fbpx

10 maio
Danny Barradas é entrevistada Revestrés e atração confirmada do Salipi

iCEV

Danny Barradas está em todas! A condutora da nossa oficina “Expedições pelo mundo da cultura” é a entrevistada principal da Revista Revestrés número #35, que acaba de chegar às bancas. Em 13 páginas, Danny fala da vida pessoa, do trabalho, da sua condição de mulher trans e de como descobriu, na leitura um refúgio.

LEIA PRÉVIA DA ENTREVISTA

O bate-papo aconteceu em abril deste ano, no apartamento da professora, onde mora com a família. Danny recebeu a equipe da revista cultural para uma conversa franca que levou horas de duração e resultou na entrevista publicada.

Esta semana, ainda, Danny também foi revelada como uma das principais atrações confirmadas na 16ª edição do Salipi – Salão do Livro do Piauí – que este ano acontece de 1 a 10 de junho. A professora vai comandar um curso de quatro dias sobre literatura clássica.

A metamorfose: preconceito e empatia são debatidos em oficina de literatura

“A literatura serve para irrigar o Direito”, Danny Barradas comanda oficina de argumentação no iCEV

Consciência da morte e busca por status guiam oficina com Danny Barradas

09 maio
Em busca da segurança jurídica perdida (II)

Escola de direito aplicado

Na semana anterior iniciou-se a apresentação da temática da busca pela retomada da segurança jurídica. Disse-se que “é preciso que se volte a discutir acadêmica e socialmente a teoria de divisão de Poderes (Legislativo, Executivo e Judiciário) em uma República como a brasileira, bem conformando-se o papel de cada qual”. Isso envolve a refuncionalização do Direito como sistema normativo de ordenação social, no sentido de que seja possível a convivência prevalentemente pacífica entre os mais variados grupamentos sociais e que a política, e não a força bruta, seja o veículo de construção de maiorias e de determinação do modelo de Estado e de suas políticas públicas.

Esse propósito demanda que haja certa previsibilidade quanto à amplitude interpretativa e aplicativa do Direito. Por certo, se em tese qualquer interpretação, decisão e aplicação de normativa jurídica fosse possível, não haveria a menor necessidade de haver ordenamento jurídico legislado; bastaria a boa vontade, ou o bem senso, dos bons. A distância para o arbítrio seria mínima – se existente. Não se quer com isso dizer que não exista, ou não deva existir, certa margem discricionária no processo decisório. Ao contrário, tal margem existe e deve sempre existir, pois permite que o sistema jurídico tenha zonas de amortecimento e flexibilidade para alterações paulatinas na jurisprudência, que a adaptam aos novos problemas que a vida social sempre há de criar.

O que não é possível – e não deve ser admitido – é que o aplicador do Direito, seja do Poder Executivo ou do Judiciário, aja conforme sua própria consciência ou senso de justiça em desconsideração ao Direito posto. Surge então a importante questão que requer um difícil equilíbrio: como se formatar um sistema que permita ao mesmo tempo o império da lei e a liberdade de interpretação-decisão-aplicação das normativas jurídicas? Aparentemente, os instrumentos para o alcance desse objetivo já estão anunciados no próprio sistema jurídico brasileiro. São eles, principalmente, (a) a estabilidade, integridade e coerência da jurisprudência de nossos tribunais; e (b) a validação de certos cânones interpretativos pela comunidade científica do Direito. Isto é, tais mecanismos tendem a concomitantemente reforçar o respeito aos precedentes no direito brasileiro, e a aproximar os nossos tribunais à doutrina.

Esses serão os tópicos abordados nesta coluna nas próximas semanas.

(Originalmente publicado aqui)

26 abr
O que leva as pessoas a amarem as marcas

Escola de negócios e gestão

 

Exceder expectativas, definir tendências, compartilhar valores, construir confiança, elevar experiências e respeitar os consumidores são os seis principais fatores que definem o que faz um consumidor amar as empresas. A conclusão é de um estudo realizado pela Oath, subsidiária da Verizon, divulgado nesta quarta-feira (24/04).

Para realizar o levantamento foram analisados dados de mais de 150 mil consumidores em 13 países, incluindo o Brasil. Segundo o estudo, a capacidade de uma marca de exceder as necessidades ao fazer algo que nenhuma outra marca faz (ou ao fazer melhor) é o fator mais forte (30%) de amor pela marca em todo o mundo. Conversar e se posicionar sobre temas que se destacam na atualidade também conta muitos pontos entre os consumidores.

Sessenta e dois por cento dos consumidores dos Estados Unidos esperam que as marcas que eles amam apoiem publicamente a igualdade e a diversidade; no entanto, apenas 25% querem ver o apoio público a um partido político. Cinquenta e nove por cento da geração Y dos Estados Unidos acham que é importante que uma marca apoie as mulheres em posições de liderança e na eliminação das disparidades salariais, em comparação com menos da metade dos Baby Boomers (49%).

Com relação à inovação, o estudo mostra que as marcas que criam novas experiências de interação também desenvolvem laços mais fortes com consumidores. Isso inclui investir em realidade virtual, vídeo 360° e conteúdo em tempo real.

Em conversa com Época NEGÓCIOS, Maya Abinakad, diretora global de marketing da Oath, forneceu mais detalhes sobre a forma como o índice é realizado, os fatores que mensuram o amor de uma pessoa pelas marcas e sobre a importância das empresas de se posicionarem.

 

Exceder expectativas, definir tendências, compartilhar valores, construir confiança, elevar experiências e respeitar os consumidores são os seis principais fatores que definem o que faz um consumidor amar as empresas. A conclusão é de um estudo realizado pela Oath, subsidiária da Verizon, divulgado nesta quarta-feira (24/04).

Para realizar o levantamento foram analisados dados de mais de 150 mil consumidores em 13 países, incluindo o Brasil. Segundo o estudo, a capacidade de uma marca de exceder as necessidades ao fazer algo que nenhuma outra marca faz (ou ao fazer melhor) é o fator mais forte (30%) de amor pela marca em todo o mundo. Conversar e se posicionar sobre temas que se destacam na atualidade também conta muitos pontos entre os consumidores.

Sessenta e dois por cento dos consumidores dos Estados Unidos esperam que as marcas que eles amam apoiem publicamente a igualdade e a diversidade; no entanto, apenas 25% querem ver o apoio público a um partido político. Cinquenta e nove por cento da geração Y dos Estados Unidos acham que é importante que uma marca apoie as mulheres em posições de liderança e na eliminação das disparidades salariais, em comparação com menos da metade dos Baby Boomers (49%).

Com relação à inovação, o estudo mostra que as marcas que criam novas experiências de interação também desenvolvem laços mais fortes com consumidores. Isso inclui investir em realidade virtual, vídeo 360° e conteúdo em tempo real.

Em conversa, Maya Abinakad, diretora global de marketing da Oath, forneceu mais detalhes sobre a forma como o índice é realizado, os fatores que mensuram o amor de uma pessoa pelas marcas e sobre a importância das empresas de se posicionarem.

