computadores; Tecnologia da Informação e serviços; e consultoria em gestão.

14. Recrutador especialista em Tecnologia da Informação

Cinco conhecimentos primordiais: Recrutamento em TI; recrutamento; entrevista; pesquisa de executivos; e técnicas de recrutamento. Três segmentos que mais buscam a profissão: Tecnologia da Informação e serviços; recrutamento e seleção; e Recursos Humanos.

15. Coach de metodologia Agile

Cinco conhecimentos primordiais: Kanban; metodologia Agile; Scrum; gestão de projetos em Agile; e agilidade para os negócios. Três segmentos que mais buscam a profissão: Tecnologia da Informação e serviços; softwares de computadores; e internet.

 

Publicado por: UOL 

17 jan
Como tirar suas metas do papel?

iCEV

Pode parecer uma tarefa difícil, mas vamos te dizer como tirá-las do papel e alcançar seus objetivos

 

Você aprendeu como definir metas alcançáveis, mas e agora? Como tirá-las do papel e partir para a ação?
Tudo o que fazemos tem um início, um trabalho e um resultado. A lacuna entre o início e o resultado final precisa ser preenchida para completar as metas. Por isso, nós do iCEV, vamos te dar dicas para tornar isso possível.

A importância de definir suas metas

Por que a definição de metas é tão importante? Significa que você sabe para onde está indo e trabalha diariamente, até chegar ao destino desejado.

Faça planos para criar mentalidade, habilidades e ferramentas para atingir seus objetivos. Crie as condições e o contexto para desenvolver e responsabilidade para trazer a criatividade e o comprometimento para atingir qualquer objetivo.

Mantenha seus objetivos visíveis o tempo todo

É muito importante ter um plano escrito para as metas que você definiu e como pretende chegar lá.

É ainda mais importante olhar para esse planejamento com frequência, porque durante sua jornada, você terá muitas distrações que te colocarão para fora da rota estabelecida pelas suas metas.

Você precisa se manter conectado aos seus objetivos e analisá-los com frequência, portanto, mantenha-os em algum lugar onde possa visualizá-los, em vez de definir metas em um caderno que vai ficar guardado.

Revise suas metas frequentemente e acompanhe seu progresso. Veja onde você está falhando e por quê. Ajuste sua meta com base no seu desempenho, mude o que precisar ser mudado, se não está funcionando para você, não é problema nenhum fazer uma alteração.

Comece a fazer

Você não precisa de um plano mirabolante para suas metas, mas sim um compromisso!

Você precisa entender que ficar parado, não vai te fazer alcançar nada. Esta é a parte difícil para a maioria das pessoas: dar o primeiro passo para chegar ao seu objetivo.

O problema é que a maioria das pessoas terminam todo o planejamento, se preparam para botar a mão na massa, então a hesitação se torna o maior inimigo da situação. O primeiro passo é o mais crítico de todos.

Evite a procrastinação

Um dos maiores inimigos para tirar suas metas do papel é empurrar suas metas com a barriga, não vai te fazer bem. Para evitar a procrastinação:

– Defina claramente datas e prazos.

– Comente o seu objetivo para os outros para que sua promessa o force a começar a trabalhar.

– Trabalhar suas metas em conjunto com outras pessoas, seus familiares por exemplo, é um inventivo a mais.

Às vezes é difícil seguir um cronograma porque coisas inesperadas surgem em nossas vidas, forçando você a empurrar suas datas de vencimento.
Por isso, seja realista e estabeleça uma quantidade máxima para adiar seus objetivos, assim você não vai se acomodar em sempre jogá-los mais para frente. Saiba como crescer na vida e alcançar o sucesso que você sempre sonhou

Antecipe as possíveis dificuldades

Você precisa estar preparado para todas as possíveis dificuldades que podem vir para atrasar suas metas. Prepare-se mentalmente para enfrentar os obstáculos e encontrar os meios e recursos para superá-los.

Faça uma lista de todos os possíveis obstáculos que você acha que poderá encontrar. Em seguida, faça um plano de contingência para superá-los. É claro que existem quedas que você nunca planejou ou esperou, e terá que lidar com esses problemas à medida que eles surgirem.

O mais importante é estar mentalmente preparado para enfrentar qualquer dificuldade ou desafio que surja em seu caminho e estar comprometido em encontrar uma solução.

Mantenha os pés no chão

Seja realista sobre seu objetivo; é realmente possível atingir essa meta? No tempo que você estabeleceu? Você tem a habilidade para fazer essas coisas? Qual é o propósito? É útil ou sem sentido? Faça a si mesmo estas perguntas antes de prosseguir.

Preocupe-se com a produção e não com a vontade de produzir. Visualizar seu resultado significa que você está pensando em um resultado imaginário, além de não fazer nada, tire a cabeça das nuvens e comece a trabalhar em suas metas.

Separe seu dia em blocos

Existe uma técnica chamada Pomodoro, que é um método de produtividade, cuja ideia é dividir o seu tempo em blocos de 25 minutos. Então, se você tem dificuldade em se manter focado em uma atividade, dedique-se 25 minutos a ela, e depois, descanse por 10 minutos. Repita esse procedimento ao longo do dia. É uma técnica eficiente para ajudar a tirar suas metas do papel.

