fbpx

15 nov
Startup x Investidor: quais os atributos para o match?

Escola de negócios e gestão

Poder contar com o aporte financeiro de terceiros para fomentar o negócio e fazer a startup crescer é o sonho de todo empreendedor no early stage, seja para trazer escala às vendas, ganhar mercado, engordar o faturamento ou tornar-se rentável.

No Brasil, o capital de risco ainda é muito inferior ao de economias mais maduras, como a dos Estados Unidos e a do Reino Unido. Enquanto lá fora o percentual chega a 2%, aqui não alcança um décimo disso. Ainda assim, de acordo com a Lavca (Associação de Venture Capital da América Latina), em 2018, o valor investido em startups latino-americanas praticamente dobrou, se comparado a 2017.

Só o Brasil respondeu por quase 70% desse acréscimo, com US$ 1,3 bilhão em 2018 (51% maior que o ano anterior). Esse potencial precisa ser explorado e o primeiro entendimento para isso é o de que o venture capital não é um adventure capital. Alguém disposto a investir em startup vai querer certificar-se de que está colocando dinheiro em algo com boas chances de lucratividade.

Não conhecer o mercado, os concorrentes, ter o projeto ainda embrionário – no papel –, dedicar-se a outras atividades sem estar focado no desenvolvimento da startup, repelem o venture capital. Passar a ideia de que dispõe de recursos, mas prefere que outros assumam o risco também não é um atrativo para o investidor.

Para vender o negócio e chamar a atenção em meio a um ecossistema que já conta com mais de 12 mil startups, é preciso uma atitude positiva, ser hands on, reunir colaboradores que possam ajudar com soluções, adotar boas práticas. Isso é suficiente? Embora as pessoas comprem de pessoas, para fazer dinheiro não basta ter um propósito bem definido e acreditar nele. O capital de risco busca oportunidades em negócios promissores e isso significa dizer que é preciso apresentar algo concreto: um plano de negócio, um protótipo, um estudo de mercado, um produto minimamente viável. Os investidores descartam ideias se elas não forem executáveis. Tê-las bem estruturadas, formatadas e em aplicação são os atributos para o match.

Remando contra a cultura dominante e tentando mudá-la, o empreendedor deve cercar-se de informações financeiras, fiscais e trabalhistas. Ter um contador ou advogado de confiança é um elemento cada vez mais notado pelos empreendedores. Se antes este cuidado vinha apenas depois de um tempo de iniciado o empreendimento, os novos players estão combinando sua ousadia com leis, contabilidade e finanças. As chances de sobrevivência serão muito maiores.

Fonte:Startupi

14 nov
Prisão em 2ª instância: das mudanças, o que você realmente precisa saber

Escola de direito aplicado

Vem entender de forma simplificada o que mudou sobre a prisão em 2ª instância, com a decisão do STF.

Depois dos últimos acontecimentos sobre a prisão em 2ª instância, me deparei em algumas conversas com pessoas que estão acompanhando as notícias, mas que apesar das tentativas, não conseguiram entender o que aconteceu. A verdade é que muitas das notícias direcionadas para o povo, de jornais na TV, revistas e blogs regionais não são claras e precisas o suficiente para o público leigo.

Mesmo se tratando de um tema em sua maioria jurídico, saiba que a explicação pode ser simples e objetiva. Por isso senti a necessidade de escrever esse artigo, então bora lá!

Um panorama geral

Considere João como nosso exemplo:

Na justiça brasileira, quando João comete um crime e é levado à julgamento, ele pode ser julgado até 3 vezes por juízes diferentes, na tentativa de ser considerado inocente em alguma dessas vezes. No direito, chamamos essa pirâmide com 3 chances, de 3 instâncias. São elas:

  • 1ª instância: essa é a principal porta de entrada do judiciário. É aqui onde atua o juiz de Direito, e onde será julgado pela primeira vez o crime cometido por João.
  • 2ª instância: caso João não concorde com a sentença dada pelo juiz de 1ª instância, ele pode recorrer para que seu caso seja julgado novamente. Quando isso acontece, o processo sobe para a 2ª instância.
  • 3ª instância: a instância superior (ou 3ª instância) é a última, e é lá onde será julgada a decisão recorrida por João, em 2ª instância.

Depois de passar pelas 3 instâncias, João não pode mais recorrer pra lugar nenhum. Ou seja, se ele for condenado em 3ª instância, irá cumprir a pena destinada na última decisão, pois já terão sido utilizados todos os seus recursos.

É possível recorrer tantas vezes porque no Direito, toda e qualquer pessoa é considerada inocente até o trânsito em julgado da decisão (até ser julgado pelas 3 instâncias, caso recorrida). Isso é chamado de “princípio da presunção de inocência”.

Como era antes e como é agora?

Até semana passada, uma pessoa poderia ir pra prisão logo após a condenação em 2ª instância. Então, se o juiz de 1ª instância condenasse o cidadão, e após recorrer na 2ª instância o juiz o condenasse novamente, a pessoa já iria presa.

O fato é que o condenado ainda poderia recorrer na 3ª instância, mas iria aguardar esse julgamento preso.

Mas ainda na semana passada, o STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu que: a pessoa só poderá ser presa após a condenação nas 3 instâncias! Ou seja, agora uma pessoa só pode ser presa depois de esgotados todos os seus recursos. E é essa decisão que tem causado discussões por aí.

Caso Lula: acontece que o ex-presidente Lula foi condenado em 2ª instância, e por isso estava preso (lembra que antes isso era permitido?) Mas após a mudança, não é mais. Então por isso ele foi solto, ele foi e mais de 5 mil presos podem ser. A recente mudança foi colocada em prática. Então a partir de agora, vários presos serão beneficiados com essa mudança, e quando isso acontecer, você entenderá o motivo.

Fonte: JusBrasil

08 nov
4 desafios que as mulheres enfrentam na hora de empreender e como superá-los

Escola de negócios e gestão

Quando se trata das mulheres, a tendência é que e a jornada seja (no mínimo) dupla

 

Ter uma rede de apoio e buscar capacitação são algumas das medidas para superar desafios

 

Empreender é desafiador e, em especial no começo, envolve acumular diferentes funções e estar disponível o tempo todo. Quando se trata das mulheres, a tendência é que e a jornada seja (no mínimo) dupla. Afinal, muitas ainda acumulam funções dos seus lares e não recebem o mesmo estímulo que os homens para ter seu próprio negócio.

Em entrevista, a consultora do Sebrae Maria Augusta Pimentel Miglino destacou os quatro principais desafios que afligem as empreendedoras nesse caminho. Para cada um deles, algumas práticas podem ajudar na superação e no melhor desenvolvimento do negócio. Confira:

 

Vida pessoal

Cuidar dos filhos, de familiares idosos e dos afazeres domésticos não são obrigações exclusivas das mulheres,  mas como sabemos, ainda é comum que elas sejam mais sobrecarregadas por elas do que os homens. Não à toa, uma pesquisa realizada pela Rede Mulher Empreendedora mostrou que 70% delas abrem um negócio em busca de flexibilidade.

Porém, equilibrar os compromissos familiares com os do negócio ainda é um desafio, segundo a consultora Maria Augusta. A solução para mitigá-lo passa por vários fatores, entre eles, o diálogo. “O ideal é ter uma rede de apoio de pessoas que possam ajudá-las, tanto na família quanto na empresa. Também é preciso engajar os homens nesse debate e mostrar que os fardos devem ser divididos”, diz ela.

Quem comanda um negócio também deve levar o tema em conta no que diz respeito às suas funcionárias. Miglino destaca que empresas com mais estrutura podem investir, por exemplo, na oferta de berçários dentro do seu próprio espaço. Outras opções incluem um auxílio para o pagamento de creches, a oferta de jornadas mais flexíveis e uma licença-maternidade mais longa. “Medidas como essas criam um ambiente mais seguro para que as mulheres voltem a trabalhar depois de ter um filho.”

 

Acesso ao crédito

Segundo dados do Sebrae, as mulheres têm um nível de inadimplência ligeiramente mais baixo do que os homens (3,7% contra 4,2%). Apesar disso, Miglino afirma que elas tendem a ter mais dificuldade de acessar crédito para os seus negócios. Em média, também pagam taxas anuais de juros 3,5% maiores do que os homens.

De forma geral, dois fatores influenciam nesse cenário. Um deles é a postura de muitos gerentes de bancos diante de negócios comandados por mulheres. “Para muitos, elas não são a figura que deveria estar à frente da empresa ou não são capacitadas para conduzir determinadas iniciativas”, afirma.

Em muitos casos, também falta experiência ou segurança na hora de negociar empréstimos. Superar os dois pontos, segundo a consultora, envolve desde fortalecer a auto-confiança até desenvolver melhores técnicas de negociação. “Existem vários cursos sobre esse tema, mas essa competência será realmente desenvolvida ao longo da vida”, afirma a consultora. “O mais importante é ter confiança e se sentir à vontade para negociar, mesmo que alguém questione sua capacidade.”

 

Mortalidade dos negócios

Segundo a consultora, negócios comandados por mulheres tendem a morrer mais cedo que os comandados por homens. Embora seja difícil estabelecer uma relação de causa e efeito, ela explica que é possível ter alguns indícios das causas a partir das condições em que elas empreendem.

Dados do Sebrae mostram que 44% delas, por exemplo, empreendem por necessidade (como para superar o desemprego ou aumentar a renda). Entre os homens, o percentual é de 32%. “Grande parte delas abre um negócio não porque teve uma ideia genial ou porque sonhava com isso, mas porque precisou começar a vender doces ou fazer o cabelo da vizinha para ganhar dinheiro”, explica a consultora.

Uma média de 40% delas também empreendem sem ter uma experiência anterior no setor, contra um percentual de 27% entre os homens. Segundo a consultora, as principais causas para a mortalidade de uma empresa são dificuldades de planejamento, gestão financeira e falta de experiência para lidar com funcionários. “Para que uma empresa gerenciada por uma mulher viva mais, é importante que ela se capacite em diferentes frentes.”

 

Faturamento mais baixo

Embora as mulheres sejam 16% mais escolarizadas que os homens, segundo dados do Sebrae, as empresas comandadas por elas faturam, em média, 22% menos que as deles. Miglino diz que as explicações para esse fator, embora ainda sejam estudadas, são influenciadas pelos fatores anteriores e pela posição da mulher na sociedade.

“Geralmente esses negócios são menos rentáveis, têm menos valor agregado e estão em setores pouco avançados em tecnologia, até pelo fato de muitas empreenderem por necessidade”, explica. Setores como robótica, biotecnologia, tecnologia da informação e fintechs, que têm mais potencial de escalar, ainda têm baixa presença feminina.

A solução para esse ponto, segundo ela, começa já na educação primária, quando as meninas podem ser mais estimuladas a se interessar por disciplinas como matemática e robótica. Na idade adulta, elas também podem ser beneficiadas por programas de incentivo à participação em setores como o tecnológico. “Também precisamos mostrar mais exemplos de mulheres bem sucedidas, incluindo desde cientistas até empreendedoras.”

Essa, aliás, é uma das propostas da sala 1.000 Mulheres da Feira do Empreendedor 2019 Sebrae-SP. Entre as palestrantes estão algumas das empreendedoras atendidas pelo programa de mesmo nome, que foca na capacitação de mulheres em situação de vulnerabilidade. Após uma primeira ação, realizada em São Paulo (SP), o projeto será aberto à população de todo o estado.

 

Fonte: Pequenas Empresas & Grandes Negócios 

01 nov
O STF e a prisão antes do trânsito em julgado: o que está em jogo?

Escola de direito aplicado

O que está em jogo nas ADCs 43, 44 e 54?

O Professor Horácio Neiva, Doutorando e Mestre em Direito (USP),  explica o que está em jogo nas ADCs 43, 44 e 54, e os problemas que a ala favorável à antecipação da pena irá enfrentar:

 

29 out
Esta é a principal dificuldade dos donos de pequenas empresas

Escola de negócios e gestão

Pesquisa realizada pelo Sebrae entre maio e agosto deste ano, traçou o perfil dos empresários de micro e pequenas empresas

A conquista de clientes ainda é a principal dificuldade encontrada no dia a dia pelos donos de pequenos negócios no Brasil, assim como uma das razões mais apontadas como causa para o encerramento de suas atividades.

É o que indica a pesquisa feita pelo Sebrae envolvendo mais de 10 mil empreendedores de todo o país. A alta carga tributária também foi apontada pelos empresários como um dos obstáculos para os negócios. Segundo o levantamento, um a cada três empreendedores admitiram já ter atrasado o pagamento de algum imposto.

A pesquisa feita pelo Sebrae teve como objetivo levantar o perfil dos empresários donos de microempresas (ME) e Empresas de Pequeno Porte (EPP). O trabalho identificou que, para 24% dos empreendedores, conquistar clientes e vender mais é uma das maiores dificuldades para quem decide abrir o próprio negócio.

Outros 17% apontaram a carga tributária como obstáculo, enquanto 10% dos entrevistados afirmaram não enfrentar adversidades. Entre outras dificuldades identificadas pela pesquisa, apareceram a mão de obra, inadimplência, problemas para conseguir crédito e controlar ou gerenciar o dinheiro da empresa.

“O acesso a crédito ainda é um ponto de fragilidade para as micro e pequenas empresas, mas que começa a mudar com a criação e expansão da Empresa Simples de Crédito pelo país. Com dinheiro no caixa, o dono do pequeno negócio ganha fôlego para investir em ações de marketing para também atrair mais clientes”, pondera o presidente do Sebrae, Carlos Melles.