Como vocês definem o que é amar uma marca? Considerando a perspectiva da empresa e dos consumidores?

Amor à uma marca é similar ao amor a um humano. Diz respeito a saber perdoar, a se sentir feliz, confortável, familiar. É algo que anima, que é real. Se sentir amada faz uma pessoa se sentir conectada, apoiada, ouvida, desafiada, entendida. É nesse aspecto que uma empresa pode conquistar o amor de alguém. Para o nosso estudo, nós definimos seis fatores que constituem essa relação boa. Consideramos as nuances entre indústrias, gerações e mercados. E olhamos como isso se reflete no trabalho de quem realiza o marketing, nas ferramentas que utilizam para atingir o coração dos consumidores, principalmente através do mobile.

O quanto essa relação de amor depende hoje em dia de uma empresa estar bem posicionada no digital?

Estar acessível ao que seus consumidores desejam é um componente valioso para construir uma relação forte, mas que essa relação seja sustentável é preciso entender também o que é mais importante para os seus consumidores. Há momentos onde a customização é mais importante, outros onde o elemento surpresa faz diferença. Então, diríamos que todos os pontos de contato digitais são importantes, mas as marcas devem priorizar esse contato com base naquilo que impulsiona uma relação de amor com os consumidores de um mercado ou categoria específica.

Hoje então precisamos falar muito mais de criar experiências do que fazer marketing?

Não existe uma abordagem única para o marketing. A realidade é que fazer marketing é muito mais do que colocar anúncios na televisão ou no online. Diz respeito a como criar conexões humanas, estimular emoções, escutar os consumidores para conseguir se envolver com eles. Mas levar a experiência para outro nível é algo que se destacou na nossa pesquisa tanto entre os consumidores millenials quanto entre os baby boomers. Estamos aqui falando do modo como a marca é apesentada e “embalada”, como é a experiência da loja, o atendimento ao cliente, o contato nos aplicativos móveis e até mesmo na forma como uma publicidade é feita. As pessoas amam as marcas que transformam o ordinário em memorável.

O estudo defende que as empresas precisam se posicionar a respeito dos temas da atualidade. Podemos falar portanto sobre tomar posições polêmicas em alguns casos. Quais aspectos a empresa deve considerar na hora de conectar a sua marca a uma questão política, social ou cultural?

Os consumidores hoje têm expectativas mais altas. Estão exigindo ações de marcas sobre problemas com os quais se importam e entendem o poder que uma empresa tem de usar sua voz em nome de algo bom. Compartilhar valores aparece como um dos seis principais fatores impulsionadores de amor à marca, confirmando o quão importante isso se tornou na relação. Mas em um mundo extremamente conectado, é mais difícil para as empresas optarem por questões controversas porque se algo der errado, espera-se que a empresa reaja quase que imediatamente. Portanto, na hora de se posicionar, as marcas devem considerar aquilo em que realmente acreditam. Esses valores podem ajudar a moldar tudo o que a organização faz e devem servir como diretriz para seus funcionários. Também é importante que as marcas entendam seus consumidores de uma forma mais profunda. Como parte do nosso estudo, perguntamos aos consumidores o que eles exigem das marcas em questões específicas, como direitos LGBT, igualdade de gênero e sustentabilidade. Mais da metade dos entrevistados espera que as marcas apoiem publicamente e de forma ativa todas essas questões, e esse número é maior entre os consumidores mais jovens. A realidade é que os consumidores querem que as marcas estejam na linha de frente gerando mudanças.

Fonte: Época Negócios

25 abr
Em busca da segurança jurídica perdida

Escola de direito aplicado

A atividade docente é bom termômetro para a identificação de característico sintoma vivido nos últimos anos pela sociedade brasileira: o sentimento de insegurança jurídica. Isto é, comumente surge em sala de aula debate motivado pela perplexidade do corpo estudantil quanto ao distanciamento, cada vez mais elástico, entre a teoria do direito e a realidade social. Mais que isso: sente-se um esgarçamento do direito normatizado que traz consigo o indesejado efeito de perda de um referencial normativo que traga previsibilidade às relações sociais e, a seu reboque, paz às pessoas em todas as suas atividades, públicas e privadas.

Aparente e infelizmente, todas as carreiras que atuam na dinâmica jurídica têm dado contribuições ao incremento desta sensação de insegurança jurídica. Entre outras causas, certamente há a percepção majoritária na sociedade de que o direito legislado não serve mais às demandas republicanas. Em uma democracia, não podem haver tabus, de maneira tal que é legítimo que sejam discutidos publicamente os mais variados temas, desde, exemplificativamente, o combate à corrupção até a criação de títulos cambiais privados e paralelos ao sistema bancário destinados ao financiamento do agronegócio brasileiro.

Todavia, é importante se ter em conta que ainda somos uma democracia consideravelmente jovem e em processo de amadurecimento. Quer-se com isso dizer que todos os nossos problemas jurídicos não serão resolvidos por decreto e imediatamente. A democracia tem seus caminhos, nem sempre lineares, mas que devem ser respeitados a fim de que as atualizações no ordenamento jurídico – afeitas aos atuais problemas sociais – sejam implementadas solidamente. Alterações bruscas, não dialogadas, e por vezes violentas (pela ação ou pelo discurso), tendem a ter vida breve pois causam tensionamentos entre os diversos agrupamentos sociais, que sempre divergirão sobre determinadas questões.

Divergências sempre existirão, mas estamos todos fadados a conviver neste incrivelmente belo e fértil país – o nosso Brasil. Precisamos construir uma nação que saiba dialogar, que seja tolerante com a divergência e que conviva em paz. É preciso amadurecer a prática e a vivência democrática, acreditando em seus veículos políticos de debate e de consolidação do Direito como instrumento de harmonização social. Se este possivelmente não seja o caminho mais curto, certamente é o mais duradouro. Nesse quadro, é preciso que se volte a discutir acadêmica e socialmente a teoria de divisão de Poderes (Legislativo, Executivo e Judiciário) em uma República como a brasileira, bem conformando-se o papel de cada qual. Tudo no propósito, reafirme-se, de que o jogo democrático volte a operar de modo menos disruptivo, como tem ocorrido nos últimos anos no Brasil.

(Artigo originalmente publicado aqui)

24 abr
3 passos para adotar inteligência artificial em empresas

Escola de tecnologia aplicada

Inteligência artificial (AI) é a buzzword do momento. Empresas fazem planos robustos e startups prometem desenvolver projetos incríveis sobre essa tecnologia. Os níveis de interesse e investimento em inteligência artificial têm crescido tanto nos últimos três anos que alguns já começam a traçar paralelos com a bolha da internet, que ocorreu nos anos 90. Mas, afinal, o que é AI e como ela realmente pode ajudar a sua empresa a crescer?