A habilidade que você precisa aqui é autoconsciência, não do que você é, mas do que você está fazendo. Lembre-se de estar constantemente alerta de suas ações ou a falta delas.

Nem todo minuto da sua vida precisa ser planejado

Estabeleça um tempo durante a semana para você relaxar e, realmente, não fazer nada. A pausa é aliada da produtividade.

Fracasso e Sucesso

Nem tudo depende somente de nós, por isso, principalmente, atividades que dependam de outras pessoas, relaxe! Estresse é uma arma contra produtividade.

O fracasso é uma parte da escada que você sobe a caminho para o sucesso. Se você cometer erros, tudo bem. Entenda que cada erro que você encontra lhe dá experiência, e uma vez que uma determinada quantidade de experiências se acumule, você terá sucesso.

14 jan
A parcialidade dos algoritmos

Escola de tecnologia aplicada

Como a inteligência artificial absorve padrões discriminatórios e o que a ciência pode fazer para evitar essas distorções

ALGORITMO DO YOUTUBE CONDUZ A CONTEÚDOS CADA VEZ MAIS EXTREMISTAS, SOBRETUDO À DIREITA NO ESPECTRO POLÍTICO

Alguns algoritmos de inteligência artificial (IA) são desenvolvidos para aprender a reconhecer a música preferida do usuário, o gênero de filmes que lhe interessa, os assuntos que busca no jornal. O objetivo desse tipo de programação é identificar padrões – e, assim, automatizar decisões e facilitar a vida das pessoas. No entanto, por serem feitos para assimilar modelos de comportamento, os algoritmos também podem replicar atitudes que reforçam o racismo, a misoginia e a homofobia. Absorvem, reproduzem e, como resultado, robustecem a discriminação e a intolerância nas mais variadas formas.

Em agosto deste ano, um estudo realizado por pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) apresentou um exemplo tão contundente desse círculo vicioso que repercutiu em diversas publicações da imprensa internacional: um processo de radicalização política no YouTube no contexto norte-americano, onde o algoritmo de recomendação tem um importante papel. “Já havia pesquisas qualitativas e reportagens que mostravam o YouTube como um terreno fértil para a proliferação de comunidades obscuras vinculadas à chamada alt-right [direita alternativa] norte-americana, cujas ideias são intimamente relacionadas à supremacia branca”, diz o cientista da computação Manoel Horta Ribeiro, atualmente doutorando na Escola Politécnica Federal de Lausanne (EPFL), na Suíça. No mestrado na UFMG, sob orientação dos cientistas da computação Wagner Meira Jr. e Virgílio Almeida, ele queria entender como esse fenômeno acontecia.

O grupo vasculhou 331.849 vídeos de 360 canais de diferentes orientações políticas e rastreou 79 milhões de comentários. Um volume imenso de dados, tratável justamente graças a recursos de inteligência artificial. “O único trabalho manual foi a classificação dos canais conforme a orientação política, utilizando estudos e dados de ONGs [Organizações Não Governamentais] como a ADL [Anti-Defamation League]”, diz Ribeiro. Os resultados revelaram que os canais supremacistas brancos são beneficiados pela migração de apreciadores de canais politicamente conservadores de conteúdo menos radical. “Rastreamos a trajetória dos usuários que comentavam vídeos de canais conservadores e descobrimos que, com o passar do tempo, eles comentavam vídeos dos canais mais radicais. Havia uma migração consistente dos conteúdos mais leves para os mais extremos”, lembra Ribeiro. “Ainda estamos tentando entender o porquê dessa migração, mas acho que três razões podem explicar o fenômeno: o formato da mídia, na qual todos podem criar conteúdo e na qual os espectadores interagem muito diretamente com os criadores; o atual cenário político mundial; e o algoritmo, que permite que usuários encontrem ou continuem a consumir conteúdo extremista por meio do sistema de recomendação.”

As pesquisas envolvendo o YouTube vêm se tornando mais relevantes nos últimos anos. Segundo o cientista da computação Virgílio Almeida, professor emérito do Departamento de Ciência da Computação da UFMG, a plataforma de vídeos já se mostrou muito interessante para a ciência. “O número de usuários é enorme – mais de 2 bilhões no mundo e 70 milhões no Brasil –, assim como seu impacto na sociedade”, diz o pesquisador. Seu departamento se tornou um verdadeiro celeiro de pesquisas sobre o fenômeno das redes sociais.

Com experiência anterior em análise de desempenho de sistemas computacionais, Almeida começou a se dedicar às redes sociais em 2007. Em uma sociedade cada vez mais conectada, o número e a abrangência dos estudos nesse campo cresceu. “Além dos alunos de computação, tive estudantes de economia, psicologia e letras. Entre os colaboradores mais recentes alguns são do direito, da administração e das ciências políticas”, enumera Almeida.