Eleita como a segunda maior dificuldade dos empresários, a alta carga tributária também preocupa e faz com que o empreendedor atrase o pagamento de algum tipo de imposto. Isso aconteceu, de acordo com o levantamento, com 31% dos donos de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte. Nesse universo, uma parcela expressiva de empresários (43%) ainda não conseguiu regularizar o pagamento dos tributos.

Mais da metade das pessoas ouvidas (52%) admitiram que necessitam de uma maior capacitação na área de controle e gestão financeira, enquanto 47% afirmam que precisam de qualificação na área de propaganda e marketing e 44% enfrentam ainda dificuldade com a gestão das redes sociais da empresa. Percentual igual ao de empresários que precisam de treinamento para melhorar a qualidade de seus produtos ou serviços. Saber atender melhor o cliente e buscar orientação para a obtenção de crédito ou empréstimo é a carência apontada por 42% dos entrevistados.

A pesquisa do Sebrae também confirmou a importância da formalização para os donos de micro e pequenas empresas. Cerca de 70% dos empreendedores têm o próprio negócio como única fonte de renda. Mesmo percentual indicado para os empresários que apontam a abertura do negócio como uma medida que possibilitou maior ganho financeiro. Já para 77% dos entrevistados, a obtenção de um CNPJ foi a ferramenta que assegurou melhores condições no momento de compra junto aos fornecedores.

Números da pesquisa

  • 24% avaliam a dificuldade de conquistar a clientela como maior desafio
  • 17% reclamam da carga tributária
  • 52% desejam maior qualificação nas áreas de controle e gestão financeira
  • 44% ainda não sabem usar as redes sociais
  • 31% já deixaram de pagar algum tipo de imposto
  • 31% já buscaram e conseguiram empréstimo
  • 18% começaram a empreender por necessidade
  • 50% estão no negócio por ter tido conhecimento ou experiência

22 out
O que é SQL e para que ele serve?

Escola de tecnologia aplicada

SQL significa “Structured Query Language”, ou “Linguagem de Consulta Estruturada”, em português.

Você já ouviu falar em SQL? Essas três letrinhas são muito frequentes em vagas de emprego, e seus conhecimentos têm sido cada vez mais requisitados no mercado. Neste artigo vamos explicar o que é o SQL, para que serve e por que você deveria se preocupar em aprendê-lo o quanto antes.

O que é SQL?

SQL significa “Structured Query Language”, ou “Linguagem de Consulta Estruturada”, em português. Resumidamente, é uma linguagem de programação para lidar com banco de dados relacional (baseado em tabelas). Foi criado para que vários desenvolvedores pudessem acessar e modificar dados de uma empresa simultaneamente, de maneira descomplicada e unificada.

Para que serve?

A programação SQL pode ser usada para analisar ou executar tarefas em tabelas, principalmente através dos seguintes comandos: inserir (‘insert’), pesquisar (‘search’), atualizar (‘update’) e excluir (‘delete’). Porém, isso não significa que o SQL não possa fazer coisas mais avançadas, como escrever queries (comandos de consulta) com múltiplas informações.

(Fonte: SQL Server Tutorial/Reprodução)

Por que aprender SQL?

Segundo a Dataquest, escola referência em ciência de dados, existem três motivos primordiais pelo qual profissionais que usem dados precisam se preocupar em aprender a linguagem SQL:

  • 1. SQL é usado em qualquer lugar;
  • 2. Está em alta demanda, já que muitas empresas o utilizam;
  • 3. Embora já existam outras alternativas, o SQL nunca vai deixar de ser relevante.

É uma linguagem fundamental para qualquer profissional de análise, ciência ou engenharia de dados, sendo ainda mais usada do que Python e R. Contudo, devido a sua simplicidade, não é necessário ser um programador para aprendê-la, e em cada vez mais áreas têm sido exigido o conhecimento em SQL como complementar em tarefas cotidianas.

Áreas que requerem ou podem requerer SQL:

  • Programação
  • Engenharia de software
  • Administrador de banco de dados
  • Analista de Qualidade
  • Business Intelligence
  • Desenvolvimento
  • Marketing e Conteúdo e Redes Sociais
  • Consultoria
  • Gestão de Projetos
  • Tecnologia da Informação
  • Engenharia de Redes
  • Suporte Técnico
  • Big Data
  • Jornalismo de Dados

E, basicamente, qualquer área que lide com tecnologia, e tenha seus próprio banco de dados, poderá exigir conhecimento em SQL como complemento profissional.

(Fonte: Dataquest/Reprodução)

Importância no mercado

Segundo o Guia de Profissões e Salários da Catho, a média salarial de um analista de sistemas SQL no Brasil é de R$ 3.473,19; já gerentes, coordenadores e consultores de bancos de dados podem ter salários acima de R$ 7 mil.

Com o mundo digitalizado de hoje, saber lidar com grandes quantidades de dados é fundamental. A linguagem SQL já é tida como um dos conhecimentos pilares de qualquer profissional que atua com tecnologia; além disso, com a alta competitividade do mercado, saber uma informação tão útil quanto o SQL com certeza é um ótimo diferencial.

Fonte: TecMundo

18 out
10 dicas para se dar bem no Exame da OAB

Escola de direito aplicado

Sem dúvida, é um grande desafio acertar a maioria das 80 questões objetivas da OAB.

A primeira fase do exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) exige que os candidatos estejam muito bem preparados para obter um excelente desempenho. Isso porque o conteúdo abrange 17 matérias relacionadas com diversos segmentos do direito. Sem dúvida, é um grande desafio acertar a maioria das 80 questões objetivas da OAB.

O desafio é tamanho que menos de 15% dos candidatos ao exame da Ordem conseguem a sonhada carteirinha vermelha.

É praticamente impossível ter o domínio absoluto de todas as disciplinas que fazem parte do exame. Por isso, o candidato deve ter uma preparação voltada para resolver a prova de múltipla escolha de maneira simples e prática, buscando diminuir os erros cometidos por falta de atenção.

Claro, você deve investir todo o seu tempo até o exame da OAB para ampliar os seus conhecimentos em direito, sobretudo naquelas matérias que são mais recorrentes na prova. Mas existem algumas técnicas para acertar uma questão objetiva da OAB, mesmo sem ter conhecimento pleno do conteúdo abordado.

Pensando nisso, vamos apresentar neste post 10 dicas para você conseguir uma ótima performance na primeira fase da OAB, ainda que não domine todo o conteúdo. Confira!

1. Faça uma leitura atenta dos enunciados das questões objetivas da OAB

Antes de responder a uma questão, procure fazer uma leitura completa do conteúdo. Assim, você tem mais condições de compreender o que está sendo exigido, e dificilmente vai cair nas famosas pegadinhas.

O examinador não vai elaborar um teste somente com questões fáceis. Por esse motivo, para ser aprovado no exame da Ordem dos Advogados do Brasil, a leitura dos enunciados e a capacidade de interpretá-los ajudam a encontrar a resposta certa.

A leitura do enunciado esclarece pontos como o embasamento do examinador para elaborar a questão. Como você sabe, em direito são comuns as controvérsias entre a lei, a jurisprudência — decisões reiteradas dos tribunais em um mesmo sentido — e a doutrina, os estudos acadêmicos sobre direito.

A depender da fonte utilizada pela FGV, uma mesma questão da OAB pode ter respostas diferentes. Isso pode até ensejar um recurso, mas, se a questão estiver correta de acordo com qualquer uma dessas fontes, dificilmente a FGV a anulará.

Em todo caso, o melhor é ler atentamente o enunciado para responder à prova da OAB conforme o gabarito.

2. Elimine as alternativas absurdas

Em geral, as provas da OAB são compostas por questões com quatro alternativas de resposta, e a sua leitura atenta facilita bastante identificar as proposições com conteúdo absurdo.

Se o candidato identificar itens incorretos com facilidade, ele tem mais chances de acertar as questões, o que aumenta a confiança e as possibilidades de obter a aprovação.

Pense bem, cada questão objetiva da OAB possui quatro alternativas. Se você chutar cegamente sem ao menos ler o enunciado, terá 25% de chances de acerto. Caso você leia a prova e encontre duas alternativas explicitamente inconstitucionais em desacordo com princípios básicos do direito, a sua chance de acerto sobe para 50%.

Não se engane, você encontrará algumas alternativas absurdas com informações como “no Brasil é admitida a tortura, desde que…” ou “não é admitido tribunal de exceção, exceto…”.

3. Circule o que é pedido pelo comando da questão

Por causa da ansiedade, é comum um candidato marcar o primeiro item considerado certo/verdadeiro numa questão. Em alguns casos, essa ação pode levar a um erro primário porque, dependendo do estilo do exame, pode ser pedido para escolher a alternativa errada/falsa.

Para evitar problemas, circule o que o examinador deseja como resposta. Dessa maneira, você sabe o que deve ser marcado na questão, prestando mais atenção na hora de resolvê-la.

Essa marcação vai ajudar a ganhar mais agilidade no momento de revisar as questões antes da transcrição para o gabarito, pois basta ler a palavra circulada e a alternativa assinalada.

4. Tome cuidado com as generalizações

No direito, as generalizações são muito perigosas. Normalmente, as expressões “sempre”, “todos”, “nunca” e “jamais” fazem parte de uma alternativa incorreta.

Mesmo assim, é preciso tomar cuidado com o enunciado, porque o examinador gosta de surpreender os candidatos. Não se esqueça de que errar uma questão fácil pode dificultar o caminho para a aprovação.

Uma pegadinha recorrente no mundo dos concursos é a proibição da pena de morte. Questões como “não é permitida em nenhum caso a pena de morte no Brasil” reduzem a pontuação de diversos candidatos, todos os anos. Afinal, apesar de ser uma exceção, a Constituição Federal admite a condenação à morte nos casos de guerra declarada.

5. Preste atenção à alternativa com o maior texto

Para evitar ao máximo os problemas com recursos nas questões, a banca examinadora escolhe como resposta certa aquela que apresenta um conteúdo mais extenso e completo. A medida é considerada necessária para não haver erros em relação ao gabarito.

Qualquer detalhe esquecido pode ser usado pelos candidatos para pedir a anulação de uma questão, o que é ruim para a banca examinadora. Porém, o ideal é sempre ler os itens com bastante atenção e analisar cada alternativa com muito cuidado.

Afinal, questões muito extensas costumam conter várias sentenças contidas na mesma alternativa. Se apenas uma dessas sentenças estiver incorreta, toda a alternativa estará incorreta.

6. Comece pelas questões mais fáceis

De acordo com vários professores e advogados, não é bom para o candidato perder muito tempo da prova tentando resolver as questões difíceis. Para terminar o teste com mais facilidade e em tempo menor, a recomendação é ter o foco direcionado para as assertivas mais simples.

Essa iniciativa ajuda a administrar o tempo e aumenta a confiança, principalmente quando o inscrito domina a maioria das questões. Com a mente mais descansada, é bem menor a chance de cometer um erro por falta de atenção.

Nessa mesma linha, é até melhor que você inicie a prova da OAB pelas matérias nas quais tem mais facilidade. Após acertar 90% das prova de ética, matéria na qual você sempre foi o melhor da turma, estará mais confiante para a complexidade da parte de processo civil.

7. Responda às questões complexas com tranquilidade

Se você encontrar uma questão difícil e quiser resolvê-la sem analisar o restante da prova, jamais faça esse tipo de procedimento! Além de perder tempo, poderá ficar mais nervoso e desconcentrado, o que pode afetar o seu desempenho.

​As questões mais complicadas podem ser feitas no final do exame, e o candidato precisa administrar muito bem o tempo para responder a todos os itens do teste. Normalmente, os inscritos têm 3 minutos e 30 segundos para resolver cada enunciado.

Também é preciso ter muito cuidado com o cartão de resposta. O ideal é reservar 10 a 15 minutos para preenchê-lo. Com certeza, é muito frustrante para um candidato errar uma questão porque assinalou por engano outra resposta no cartão.

8. Evite deixar questões sem resposta

Com exceção das provas em que um erro anula uma resposta certa, o que não ocorre na objetiva da OAB,  o candidato deve arriscar uma alternativa quando tiver dúvida em relação ao gabarito. Nos exames com quatro alternativas, a chance de acertar é de 25%.

Dependendo da situação, a possibilidade de acerto pode ser até de 50%. Por exemplo, em uma questão com quatro opções de resposta, duas delas podem ser descartadas facilmente pelo candidato devido ao conhecimento do conteúdo.

Em algumas questões, é possível que duas alternativas tenham conteúdos totalmente opostos. Nesse caso, o melhor é escolher um desses itens se estiver com dúvida em relação à resposta. Contudo, nunca deixa uma questão sem resposta!

Nessa hora, lembre-se bem do segundo título deste artigo, pois eliminar as alternativas absurdas é a melhor maneira de garantir maior probabilidade de acerto.

9. Mantenha a calma e faça pequenas pausas durante a prova da OAB

Como diz um antigo ditado popular, a pressa é inimiga da perfeição. Portanto, procure manter a tranquilidade durante o exame e não ficar nervoso ao resolver questões com alto grau de dificuldade.

Ao se sentir fatigado, peça para ir ao banheiro ou beber água. Esse pequeno intervalo ajuda a recuperar as energias e a descansar a mente. Assim, você não vai perder a concentração nem ter o risco de enfrentar os temidos “apagões” na hora do exame.