Os sistemas de AI são capazes de realizar, de forma muito mais eficiente, tarefas simples e repetitivas do cotidiano de grandes organizações, como emitir e conferir notas fiscais, conferir pedidos de benefícios de empregados, enviar e-mails de cobranças a fornecedores e até tomar decisões complexas como, por exemplo, definir qual cliente tem maior probabilidade de comprar um determinado produto.

PÓS EM DESENVOLVIMENTO DE JOGOS. SAIBA MAIS!

 Antes de chegar nesse nível, porém, o mais indicado é iniciar esse processo de mudança com pequenos passos, mas com uma visão ampla para o futuro. Nesse ponto entra o Robotic Process Automation (RPA), que nada mais é do que um software que automatiza as ações do usuário. Apesar de simples, o RPA é um primeiro passo na escalada da inteligência artificial corporativa. O grande diferencial do RPA é que ele não precisa desenvolver interfaces complexas e consegue ser flexível o suficiente para que sua manutenção seja relativamente simples. Isso reduz muito o seu tempo e custo de implantação.

Após ter implementado alguns processos e colhido os frutos dessa automação, o próximo passo nessa jornada é incluir alguns elementos cognitivos no caminho, como reconhecimento de imagens, chatbots – é um robô que conversa com as pessoas via chat – ou até alguns algoritmos baseados em aprendizado de máquina (machine learning). Por exemplo, é possível automatizar todo o processo de pagamento de uma nota fiscal, com robôs que reconhecem o valor da nota, validam o processo e executam o pagamento.

CONFIRA A PÓS-GRADUAÇÃO EM BUSINESS DATA SCIENCE DO iCEV

O terceiro passo nessa jornada é mais complexo, pois quando a empresa começa a desenvolver modelos baseados em Machine Learning para prever resultados futuros com base em seus dados históricos. São projetos de investimento mais elevado, mas que permitem, por exemplo, otimizar o consumo de matérias-primas, aprimorar a manutenção de equipamentos e até melhorar a compreensão sobre seus clientes.

Grandes empresas brasileiras já estão trabalhando fortemente na adoção da inteligência artificial em suas operações e colhendo benefícios concretos e impressionantes. Mas a sua empresa não precisa ser uma grande corporação para começar a trabalhar com a inteligência artificial. Projetos de RPA, por exemplo, podem ser executados com orçamentos relativamente modestos e até mesmo ser realizados de forma modular, no qual a automação de um processo piloto é capaz de ter resultados expressivos que podem ser utilizados para financiar os próximos passos, criando assim um ciclo virtuoso de automação e eficiência.

*Martin Seefelder é gerente sênior da Deloitte Brasil e certificado em inteligência artificial para negócios pelo MIT (Massachusetts Institute of Technology)

Fonte: IDG Now

23 abr
5 negócios inusitados criados por brasileiros para inspirar você

iCEV

O povo brasileiro é bastante criativo. E essa inventividade toda reflete nos negócios.

O país tem negócios que, em um primeiro momento, parecem estranhos. Mas que, no fim, tornaram-se um sucesso.

Conheça, abaixo, alguns deles. E se inspire – quem sabe a sua “ideia maluca” não se transforma em uma oportunidade milionária?

Confira:

1. Vending machine de feijoada
As vending machines de alimentos industrializados e refrigerantes são comuns nas grandes cidades. Mas você já viu feijoadas congeladas nessas máquinas? Essa é a proposta da Mistura Saudável, uma empresa criada pelo casal Ricardo Comino França e Priscila Zagordo Comino. A empresa vende ainda opções como lasanha, panqueca e estrogonofe, entre outras.

Saiba mais sobre a Mistura Saudável em https://glo.bo/2qWTRbl.

2. “Bosta em lata”
“Você vende até bosta em lata”. Dita em um tom de brincadeira, essa frase mudou o rumo dos negócios do empreendedor Leonardo de Matos. Reconhecido por ser um bom vendedor, Matos decidiu levar a provocação a sério e abriu a Bosta em Lata, que vende pequenas latas de adubo. O produto é composto por esterco, casca de árvore e dejetos de aves e só é vendido por e-commerce. Em um ano e meio de vida, a empresa faturou cerca de R$ 210 mil.

Conheça mais detalhes sobre a Bosta em Lata em https://glo.bo/2ETEHbM.

3. Cerveja pra cachorro
O empreendedor paulista Lucas Marques aposta na união de duas paixões dos brasileiros, a cerveja e os animais de estimação, para faturar com a Dog Beer, uma cerveja para pets. A bebida, vale dizer, não tem gosto de cerveja – é vendida nos sabores carne e frango.

Saiba mais sobre a Dog Beer em https://glo.bo/2vEL8A5.

4. Ar enlatado
A empresa Lata de Ar, criada no Paraná, vende, como o nome diz, ar enlatado de diversas cidades brasileiras. Tem ar do Rio, de São Paulo e de Curitiba, entre outras cidades. Mas, no fundo, a empresa é especializada mesmo na venda de souvenirs –  o “ar” é só pretexto para vender as latinhas, decoradas com os pontos turísticos do município em questão.

Conheça a Lata de Ar em https://glo.bo/2qVmwhb.

5. Ovos por assinatura
Depois de observar o crescimento dos “carros do ovo” em Salvador, o empresário Leonardo Araújo decidiu criar uma alternativa diferente para vender ovos: um serviço de assinatura. Criou, em maio de 2017, o Site do Ovo, que entrega os produtos na casa dos clientes. O negócio oferece três planos – semanal, quinzenal e mensal – e tem um ticket médio de R$ 70.

Saiba mais sobre o Site do Ovo em https://glo.bo/2qUXONU.

 Fonte: Pequenas Empresas & Grandes Negócios

18 abr
As 10 vezes em que o iCEV provou que é diferentão

iCEV

 

1) Quando a galera saiu da prova e tinha… pizza! (Projeto Pizza para Todos, rysos)

 

2) Quando o nosso “rei do instagram” faz cobertura em tempo real das aulas.

 

3) Quando os tutores organizaram por sua conta e risco aquela revisão marota antes da prova.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

4) Quando o juiz Pedro Felipe mandou uma mensagem muito amorzinho pra turma de Direito.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

5) Quando a Atlética se reuniu com a nossa equipe de marketing pra fazer uma plataforma de branding (chique, não?)

 

6) Quando a gente lembra que não precisa gastar toda a mesada com xérox porque, opa, aqui tem chromebook!

 

7) Quando o professor é também blogueirinho e escolhe as meias mais descoladas para ir dar aula (e pra dar entrevista na TV também)

Digital Influencer: Horácio Neiva 😀

 

8) Quando o coordenadorzão da galera dá aquela incentivada.

Jeito carinhoso e motivacional de dar aquela bronca

 

9) Quando a professora usa memes pra ilustrar os slides.

Entendedores entenderão

 

10) Quando o professor leva chocolate pra engordar a turma.

TQR!