Os estudos que tiveram maior repercussão vieram do campo político – polarizado tanto nos Estados Unidos quanto no Brasil. Em 2018, uma análise de discurso de ódio e discriminação em vídeos postados no YouTube por grupos de direita norte-americanos teve destaque na International ACM Conference on Web Science, na Holanda. O trabalho foi reconhecido como o melhor feito por estudantes: os alunos de doutorado Raphael Ottoni, Evandro Cunha, Gabriel Magno e Pedro Bernardina – todos do grupo de Wagner Meira Jr. e Virgílio Almeida.

Para investigar as falas transcritas dos YouTubers e os comentários postados nos vídeos, os pesquisadores da UFMG utilizaram as ferramentas Linguistic Inquiry Word Count (LIWC) e Latent Dirichlet Allocation (LDA). O LIWC permite a classificação de palavras em categorias correspondentes à estrutura das frases (pronomes, verbos, advérbios etc.) e ao conteúdo emocional (se expressam alegria, tristeza, raiva etc.). O LDA busca palavras que possam definir os principais tópicos de uma conversa.

“Utilizamos também uma ferramenta baseada em um teste psicológico para observar o viés dessas postagens”, explica Raphael Ottoni. Segundo ele, a ferramenta se baseia na comparação das distâncias entre palavras situadas em um mesmo contexto, com o fim de estabelecer associações. Isso é feito por meio de técnicas de aprendizado de máquina que convertem as palavras de um texto em vetores de números, por sua vez usados para calcular a similaridade semântica das palavras. Assim, em um determinado assunto, palavras que se situam mais próximas tendem a estabelecer entre si uma associação de significado. “Palavras como cristianismo apareciam no texto associadas com atributos de valor positivo, como bom ou honesto, enquanto islamismo era frequentemente relacionada a terrorismo e morte”, diz Ottoni. Semelhante tendência preconceituosa foi encontrada nas referências a comunidades LGBTQI+.

Essas técnicas foram, então, aplicadas à conjuntura brasileira. Os pesquisadores estudaram vídeos publicados no YouTube durante o período de eleições presidenciais de 2018, em 55 canais identificados com posições políticas desde a extrema esquerda até a extrema direita. Mensagens de ódio e teorias conspiratórias foram identificadas com mais frequência nos canais de extrema direita – e foram justamente esses que tiveram maior crescimento no número de visualizações, possivelmente influenciando o resultado das urnas.

O grupo de pesquisadores está agora finalizando um artigo sobre os resultados dessa análise. Mas, antes mesmo da publicação, o estudo foi citado por uma reportagem do jornal The New York Times, que fez uma série sobre a influência do YouTube em diferentes países, com destaque para o Brasil.

 

FOTO: LÉO RAMOS CHAVES/FAPESP

MECANISMOS DE BUSCA E REDES SOCIAIS REFLETEM E REFORÇAM PRECONCEITOS

Atração perigosa

Segundo Almeida, outras pesquisas já constataram que os algoritmos de recomendação de notícias e vídeos acabam se valendo da atração humana por notícias negativas e teorias conspiratórias para aumentar o engajamento dos usuários com a plataforma. “Uma pesquisa de um grupo do MIT [Instituto de Tecnologia de Massachusetts] publicada na revista científica Science mostra que os medos, as raivas as emoções mais extremas são fatores-chave na disseminação de tweets com falsidades”, destaca.

Da mesma maneira que o algoritmo aprende as músicas e os filmes preferidos do usuário, ele também aprende suas preferências políticas, razão pela qual as plataformas de compartilhamento de conteúdo – como o Facebook – transformam-se em bolhas quase intransponíveis de um determinado espectro político. O usuário recebe apenas as informações que corroboram suas opiniões prévias.

Foi para estudar esse fenômeno – inspirado pelo livro O filtro invisível (Zahar, 2012), do ativista político norte-americano Eli Pariser – que o cientista da computação norte-americano Christo Wilson, da Northeastern University, dos Estados Unidos, entrou no campo das redes sociais, em 2012. “Minhas pesquisas focavam, originalmente, o estudo da personalização dos algoritmos utilizados pelos mecanismos de busca, e desde então tenho expandido para outros tipos de algoritmos e contextos”, disse o pesquisador para Pesquisa FAPESP.

Atualmente em período sabático no Centro Berkman Klein para Internet e Sociedade, da Universidade Harvard, Estados Unidos, onde Almeida atua como professor-associado, Wilson tem acompanhado com interesse os achados dos pesquisadores mineiros. “Gosto muito dos estudos de Virgílio Almeida, Wagner Meira e Fabrício Benevenuto; eles fazem um trabalho incrível nas mídias sociais.” Em 2020, Wilson também pretende se voltar ao campo da política: planeja um grande estudo acerca do impacto das redes sociais nas próximas eleições de seu país. “Vamos monitorar a maioria dos serviços on-line para tentar entender como as pessoas encontram conteúdos e como eles afetam seu comportamento”, adianta.

EM MEIO A UMA PROFUSÃO DE VÍDEOS, É DIFÍCIL FUGIR DE UMA VISÃO PARCIAL

Discriminação algorítmica

A política é apenas um dos muitos temas que têm estimulado pesquisas do Departamento de Ciência da Computação da UFMG. O viés algorítmico pode ser encontrado onde menos se espera – como, por exemplo, nos serviços de assistentes inteligentes de voz do celular. Uma pesquisa realizada em parceria entre a Universidade de Fortaleza (Unifor) e o grupo da UFMG identificou que a eficiência dos assistentes de voz, como Google e Siri, varia conforme o sotaque e o nível de escolaridade.