Ainda nesse ponto, toda a rotina pré-prova é fundamental para garantir a calma e a concentração durante o exame da OAB. Faça exercícios físicos, mantenha uma alimentação balanceada, cuide do seu sistema imunológico para não ficar doente próximo da prova e durma bem.

No dia do exame, procure chegar cedo ao local. O medo de perder o horário da prova da OAB não vai deixá-lo no melhor clima para solucionar as questões.

Por fim, mas muito importante para manter a calma durante o exame: você precisa simular as condições da OAB quantas vezes puder antes da prova. Faça simulados e controle o tempo. Após passar várias horas sentado resolvendo questões com esforço mental intenso, o seu corpo estará mais adaptado para as condições da prova da OAB.

10. Mantenha-se atualizado com a legislação e a jurisprudência

A prova da OAB exige que os candidatos estejam atualizados. Logo, para não errar questões por falta de conhecimento da legislação em vigor, o indicado é estudar as súmulas vinculantes do Supremo Tribunal Federal (STF) e as súmulas do Superior Tribunal de Justiça (STJ), além do entendimento dos demais tribunais superiores.

A questão abaixo evidencia a importância do entendimento jurisprudencial para o exame da Ordem.

Solange é comissária de bordo em uma grande empresa de transporte aéreo e ajuizou reclamação trabalhista postulando adicional de periculosidade, alegando que permanecia em área de risco durante o abastecimento das aeronaves porque ele era feito com a tripulação a bordo. Iracema, vizinha de Solange, trabalha em uma unidade fabril recebendo adicional de insalubridade, mas, após cinco anos, sua atividade foi retirada da lista de atividades insalubres por ato da autoridade competente. Sobre as duas situações, segundo a norma de regência e o entendimento consolidado do TST, assinale a afirmativa correta.

A) Solange não tem direito ao adicional de periculosidade e Iracema perderá o direito ao adicional de insalubridade.

B) Solange tem direito ao adicional de periculosidade e Iracema manterá o adicional de insalubridade por ter direito adquirido.

C) Solange não tem direito ao adicional de periculosidade e Iracema manterá o direito ao adicional de insalubridade.

D) Solange tem direito ao adicional de periculosidade e Iracema perderá o direito ao adicional de insalubridade.

Ambas as personagens têm a concessão e a perda do benefício com base em súmulas do Tribunal Superior do Trabalho. Para Solange, vale o entendimento da Súmula 447, que determina: “Os tripulantes e demais empregados em serviços auxiliares de transporte aéreo que, no momento do abastecimento da aeronave, permanecem a bordo não têm direito ao adicional de periculosidade.”

Já a Iracema se aplica a Súmula 248: “A reclassificação ou a descaracterização da insalubridade, por ato da autoridade competente, repercute na satisfação do respectivo adicional, sem ofensa a direito adquirido ou ao princípio da irredutibilidade salarial.”

É recomendado, também, ficar atento às novidades das matérias exigidas no exame. Com certeza, uma boa preparação contribui bastante para acertar as questões objetivas do exame da Ordem.

Antes de encerrar o nosso artigo, vamos a uma breve checklist para ter certeza de que você entendeu o que é preciso para gabaritar a maioria das questões objetivas da OAB:

  • faça a leitura atenta dos enunciados de todas as questões objetivas;
  • elimine todas as alternativas absurdas;
  • circule o que é pedido no comando da questão;
  • tome cuidado com as generalizações — palavras como todoqualquer e nunca são perigosas;
  • fique atento às alternativas com maior texto, normalmente é a correta;
  • comece a prova da OAB pelas questões mais fáceis;
  • invista o seu tempo nas questões complexas ao fim da prova;
  • evite questões sem resposta;
  • mantenha a calma durante o exame da OAB e faça pausas;
  • esteja atento às mudanças na lei e jurisprudências.

Fonte: blog Saraiva 

14 out
5 lições que mostram que errar logo no primeiro investimento pode ser bom

Escola de negócios e gestão

Um pouco de sorte sempre ajuda, mas não invista contando com ela

No começo da década de 80, minha família tinha o controle acionário da Bahema, que, na época, era uma revendedora da Caterpillar com sobras de caixa. Fizemos nesse período a primeira das muitas compras de participações em empresas de capital aberto que faríamos ao longo dos anos.

A escolha da primeira investida nos parecia óbvia porque tínhamos acabado de conseguir um sócio para o nosso projeto agropecuário que estava exigindo investimentos num nível muitíssimo maior do que tínhamos previsto.

Isso era agravado pela forma burocrática com que os recursos eram liberados. Naquela época, a Sudene (Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste) permitia a utilização de parte do imposto de renda das pessoas jurídicas para aplicação em projetos aprovados, num múltiplo dos investimentos feitos com recursos próprios, que estavam, no seu julgamento, de acordo com o projeto aprovado.

Mas, a quase todo momento, tínhamos o desgosto de ver gastos glosados por motivos burocráticos quase intransponíveis. Assim, a relação de investimentos próprios para os incentivados (oriundos de IR), que deveria ser de 1 para 3, na prática se tornava 1 pra 1.

Nessa procura por capital, nos sensibilizamos pelo interesse de outra empresa baiana de capital aberto, a Correa Ribeiro S/A, em querer participar do projeto e assim também usar parte do seu IR.

Como a empresa estava se revelando uma boa parceira, chegamos à conclusão “lógica” de que comprar uma participação minoritária na Correa Ribeiro poderia ter enorme sucesso. Ledo engano e erro de principiante.

Entendíamos muito pouco do negócio da empresa – exportação de cacau. Além disso, a maior parte da atividade se passava em terreno nebuloso de negociação de contratos futuros (vendidos ou comprados), sobre os quais tínhamos uma visão muitíssimo limitada.

Naquela época, tive a surpresa de descobrir que as bolsas de mercadoria pelo mundo negociavam mais de 20 vezes a safra mundial de cacau. O lucro do traders dependia muito mais de acertar esses trades do que da margem física da compra e venda. E foi no desconhecimento dessas coisas que erramos.

Tentamos que a empresa fosse obrigada a nos mostrar todos os contratos que tinha em aberto em bolsas fora do Brasil (Londres e Chicago principalmente), mas, nos anos 80, a legislação considerava legítimo que isso fosse quase impossível. A visão era de que o sigilo era parte vital do sucesso do negócio.

Fazendo uma longa história curta, saímos em alguns anos, com um prejuízo ainda suportável. E com diversos pequenos atritos no relacionamento: mais de 30 anos depois, porém, ainda deu para manter um nível razoável de diálogo.

As lições que ficaram, de erros que não voltamos a repetir nos investimentos seguintes:

– Tente conhecer o negócio em que está entrando de maneira profunda e questione todas as suas premissas;

– Tente conhecer em profundidade o quadro acionário, especialmente os que dirigem a empresa. Seja ele o acionista controlador, o grupo controlador ou os principais players deste quadro;

– Aproveite ao máximo o “tempo de namoro”. Em outras palavras, para ter o conhecimento sugerido nos itens anteriores, em geral é melhor ir aumentando aos poucos a participação na investida. Tenha o cuidado de ir passo a passo e, a cada passo, dar uma parada para “meditação”;

– Entenda os fatos reguladores que envolvem o negócio em que irá investir e avalie as possibilidades de como estes fatores deverão evoluir;

– Por último: um pouco de sorte sempre ajuda, mas não invista contando com ela.

Muitas lições aprendidas! Nas próximas colunas, começarei a falar de casos de sucesso. Só o Juízo Final para esclarecer se teríamos tantos casos de sucesso se não tivéssemos começado errando.

Publicado por: InfoMoney 

11 out
Three Commandments for Technology Optimists

Escola de tecnologia aplicada

Technology can be a powerful force for good, but its impacts are unpredictable. On the 25th anniversary of WIRED, technologists should temper their enthusiasm with proper caution.

he impacts of new technologies are unpredictable: Inventors hyperbolize a revolutionary technology when it emerges, but it’s impossible for society to anticipate its long-term effects. Because new technologies are so powerful and incomprehensible, responsible technologists must practice what the poet John Keats called negative capability: “capable of being in uncertainties, Mysteries, doubts, without any irritable reaching after fact,” simultaneously cultivating caution and enthusiasm.

I’ve been thinking about technology enthusiasm as long as WIRED has been published. Long an editor of competing magazines, I now help build life sciences companies, mostly in health and agriculture. Witness and participant, I’ve become (to my slight surprise) a person of a fixed, familiar ideology, one of those blithe bastards who think technology can solve big problems, grow wealth, and enlarge human possibilities. All I lack is the fleece vest.

I’m not an absolute fool about technology: a determinist or militant naif. I know that most technologies are contingent, neither necessary nor impossible, and that use makes a particular technology good or bad, according to circumstance and effect. I don’t forget Clay Shirky’s rueful dictum that “it’s not a revolution if nobody loses,” and I concede that the losers in any technologically wrought social transformation are often those with the least to lose. But I believe that any broadly adopted technology satisfies some profound human need. We are technology-making apes who evolve through our material culture; everywhere, people fly like birds, speed like cheetahs, and live as long as lobsters, but only because of our technologies. I’m confident that smart, generous policies can ameliorate technological unemployment and other displacements.

 

More religiously, while I recognize that technological solutions create new problems, I have faith those problems will find yet more solutions, in an ascending spiral of frustration and release—the greatest show on Earth that will never end, until we do.

Science, unlike technology, is an absolute good, and learning about the world is a kind of categorical imperative: an unconditional moral obligation that is its own justification. Those who expand human thought are especially heroic, because they replace obscurity with the truth, which however so shocking is always salutary.

But science is only directly useful insofar as it leads to new technologies. In my new life, I often ask myself: With the time I have left, what novel technologies should I pursue? Which should I reject? Not long ago, the partners at my firm considered a technology that might prevent disease. But we chose to let someone else commercialize it, because its expansive powers and potential liability confounded us. Was our choice admirable or cowardly?

These are not easy questions, not least because there is no consensus—and surprisingly little systematic writing—about what technology is and how it develops. The best general book on the subject, Brian Arthur’s The Nature of Technology: What It Is and How It Evolves (2009) distinguishes between the singular use of the word technology as a means to fulfill a human purpose (for instance, a speech-recognition algorithm or filtration process) and a generic assemblage of practices and components (technological “domains,” like electronics or biotechnology). Arthur, an economist at the Santa Fe Institute who refined models of increasing returns, writes, “A technology is more than a mere means. It is … an orchestration of phenomena to our use.”

If technology is functional and its value instrumental, then it follows that not all singular applications of technological domains are equal. Nuclear fission can power a plant or detonate a bomb. The Haber-Bosch process, which converts atmospheric nitrogen to ammonia by a reaction with hydrogen, was used to manufacture munitions in Germany during World War I, but half the world’s population now depends on food grown with nitrogen fertilizers. (Fritz Haber, who was awarded the 1918 Nobel Prize in Chemistry for coinventing the process, was a conflicted technologist—the father of chemical warfare in World War I. His wife, also a chemist, killed herself in protest, in 1915.) What’s more, designs possess a moral direction, even if technologies can be put to different uses. You can hammer a nail with a pistol butt, although that’s not what it’s for; a spade can kill a man, but it’s better for digging. Therefore, the first commandment for technologists is: Design technologies to swell happiness. A corollary: Do not create technologies that might increase suffering and oppression, unless you’re very sure the technology will be properly regulated.

However, the regulation of new technologies presents a special problem. The future is unknowable, and any really revolutionary technology transforms what it means to be human and may threaten our survival or the survival of the species with whom we share the planet. Haber’s fertilizers fed the world’s people, but also fed algae in the sea: Fertilizer runoffs have created algae blooms, which poison fish. The problem of unpredictable effects is especially acute with some energy and all geoengineering technologies; with biotechnologies such as gene drives that can force a genetic modification through an entire population in a few generations; with artificial eggs and sperm that might allow parents to augment their offspring with heritable traits.

One tool to regulate future technologies is the precautionary principle, which in its strongest form warns technologists to “first do no harm.” It’s an alluringly simple rule. But in an influential paper on the principle, the Harvard jurist Cass Sunstein cautions, “Taken in [its] strong form, the precautionary principle should be rejected … because it leads in no directions at all. The principle is literally paralyzing—forbidding inaction, stringent regulation, and everything in between.” A weaker version, adopted by the nations that attended the Earth Summit in Rio in 1992, stipulates, “Where there are threats of serious or irreversible damage, lack of full scientific certainty shall not be used as a reason for postponing cost-effective measures to prevent environmental degradation.” The threshold for plausible harm is left worryingly undefined in most weak versions of the principle. Nonetheless, the weaker version suggests a second commandment for technologists: In regulating new technologies, balance costs and benefits, and work with your fellow citizens, your nation’s lawmakers, and the world’s diplomats to enact reasonable laws that limit the potential damage of a new technology, as further evidence is forthcoming. It’s good that Facebook invented a global social network, but the company must now cooperate with regulators to limit how malefactors can hack our heads, maddening populations and hijacking elections.

A final commandment helps technologists choose which technologies to pursue. In a complicated fashion, new technologies are not only the “orchestration of phenomena to our use” but are tools of scientific inquiry. Brian Arthur notes, “Science not only uses technology, it builds itself from technology.” High-throughput screening speeds drug discovery, but it also provides new understanding of cancer genomics. Deep learning may one day permit driverless cars, but it will also untangle the mysteries of brain development. Thus, the third commandment for technologists: The best technologies have utility but also provide fresh scientific insights. Prioritize those.