 

 

 

26 mar
Indignação seletiva X indignação nenhuma

Escola de direito aplicado

Neste exato momento, enquanto escrevo estas linhas, enquanto você curte seu final de semana e toma sua cerveja, uma pessoa (muito provavelmente) está sendo assassinada no mundo. Ou morrendo de fome. Ou desfalecendo numa maca de hospital.

É possível viver normalmente sabendo que, enquanto vivemos nossas vidas, outras pessoas perdem injustificadamente as suas?

Pensem no seguinte: a conta do restaurante ou da balada em que você se encontra neste exato momento seria suficiente para comprar algumas dúzias de vacinas que salvariam a vida de algumas dúzias de crianças na África. Será que é justo tomar uma cerveja sabendo que esse dinheiro poderia estar sendo usado para efetivamente salvar uma vida, ou talvez várias?

Essas são perguntais difíceis e bastante incômodas. Gente como Peter Singer tentam nos pressionar a pensar nessas coisas e perceber a imoralidade de nossa própria situação. Mas não gostamos de pensar nisso, e continuamos vivendo.

E talvez a única alternativa seja essa. Talvez haja uma justificativa moral para não sermos altruístas efetivos, como quer o Singer. Talvez haja algum argumento, perdido ou meio escondido, para justificar luxos diante de tanta miséria.

A grande questão, no entanto, é que não nos incomodamos com isso. Não pensamos, enquanto ajudamos uma pessoa necessitada, das tantas outras que não ajudamos. Nem pensamos, enquanto aproveitamos um momento de lazer, do que poderíamos estar fazendo para salvar outras tantas pessoas. Pelo menos ajudamos alguém, não é mesmo?

Quando o que está em jogo é uma questão política, contudo, a resposta parece ser “não”. Já não falo, agora, das pessoas que não ajudamos, mas das tragédias que não lamentamos. Quantas pessoas são brutalmente assassinadas todos os dias no Brasil? Várias. Muitas.

Não lamentamos todas essas mortes, assim como não ajudamos a todas as pessoas que poderíamos.

No entanto, se ajudar uma única pessoa já é um ato valioso, lamentar uma única tragédia também deveria sê-lo. Ainda mais quando esta tragédia é representativa de tantas outras, é simbólica da violência sistemática que aflige a todo um país. Às vezes, lamentar uma tragédia é lamentar muitas outras.

O problema é que, possuindo a tragédia uma indiscutível conotação política, surgem aqueles, rápidos e barulhentos, a nos apontar as tantas outras que não lamentamos. A revolta só é justificada, pensam, se for precedida de uma revolta, em igual medida e intensidade, por todas as tragédias que já ocorreram. Há uma ordem de revolta que deve ser preenchida, antes de podemos nos revoltar contra algo.

Não preciso dizer que a hipocrisia desse argumento começa porque os acusadores não raro escolhem suas próprias tragédias para lamentar, esquecendo tantas outras que possam não lhes ser convenientes.

Mas há algo de ainda mais hipócrita nisso tudo: é que vivemos, sempre e a todo momento, escolhendo. Escolhendo quem ajudar, escolhendo do que lamentar e contra o que se revoltar. Se essa posição não está moralmente justificada, só posso dizer que os “fiscais da revolta alheia” não se sairiam melhor ao analisarem suas vidas com base nessa mesma escala moral.

Seria melhor nos revoltamos contra tudo, lamentarmos todas as tragédias? Seria. Assim como seria bom abandonar nossos luxos e ajudar, com aquele dinheiro gasto em coisas supérfluas, pessoas realmente necessitadas.

Mas não somos assim. E pior: estamos cada vez mais anestesiados diante de tantas brutalidades diárias. As tragédias são tantas que, mesmo que quiséssemos, não conseguiríamos lamentar por todas elas.

Isso não tira o mérito da revolta e do lamento por uma única tragédia. Ainda mais quando ela pode romper o ciclo de letargia e passividade a que uma onda aparentemente irrefreável de criminalidade nos lançou.

A morte de uma inocente é sempre uma tragédia. Lembrar de uma, de duas ou de cem, não é um problema: é o mínimo.

25 mar
Aprenda: métodos para ler melhor

iCEV

Técnicas fáceis podem ajudar a entender com mais profundidade o conteúdo dos livros

Ler, você já sabe, certo? Mas será que está aproveitando tudo que a leitura pode te oferecer? A maioria das pessoas não pensa muito sobre isso enquanto estão folheando as páginas de um livro, mas, certamente, se surpreenderiam ao descobrir que são capazes de absorver muito mais dessa experiência do que imaginam.

Você entende tudo que está lendo?

Ler, reler e ler de novo pode ser ótimo para absorver melhor o conteúdo e decorar as informações. No entanto, se não estivermos entendo completamente o que está escrito, esse processo será inútil. Muitas pessoas confundem o aprendizado com ler novas informações, o que está completamente errado.

Para aprender alguma coisa por meio da leitura, não basta, somente, passar os olhos pelas notícias de um jornal. É preciso ler com profundidade, buscar novas fontes, pesquisar os termos que você não conhecia e tentar se envolver ao máximo nessa experiência.

Leitura inteligente

O filósofo e escritor norte-americano Mortimer Adler, famoso por suas teorias pedagógicas, escreveu, na década de 1980, a obra “Como ler livros”, que ganhou o status de guia absoluto da leitura inteligente.

Em seu livro, Adler identifica quatro níveis de leitura: Elementar, Inspecional, Analítico e Comparativo. O que define o nível de leitura são os objetivos do leitor e o tipo de material que está sendo analisado por ele.

Ler um romance, um livro de Platão ou uma revista de fofocas exige diferentes tipos de habilidades. Para isso, antes de começar a passar os olhos pelos texto, pare e analise qual dos níveis de leitura e quais habilidades farão com que aquele material seja melhor aproveitado.

Os níveis de leitura

O nível elementar é aquele ensinado para as crianças nas escolas; o inspecional é uma leitura rápida, mas não superficial, capaz de identificar informações essenciais nos pequenos detalhes, como a capa e a biografia do autor; O nível analítico é aquele em que o leitor mergulha no conteúdo, absorvendo cada informação do livro. O comparativo é o mais complexo, pois exige a leitura de vários materiais sobre o mesmo tema, para fazer comparações e gerar novas ideias.

Passo a passo da leitura: veja como aplicar as técnicas

1 – Antes de escolher um livro para ler, ative no seu cérebro o modo inspecional. Ele vai ajudar a achar o material que mais se encaixa com as suas necessidades e objetivos;

2 – O segundo passo é usar o nível analítico para identificar palavras-chave e conseguir ter um entendimento profundo do conteúdo. Se necessário, enquanto estiver lendo as palavras do autor, traduza-as em sua cabeça para a sua própria linguagem.

3 – Ao invés de focar nos assuntos que o autor está discorrendo, concentre-se no que você está tentando descobrir com aquela leitura. Esse exercício ajuda a ver com mais clareza as respostas e soluções que estão escondidas no texto.