A cientista da computação Elizabeth Sucupira Furtado, coordenadora do Laboratório de Estudos dos Usuários e da Qualidade em Uso de Sistemas (Luqs) conduziu um estudo qualitativo, em sessões individuais e presenciais, com dois grupos de voluntários: moradores da capital cearense, entre os quais vários nascidos em outros estados, e estudantes de uma classe noturna de Educação de Jovens e Adultos (EJA). “Percebemos que os usuários nascidos nas regiões Sudeste e Sul eram mais compreendidos pelos softwares de assistentes de voz do que os outros”, revela a pesquisadora.

Erros de pronúncia (cacoépia), gagueira ou repetição de palavras e truncamentos (disfluência) também trouxeram prejuízos ao desempenho dos assistentes robóticos. Segundo a pesquisadora, uma vez que o sistema aprende com usuários que têm mais escolaridade, o treinamento dos assistentes de voz tende a se limitar a falas padronizadas. “É importante que as empresas percebam que existe um público que não está sendo atendido”, alerta Furtado. “Essas pessoas continuam excluídas da inovação tecnológica.”

Nos mecanismos de busca também se ocultam preconceitos. Foi o que demonstrou a cientista da computação Camila Souza Araújo em sua dissertação de mestrado pela UFMG, em 2017. Nos buscadores do Google e do Bing, a pesquisadora procurou pelos termos “mulheres bonitas” e “mulheres feias” e constatou um preconceito indiscutível de raça e idade. As mulheres identificadas como bonitas eram, majoritariamente, brancas e jovens. O viés se reproduziu na maioria dos 28 países onde o buscador Bing está presente e 41 países que utilizam o Google, mesmo os situados no continente africano.

A receita do preconceito

Ao utilizar sistemas de aprendizagem de máquina, a sociedade corre o risco de perpetuar preconceitos inadvertidamente, graças ao senso comum que vê a matemática como neutra. Um engenheiro de dados norte-americano, Fred Benenson, cunhou um termo para definir esse risco: mathwashing. Ele se baseou no greenwashing, o uso de estratégias de marketing pelas empresas para simular preocupação ambiental. Da mesma maneira, a ideia de que os algoritmos sejam neutros também beneficia e isenta de responsabilidade as empresas que os utilizam.

Ocorre que os sistemas de inteligência artificial são alimentados por dados, e quem faz a seleção desses dados são seres humanos – que podem ser movidos por preconceitos de forma inconsciente ou intencional. Um exemplo disso foi explicitado por um estudo publicado em outubro na revista Science, liderado por um pesquisador da Faculdade de Saúde Pública da Universidade da Califórnia em Berkeley, nos Estados Unidos. Em um grande hospital daquele país, o grupo norte-americano verificou que o algoritmo responsável por classificar os pacientes mais necessitados de acompanhamento – por estarem em maior risco – privilegiava brancos em detrimento de negros. Isso acontecia porque o sistema se baseava nos pagamentos aos planos de saúde, que são maiores no caso de pessoas que têm mais acesso a atendimento médico, e não na probabilidade de cada um ter doenças graves ou crônicas.

De onde vem o viés

Em um estudo que se tornou referência na área, Solon Barocas, professor de Ética e Política em Ciência de Dados da Universidade Cornell, nos Estados Unidos, e organizador do workshop internacional “Justiça, responsabilidade e transparência na aprendizagem de máquina”, detalhe maneiras de se estabelecer o viés algorítmico

PELA DEFINIÇÃO DO ALVO

Para que a máquina inicie seu aprendizado, ela precisa saber que informações buscar. Por exemplo: se o objetivo é criar um filtro de spam, ela precisa aprender quais são os atributos ou características de uma mensagem que se deseje rotular como spam. Pòde ser o endereço de IP ou determinadas frases do conteúdo (“pílula mágica para perda de peso”, “milhões de dólares para você” etc.)

PELA ESCOLHA DAS AMOSTRAS

O viés ocorre quando o sistema de IA é treinado com dados tendenciosos ou infere dados a partir de amostras enviesadas. Por exemplo: o St. George’s Hospital, no Reino Unido, havia desenvolvido uma ferramenta para classificar candidatos à faculdade de medicina. Mas esse sistema se baseava em exemplos de admissões anteriores, que desfavoreciam mulheres e minorias raciais. O processo automatizado passou a refletir uma discriminação do passado.

PELA COLETA DOS DADOS

O universo de dados pode ser parcial. Por exemplo: o aplicativo Street Bump foi desenvolvido em 2012 pela prefeitura de Boston, nos Estados Unidos, para obter dados sobre as condições das ruas. Os dados, coletados por motoristas voluntários enquando dirigem, fornecem ao governo informações em tempo real para planejar as manutenções necessárias. Como há mais usuários de automóveis e smartphones entre as pessoas mais ricas, bairros pobres ficam de fora.