On my desk at work, I have a replica of the skull of La Ferrassie 1, the most complete Neanderthal skeleton ever found. The original belonged to an adult male who lived 50,000 to 70,000 years ago. He walked as upright as you or me, and had you met him on a Paleolithic hillside in what is now the Vézère Valley in France, he would have seemed hauntingly strange: obviously human but stockier, broad-nosed, and beetle-browed. In ways we can only dimly guess, his manners would have been strange too. Surely, he could talk after a fashion, because he possessed the anatomy for speech and shared with us a gene, FOXP2, necessary for the development of language. But the archeological record tells us that he was also different from Homo sapiens. Around 70,000 years ago something switched on in the heads of modern humans—either a genetic mutation or a social adaptation; we don’t know what—that allowed us to design new stone tools that Neanderthals only clumsily imitated, as well as make cave art, flutes, wine, and, eventually, all the rest: the vault of King’s College Chapel, Cambridge; Darwin collecting his irrefutable factsa cure for cancerthe mission to Mars.

 

Original published: Wired 

09 out
Como está o nível de organização digital das empresas no Brasil?

Escola de negócios e gestão

Algumas conclusões são da pesquisa Paradigma Digital, uma parceria Talenses Group e Digital House Brasil

Se falar em Transformação Digital e as mudanças que ela provoca no mercado de trabalho não é um conceito propriamente novo, o que não envelhece é a preocupação quanto à velocidade que as empresas precisam se reinventar para acompanhar o surgimento de novos cenários, a cada ano.

Ponto pacífico que os profissionais digitais são o embrião necessário para provocar a mudança e as organizações que não entenderem isso deixarão de existir mais rápido do que imaginam – e desejam.

Logo, entender as novas formas de organização das empresas no Brasil, e os principais fatores que as levam a repensar o modo como conduzem seus negócios, torna-se vital.

Fruto de uma parceria entre o Talenses Group e a Digital House Brasil, a pesquisa “Paradigma Digital”, buscou compreender o comportamento das empresas em relação a um tema capital: o modo como cada organização está digitalmente estruturada e sua demanda por profissionais com competências digitais.

Participaram da coleta de dados 102 empresas com sedes mundiais no Brasil, América do Sul, Europa, Ásia e América do Norte; 84% das companhias pesquisadas ficam em São Paulo; 4% em Minas Gerais; 2% no Rio Grande do Sul; 6% no Rio de Janeiro; 2% no Paraná; 1% na Bahia; 1% no Ceará; e 1% em Santa Catarina.

33% das empresas pesquisadas pertencem à Indústria, 38% aos Serviços, 17% são de outros ramos de atividade e 12% estão no Comércio. Em termos de números de funcionários, 62% das companhias entrevistadas têm mais de 499 colaboradores, 28% entre 100 e 499 e 10% entre 50 e 99.

Inovação é o fator mais afetado pela audiência de profissionais digitais nas empresas

‘Regular ou ruim’

A primeira pergunta do estudo, “Como está o nível de organização digital da sua empresa?”, é reveladora: 48% dos entrevistados no setor de Serviços dizem que está “regular ou ruim”, contra 52% que responderam “bom”. No Comércio, 59% responderam “regular ou ruim”, contra 41% de “bom”. Na Indústria, o cenário mostra-se inquietante: 64% dizem que o nível de organização digital de suas empresas está “regular ou ruim”, contra 36% que entendem ser “bom”.

“Ainda há uma confusão por parte das empresas, de certa forma natural, sobre o que é estar organizado digitalmente ou o que é maturidade digital organizacional. Isso precisa ser levado em consideração. O primeiro passo é o esclarecimento deste conceito”, comenta o CEO do Talenses Group, Luiz Valente.

Para ele, hoje, “o desafio está em sair na frente na busca deste novo profissional digital, que passa a ser extremamente valorizado pelo mercado e, portanto, cada vez mais disputado”.

“Fica claro que o setor de serviços foi mais impactado pela questão digital, dada a sua conexão direta com o seu cliente final. Nem sempre uma indústria tem essa relação direta com o consumidor e com a sua cadeia de distribuição”, entende Carlos Alberto Júlio, CEO da Digital House Brasil.

Quando falamos em “porte” das empresas no âmbito da organização digital, tanto as grandes, quanto as pequenas e médias, sofrem: 56,7% das grandes companhias dizem que o nível de organização digital é “regular ou ruim” (43,3% entendem ser “bom”). Entre as pequenas e médias, mais de 6 em cada 10 (64%) entram na primeira cota, contra 36% das que se dizem satisfeitas.

“Muitas vezes, uma PME consegue resolver seus problemas na base do heroísmo de poucas pessoas. Conforme uma empresa cresce, ela não consegue replicar esses heróis. Ela precisa que sua performance dependa de novas metodologias, processos, dados e sistemas, por isso a diferença de nível de maturidade”, afirma o diretor Acadêmico da Digital Edney Souza.

Inovação prejudicada

O estudo, que também apresenta o senior manager da Divisão de Recrutamento de TI & Digital do Talenses Group, Leandro Bittioli, entre os seus analistas, traz os fatores mais prejudicados nas empresas devido à ausência do profissional digital.

A inovação lidera, com 21%. Depois vêm competitividade (16%), velocidade da entrega (16%), crescimento (15%), imagem da marca (9%), qualidade da marca (8%), lucratividade (6%), clima organizacional (5%), política salarial (3%) e recrutamento (2%).

O estudo completo, que abordará um levantamento relativo à demanda por profissionais digitais, a área que mais demanda a contratação deles, um ranking dos profissionais digitais mais buscados e quais são mais difíceis de recrutar, tem lançamento marcado para a próxima terça, em São Paulo.

“Não importa se é uma pequena empresa ou se é uma grande corporação. É preciso ter a consciência de que há a necessidade de implantar uma cultura digital. A cultura do agile. A cultura do erro honesto, que não pode ficar no campo do ‘errou está fora’, mas do erro que provoca a inovação”, reforça Carlos Alberto Júlio.

“Estamos progredindo, mas o caminho a trilhar é muito maior do que já foi percorrido, pois exige uma mudança de mindset extremamente complexa. É primordial investir na capacitação profissional em todos os níveis: de analista a gerente, para que eles possam ser a força que ajudará as empresas a se reinventar e a se manterem competitivas.”

 

Fonte: Época Negócios 

04 out
Compras pela internet: conheça os seus direitos

Escola de direito aplicado

Veja quais são eles e boas compras!

 

Atualmente, são muitas as ofertas de produtos e serviços que seduzem os consumidores. Dentre as mais variadas formas de se comprar um produto, há aquela feita pela internet.

A grande facilidade e a comodidade na realização das compras, pela internet, chama a atenção dos consumidores. Assim, seja evitando as enormes filas em shoppings e lojas do centro da cidade, seja pelos preços mais baratos, o consumidor opta por ficar em casa ma hora de comprar os presentes de final de ano.

Com o intuito de se garantir um final de ano sem dores de cabeça, trazemos as principais informações e direitos que poucos conhecem, mas que garantem ao consumidor boas compras online de natal.

Vejamos quais são elas e boas compras!

Informação adequada

No comércio eletrônico as informações sobre os produtos, serviços devem ser claras, sendo necessário constar no site de compra todos os dados necessários para a localização do seu fornecedor, tais como o nome empresarial, CNPJ e o endereço.

As informações também devem ser claras quanto às características essenciais do produto ou do serviço, incluindo as relativas aos riscos à saúde e à segurança dos consumidores. Deve, ainda, ter informações suficientes para discriminar no preço todos os valores adicionais de encargos acessórios e despesas de remessa e, por fim, informar corretamente quais são as condições integrais da oferta, as modalidades de pagamento, disponibilidade, forma e prazo da execução do serviço ou da entrega do produto.

Preço do produto

Com relação ao preço, a informação passada ao consumidor deve, de maneira clara, dizer qual o preço à vista do produto, o preço total a prazo com o número de parcela, periodicidade e o valor das prestações, além de todos os custos adicionais da transação (seja com o seguro ou com a entrega) e com os juros e demais acréscimos e encargos financeiros da compra.

Prazo de entrega

O site devefixar o prazo para a entrega do produto ou para a execução do serviço. Assim, é um dever do fornecedor fixar data e turno para a sua entrega ou execução, não podendo cobrar frete diferenciado para as entregas que forem agendadas.

Atendimento facilitado

O fornecedor, ao ofertar um produto ou serviço pela internet deverá:

  1. Apresentar um resumo do contrato, destacando as cláusulas principais e enfatizando aquelas que limitam os direitos do consumidor;
  2. Oferecer ao consumidor meio para identificar e corrigir os erros ocorridos nas etapas anteriores da conclusão do contrato;
  3. Confirmar imediatamente o recebimento da aceitação da oferta;
  4. Por à disposição do consumidor o inteiro teor do contrato, de maneira que o consumidor possa imprimir ou salvar em seu computador;
  5. Ter um serviço online eficaz e capacitado para esclarecer toda e qualquer dúvida do consumidor. Também, deve ser apto à atender às reclamações e pedidos de suspensão ou cancelamento do contrato. Deve confirmar imediatamente o recebimento do pedido/reclamação feito pelo consumidor e resolvê-lo no prazo de cinco (5) dias;
  6. Utilizar mecanismos de segurança eficazes para pagamento e para tratamento de dados do consumidor.

Arrependimento:

O art. 49 do Código de Defesa do Consumidor dispõe que, quando o contrato de consumo for concluído fora do estabelecimento comercial (internet, telefone, domicilio), o consumidor tem o direito de desistir do negócio em sete (7) dias, contados a partir do recebimento do produto ou da assinatura do contrato, o que é chamado de “período de reflexão”. Para tanto, não há necessidade de justificar o arrependimento.

Exercido o direito de arrependimento, que deve ser feito mediante a formalização do pedido de cancelamento e solicitação da devolução de qualquer quantia eventualmente paga, o parágrafo único do art. 49 do CDC especifica que o consumidor terá de volta, imediatamente e monetariamente atualizados, todos os valores eventualmente pagos, a qualquer título, durante o prazo de reflexão, entendendo-se incluídos nestes valores todas as despesas com o serviço postal para a devolução do produto (STJ – REsp: 1340604 RJ).

Se o consumidor decidir cancelar a compra, mas não conseguir entrar em contato com o fornecedor do produto ou serviço, poderá solicitar diretamente à administradora do cartão o seu cancelamento, assim como o estorno do valor pago.

Devolução:

o fornecedor não pode cobrar qualquer quantia a título de frete de devolução do produto, bem como é vedado ao fornecedor exigir, como condição para aceitar o pedido de devolução, que a embalagem não esteja intacta.

Cumprimento da oferta:

Todos os meios utilizados pelo fornecedor para levar ao mercado de consumo os seus produtos e serviços, ou seja, para levar ao conhecimento do consumidor aquilo que quer vender, são tidos como ofertas.

Assim, tudo aquilo que foi ofertado ao consumidor deve ser cumprido. Caso contrário, são direitos do consumidor a opção de:

  1. Exigir o cumprimento da oferta;
  2. Escolher outro produto ou prestação de serviço equivalente; e
  3. Pedir o cancelamento do contrato e a devolução daquilo que pagou, com a devida correção.

Compras coletivas:

Os sites de compras coletivas oferecem ao consumidor inúmeros produtos e serviços de outros estabelecimentos comerciais, tais como restaurantes, lojas de varejos, agências de turismo etc. Entretanto, a realização da compra do produto ou serviço pode estar condicionada a um número mínimo de compradores. Entre as formas de compras coletivas estão o “F-COMMERCE” (compras realizadas direta ou indiretamente pelo facebook), “M-COMMERCE” (compras realizadas por meio do telefone celular), “T-COMMERCE” (compras realizadas pelo controle remoto da televisão), Clubes de Compras, Leilão Virtual e “CROWDFUNDING”.

Além de todos os direitos que aqui já foram citados, existem alguns que são mais específicos para o consumidor que adere a este tipo de compra, vejamos:

  1. No site do fornecedor deve haver destaque caso a ativação da compra esteja sujeita a alguma condição, tais como: um número mínimo de compradores, prazo determinado para utilização da oferta etc.;
  2. Caso não se efetive a condição imposta pelo fornecedor, nenhum valor poderá ser cobrado;
  3. Como meio de informação adequada, deve existir a identificação do fornecedor responsável pelo site, bem como do site do fornecedor do produto ou serviço, pois ambos são responsáveis por solucionar quaisquer problemas;
  4. A utilização do cupom (ou voucher) não autoriza que o tratamento com o consumidor seja diferenciado, bem como não obriga o consumidor a pagar a gorjeta (em caso de restaurantes), pois esta continua sendo opcional;
  5. Pode ocorrer que a utilização do serviço adquirido pelo site de compras coletivas esteja condicionada a um agendamento, contudo, lembre-se, tal condição deve estar em destaque no site do fornecedor.

Garantias

Existem, em geral, três espécies de garantias ao consumidor: Garantia Legal, Garantia Contratual e a Garantia Estendida. Saiba quais são as diferenças:

Garantia Legal: é a garantia que todo produto ou serviço têm, independentemente de existência de qualquer documento ou do “termo de garantia”. Trata-se de uma garantia que é “garantida” por lei, mais especificamente pelo Código de Defesa do Consumidor.

Além de ser uma garantia que é obrigatória por lei, ela cobre qualquer tipo de dano, imperfeição, problema ou defeito, tudo sem nenhum custo ao consumidor.

Assim, todos os produtos e serviços têm garantia concedida pela lei.