4 – Nunca aceite tudo que o autor fala como uma verdade absoluta. Esteja sempre em busca de novos livros e ideias sobre aquele mesmo assunto. Isso ajuda a formar um leitor inteligente e disposto a aprender.

Fonte: livrosepessoas.com

24 mar
5 dicas para fazer um pitch de sucesso

Escola de negócios e gestão

Parece fácil, mas conseguir vender sua ideia em poucos minutos é mais difícil do que você imagina

Falar sobre “pitch” é muito comum no universo dos negócios, mas poucas pessoas sabem o que é e como fazer com excelência. Então vamos lá! O pitch é um discurso curto e direto para apresentar o seu negócio. Na maioria das vezes, ele é utilizado para atrair investidores e trazer novos aportes para a empresa ou para o projeto, porém o modelo pode ser utilizado também para apresentar seu negócio para potenciais clientes e parceiros.

Parece fácil, mas conseguir vender sua ideia em poucos minutos é mais difícil do que você imagina. Fazer um bom pitch requer técnicas para o porta-voz aproveitar um curto espaço de tempo com um discurso de sucesso. Por isso, listamos algumas dicas que podem ajudar.

1. Saiba para quem você vai apresentar:

É importante que você pesquise, antes de tudo, sobre a sua audiência. Você pode apresentar para um potencial parceiro, para um investidor, para clientes ou para todos eles ao mesmo tempo. Você deve sempre adequar seu discurso para o público que vai apresentar.

2. Tenha uma apresentação estruturada:

Um pitch não é uma mera apresentação. Você precisa passar por cada uma das etapas do seu negócio e dar o tempo e peso certo para cada uma delas. É importante que você estruture bem esse conteúdo para passar por todos os pontos, sempre sendo claro e relevante.

3. Use dados:

Seja concreto na hora de usar números. Recheie seu conteúdo com números pertinentes ao seu negócio, como tamanho de mercado, números de usuários e dados que evidenciem o problema. Quantos mais dados concretos você utilizar para embasar seu pitch, melhor.

4. Mostre a que veio:

Mostre seu produto ou então a apresentação dele. Não adianta você fazer um pitch convincente se você não mostrar o seu produto ou serviço – mesmo que seja um protótipo. Se puder levar um produto físico para sua apresentação, melhor ainda!

5. Tenha paixão:

Muitas vezes o que mais conta na hora de fazer um Pitch é ver a paixão do empreendedor durante sua apresentação. Mostre a sua audiência o quanto você realmente acredita no seu negócio.

Fonte: Administradores

23 mar
Os 15 livros jurídicos mais vendidos em 2017

Escola de direito aplicado

Há sete meses, o site JOTA publicou uma lista com os 20 livros jurídicos mais vendidos do primeiro semestre de 2017. No entanto, como os cinco primeiro livros eram Vade Mecums, a nova seleção optou por deixá-los de fora da lista.

Caso não fossem excluídos, os Vade Mecums representariam sete dos dez livros mais vendidos no último ano. Ainda assim, alguns dos livros mais comprados por estudantes de Direito, advogados, juízes, defensores públicos, promotores e procuradores no último ano são de legislação seca específica.

A lista das obras mais vendidas foi elaborada pela consultoria Nielsen, a partir da ferramenta Bookscan. Os dados para formar o ranking foram coletados a partir do caixa das livrarias, e-commerce e varejistas colaboradores de todo o país.

Confira abaixo os 15 livros mais vendidos de 2017, sem contar os Vade Mecums:

1) Direito Constitucional Esquematizado (Edição 2017), de Pedro Lenza

 

2) Novo CPC, Saraiva

3) Direito Processual Civil Esquematizado, de Marcus Vinicius Rios Gonçalves

4) Manual de Direito Civil – Volume Único, de Flávio Tartuce


5) Direito Administrativo Descomplicado, de Marcelo Alexandrino e Vicente Paulo

6) Direito Constitucional Esquematizado (Edição 2016), de Pedro Lenza

7) Código de Defesa do Consumidor, Lipel

8) Código de Proteção e Defesa do Consumidor, Saraiva

9) Direito Constitucional Descomplicado, de Vicente Paulo e Marcelo Alexandrino

10) Manual De Direito Civil, de Pablo Stolze Gagliano e Rodolfo Pamplona Filho

11) Dos Delitos e das Penas, de Cesare Beccaria

12) Constituição da República Federativa do Brasil, Saraiva

13) Minicódigo Civil e Constituição Federal, Saraiva

14) CLT: Consolidação das Leis do Trabalho, Legislação Saraiva de Bolso

 

 

15) Direito Civil Brasileiro – Vol. 1 – Parte Geral, de Carlos Roberto Gonçalves

 

Fonte: JOTA

22 mar
Geração de conhecimento: do dado ao big data

Escola de tecnologia aplicada

 

A década de 70 marcou fortemente o mundo da informática, indo desde o surgimento da Apple e da Microsoft até o aparecimento dos primeiros computadores pessoais portáteis e o surgimento da linguagem de programação BASIC e da interface gráfica produzida pela Xerox (e que serviu de “inspiração” para Jobs na Apple). O mundo, nessa época, já pensava em tomar decisões usando dados processados por computador. Novas metodologias para construção de software e armazenamento de dados também se fizeram necessárias, pois era preciso prover essas máquinas com programas cada vez mais poderosos. Rapidamente, as organizações se deram conta de que o segredo para a vantagem competitiva passava pela onerosa capacidade de adquirir e processar dados. Mas o que mudou de lá para cá, além do avanço dos hardware e do surgimento da Internet? TUDO! Simplesmente tudo!

Com o aumento da capacidade de processamento proporcionado pelos recentes hardware, as organizações passaram a tomar decisões mais rápidas em razão do baixo tempo de resposta. Computadores são máquinas que executam tarefas de forma bem mais rápida que seres humanos (salvo algumas raras exceções!). Entretanto, a análise crítica sobre os resultados desse processamento ainda era tarefa para humanos executarem. Quem naquela época, em sã consciência, entregaria a responsabilidade de tomar decisões sobre o futuro da sua organização a um computador (ou a um conjunto deles)?

Com isso, o desafio recaía em adquirir a maior quantidade de dados possível, mesmo que não soubéssemos ainda como manipulá-los. Essa corrida impulsionou sobremaneira a evolução dos dispositivos de armazenamento de dados, como os disquetes (surgido em 1971), os discos rígidos, os cd-rom e as memórias Flash (pendrives e SSD) proporcionando um aumento na capacidade de armazenamento.