PELO USO DE MODELOS SIMPLISTAS

Quando uma empresa simplifica demais a seleção de dados, por questão de tempo ou custo, o resultado provevelmente será discriminatório. Por exemplo: um sistema de seleção de vagas de emprego que aceite apenas candidatos formados em universidades com altas mensalidades.

POR CORRELAÇÕES DISTORCIDAS

Nem sempre os dados disponíveis são suficientes para traçar correlações precisas e são usadas informações substitutas. Por exemplo: moradores de uma determinada região têm maiores problemas com inadimplência e um sistema hipotético de IA usa esse dado para decidir se clientes de um banco podem receber empréstimos. Se o CEP da residência tiver relação com a origem racial, ao considerar a região de moradia o sistema discriminaria a etnia.

Controle e responsabilidade

Proteger a sociedade da desinformação e do preconceito disseminados pela inteligência artificial é um desafio que poderia contar com a ajuda da tecnologia: a própria inteligência artificial pode oferecer formas de prevenção e controle.

Já existem, por exemplo, avanços na identificação das notícias falsas, mais conhecidas como fake news. Em outubro de 2018, um grupo de pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) lançou a versão piloto de uma ferramenta digital com esse objetivo. Ela está disponível, gratuitamente, via web ou WhatsApp. Basta submeter a notícia suspeita ao sistema de verificação. Ao constatar indícios de falsidade, o sistema responde: “Essa notícia pode ser falsa. Por favor, procure outras fontes confiáveis antes de divulgá-la”.

Segundo os autores do estudo, por enquanto o sistema consegue identificar, com precisão de até 90%, notícias que são totalmente falsas ou totalmente verdadeiras. Para separá-las, são usados parâmetros como o número de verbos, substantivos, adjetivos, advérbios, pronomes e, sobretudo, erros ortográficos presentes nos textos.

Na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), um grupo liderado pelo cientista da computação Anderson Rocha, diretor do Instituto de Computação, tem se dedicado a desenvolver mecanismos de identificação de informações falsas veiculadas em fotos e vídeos. “Utilizamos técnicas de IA para comparar as informações que estão em determinado texto com comentários e possíveis imagens. Ao verificarmos esses três grupos de informação, apontamos a possibilidade de discrepância que pode levar à identificação de notícia falsa”, diz Rocha.

Os pesquisadores da Unicamp também se dedicam à identificação das falsificações incrivelmente realistas de áudio e vídeo, conhecidas como deep fakes, e ao estudo da autoria de textos postados em rede social, por meio de uma técnica que avalia o estilo de escrita do autor – a estilometria. Outra frente de pesquisa do grupo é a filogenia digital: “Buscamos o processo de evolução de um determinado objeto digital – imagem, vídeo ou texto – que sofre alterações sucessivas em sua versão original”, explica Rocha. O objetivo é identificar como determinada notícia postada em rede social vai sendo modificada ao longo do tempo por diferentes pessoas que adicionam ou removem elementos. “Dificilmente teremos uma única solução, global e genérica, para o combate às fake news, mas desenvolvemos ferramentas pontuais que vão enfrentando caso a caso. Para que conseguíssemos um salto que nos permitisse disponibilizar ferramentas de controle para a sociedade, precisaríamos ter investimento do setor privado tentando trazer esse conhecimento gerado na academia e transformar em produto”, opina o pesquisador.

Do setor privado também se espera maior transparência no desenvolvimento das ferramentas tecnológicas. O termo “responsabilidade algorítmica” tem sido cada vez mais utilizado nos debates sobre o uso da IA. Segundo o advogado Rafael Zanatta, especialista em direito digital e pesquisador do grupo de Ética, Tecnologia e Economia Digitais da USP, ainda não existem leis específicas relacionadas aos aspectos discriminatórios de algoritmos, mas já há iniciativas nesse sentido. Nos Estados Unidos, foi apresentado um projeto de lei denominado Algorithmic Accountability Act. Se ele for aprovado, as empresas terão que avaliar se os algoritmos que alimentam os sistemas de IA são tendenciosos ou discriminatórios, bem como se representam um risco de privacidade ou segurança para os consumidores. “Essa lei segue um pouco da lógica da legislação ambiental, é uma espécie de avaliação de impacto da ferramenta tecnológica”, compara Zanatta.

Em abril deste ano, a União Europeia divulgou uma série de diretrizes éticas para o uso da inteligência artificial. Entre elas, o estabelecimento de medidas que responsabilizem as empresas pelas consequências sociais da utilização da IA e a possibilidade de intervenção e supervisão humanas no funcionamento do sistema.

No Brasil, também se tentou introduzir uma lei prevendo a revisão humana de decisões automatizadas. Um cidadão que se sentisse prejudicado por uma decisão mediada por algoritmos – na concessão de um empréstimo, por exemplo – poderia requerer um revisor para esclarecer os critérios utilizados para a decisão. No entanto, o projeto foi vetado em julho de 2019 pela Presidência da República, sensível ao argumento das empresas de que a revisão humana acarretaria custos adicionais.