Conforme dispõe o art. 26 do Código de Defesa do Consumidor, o período de validade da garantia legal é de trinta dias para produtos e serviços não duráveis, ou seja, aqueles usados por um curto prazo ou apenas algumas vezes (ex. Flores, alimentos, produtos de limpeza, roupas, lavagem de roupas em lavanderia, jardinagem, faxina, lavagem do carro etc.).

Já para produtos duráveis, tais como um carro, um eletrodoméstico, um computador, um celular etc., o período de validade da garantia é de noventa dias.

Como se faz a contagem desse prazo?

Pois bem. Caso o vício (defeito, imperfeição, etc.) seja visível, ou seja, o vício esteja aparente, conta-se o prazo do dia da entrega do produto ou da conclusão do serviço. Ao contrário, caso seja um vício que esteja oculto, isto é, aquele que não é de fácil constatação ou que aparece somente após a utilização do produto ou serviço, o prazo começa a contar a partir do momento em que o consumidor verifica a existência do problema.

Atenção: Não exercido o direito de reclamar o vício ao fornecedor nestes prazos, o direito deixa de existir, ou seja, “caduca”.

Garantia Contratual: conforme dispõe o art. 50 do Código de Defesa do Consumidor, trata-se de uma garantia que não é obrigatória, estabelecida entre o fornecedor e o consumidor por um prazo adicional à garantia legal e, por ser convencionada entre as partes, pode conter algumas condições.

As garantias contratuais, ao contrário da garantia legal, devem constar em documento escrito. Em regra, este documento é chamado de “Termo de Garantia” e contêm as suas mais variadas especificações, tais como: no que consiste a garantia, a forma, o prazo, o lugar que deve ser exercida a garantia e se haverá alguma despesa ao consumidor.

Garantia Estendida: é uma garantia que é paga pelo consumidor. Assim, trata-se de um seguro que prorroga a garantia do produto após o vencimento da garantia legal ou da garantia contratual.

Por ser um seguro, a apólice desta garantia pode receber o nome de “Extensão da garantia original” ou “Extensão da garantia original ampliada” e prevê, em regra, uma indenização em dinheiro em caso de vício do produto ou, então, a possibilidade de substituição do produto caso não seja possível ou inviável o seu conserto.

É importante ficar alerta ao fato de que esta garantia não pode estar incluída no preço do produto, nem mesmo disfarçada de “desconto”. Assim, por ser essa garantia uma opção de compra, o consumidor também poderá pedir o cancelamento no prazo de sete dias, conforme dito anteriormente.

Dicas importantes

Compras feitas por sites do exterior (Importação de produtos): A importação de produtos do exterior faz incidir tributos específicos e tem o seu trâmite regulamentado por legislação especial. Assim, é muito importante que se tenha cuidado na hora da compra, pois o valor do tributo que incide no produto pode aumentar o eu valor final ou, até mesmo, superar o valor daquilo que está comprando.

Publicidade enganosa: a publicidade é enganosa quando transmite informações erradas, falsas ou capazes de confundir o consumidor acerca daquilo que está sendo vendido.

Promoções e Responsabilidades: existem diversos sites que oferecem ao consumidor produtos e serviços com o preço muito abaixo do valor de mercado. Fique atento e se informe sobre o fornecedor e a sua reputação antes de adquiri-los.

Os sites que reúnem as promoções de outros sites (sites de buscas de ofertas), não tem, em regra, responsabilidade em caso de problemas na compra e venda dos produtos ou serviços, pois a sua função é somente de divulgar as ofertas.

Contudo, caso o site de busca faça uma conexão ou, de qualquer forma, aproxime o consumidor com o site do fornecedor, poderá haver uma responsabilidade entre eles.

Em caso de realização da compra por intermédio de sites de compras coletivas, o consumidor pode reclamar diretamente ao site de compra coletiva ou clube de compra, bem como ao estabelecimento que ofereceu o produto ou serviço, pois ambos são responsáveis pela oferta do produto ou serviço.

Orientação ao consumidor: Aconselhamos que o consumidor busque, primeiramente, resolver o problema de forma amigável, com respeito e boa-fé com o fornecedor do produto ou serviço, utilizando-se de todas as ferramentas disponibilizadas para noticiar o problema ocorrido e para buscar uma solução.

Caso a aproximação amigável não resolva o problema, busque o órgão especializado no atendimento ao consumidor, que, no caso, é o PROCON.

Entretanto, se, ainda assim, restar infrutífera as atitudes acima tomadas, aconselhamentos a busca de um advogado para orientá-lo da melhor e mais eficaz forma de fazer valer os direitos do consumidor. Ele poderá fazer um pedido judicial para resolver o problema com o produto ou o serviço, seja na Justiça Comum, seja no Juizado Especial (também chamado de Juizado de Pequenas Causas).


*Lembre-se: Tenha sempre em mãos todos os dados da compra que fora realizada, tais como: recibos, emails, dados do (s) fornecedor (es), dados do pagamento, documento com a data de entrega, etc.


Fontes: Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor – IDEC; Procon-MS; Procon-SP, Revista Exame.

03 out
Quanto custa fazer um jogo?

Escola de tecnologia aplicada

A complexidade dos video games aumentou, exigindo que os times de desenvolvimento se expandissem

Game Developer

Seja pela inovação de conceitos ou pela pura melhoria técnica, a indústria de jogos tenta se superar a cada ano, trazendo ao público não somente melhores efeitos gráficos e sonoros, mas também narrativas e tomadas mais elaboradas, que já se aproximam das grandes produções do cinema.

A complexidade dos video games também subiu, exigindo que os times de desenvolvimento se expandissem. De vinte pessoas passamos para mais de duzentas. Os times que antes davam conta de tudo agora são responsáveis apenas pela criação de um efeito na cena.

Não é à toa que vemos grandes obras, tais como HaloUncharted 2: Among ThievesGears of War e Call of Duty: Modern Warfare 2. Mas você já parou para pensar em quanto foi gasto com essas enormes produções?

Em ambiente Windows ou Linux, tudo fica bem mais fácil!

Começando nossa jornada pelos computadores, temos logo de cara a plataforma de desenvolvimento mais barata, robusta e flexível de todas — que serve inclusive de apoio para as demais. Os interessados na criação de games se depararão rapidamente com uma série de ferramentas, algumas gratuitas e outras pagas, mas todas com o objetivo de simplificar o processo.

O conhecimento de uma linguagem de programação — como C++, C, Java, Python ou C# — é indispensável, mas o que não falta na internet é material de apoio gratuito. Uma simples busca por portais como o YouTube rendem pilhas de vídeos explicativos, com direito a exemplos práticos e sugestões.

Nos PCs, as pessoas também têm liberdade de escolha para criar jogos extremamente simples, focados em mercados web, como MSN Messenger, Orkut e sites em flash. Os que levarem tudo mais a sério podem recorrer à compra de uma licença de uso de soluções como a Unity (que possui inclusive uma versão específica para iPhones).

Existem diversos pacotes de distribuição, sendo o mais simples deles gratuito. Já aqueles mais robustos começam em US$ 649 e vão até US$ 1499.

Os caminhos fáceis do desenvolvimento independente

Entretanto, de todas as companhias que visam a criação de conteúdo nos computadores, uma das que mais merece destaque é a Microsoft. Ela não somente é detentora de uma das mais intuitivas ferramentas de criação, mas também da plataforma XNA de desenvolvimento, que serve inclusive para a construção de aplicativos no Xbox 360.

Para quem não conhece, o Kodu é uma das formas mais fáceis de criar um jogo, sendo possível que até mesmo pequenas crianças desenvolvam suas ideias e as coloquem em prática na tela. E acredite: os gráficos dos jogos produzidos geralmente são tridimensionais.

A indústria dos gigantes

 

Mas e os surpreendentes “Unreal”, “Doom” e “World of Warcraft”, quanto custam? São justamente títulos como esses os responsáveis por separarem — com uma folga bem larga — o desenvolvimento independente (Indie) do desenvolvimento praticamente industrial de jogos.

Empresas dedicadas à construção dos games por si só já envolvem custos muito mais altos de manutenção do que os custos totais de produção de um game independente. As maiores, a exemplo da Blizzard e da Epic Studios, são divididas em diversos estúdios e setores, passando por conceituação, trabalho de arte, escrita, revisão, programação, teste, animação, desenvolvimento dos estágios e até mesmo composição própria das trilhas sonoras.

Unreal 3Outro fator que pesa na conta é que, ao contrário do que fazem desenvolvedores independentes (que, como mostrado, quase sempre recaem sobre a utilização de ferramentas simplificadas de programação), as grandes companhias geralmente buscam desenvolver do zero suas próprias arquiteturas de código.

Desse modo, elas conseguem extrair o máximo potencial das plataformas e atingirem suas visões artísticas. São dezenas de etapas desde a conceituação até a finalização, passando por períodos de pré-produção, revisão e em casos mais raros até mesmo de reciclagem, nos quais todo o trabalho é “jogado fora” em favor de um recomeço do código fonte.

Outra preocupação que estas empresas têm é com as inúmeras configurações de hardware dos jogadores. Alguns possuem máquinas muito possantes, enquanto outros querem jogar com notebooks, o que obriga as companhias a gerarem diversas configurações de qualidade, algo que leva bastante tempo.

Logo, como resultado, é comum vermos companhias gastando mais de US$ 1 milhão, enquanto alguns casos raros extrapolam até mesmo a marca dos 30 milhões de dólares. Se o jogo virar sucesso, isso não é problema, haja vista que todo o investimento será recuperado (é comum que a desenvolvedora fique com cerca de 60% do valor de cada venda). Mas quando ninguém compra… É hora de enfrentar a crise!

 

Aumentando a biblioteca de aplicativos da AppStore

 

Desenvolvendo no iPhone. Saltando dos computadores para os telefones celulares, podemos observar que esta foi uma das áreas que mais se aqueceu na última década com relação aos jogos, indo do pobre “Snake” a produções de alto nível, completamente tridimensionais e com direito a história, como Assassins Creed.

De todos os modelos, o que mais impulsionou as vendas foi o iPhone, que conta com a AppStore, uma loja centralizada de aplicativos e diversão das mais variadas naturezas. Para criar e publicar um game para iPhone, a pessoa deve obrigatoriamente se cadastrar como desenvolvedora junto à Apple.

O custo para tal é de US$ 99 pelo programa padrão, sendo que a publicação do aplicativo na loja virtual e as ferramentas de criação (a SDK, ou Software Development Kit) já têm seus custos embutidos no pacote.

O outro programa é voltado para empresas com mais de 500 funcionários e custa US$ 299, mas oferece muitas vantagens em termos de avaliação de conteúdo e de agilidade por parte da Apple. A esta altura você deve estar pensando “A assinatura é barata, vou fazer uma agora mesmo”.

Calma! Aí vai um recado muito importante: para programar e criar aplicativos e jogos para iPhone, é obrigatório o uso de um Mac dotado de processador Intel e com sistema operacional Mac OS X Leopard, o que encarece consideravelmente o processo.

Milionários da noite para o dia

A AppStore tem fama por ter transformado a vida de milhares de desenvolvedores em questão de dias. Alguns que criaram seus aplicativos sozinhos e conseguiram entrar nas paradas de sucesso (como o empresário norte-americano responsável por iFart, um simulador de puns) tiveram suas contas invadidas por milhões de dólares.

A ngmoco, desenvolvedora independente, começou do zero, com poucas pessoas e gastos na criação de Rolando, um jogo muito similar a LocoRoco. O sucesso foi enorme graças ao visual estilizado e ao aproveitamento inteligente das capacidades do aparelho. Para a continuação, a produção ganhou um novo orçamento e um time bem maior de funcionários.

Muitas pedras no caminho

 

Entretanto, apesar de tantos casos de sucesso, temos também muitos problemas com a plataforma portátil da Apple. O primeiro deles é a taxa alarmante de pirataria.

Houve casos em que o criador vendeu cerca de 18 unidades de seu jogo e chegou a ver mais de mil pessoas nos rankings online durante a primeira semana (ou seja, mais de 900 pessoas piratearam).

O segundo é a enorme concorrência, afinal de contas são mais de 100 mil aplicativos disponíveis na AppStore. Muitos deles ainda recebem apoio de grandes empresas para marketing (algumas criaram polêmica por jogarem sujo, contratando terceiros para darem opiniões negativas em programas concorrentes).

Logo, os custos de produção para a plataforma de um modo geral são baixos, mas também envolvem grandes riscos em sua distribuição e a possibilidade de não haver nenhum retorno graças à pirataria.

Xbox 360

O grande foco da Microsoft

 

Depois de tantas ressalvas quanto ao desenvolvimento no iPhone, voltamos a falar da Microsoft e  suas ferramentas. No Xbox 360 todos podem desenvolver, através da XNA, já apresentada acima. Os que optarem pela plataforma contarão com o apoio da linguagem C# (de fácil aprendizado) e de uma excelente interface visual.Exemplo de código C# através do XNA Game Studio

Vale notar também que não falta documentação e aulas virtuais. A grande diferença é que para lançar o jogo no Xbox 360 (e consequentemente poder vendê-lo pela Live Market Place) é necessária a assinatura de um plano anual, que custa US$ 99.

Kits de desenvolvimento

 

Além desse pacote básico para desenvolvedores de pequeno porte, os que quiserem seguir pela trilha mais avançada podem contatar a Microsoft e adquirir as unidades dedicadas de desenvolvimento, com acesso total ao processador gráfico, à memória e ao processador principal.