Atualmente, o volume de dados produzidos pela humanidade nos últimos dois anos ultrapassa o total já produzido nos últimos 5.000 anos de existência da civilização humana. Estima-se que são produzidos o equivalente a 2.5 Exabytes de dados por dia (2.621.440 TeraBytes), contra 100 GigaBytes por dia em 1992, 100 GigaBytes por segundo em 2003 e 28.875 GigaBytes por segundo, em 2013. A essa velocidade, chegaremos em 2020 gerando e processando, aproximadamente, 44 Zetabytes (1 zetabyte = 1.073.741.824 Terabytes). O crescimento do volume de dados tem se dado, principalmente, pelo advento da IoT (Internet das Coisas), pelo surgimento do Big Data, pela explosão no uso dos smartphones e pela Computação em Nuvem. A Internet e a WWW também tiveram papéis essenciais na disseminação de dados, disponibilizando “toneladas” de gigabytes de informações quase que instantaneamente, a todo momento, em qualquer lugar do planeta. Nesse cenário, diversas tecnologias surgiram para auxiliar na coleta, armazenamento, gestão, manipulação e interpretação dessa grande quantidade de dados.

Uma das primeiras iniciativas foram os Data Warehouses e as ferramentas de Mineração de Dados, ainda na década de 90 e início dos anos 2000. Na sequência, novas iniciativas surgiram, como o armazenamento em Nuvem e a Internet das Coisas (proporcionados pelo crescimento da Internet) e o Big Data e as técnicas de Aprendizado de Máquina (Machine Learning), estes últimos proporcionados pelo aumento do poder computacional. Já a necessidade de se armazenar dados não estruturados (oriundos de diversas fontes de dados, como celulares, televisões, caixas de som, smartphones, carros, etc) deu um grande impulso na área de Análise de Dados, proporcionando o surgimento de uma nova profissão: o Cientista de Dados, profissional responsável por definir metodologias de armazenamento, gestão e interpretação dos dados e informações sob sua gestão.

Atualmente, com a ajuda da Inteligência Artificial, ferramentas de análise de dados auxiliam a tomada de decisão e ajudam a construir possíveis cenários usando a maior quantidade possível de dados e todo o poder computacional disponível. Essa realidade está levando a uma mudança de paradigma dentro das organizações, que precisam se adaptar, cada vez mais, a rápidas mudanças de ambiente e tomadas de decisão. A Amazon, por exemplo, além de possuir um complexo sistema de logística totalmente computadorizado para entrega dos seus produtos, também está inovando a entrega de produtos por meio de drones e, mais recentemente, proporcionando a construção de um supermercado onde não existem caixas para pagamento e os clientes apenas pegam os produtos, os colocam no carrinho e saem (AmazonGo). A conta é gerada automaticamente usando um complexo sistema de câmeras, Inteligência Artificial e técnicas de Visão Computacional (a mesma usada nos carros autônomos da empresa americana Tesla) e é debitada na conta Amazon do cliente.

É inegável, assim, que vivenciamos uma era onde estamos imersos em um oceano de dados. Segundo a Harvard Business Review, “em um mundo completamente inundado de dados, tem se tornado cada vez mais difícil utilizá-los; há tantos deles que, para que façam sentido, é necessário que se levante insights ou hipóteses para que sejam testados”. De fato, os dados dizem muito sobre muita coisa. Entretanto, atingimos a nossa capacidade humana de processar e extrair o que de mais valioso existe neles. Uma quase infindável malha de relacionamentos liga os dados a diversas situações e a bilhões de outros dados e interpretações. A saída, então, para as organizações tirarem o maior proveito dessa situação é permitir que a tecnologia faça seu papel, processando dados, criando informações e produzindo interpretações valiosas que guiarão os executivos a tomarem decisões cada vez mais sábias. Já as empresas que negarem essa realidade, certamente, serão deixadas para trás e “afundarão” nesse oceano de dados.

 

17 mar
O que as Startups podem ganhar com Marketing Digital?

Escola de negócios e gestão

Não existe nenhuma fórmula mágica de como começar uma startup. Inovação, cultura, processos rápidos, experimentação, ambiente informal e descontraído. Essas são apenas algumas características que pensamos quando associamos ao termo startup. É cada vez mais um modelo de negócio que vem se firmando no Brasil e no resto do mundo.

O caminho é árduo e exige muito esforço e dedicação e o marketing é essencial para o crescimento de qualquer empreendimento, uma vez que ajuda no lançamento, no posicionamento e no crescimento do negócio. No caso do marketing digital, ele é ainda mais importante por ser mais barato, mais efetivo e mais mensurável em relação ao modelo tradicional — ou seja, exatamente aquilo que toda startup precisa, visto que a internet mudou radicalmente a forma como as empresas podem encontrar e se comunicar com os clientes. Antes, elas eram obrigadas a gastar grandes verbas para fazer propaganda nos meios tradicionais, como TV, rádio, jornais, revistas, outdoors e panfletos, pois essas eram praticamente as únicas formas de alguém descobrir a oferta de um produto ou serviço.

Lá no primeiro trimestre de 2017, a Associação Brasileira de Startups (ABS) divulgou e detalhou uma lista de tendências para o ano que terminou. Temas como Inteligência Artificial, Internet das Coisas, Proteção Cibernética, Big Data, entre outros foram apontados. Um ano depois, a ACE, aceleradora de startups premiada no Brasil e América Latina, divulgou as tendências 2018, baseadas em uma mapeamento do ecossistema da aceleradora em 2017. Eles apostam nas tendências robótica no varejo; digital health and fitness; realidade aumentada; IoT – Internet das Coisas (Internet of Things); social media (além da mídia).

O marketing digital vem se consolidando em oferecer estratégias e planejamentos de comunicação direcionados para a obtenção de resultados efetivos.

Inovação já faz parte do DNA de uma startup e estabelecer uma visão global do todo não é tarefa de outro mundo para os integrantes deste modelo de negócio. Portanto, um ponto que precisa de atenção redobrada são os clientes. O marketing de conteúdo é uma ótima sacada para se posicionar, gerar engajamento e, por consequência, se transformar em uma autoridade para potencias clientes. Na prática, funciona de maneira bem simples: quando você cria um conteúdo relevante voltado para audiência, atrai novas oportunidades para o negócio, conquista mais clientes e dá passos concretos a fim de escalar uma startup.

Principais motivos que marketing digital chama tanto atenção das startups segundo Pâmela Ribeiro, Commercial Strategy Manager da empresa Comtele (www.comtele.com.br) é que ele possui algumas características como, ser segmentado, permitir atração gratuita, gerar audiência, ser mensurável, oportunidade aos empreendedores e é claro, tem excelente custo x benefício.

Sendo assim torna-se o caminho mais curto para obter mais leads e adquirir maior interatividade com aqueles clientes que realmente possuem potencial de compra. Isso acontece porque esse tipo de marketing torna a empresa disponível 24 horas para o cliente, além de possibilitar a construção de um relacionamento mais próximo, o que ajudará a impulsionar as vendas e transformar esse cliente em um divulgador da marca.

Fonte: Terra

16 mar
Breves linhas sobre a personalidade civil das pessoas humanas

Escola de direito aplicado

Um dos temas mais difíceis do direito civil é o atinente à personalidade das pessoas humanas. Diz o art. 2º do Código Civil que “personalidade civil da pessoa começa do nascimento com vida; mas a lei põe a salvo, desde a concepção, os direitos do nascituro”. Isto é, só há o tratamento como pessoa humana a partir do nascimento com vida – que é comprovado classicamente com a entrada de ar nos pulmões da criança, passando a ter oxigenação própria e não mais pelo fluxo sanguíneo do cordão umbilical. Por isso, diz-se que a lei brasileira adotou a teoria natalista.