FOTO: LÉO RAMOS CHAVES/FAPESP

PESQUISAS SOBRE MULHERES BONITAS REVELAM UMA VISÃO RACISTA

Educação antiviés

Para Virgílio Almeida, a proteção contra o uso tendencioso da IA começa na educação. Ele destaca como exemplo a iniciativa de escolas da Finlândia que estimulam as crianças a desenvolverem espírito crítico e identificarem notícias falsas na web. Não basta, claro, educar o usuário, é preciso educar também o programador. “Para evitar o viés, uma das maneiras é dispor de dados mais diversos para treinar o algoritmo”, lembra o professor.

A estudante de graduação Bruna Thalenberg, uma das fundadoras do Tecs – Grupo de Comput{ação Social}, do Instituto de Matemática e Estatística (IME) da USP, concorda: “O mundo está em constante mudança, os algoritmos não deveriam repetir o passado”. Fundado em 2017 como uma equipe de extensão, o Tecs nasceu do diálogo de estudantes da USP com o colega brasileiro Lawrence Muratta, que fazia ciência da computação na Universidade Stanford, nos Estados Unidos, onde já havia um grupo discutindo a questão do viés.

“Sentíamos que o curso de ciência da computação estava muito afastado da sociedade”, conta o ex-aluno Luiz Fernando Galati, que hoje trabalha no Centro de Ensino e Pesquisa em Inovação da Fundação Getulio Vargas. Ele conta que o objetivo inicial do grupo era promover palestras e debates, mas eles acabaram propondo a inclusão de um novo curso na grade curricular, o que foi feito. “As palestras que promovemos são oferecidas hoje na disciplina direito e software, sob a supervisão dos professores Daniel Macedo Batista e Fabio Kon.” O Tecs também participa da TechShift Alliance, que reúne 20 organizações de alunos universitários das Américas do Norte, do Sul e da Ásia, dispostos a debater as questões sociais ligadas à inteligência artificial. Os grupos se reúnem em um evento anual, chamado TechShift Summit.

Como seu próprio nome indica, além da reflexão, o grupo tem o propósito de se dedicar à ação, por meio de projetos que permitam a grupos marginalizados o acesso ao universo digital. Um desses projetos é o ensino de lógica de programação para alunos do Centro de Atendimento Socioeducativo ao Adolescente, a Fundação Casa. “O projeto surgiu de um contato entre uma integrante do Tecs e o Projeto Primeiro Livro, que fazia ações em unidades da Fundação Casa e em escolas públicas. A primeira turma do curso iniciou no segundo semestre de 2018”, conta a estudante Jeniffer Martins da Silva, educadora do projeto. Desde sua criação, mais de 40 jovens já passaram pelo curso.

Para os integrantes do Tecs, não são apenas os grupos atendidos pelo projeto que podem se beneficiar com os cursos, mas a área da ciência da computação como um todo. “Qualquer equipe com mais diversidade tem melhor desempenho. Mais riqueza de perspectivas leva a melhores e mais inovadoras soluções para os desafios que precisarem superar”, conclui Silva.

Publicado por: NEXO Jornal 

13 jan
Marketing Digital em 2020: saiba quais são as 7 maiores tendências

Escola de negócios e gestão

Inteligência artificial, análise de sentimento, busca visual: as tendências de Marketing Digital em 2020 são muitas. Entender como utilizá-las a favor de sua empresa pode ser o diferencial que você precisa para encantar os consumidores e começar o ano na frente da concorrência

O uso de redes sociais para interagir com consumidores foi uma das grandes revoluções proporcionadas pelo marketing na era da transformação digital

Entra ano, sai ano e o Marketing Digital segue se consolidando como uma das ferramentas mais eficientes para atrair consumidores e ampliar o alcance de uma marca.

O sucesso de estratégias voltadas para a internet atrai empresas de todos os tamanhos, o que faz com que a engrenagem de novidades nesse nicho gire cada vez mais rápido.

Para ser bem-sucedido em 2020, é preciso saber mais do que você sabia em 2019. Afinal, acompanhar as mudanças nas preferências da audiência e ficar por dentro das tendências que surgem a cada dia é fundamental para se destacar em um mercado já caracterizado pela alta competição.

Por isso, é bom se preparar o quanto antes para explorar as novas tecnologias que vêm surgindo e adotar as práticas mais recomendas para lidar com o público atual.

Pensando nisso, elaboramos este texto para listar as 7 principais tendências de Marketing Digital para 2020. Continue a leitura e acompanhe!

 

1. Uso de chats privados para comunicação

O uso de redes sociais para interagir com consumidores foi uma das grandes revoluções proporcionadas pelo marketing na era da transformação digital.

Esses canais servem como plataformas para atrair a atenção da audiência e, em casos mais avançados, dispõem de chats privados que podem ser usados para o atendimento.

O sucesso na comunicação via mensagem direta em redes como o Twitter e o Instagram fez com que as marcas olhassem com maior atenção para essa funcionalidade.

Os chats privados, afinal, são checados frequentemente pelos usuários e já fazem parte de sua rotina digital. Podemos dizer que é uma versão mais jovem e atual do email.