A arquitetura é elogiada pela maioria, justamente por ser semelhante à dos computadores. As ferramentas também agilizam a criação, minimizando ao menos os gastos operacionais. Isso é confirmado novamente pela Epic, que gastou “apenas” US$ 10 milhões para produzir Gears of War, um enorme sucesso de vendas, enquanto jogos da Sony no mesmo estilo receberam orçamento de mais de US$ 30 milhões.

Os custos na plataforma são totalmente dependentes da proposta, mas pode-se dizer que — em comparação com as demais — eles estão entre os mais baixos da indústria.

Nintendo Wii

Truques para avançar os projetos

A construção de jogos para Wii não é das mais caras (até mesmo porque a configuração dele é muito próxima à do GameCube em termos de arquitetura de processamento e memória, tendo apenas especificações melhoradas), mas o grande problema é conseguir a licença da Nintendo.

A empresa dá muita preferência às desenvolvedoras já sedimentadas no mercado, abrindo espaço para outras com um histórico sólido de desenvolvimento. A promessa de mudança começou recentemente, com o canal WiiWare, mais aberto aos iniciantes, mas ainda assim restrito em vista da quantidade de desenvolvedores interessados.

Mesmo assim, os custos pela licença de desenvolvedor certificado pela Nintendo variam de US$2 mil até mais de US$ 10 mil, de acordo com o tipo de contrato firmado. Infelizmente, esses dados não são mostrados explicitamente pela empresa.

Além do desenvolvimento oficial, aqueles com Wiis destravados estão aproveitando as capacidades do console para criar seus próprios aplicativos e jogos de forma não oficial, o que é conhecido comoHomebrew . Novamente, por se tratar de desenvolvimento independente, os custos iniciais são apenas os da compra e destrava do console para aplicativos não licenciados.

Outra alternativa muito comum — ao menos no que tange o desenvolvimento para Wii — é o aproveitamento das antigas unidades de desenvolvimento para GameCube, que compilam códigos extremamente similares ao do video game atual. Esta está sendo a escolha de muitas universidades para baratear os custos com a aquisição de material de estudo. O que falta é somente o suporte para controles por movimentos.

PlayStation 3

A mais fechada das plataformas

Chegamos finalmente à Sony e ao PlayStation 3, talvez a menos amigável de todas as plataformas atuais de desenvolvimento. O primeiro contato já não é tão simples quanto o realizado com a Microsoft através do XNA: os candidatos ao título de desenvolvedores para as plataformas Sony devem preencher formulários encontrados neste link, tendo que enviar suas propostas já encaminhadas em anexo.

Depois disso, a empresa levará um bom tempo estudando o conteúdo e suas credenciais, em um processo de avaliação individual. O custo do Dev Kit (a unidade de desenvolvimento) do PlayStation 3 baixou muito nos últimos anos, de mais de US$ 10 mil para US$ 2 mil, de acordo com relatos de 2009.

Quem for aprovado e comprar todo o pacote, ainda terá que se virar com mais um “problema”: a arquitetura de processamento do CELL, o processador especial do console, dividido em uma unidade central e outras sete auxiliares, especializadas em operações rápidas. Só o tempo de aprendizado já é suficiente para alavancar os custos com o time de programação e gerar atrasos para os despreparados.

A indústria de hoje e do futuro

Diante de todos esses números, é possível perceber como a indústria do entretenimento (principalmente a dos jogos) deixou de ser tratada como um mero hobby e hoje figura entre as que mais movimentam capital em todo o mundo. O resultado de toda a combinação é um mercado aquecido com alta tendência de crescimento que não emprega milhares, mas sim milhões de pessoas ao redor do globo.

Esta forma de entretenimento deixou de ser focada em nichos e hoje abrange as massas, dos mais novos até os mais idosos, não importando as preferências. Afinal de contas, temos jogos dos mais casuais (como Wii Fit) até os mais “Hardcore”, que exigem dedicação total por parte dos jogadores.

O melhor é que todos estão convidados a participar desta grande roda-viva. Você pode ser o próximo, desenvolvendo e colocando em prática suas próprias ideias. Os únicos requerimentos são tempo e criatividade.

Fonte: Tecmundo 

02 out
Como Vender no Instagram: 11 dicas que Realmente Funcionam

Escola de negócios e gestão

Você tem olhado para as redes sociais na hora de vender os produtos do seu Ecommerce? Bom, deveria… É por isso que aqui estão 11 dicas de como vender no Instagram.

Ótimos espaços para atrair, engajar e converter, o uso de ações de marketing em mídias como Facebook, Twitter e Whatsapp é uma boa opção na hora de vender mais. No entanto, uma rede social ideal para Ecommerce ainda é esquecida por muitos donos de lojas virtuais: o Instagram.

A rede, que vem lançando diversas ferramentas para potencializar vendas no Instagram, traz uma oportunidade interessante para o Comércio Eletrônico.

Como mostra a pesquisa da Locowise, 75% dos usuários do Instagram já fizeram uma ação, como visitar um site, a partir de um anúncio ou publicação. Além disso, a pesquisa também mostrou que metade dos usuários da rede social seguem ao menos um negócios, e que 60% deles afirmam aprender sobre um produto na plataforma.

Diante de dados como estes, fica claro que vender no Instagram para impulsionar seu Ecommerce é uma escolha sábia. Além disso, o Instagram é a rede social em maior expansão no país tanto em termos de audiência quanto de engajamento.

Embora seja muito atraente – e divertida de se trabalhar –ainda são poucos os empreendedores que realmente sabem como usar a rede social a favor do Ecommerce.

Este guia traz 11 dicas práticas para você vender dentro do Instagram com passos que você não pode mais ignorar.

1. Perfil comercial

A primeira dica de como vender no Instagram é começar a trabalhar sua base, o seu perfil na rede social. Para ter acesso às melhores funções da rede social para uma empresa, o perfil a ser usado deve ser de caráter comercial.

Isso precisa ser levado em conta seja se você está criando um perfil para sua empresa do zero, seja está apenas usando um perfil pessoal para os anúncios. No segundo caso, é possível alterar o tipo de perfil e transformar a sua conta de pessoal em comercial.

A conta de negócios oferece mais recursos de análise de dados, métrica, impulsionamento e possibilidade de link no stories.

Para conseguir criar esta conta, basta criar uma fanpage no Facebook e vincular com a sua conta do Instagram. Não é possível criar uma conta de negócios sem a Fanpage.

Depois que seu perfil estiver com a função comercial, você deverá fazer algumas otimizações simples. O objetivo dessas otimizações é passar uma boa imagem inicial do seu negócio, capaz de atrair seguidores e futuros clientes.

2. BIO, biografia ou descrição

Preste atenção à BIO. A frase ali descrita deve contar para o seu cliente o que você faz e como pode ajudá-lo. A descrição do seu negócio deve ser pensada com a finalidade de conversar com seu público, fazendo-as decidir se vão ou não seguir o perfil e clicar na sua página.

Ótimos espaços para atrair, engajar e converter, o uso de ações de marketing em mídias como Facebook, Twitter e Whatsapp é uma boa opção na hora de vender mais. No entanto, uma rede social ideal para Ecommerce ainda é esquecida por muitos donos de lojas virtuais: o Instagram.

A rede, que vem lançando diversas ferramentas para potencializar vendas no Instagram, traz uma oportunidade interessante para o Comércio Eletrônico.

Como mostra a pesquisa da Locowise, 75% dos usuários do Instagram já fizeram uma ação, como visitar um site, a partir de um anúncio ou publicação. Além disso, a pesquisa também mostrou que metade dos usuários da rede social seguem ao menos um negócios, e que 60% deles afirmam aprender sobre um produto na plataforma.

Diante de dados como estes, fica claro que vender no Instagram para impulsionar seu Ecommerce é uma escolha sábia. Além disso, o Instagram é a rede social em maior expansão no país tanto em termos de audiência quanto de engajamento.

Embora seja muito atraente – e divertida de se trabalhar –ainda são poucos os empreendedores que realmente sabem como usar a rede social a favor do Ecommerce.

Este guia traz 11 dicas práticas para você vender dentro do Instagram com passos que você não pode mais ignorar.

1. Perfil comercial

A primeira dica de como vender no Instagram é começar a trabalhar sua base, o seu perfil na rede social. Para ter acesso às melhores funções da rede social para uma empresa, o perfil a ser usado deve ser de caráter comercial.

Isso precisa ser levado em conta seja se você está criando um perfil para sua empresa do zero, seja está apenas usando um perfil pessoal para os anúncios. No segundo caso, é possível alterar o tipo de perfil e transformar a sua conta de pessoal em comercial.

A conta de negócios oferece mais recursos de análise de dados, métrica, impulsionamento e possibilidade de link no stories.

Para conseguir criar esta conta, basta criar uma fanpage no Facebook e vincular com a sua conta do Instagram. Não é possível criar uma conta de negócios sem a Fanpage.

Depois que seu perfil estiver com a função comercial, você deverá fazer algumas otimizações simples. O objetivo dessas otimizações é passar uma boa imagem inicial do seu negócio, capaz de atrair seguidores e futuros clientes.

2. BIO, biografia ou descrição

Preste atenção à BIO. A frase ali descrita deve contar para o seu cliente o que você faz e como pode ajudá-lo. A descrição do seu negócio deve ser pensada com a finalidade de conversar com seu público, fazendo-as decidir se vão ou não seguir o perfil e clicar na sua página.

Foto de perfil

É muito importante que a foto do seu perfil comercial faça referência à empresa. Pode ser um logotipo ou, caso sua empresa tenha por foco sua própria pessoa, pode ser uma foto tirada com uma ar bem profissional, que te mostre como autoridade no assunto.

A do Ecommerce na Prática, por exemplo, até agosto de 2018 carregava a foto do Bruno de Oliveira. Hoje, com a empresa mais conhecida, é a logo que utilizamos.

Não se esqueça do link para sua loja

A BIO é o único espaço do Instagram onde pode inserir um link clicável, então não deixe de lado. Adicione um link para o seu Ecommerce, seja marketplace ou loja virtual. De preferência, crie um link único para adicionar no seu perfil do Instagram, assim você consegue ver quantas visitas chegam até sua página através da rede social.

Nas postagens, pode sempre fazer uma call-to-action (CTA) que chame as pessoas para clicarem na BIO. Os usuários dessa plataforma já conhecem esse tipo de chamada.

“LINK NA BIO”

Existe um aplicativo chamado Linktr.ee que permite que inclua mais links neste espaço. Pode colocar, por exemplo, sua página no Facebook ou canal no Youtube. Atente, no entanto, à quantidade de links.

3. Instagram Shopping: crie sua lojinha

Falei lá em cima que o Instagram está lançando cada vez mais funcionalidades para empreendedores na plataforma. A mais interessante delas é o Instagram Shopping, onde você pode cadastrar seus produtos e vender diretamente por lá.

Isso é positivo diminui o caminho de compra. Assim, em vez de jogar o consumidor para outra página, é possível finalizar tudo ali mesmo.

E cadastrar seus produtos no Instagram Shopping é simples. Montamos um guia para te mostrar como integrar sua loja com o Instagram Shopping.

4. Ofereça conteúdos poderosos para seu público

Produza conteúdo relevante regularmente. Não adianta criar um perfil e não produzir nenhum tipo de conteúdo, porque as pessoas vão deixar de acompanhar as postagens.

Não é só porque o Instagram não possibilita a publicação de artigos longos que o conteúdo não é importante. Lembre-se que até conteúdos muito curtos podem passar grande valor para seu público.

Você pode fazer uso de uma série de vídeos curtos respondendo alguma dúvida da sua audiência pelo stories. O mesmo pode ser feito para passar conceitos preciosos com a intenção de trabalhar as dores da sua persona. Ainda há a possibilidade de usar fotos e boas imagens com mensagens de valor, ou que convidem os seguidores à tomada de atitude.

Ou seja, mensagens ou legendas com um poderoso uso do call-to-action fazem a diferença.

Use aplicativos que façam postagens agendadas e publique imagens bonitas, harmônicas, pois o Instagram é uma rede visual. E, para melhorar os resultados, não esqueça de interagir com seus seguidores.

O Instagram tem uma linguagem própria. Assim sendo, não cabe toda aquela seriedade do mundo corporativo. Por isso, aposte em postagens divertidas para gerar maior engajamento. Não esqueça de usar os emoticons para aumentar o engajamento e a conversão. As imagens criam mais empatia no possível cliente e tornam suas mensagens mais simpáticas para quem as lê.

Vídeo

Ótimos espaços para atrair, engajar e converter, o uso de ações de marketing em mídias como Facebook, Twitter e Whatsapp é uma boa opção na hora de vender mais. No entanto, uma rede social ideal para Ecommerce ainda é esquecida por muitos donos de lojas virtuais: o Instagram.

A rede, que vem lançando diversas ferramentas para potencializar vendas no Instagram, traz uma oportunidade interessante para o Comércio Eletrônico.

Como mostra a pesquisa da Locowise, 75% dos usuários do Instagram já fizeram uma ação, como visitar um site, a partir de um anúncio ou publicação. Além disso, a pesquisa também mostrou que metade dos usuários da rede social seguem ao menos um negócios, e que 60% deles afirmam aprender sobre um produto na plataforma.

Diante de dados como estes, fica claro que vender no Instagram para impulsionar seu Ecommerce é uma escolha sábia. Além disso, o Instagram é a rede social em maior expansão no país tanto em termos de audiência quanto de engajamento.