 

Qual o início da personalidade civil?

No entanto, a lei prevê que estão resguardados os direitos do feto desde a concepção. Isso significa que os direitos que potencialmente serão titularizado pelo feto após o seu nascimento com vida – ou, para o direito civil, após se tornar pessoa – devem ser reservados a si desde o momento da concepção (formação do zigoto pela junção dos gametas materno e paterno).

Tais direitos são tanto os de matriz patrimonial (como o direito a uma sucessão aberta após a concepção mas antes do nascimento com vida do nascituro) quanto existencial. Reside também nesse último ponto – ao lado de questões de ordem filosófica, moral e religiosa – a problemática da legalização do aborto no Brasil; para mim, a questão mais difícil de todo o sistema jurídico civil.

 

Mas qual o momento para caracterizar o fim da personalidade?

Na outra ponta, também é de extrema relevância a definição do momento caracterizar do fim da personalidade da pessoa humana. Poderia ser dito, em tom mais coloquial: o momento do fim da vida, para os efeitos jurídicos civis. Nesse tópico, a Lei Federal nº 9.434/1997 preceitua em seu art. 3º que “a retirada post mortem de tecidos, órgãos ou partes do corpo humano destinados a transplante ou tratamento deverá ser precedida de diagnóstico de morte encefálica, constatada e registrada por dois médicos não participantes das equipes de remoção e transplante, mediante a utilização de critérios clínicos e tecnológicos definidos por resolução do Conselho Federal de Medicina”.

Ou seja: houve a estipulação legal da morte encefálica como o marco final da personalidade civil das pessoas humanas. De acordo com o Conselho Federal de Medicina, a morte encefálica se caracteriza pela parada permanente e irreversível da respiração e de todas as funções do cérebro, incluindo o tronco. Atualmente, o diagnóstico médico é regulamentado pela Resolução CFM nº 2.173/2017.

Esse critério, de atividade encefálica, fomenta questionamento quanto à sua aplicabilidade para a definição do início da personalidade civil, e não apenas ao seu fim. Explica-se: questiona-se o caso dos fetos anencefálicos, que são portadores de más formações cerebrais que inviabilizam por completo a vida extrauterina.

Neste caso, não havendo aptidão para o nascimento com vida viável, defende-se que possa ser feita a interrupção da gestação após o diagnóstico da anencefalia – que atualmente é regulamentado pela Resolução CFM nº 1.989/2012. Esse foi o entendimento jurídico adotado pelo Supremo Tribunal Federal no julgamento da ADPF 54, no ano de 2012. Há a curiosidade de que o advogado da parte autora foi o hoje Min. Luís Roberto Barroso, no mesmo STF.

Esse julgamento pôs fim ao drama enfrentado por um incontável número de mães de todo o Brasil, simbolicamente representadas no documentário “Uma história Severina”, dirigido por Débora Diniz e Eliane Brum, respectivamente professora de direito na UnB e jornalista no El País. É documentário impactante e absolutamente essencial a todos os estudantes de Direito, que devem enxergar as pessoas humanas que existem por trás das abstratas figuras jurídicas dos “sujeitos de direito”.

14 mar
Morre Stephen Hawking: as frases mais memoráveis do cientista

Escola de tecnologia aplicada

O famoso físico britânico morreu aos 76 anos nesta quarta-feira, deixando ao mundo memoráveis reflexões

Stephen Hawking estava preso a um corpo paralisado por uma doença neuromotora, mas isso não o impedia de nos ajudar a compreender a vastidão do Universo.

O famoso físico britânico morreu aos 76 anos nesta quarta-feira, deixando ao mundo memoráveis reflexões sobre diferentes questões – da existência de Deus à origem do mundo.

Dependente de uma cadeira de rodas e impedido de falar, ele transmitia grande parte das suas ideias por meio de um sistema de computador que captava o movimento de seus olhos.

Das explicações para a existência do Universo aos aspectos negativos da fama, conheça algumas das mais famosas frases do cientista, que se dedicou a aproximar a Ciência do grande público.

Sobre buracos negros: “Einstein estava errado quando disse que ‘Deus não joga dados’. A existência dos buracos negros sugere não apenas que Deus brinca de dados, mas também nos confunde ao jogá-los onde não podem ser vistos”- no livro A Natureza do Espaço e do Tempo, publicado em 1996.

Sobre as razões para a existência do Universo: “Se encontrarmos uma resposta para isso, será o maior triunfo da razão humana, porque conheceríamos a mente de Deus”- no livro Uma Breve História do Tempo, publicado em 1988.

Sobre Deus: “Não é necessário invocar Deus para iniciar uma reação e fazer o Universo funcionar”- no livro O Grande Projeto, publicado em 2010.

Sobre sucesso comercial: “Eu quero que meus livros sejam vendidos em lojas de aeroporto”- em entrevista ao jornal americano The New York Times, em dezembro de 2004.

Sobre a fama: “O aspecto negativo da minha fama é que eu não posso ir a qualquer lugar do mundo sem ser reconhecido. Não adianta eu usar óculos escuros e peruca. A cadeira de rodas me entrega”- em entrevista a um programa de TV israelense em dezembro de 2006.

Sobre a imperfeição do mundo: “Sem imperfeição, você e eu não existiríamos”- no documentário O Universo de Stephen Hawking, transmitido pelo Discovery Channel em 2010.

Sobre eutanásia: “A vítima deve ter o direito de acabar com a própria vida, se ela quiser. Mas eu acho que seria um grande erro. Por pior que a vida pareça, sempre existe algo que você possa fazer e ser bem-sucedido. Enquanto há vida, há esperança”- fala citada no site de notícias People Daily Online, em junho de 2006.

Sobre a possibilidade de contato entre seres humanos e extraterrestres: “Acho que seria um desastre. Os alienígenas provavelmente estão bem mais avançados que nós. A história do encontro entre civilizações mais avançadas com povos primitivos neste planeta não é muito feliz, e eles eram da mesma espécie. Acho que devemos manter a cabeça baixa”- no programa In Naked Science: Alien Contact, do canal National Geographic, em 2004.

Sobre ser diagnosticado com uma doença neuromotora: “Minhas expectativas foram reduzidas a zero quando eu tinha 21 anos. Tudo desde então tem sido um bônus”- em entrevista ao The New York Times, em dezembro de 2004.

Sobre a morte: “Eu tenho vivido com a perspectiva de morrer cedo nos últimos 49 anos. Não tenho medo da morte, mas não tenho pressa para morrer. Eu quero fazer muita coisa antes disso”- em entrevista ao jornal britânico The Guardian, em maio de 2011.