Seguindo esse pensamento, por que não investir na comunicação em aplicativos que, em essência, funcionam como chats privados?

É o caso, por exemplo do WhatsApp, cujas funcionalidades já vem sendo utilizadas para vendas há algum tempo. A tendência é que isso aumente e se expanda para outras áreas, como a nutrição de leads.

atendimento no whatsapp

 

Em vez de oferecer uma newsletter, por exemplo, algumas marcas já oferecem aos seus seguidores a inclusão em grupos do WhatsApp ou em listas de transmissão.

A popularidade do aplicativo, que o levou a ser comprado pelo Facebook em 2014, contribui para a eficácia desse tipo de abordagem.

Agora imagine se, além de servir como canal de atendimento e divulgação, o chat privado possa servir como ferramenta para a conclusão de compras.

Trata-se de uma tendência provável de ser desenvolvida. Na Índia, o app já permite a transação de dinheiro entre usuários, o que facilita a vida de empresas. Enquanto o serviço não é disponibilizado no Brasil, já é uma boa ideia se programar para explorá-lo assim que possível.

 

2. Ampliação do investimento em inteligência artificial

inteligência artificial chegou para ficar. Hoje, a tecnologia já é aplicada em recursos como os chatbots, atendentes virtuais que simulam um humano e conseguem aprender com as interações com os usuários.

A tendência é que esse tipo de aplicação seja apenas o começo de uma expansão de possibilidades.

Um exemplo que não deixa dúvidas da importância dessa tecnologia é o crescimento das buscas por voz. Já em janeiro de 2018, o número de pesquisas na internet utilizando esse recurso já ultrapassava a marca de 1 bilhão por mês. Sua popularidade, então, não é a grande novidade.

O que muda é que o desenvolvimento tecnológico vem tornando a experiência dos usuários cada vez mais qualificada. Hoje, a maioria dos serviços de reconhecimento de voz consegue processar até falas mais confusas, como as proferidas por crianças pequenas. Tal tecnologia é, portanto, algo cada vez mais presente na rotina das pessoas.

Cabe às empresas, então, usar essa tendência para ampliar a própria presença.

Ao otimizar o marketing em serviços como o Waze e o Google Maps, por exemplo, você vai permitir que assistentes virtuais, como a Alexa, encontrem e recomendem seu estabelecimento aos usuários em localizações próximas.

 

3. Aumento da personalização da experiência

Se você acessar qualquer rede social, notará que o feed traz, com frequência, recomendações baseadas em sua experiência na internet.

Os assuntos que você mais se interessa, os canais que você mais acessa e até perfis de possíveis conhecidos são oferecidos para enriquecer e personalizar sua navegação.

Nada disso é por acaso. A personalização dos conteúdos para agradar ao usuário é uma tendência que vem se desenvolvendo há algum tempo e promete alcançar seu pico em 2020.

Se você não conhece a importância desse movimento para os seus resultados. Segundo uma pesquisa da Accenture Interactive 91% dos consumidores se declaram mais propícios a comprar com marcas que trazem ofertas e recomendações relevantes aos seus interesses. Bem, se você aplica uma estratégia de email marketing já sabe o que isso significa, não é?

A personalização no envio de ofertas e no oferecimento de newsletters já é algo considerado essencial. A tendência é que esse canal, em 2020, receba ainda mais atenção.

 

4. Valorização da transparência de empresas

Para personalizar a experiência dos usuários, é primordial contar com dados da audiência. Só assim é possível saber suas preferências, horários de maior interação e até as informações mais básicas, como nome, gênero e endereço de email. O crescimento do uso desses dados, contudo, gerou um efeito negativo.

Sem regulamentação clara sobre o assunto, diversas companhias utilizam os dados de consumidores de forma questionável. Isso veio à tona em casos recentes de vazamento, como o protagonizado pelo Facebook. O resultado natural é a desconfiança desenvolvida por grande parte do público.

Se por um lado as empresas que utilizam práticas duvidosas encontram maior dificuldade para se relacionar com a audiência, aquelas que prezam pela transparência conseguem se destacar.

Um estudo apontou que companhias produzindo conteúdo de forma honesta conseguem reter até 94% dos clientes.

Adotar esse tipo de política é algo mais essencial se pensarmos na iminência da Lei Geral de Proteção de Dados, que entra em vigor em 2020. Com ela, além de agradar ao consumidor, a adoção de princípios transparentes passa a ser importante para evitar punições legais. Confira o que você pode fazer para botar sua empresa nesse caminho:

  • estabeleça os valores, a missão e a visão do seu negócio;
  • deixe claro que seu interesse não se resume aos lucros;
  • responda com honestidade aos questionamentos dos consumidores;
  • só utilize dados sob permissão de seus donos;
  • abra espaço para os feedbacks e valorize sua importância.

 

5. Expansão da busca visual

busca visual é um recurso cada vez mais frequente em buscadores, que permite que uma pesquisa se inicie a partir de uma imagem enviada pelo usuário, que pode ser até mesmo um printscreen.

Trata-se de uma tendência que segue a linha de otimização constante da experiência dos usuários.