Embora seja muito atraente – e divertida de se trabalhar –ainda são poucos os empreendedores que realmente sabem como usar a rede social a favor do Ecommerce.

Este guia traz 11 dicas práticas para você vender dentro do Instagram com passos que você não pode mais ignorar.

Live

Os vídeos ao vivo têm sido recursos que trazem bastante resultado numa estratégia de redes sociais. Quando começa uma Live, o Instagram automaticamente avisa aos seus seguidores, que podem interagir com você. Este funciona ainda melhor do que vídeos para fazer ofertas de produtos pontuais. Não recomendo, porém, que faça uma Live só para anunciar um produto novo. Você precisa envolver os espectadores na experiência.

5. Abuse do Stories para vender

Desde de 2017, o Instagram possibilitou que usuários com mais de 10 mil seguidores pudessem adicionar links em seus Stories. Isso permitiu que muitos construíssem histórias chamativas sobre um produto, podendo dispor o link para ingresso sem que o seguidor precisasse acessar de outro ponto.

O recurso Stories é uma febre. Com mais de 300 milhões de usuários e crescendo, vem sendo constantemente usado por empresas em estratégias de como vender no Instagram.

Uma pesquisa feita pelo portal de notícias O GLOBO que mostra, inclusive, que de 3% à 15% das vendas acontecem depois da divulgação pelo Instagram. Como o Stories possibilita colocar informações momentâneas que duram 24 horas, muitas empresas aproveitam para bolar técnicas de divulgação e tráfego.

Técnica de sorteio

Provavelmente você já viu diversos sorteios feitos por lojas e afins, certo? Isso serve para aumentar o tráfego no Instagram. Fique por dentro dos passos que você deve utilizar para aplicar essa técnica:

  • No seu Stories,  coloque uma arte chamativa divulgando o sorteio
  • Na sua home, coloque uma foto original do sorteio (Onde as pessoas irão curtir e marcar os amigos?). Geralmente as regras para a participação do sorteio é marcar 3 amigos, curtir a foto e seguir o Instagram do sorteador. Em outros casos, vale pedir para o seguidor publicar uma foto com seu @ e seguir seu perfil.
  • O texto que segue a imagem deve conter todas as informações referentes ao sorteio, como prêmios e regras.

Seu Instagram começará  a ter um alcance maior com essa técnica, além de maior engajamento. Com isso, aproveite para utilizar artes para divulgar seus produtos e começar a vender o mais rápido possível.

Não empilhe stories

Essa dica é muito importante, principalmente para você que quer destacar um stories e vender mais. Analise a seguinte situação:

Você tem um stories importante para postar, mas antes disso sua história estava cheia de imagens e vídeos. A barra de rolagem está longa – o que trava muitos telefones – e, consequentemente, as pessoas  pulam sua vez, deixando de assistir o que tem de mais importante ali.

Portanto, aja com inteligência. Posts mais relevantes em primeiro lugar e nada de stories muito longos.

6. Mensagem por direct

O direct, além de te permitir conversar com seus clientes, permite o envio de links. Assim, você pode gerar um link de pagamento na sua plataforma para o produto que o cliente deseja e enviar pelo Instagram.

 

 

 

 

7. Hashtags

As hashtags são um símbolo do Instagram. Elas são a principal ferramenta para alcançar novos seguidores para sua página e, consequentemente, vender.

Utilize palavras pertinentes ao seu negócio para atrair pessoas interessadas. Pesquise quais são as hashtags mais buscadas e tente implementar no seu dia a dia.

Isso fará com que pessoas que se interessam pelo tema da hashtag visualizem a foto e cheguem até o seu perfil.  Quando seu perfil já mostra o link do produto, traz fotos de qualidade e um feed interessante, é muito provável que a pessoa seja fisgada e você ganhe um cliente.

O engajamento é natural caso o conteúdo que apresenta no seu seja de qualidade e tenha relevância para seu público. De nada serve ter imagens lindas de gatinhos se seu público gosta de cachorrinhos. Entendendo seu público, perceberá que irão começar a comentar em suas publicações, curtir e responder seus Stories.

As hashtags servem pra marcar o conteúdo dentro da base de dados do Instagram, facilitando a pesquise. O ideal é que seja entre 3 e 5 hashtags por postagens e, se possível, crie sua própria hashtag para os clientes te encontrarem.

Lembre-se: hashtags utilizadas de forma indevida são bloqueadas.

8. Ofertas, cupons e descontos exclusivos para seguidores

Um estudo da Iconosquare revelou que 41% dos usuários que seguem um negócio no Instagram o fazem por conta de brindes e descontos. Outro número apresentado pelo estudo é de que 70% dos usuários da rede social já participaram de algum concurso dentro da plataforma.

Embora o primeiro dado seja um pouco entristecedor, é preciso saber lidar. Como um dos fortes do Instagram é sua capacidade de atrair e gerar leads, dedique uma parte dos seus conteúdos a ações que busquem esse resultado, além de vendas.

Você pode criar posts com descontos promocionais para seguidores do Instagram, ou oferecer brindes e bônus para compras realizadas a partir do link da empresa na rede social.

Por fim, use ainda concursos em sua estratégia. Eles podem ser feitos com a finalidade de gerar mais seguidores e leads, ou mesmo estimular mais vendas.

9. Faça parcerias com influenciadores

O poder que os influenciadores e formadores de opinião têm sobre o público é conhecido há muito tempo. Por isso que empresas de todos os segmentos investiram e investem em parcerias que vinculam suas marcas a uma celebridade, por exemplo.

Hoje em dia o uso dessa estratégia, chamada marketing de influência, é ainda mais importante. Com o passar dos anos as pessoas deixaram de confiar na publicidade tradicional, em celebridades da televisão, e têm apostado as fichas em formadores de opinião de nicho, de acordo com uma pesquisa da Nielsen. Ou seja, esses “youtubers” e “instagramers” que vemos por aí.

Assim, busque influenciadores que conversem com a sua marca e considere formar uma parceria para estimar vendas no seu Ecommerce. Como são autoridades com credibilidade, as pessoas costumam confiar quando eles dizem que um produto é bom.

10. Instagram Ads

O uso do recurso para criação e transmissão de anúncios na rede social não pode faltar nas nossas dicas de como vender no Instagram. Com a ferramenta é possível anunciar posts patrocinados no formato de fotos, carrossel de imagens e vídeos.

Eles são ótimos para ajudar na educação dos seguidores quanto aos produtos ou serviços da sua empresa. Sem falar que, assim como as campanhas do Facebook Ads ou Google Ads, os anúncios na rede social são impulsionados e ganham visibilidade mais facilmente.

Fazer uso dessa ferramenta é um poderoso componente em qualquer estratégia de como vender no Instagram.

11. Ferramentas de gestão de redes

De fato, há muitas redes sociais para acompanhar diariamente. Instagram, Facebook, Linkedin, Twitter, Whatsapp…

Interagir com elas individualmente pode ser muito confuso e trabalhoso. Além disso, o tempo para entrar em cada uma e agendar as postagens pode ser melhor aproveitado se você usa uma ferramenta de gestão que centralize as contas.

Há diversos exemplos disponíveis no mercado. Por exemplo: o Buffer, que é uma ferramenta gratuita, pode te ajudar a administrar até 3 contas. O AgoraPulse e o Mlabs, que são pagos, também são ótimos para gerenciar as postagens.

Mas o melhor de tudo é que, recentemente, o sistema de Gestão do Facebook integrou com o Instagram. A partir dele, é possível também criar e agendar postagens, fazer anúncios, responder comentários… Tudo em um lugar só! Para usar, basta fazer o cadastro da conta.

O Primeiro Passo para Vender no Instagram é seu

Não se esqueça de atrair seus seguidores sempre que puder. Faça enquetes, pesquisas, interaja. Isso faz com que seu perfil não fique chato e as pessoas parem de te seguir. Vale ressaltar que você é um empreendedor e seu objetivo é vender, portanto, quanto mais seguidores, mais chances de venda.

Nem sempre você deverá vender produtos dessa forma, embora esse seja o objetivo principal. Poderá usar essas estratégias também para aumentar seus leads e tráfego para a loja.

Mas, antes de tudo, acredite que você pode vender. Muita gente desiste antes de tentar por achar que não vai dar certo. Então, apesar de termos apresentado o manual com as diretrizes do Instagram e dicas para vender na plataforma, o primeiro passo é com você. Acredite em si e no potencial da sua loja, dos seus produtos.

Aprenda a ganhar dinheiro com o Instagram no iCEV Experience

Você é aluno do 2º e 3º ano Ensino médio ou Pré-Vestibular e quer saber mais sobre empreendedorismo e a faculdade de Administração? O iCEV Experience vai te dar o gostinho de como é o ensino superior. As oficinas acontecem neste domingo, 6 de outubro, das 10h às 12h30.

 

 

 

Adivinha qual será o tema do próximo iCEV Experience?

Como usar o Instagram para ganhar dinheiro?

Faça sua inscrição para a próxima oficina. 

 

Fonte: Ecommerce na prática

27 set
Conheça direitos dos idosos que você não imaginava que existiam

Escola de direito aplicado

Além de gratuidade nos transportes, Estatuto do Idoso garante desde isenção de IPTU até pensão alimentícia paga pelos filhos

Vera Maria de Moraes tem 74 anos de idade e mora em Poços de Caldas, Minas Gerais. Quando chegou a chamada maioridade ativa, comemorou o fato de ter direito ao passe livre no transporte público. “O fato que mais gostei foi não ter de pagar ônibus interestadual, mas também ter prioridade em filas de banco, lotéricas e outros”, afirma.

Estatuto do Idoso também garante uma série de outros benefícios que Vera não conhecia: “Quando completei 60 anos, um benefício que eu não conhecia é que, se o idoso nunca contribuiu com o INSS, ele tem direito a um salário mínimo por mês. Se ele for atrás, consegue receber esse salário”, ressalta.

Os idosos têm vários benefícios e preferências garantidos por lei, como gratuidade no transporte público, meia-entrada em cinemas e teatros,  atendimento prioritário, vaga exclusivas e medicamentos de graça.

Descontos em viagens também são comemorados pela população que chega à terceira idade, como Sonia Maria, de 69 anos. Mas ela enfatiza que as empresas de transporte poderiam oferecer mais opções aos idosos.

“O problema é que só são dois lugares no ônibus. Então, você nunca consegue. Antes, a gente agendava com dois dias de antecedência. Agora, você fica uns dois meses para agendar. Dois lugares é muito pouco em um ônibus. Não quero ficar implorando na rodoviária”, reclama.

No Brasil, a maior conquista dos idosos foi a promulgação da Lei 10.741/2003, conhecida como Estatuto do Idoso. Essa lei regula os principais direitos dos idosos, os deveres da sociedade, da família e do Poder Público. “Tal lei visa assegurar ao idoso todas as oportunidades para preservação de sua saúde física e mental”, explica a presidente do Instituto Defesa Coletiva, Lillian Sangado.

Assim como Vera e Sonia, muitos idosos desconhecem outros benefícios dos quais poderiam desfrutar quando chegam aos 60 anos de idade. Com ajuda de Lillian Salgado, fizemos uma lista de direitos que são pouco conhecidos da população em geral.

Direitos dos idosos que você talvez não conheça

 

Isenção do IPTU

Os desdobramentos do Estatuto do Idoso – Lei Federal n. 10.741/2003 vêm garantindo várias outras isenções tributárias, tais como do Imposto Territorial Urbano (IPTU). A isenção varia dependendo do município. A norma vale para pessoas com idade acima de 60 anos, proprietárias de um só imóvel, aposentadas e com renda de até dois salários mínimos.

O primeiro passo é procurar a Secretaria da Fazenda ou Agência da Receita Federal onde serão fornecidos todos os dados do idoso que está pedindo a isenção.

Algumas cidades do Brasil já possuem a isenção, como a capital paulista, Sena Madureira, no Acre, Petrópolis, no Rio de Janeiro, e o Distrito Federal. Em Belo Horizonte, Minas Gerais, tramita projeto de lei (PL 90/17) que concede isenção fiscal do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) a imóvel exclusivamente residencial com valor máximo de R$ 300 mil pertencente a pessoas acima de 60 anos.

Pensão alimentícia

O dever de pagar alimentos não é exclusivo dos pais. A obrigatoriedade de o filho pagar pensão para seu ascendente também é prevista legalmente. De acordo com o artigo 12 do Estatuto do Idoso, aqueles que não tiverem condições de se sustentar têm direito a receber pensão e a escolher de qual dos filhos vai receber. O não pagamento pode resultar na prisão do inadimplente. O Código Civil e a Constituição apoiam essa medida.

Caso os filhos não tenham condições financeiras de pagar, o idoso pode pleitear o benefício assistencial, cujo valor é de um salário mínimo mensal ao cidadão com mais de 65 anos que não possui renda suficiente para manter a si mesmo e à sua família, conforme os critérios definidos na legislação.

Assistência à saúde

O Poder Público deve fornecer gratuitamente medicamentos aos idosos, especialmente em relação àqueles de uso continuado, como próteses. Os idosos também têm atendimento preferencial no Sistema Único de Saúde (SUS).

Ainda que o Estatuto do Idoso vede a discriminação por parte dos planos de saúde, no tocante à cobrança de valores diferenciados em razão da idade, a jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça (STJ) entende que o ajuste proporcional de preços à idade do segurado está ligado à expectativa de aumento na procura por serviços médicos e hospitalares por parte dos idosos. O que não se pode fazer, de acordo com a Corte, é tornar o valor da mensalidade tão elevado de modo a inviabilizar a aquisição do plano pelo idoso.