Fonte: BBC Brasil

13 mar
Quer escrever bem? Veja 6 dicas de um especialista de Harvard

iCEV

Não importa se você é um vestibulando, se está terminando o TCC ou se já trabalha e paga suas contas sem ter que pedir ajuda para ninguém: em algum momento da sua vida você provavelmente teve que escrever uma redação, uma carta, um artigo ou qualquer outra coisa. Escrever não é coisa fácil e tem gente por aí que não consegue colocar ideias no papel, então que tal aprender algumas dicas para facilitar esse processo?

A revista Time publicou um artigo com conselhos de Steven Pinker, psicólogo, linguista e escritor, que trabalha na Universidade de Harvard e que está entre os 100 melhores psicólogos da atualidade. Pinker listou alguns exercícios simples que, com certeza, vão melhorar a qualidade do que quer que você queira escrever. Boa sorte!

1 – Seja visual e direto

Um terço do cérebro humano trabalha com a visão, por isso é fundamental fazer com que o leitor realmente visualize o que você está escrevendo. Pinker explica que para o leitor ir de “eu acho que entendo” até “eu entendo” ele precisa ter uma visão ampla do que está escrito. “Muitos experimentos têm mostrado que os leitores entendem e lembram um assunto muito melhor quando ele é expresso em uma linguagem concreta que os permite formar imagens visuais”.

Outro fato interessante, agora não sobre o lado visual da escrita, mas a respeito desse conceito de ser direto, é que muitas pessoas acham que para escrever bem é preciso usar palavras complexas. A verdade é que já é cientificamente comprovado que o uso de uma linguagem complexa de nada tem a ver com inteligência.

Quando uma informação é fácil de ser processada por nosso cérebro, ela é tida como mais confiável do que aquela de um texto rebuscado que precisa ser lido diversas vezes. O segredo, portanto, é pensar em quem vai ler o seu texto como uma pessoa igual a você. Se sua intenção é impressionar, seu leitor pode se sentir burro e essa é uma das piores coisas que seu escrito poderia fazer. Sabe aquela história de que “menos é mais”? Pois é.

2 – Dominar um assunto não é necessariamente uma coisa boa

O cérebro humano é cheio de truques estranhos e, em alguns casos, isso resulta em uma auto sabotagem. Quando você tem um alto nível de conhecimento sobre determinado assunto, você pode acabar achando que aquilo é tão óbvio que, na hora de escrever sobre, acaba deixando algum detalhe importante de lado. O problema é que seu leitor pode não dominar o assunto tanto quanto você e, para ele, seu texto vai parecer incompleto.

Pinker chama esse fenômeno de “a maldição do conhecimento”, que nada mais é do que a nossa dificuldade em entender que nosso leitor pode não conhecer o assunto sobre o qual nós estamos falando e conhecemos tão bem. Uma boa maneira de resolver esse problema é pedir para que uma pessoa leia seu texto e diga a você se entendeu tudo.

Alguns estudos já comprovaram que tendemos a ser mais confiantes do que deveríamos ser quando falamos a respeito de um assunto que dominamos. Essa confiança extrema é capaz de nos deixar equivocados com relação à clareza daquilo que estamos escrevendo. Na dúvida, peça sempre a opinião de alguém.

3 – Vá direto ao ponto

Textos jornalísticos mais tradicionais são construídos com base em um esquema chamado lead ou lide, que nada mais é do que a prática de oferecer as informações principais logo no início. No jornal, isso ocorre porque muitas vezes o texto precisa ser editado e, para não correr o risco de cortar uma informação importante que está no último parágrafo, o lead propõe que os principais pontos estejam no começo do texto.

Para escrever um texto com um bom lead, certifique-se de que ele responde, já nos primeiros parágrafos, a estas perguntas: Quem? Quando? Como? Onde? Por quê? O quê? Parece complicado, mas é bem simples. Para provar isso, vamos inventar uma notícia aqui:

O palhaço Inácio (quem) fez uma apresentação (o que) nesta sexta-feira, 31 (quando) em uma escola de Curitiba (onde) em comemoração ao Halloween (por que). Depois de relembrar canções folclóricas (como), centenas de crianças começaram a chorar compulsivamente.

Se esse texto estranho continuasse, nós falaríamos mais sobre o palhaço, sobre a escola, as crianças e o choro comunitário. O leitor continuaria a leitura mesmo já sabendo o que tinha acontecido. Não é preciso, portanto, fazer suspense no início do seu texto. Vá direto ao assunto.

Importante lembrar que essa técnica do lead é ideal para textos jornalísticos, e ela foi lembrada por Pinker para nos fazer entender melhor a importância de não fazer muito suspense antes de chegar ao assunto principal do texto.

4 – Entenda que a linguagem evolui

É lógico que é preciso ter domínio da língua para escrever um texto. O que Pinker recomenda é não ficar escravo da norma culta e tentar entender que a linguagem está em constante mudança e adaptação. Não quer dizer que você deva fazer um texto cheio de gírias em uma redação de vestibular, mas você também não precisa ser muito tradicional.

Machado de Assis e Gregório Duvivier são dois escritores brasileiros. Ambos têm ótimos textos, mas a escrita de cada um deles é completamente diferente – nesse sentido, fatores como época e estilo literário também influenciam. A comparação é justamente para mostrar que a linguagem evolui e que talvez Duvivier não faria tanto sucesso se escrevesse como Machado.

5 – Para escrever, é preciso ler

Da mesma forma que você precisa comer uma lasanha para sentir vontade de fazer uma lasanha igualmente saborosa, para escrever um bom texto é preciso ler bons textos. Ninguém começa a escrever bem de uma hora para a outra, simplesmente digitando sem parar e criando obras espetaculares.

Ler bastante vai fazer com que você pontue seus textos melhor, aprenda mais coisas, aumente seu vocabulário e fique mais criativo. Que tal começar ainda hoje?

6 – Revise

Não espere que seu texto fique bom logo na primeira tentativa – isso raramente acontece. É importante sempre reler o que você mesmo escreveu e, para isso, é só encontrar seu ritmo: há quem goste de reler parágrafo a parágrafo e também tem quem curta reler o texto só depois de tê-lo terminado. O importante é nunca entregar ou publicar alguma coisa sem revisar.

Na revisão, vemos se não há algum problema de pontuação, se não tem uma maneira de falar melhor a respeito de um assunto, se determinada palavra não foi usada muitas vezes em uma mesma sentença, etc.

Chistian Rudder fala sobre a importância da revisão e da edição de texto usando o Twitter como um exemplo positivo, afinal o usuário precisa ser conciso e direto na hora de publicar alguma mensagem usando no máximo 140 caracteres. Então se você é desses que acha que a tecnologia nos deixa mais burros, saiba que não é bem por aí.

Fonte: Mega Curioso

Tem uma pergunta?
Nós estamos aqui para ajudar. Envie-nos um e-mail ou ligue-nos para (86) 3133-7070
Entrar em contato!
© 2017 iCEV Instituto de Ensino Superior