O uso de figuras para a realização de buscas é mais interessantes do que o de textos ou áudios por um simples motivo: 90% das informações transmitidas ao cérebro humano são em forma de imagem (que inclusive são processadas 60 mil vezes mais rápido que qualquer texto). Então, como o marketing pode explorar isso?

Um método muito interessante é a integração desse tipo de busca com e-commerces.

Ferramentas como o Pinterest Lens permitem que o usuário, ao ver um item que o interessa em uma imagem, possa buscar artigos semelhantes nos catálogos de lojas digitais com apenas um clique.

pinterest lens

Por isso, é fundamental manter seu inventário atualizado e otimizar o SEO, especialmente o relacionado às imagens. Inserir title tags e descrições é fundamental para que o algoritmo de busca entenda do que se trata a figura e possa relacioná-la às pesquisas realizadas pelos usuários.

De acordo com uma pesquisa realizada pela Criteo, empresas que investirem nesse recurso vão, até 2021, experienciar um aumento de até 30% em suas margens de lucro.

Além disso, segundo a Slyce, o uso da busca visual já aumenta as visualizações do produto em 48%, a taxa de permanência no site em 58% e causa um aumento de 9% no ticket médio.

 

 

6. Criação de conteúdos em áudio

Assim como as imagens, o áudio é um elemento que vem se popularizando no Marketing Digital, principalmente no que diz respeito às buscas por voz. Porém, a tendência vai muito além da mera realização de pesquisas por meio da fala.

Em busca de experiências cada vez mais ágeis e eficientes, os usuários têm dado muita atenção a conteúdos sonoros.

A mera inclusão de um player como alternativa à leitura de um texto torna o conteúdo mais atraente para a audiência, que pode apertar o play e se dedicar a outras tarefas de forma simultânea.

áudio em conteúdo

Isso é apenas um indicativo da força desse tipo de conteúdo. Se você quiser mesmo explorar os benefícios de um material disponibilizado por áudio, valer considerar a criação de um podcast.

Esse tipo de mídia apresenta um grande crescimento. Só nos Estados Unidos, o número de ouvintes praticamente triplicou na última década.

Se o podcast trouxer um conteúdo considerado de valor, seu efeito na audiência é enorme. Como se trata de uma oferta gratuita, o cliente vai se sentir privilegiado por ter acesso às informações do programa. O resultado é a recomendação para terceiros e a ampliação do alcance orgânico da sua marca.

Vale lembrar que, assim como os conteúdos criados para o seu blog, o podcast não precisa — nem deve — ser relacionado diretamente ao seu produto. A ideia é criar uma experiência diferenciada para sua persona e, a partir disso, expandir sua autoridade no mercado.

 

7. Crescimento do uso da análise de sentimento

Quando fazemos um post em uma rede social, tentamos gerar reações positivas na audiência, concorda?

Geralmente, a partir dos comentários deixados pelas pessoas que visualizam o conteúdo, é possível assumir se ele causou uma reação agradável ou não, mas isso fica complicado quando o volume de interações é muito grande.

Mais uma vez, a inteligência artificial vem ao resgate. Por meio da combinação de técnicas de Processamento de Linguagem Natural (PLN) e machine learning, já existem sistemas capazes de atribuir pontuações ponderadas de sentimentos às frases deixadas por usuários da internet. É o que chamamos de análise de sentimento.

O objetivo é classificar os comentários como positivos, negativos ou neutros de forma automática. A partir disso, é possível estabelecer uma média do sentimento geral da audiência.

Uma das métricas mais utilizadas nesse sentido é a saúde do monitoramento, calculada com a divisão dos comentários neutros ou positivos pelo total de interações.

Isso se torna possível a partir da análise de palavras-chave deixadas pelos usuários, como “gostei” “odiei” etc. Com o tempo, a capacidade de aprendizado do sistema permite que ele aprimore os critérios utilizados para mensuração.

Com esse tipo de insight, você pode manter sua estratégia de conteúdo em constante otimização. Afinal, será possível notar padrões e identificar os tipos de linguagem, elementos visuais e gatilhos causam no público o sentimento desejado pela equipe de marketing.

O melhor de tudo é que esse tipo de análise não se restringe às suas redes sociais. Basicamente, qualquer estrutura de dados que contem com conteúdos textuais podem gerar insights sobre o sentimento de quem publicou. Assim, é você pode usar o recurso para monitorar a opinião pública sobre a marca ou sobre produtos específicos.

Para atuar com excelência no mercado atual, é preciso mais do que bons produtos e serviços. Sua empresa precisa saber como utilizar os recursos disponíveis de modo a oferecer as melhores experiências para o consumidor e possibilitar o aumento das oportunidades de negócio.

Por isso, acompanhar as tendências de Marketing Digital é papel fundamental de qualquer profissional da área. Essas mudanças são sempre ligadas ao comportamento do público, cujo entendimento é fundamental para a elaboração de estratégias eficientes.

 

Fonte: Rock Content 

Tem uma pergunta?
Nós estamos aqui para ajudar. Envie-nos um e-mail ou ligue-nos para (86) 3133-7070
Entrar em contato!
© 2017 iCEV Instituto de Ensino Superior