Medicamentos gratuitos

O artigo 15º do Estatuto do Idoso determina que cabe ao “poder público fornecer aos idosos, gratuitamente, medicamentos, especialmente os de uso continuado, assim como próteses, órteses e outros recursos relativos ao tratamento, habilitação ou reabilitação” de sua saúde.

Para ter acesso aos medicamentos do programa Farmácia Popular, tanto na rede própria quanto nas farmácias privadas conveniadas ao programa, segundo o Ministério da Saúde, é preciso apenas apresentar um documento de identidade com foto, CPF e receita médica dentro do prazo de validade.

Justiça

Os idosos também têm prioridade na tramitação de processos judiciais nos quais figure como parte ou interveniente. Para conseguir o benefício, é preciso fazer prova da idade e requerê-lo junto à autoridade judiciária competente. Em caso de morte, a prioridade se estende ao cônjuge ou companheiro, também com mais de 60 anos.

Transporte público

A gratuidade é assegurada pelo Estatuto do Idoso, mas há especificidades quanto à extensão do benefício nas legislações municipais. Assim, a idade mínima para entrar sem pagar pode variar entre 60 e 65 anos. Isso porque o estatuto estabelece a obrigatoriedade só a partir dos 65 anos e deixa a critério das administrações a decisão sobre incluir ou não os maiores de 60 anos.

Vagas exclusivas

De acordo com a legislação, 5% das vagas nos estacionamentos públicos e privados devem ser exclusivas a pessoas maiores de 60 anos de idade, sinalizadas e posicionadas de forma a garantir uma maior comodidade.

Atendimento preferencial

Segundo o estatuto, “é garantido ao idoso o atendimento preferencial e individualizado junto aos órgãos públicos e privados prestadores de serviço à população”. Este direito é também assegurado pela Lei 10.048/00 e pelo Decreto 5.296/04, que a regulamentou.

Ele assegura às pessoas idosas serem atendidas antes de qualquer outra, depois de concluído o atendimento que estiver em andamento em estabelecimentos como hospitais, clínicas, supermercados, cinemas e teatros, dentre tantos outros.

No caso dos serviços de emergência de saúde, a prioridade de atendimento ficará condicionada à avaliação médica em face da gravidade dos casos a atender. O artigo 16 do estatuto assegura o direito a acompanhante, a quem deverá ser garantida condições adequadas para a sua permanência no local, em tempo integral.

Meia-entrada

O estatuto estabelece que maiores de 60 anos de idade têm “pelo menos 50% de desconto no pagamento de atividades culturais, de lazer, artísticas e esportivas”. As regras variam em cada município, mas, em geral, só é preciso apresentar o documento de identidade.

 

Órgãos de defesa dos idosos

• Disque 100: Disque Direitos Humanos. Através deste telefone, você poderá registrar uma denúncia de desrespeito a sua pessoa.

• Centros de Referência de Assistência Social (CRAS)

• Centro de Referência Especializado de Assistência Social  (CREAS)

• Delegacia dos Idosos

• Promotoria dos Idosos

• Conselho Municipal do Idoso

• Conselho Estadual do Idoso

• Conselho Nacional do Idoso

• Procon

• Juizado de Relações de Consumo

• Banco Central (BACEN).

 

Fonte: Estadão

26 set
Desenvolvimento de Games: o que você precisa saber?

Escola de tecnologia aplicada

Muitos desenvolvedores de jogos são Engenheiros de Software

Desenvolver jogos requer muito estudo

Muitas pessoas se interessam por trabalhar com desenvolvimento de games apenas por conta de sua paixão por jogos. Contudo, essa é uma área da computação bem complexa e que exige muito comprometimento, dedicação e estudos.

Claro que a paixão por games pode vir a servir como combustível para manter-se focado em atuar na área, porém essa profissão vai muito além disso. Por isso, no artigo, vamos apresentar tudo o que você mais precisa saber a respeito de desenvolvimento de games.

O que faz um desenvolvedor de games?

Os desenvolvedores de jogos projetam e criam jogos para computadores, celulares e consoles. Eles estão envolvidos na concepção, bem como a execução do projeto.

Embora os requisitos de educação variem com base em empregadores, muitos desenvolvedores de jogos em potencial procuram um diploma de bacharel em ciência da computação, engenharia de software ou um campo relacionado — mas já existem cursos específicos.

Como desenvolvedor de games, você pode projetar as principais características do jogo, supervisionar os testes e elaborar o design.

Você também pode trabalhar na produção e conceito artístico. Essa carreira permite muito o uso da criatividade, mas a concorrência por empregos é intensa.

O que é preciso para iniciar na carreira?

Busque uma formação

Desenvolvedores de jogos podem ter um fundo geral em ciência da computação ou eles podem ter concluído um programa de educação formal para se tornar um designer de videogame.

Um curso de desenvolvimento de jogos digitais normalmente inclui classes em C ++, cálculo, design orientado a objetos, algoritmos de jogos, gráficos de computador e fundamentos de rede.

Crie seu portfólio

A maneira mais eficaz de ser notado pelos estúdios de games é criar seus próprios projetos e colocá-los em um portfólio.

Uma carteira de sucesso deve incluir vários pequenos jogos que podem ser jogados até a conclusão. O portfólio deve oferecer aos leitores links para todo o software de instalação necessário para que cada game funcione.

Como backup, devem haver screenshots de cenas cruciais para que eles possam ser avaliados.

O portfólio deve ter, também, o código-fonte de todos os jogos. As notas devem dar crédito a todos os colaboradores que possam ter ajudado com elementos de design, programação ou apresentação dele.

Encontre um estágio

Desenvolvedores iniciantes, muitas vezes, têm dificuldade de conseguir um espaço na indústria de videogames, porque a maioria dos grandes estúdios exige experiência.

Alguns novos programadores encontram suas primeiras posições profissionais em pequenas empresas, fazendo jogos mais simples e curtos para dispositivos móveis e sites de mídia social.

Construa um network

Uma maneira de ganhar uma vantagem no mercado de trabalho competitivo é por meio da rede em blogs, fóruns e sites mais visitados pelos desenvolvedores de jogos.

Às vezes, os contatos profissionais adquiridos nesses sites vão pedir carteiras ou anunciar posições disponíveis não encontradas em plataformas de emprego tradicionais.

Seja autodidata

Como um desenvolvedor iniciante, você terá que descobrir um monte de coisas por si mesmo. É claro que você deve contar com alguma supervisão, principalmente nos primeiros passos, mas isso não quer dizer que você não precisa ser proativo.

Busque se atualizar constantemente sem precisar esperar que alguém peça por isso.

Amplie seus horizontes

Conhecer coisas fora dos games é uma coisa boa para formar referências. Certifique-se de fazer algo além dos jogos, como estudar outras matérias na faculdade que não do sejam do seu curso.

Pegue um hobby de algo totalmente sem relação: alguns dos melhores candidatos são entusiastas da arte, praticam esportes seriamente, simpatizam e estudam a filosofia oriental ou tocam violão, por exemplo.

Jogue regularmente

Se você está indo para o desenvolvimento de games, é melhor jogar com certa regularidade. Você não precisa ser um jogador hardcore, mas deve consumir alguns títulos para ter uma base sobre o mercado.

Esteja pronto para discutir seus gostos nos jogos, o que você está jogando recentemente, por que você gostou deles etc. É bom ter uma ideia do que você está buscando quando você está criando um game. Além disso, quanto mais você jogar quanto mais você gostar de jogar, mais motivação terá para realmente querer trabalhar com eles.

 

Você é aluno do 2º e 3º ano Ensino médio ou Pré-Vestibular e quer saber mais sobre desenvolvimento de games e a faculdade de Engenharia de Software? O iCEV Experience vai te dar o gostinho de como é o ensino superior.

Adivinha qual será o tema do próximo iCEV Experience?

Introdução ao Desenvolvimento de games

Não perde! A oficina será dia 6 de outubro, das 10h às 12h30. Faça sua inscrição! 

 

 

Fonte: Blog Player ID

24 set
Desenvolva esses 11 comportamentos para se dar bem nos negócios

Escola de negócios e gestão

Você conhece os principais desafios de empreender? Já pensou em como pode melhorar a sua liderança diante da sua equipe?

Você sabe quais são suas competências?

Então você decidiu que quer empreender, ouviu consultores, especialistas, leu revistas sobre os melhores negócios e percebeu que precisa de um plano, capital de giro, linha de crédito, estudou taxas, checou a viabilidade econômica, trabalhou o marketing, o financeiro, o comercial e o operacional, mas, será que isso, por si só é o suficiente? Conheça outros desafios, talvez os principais, a serem superados pelo empreendedor para que o seu negócio possa se desenvolver:

1- Saiba motivar a equipe

Todos nós sabemos da pressão diária que o empreendedor sofre para cumprir com todos os seus compromissos, às vezes parece que ele carrega o peso do mundo nas costas, mas já parou para pensar como é ruim trabalhar com uma pessoa ranzinza e mal-humorada? Isso tira o tesão de qualquer um, portanto, descubra formas de se motivar diariamente e estimular a sua equipe para que se sintam igualmente motivados, mesmo que isso lhe custe algum sacrifício.

2- Defina uma rota estratégica

Não saber ao certo o que o espera no ponto de chegada é um risco, mas se não fosse assim, dificilmente haveriam desbravadores, como os pesquisadores e até astronautas que se aventuraram em grandes expedições sem saber ao certo o que os aguardava no ponto de chegada, no entanto aproveitaram bem a jornada para fazer grandes descobertas e com isso, acabaram por contribuir com a humanidade. Do mesmo modo, o empreendedor, tem uma visão de futuro que vai ficando mais clara à medida em que ele se lança no desafio de empreender. Siga adiante!

3- Cuidado com prazo e qualidade

Muitas vezes, o empreendedor terá que responder pelo prazo e qualidade do trabalho realizado por funcionários, parceiros e colaboradores com muito cuidado e jogo de cintura para não desmerecer o produto ou serviço prestado pela sua empresa e tampouco desqualificar a sua equipe para o cliente.

4- Se reinvente

Tenha claro que a competição é uma irremediável realidade com a qual precisará conviver diariamente, para isso, precisa conhecer bem o mercado em que atua e descobrir o quanto antes o seu diferencial em relação aos demais players (concorrentes) e se reinventar constantemente.

5- Avalie suas competências

É muito importante ter senso crítico para avaliar competências, pois só assim será possível distribuir tarefas adequadas a cada perfil, bem como definir um time de trabalho colocando as pessoas certas nos lugares certos.

6- Saiba lidar com conflitos

Onde há pessoas, certamente há, ali, uma possibilidade de ocorrer algum conflito, como empreendedor, é importante lidar com essas questões de forma imparcial e livre de qualquer tipo de interesse, pois qualquer tomada de decisão neste sentido, deverá sempre favorecer a empresa.

7- Defina processos

Eu me arriscaria a dizer que, um sonho de consumo de 101 em cada 100 empreendedores seria o de que a sua empresa funcionasse de forma mais autônoma quanto possível, para isso, é necessário definir muito bem os processos, desenhar o fluxo, criar um manual e mantê-los atualizados, você pode utilizar o design thinking para começar, isso requer técnica e muita paciência, mas pelo menos, uma vez pronto, não o tornará refém de uma pessoa para realizar aquela tarefa, pois você e qualquer outro colaborador, conseguirá executar acompanhando o passo-a-passo do processo no manual.

8- Saiba lidar com a equipe

Então, eis que depois de muito esforço, você finalmente formou aquele time dos sonhos, não se iluda, esteja preparado para lidar com comportamentos inadequados com cuidado e moderação, porque por mais que você tenha razão, suas palavras e seus gestos poderão se voltar contra você, com uma simples alegação de assédio moral.

9- Comunique-se bem

Comunique-se de forma adequada, tenha a certeza absoluta e inequívoca de que a outra parte compreendeu exatamente todo o seu comando, cheque o entendimento solicitando que ele repita o que entendeu, essa é uma forma de evitar custos com retrabalho, e da mesma forma, quando alguém lhe comunica algo, repita para que o outro ouça, como forma de evitar informações distorcidas ou equivocadas. Uma maneira muito eficiente de transmitir um comando por escrito, é fazendo check list, você perceberá que dá um certo trabalho, mas acredite, o resultado é recompensador.

10- Entenda o impacto de sua decisão

Entenda que uma decisão que você tome pode impactar a vida de muitas pessoas: Funcionários, parceiros, clientes e seus respectivos familiares, portanto, muitas serão, certamente, impopulares, porém, necessárias, decida pelo bem de todos e não para atender interesses particulares.

 

11- Seja resiliente, você vai precisar!

Muitas vezes será incompreendido, rotulado, discriminado e ficará sozinho com a sua decisão, decida assim mesmo, pode ser que você seja obrigado a ouvir insultos e ofensas gratuitas, nessa hora, mais do que nunca, você precisará ressignificar para poder seguir em frente, se a decisão tomada for a correta, mais cedo ou mais tarde você terá o respeito de todos, afinal, nunca esqueça que julgar é fácil, difícil é ir lá e fazer. E se você leu esse artigo até aqui, parabéns, você já está fazendo!

 

Fonte: Administradores.com 

Tem uma pergunta?
Nós estamos aqui para ajudar. Envie-nos um e-mail ou ligue-nos para (86) 3133-7070
Entrar em contato!
© 2017 iCEV Instituto de Ensino Superior