13 mar
Quer escrever bem? Veja 6 dicas de um especialista de Harvard

Não importa se você é um vestibulando, se está terminando o TCC ou se já trabalha e paga suas contas sem ter que pedir ajuda para ninguém: em algum momento da sua vida você provavelmente teve que escrever uma redação, uma carta, um artigo ou qualquer outra coisa. Escrever não é coisa fácil e tem gente por aí que não consegue colocar ideias no papel, então que tal aprender algumas dicas para facilitar esse processo?

A revista Time publicou um artigo com conselhos de Steven Pinker, psicólogo, linguista e escritor, que trabalha na Universidade de Harvard e que está entre os 100 melhores psicólogos da atualidade. Pinker listou alguns exercícios simples que, com certeza, vão melhorar a qualidade do que quer que você queira escrever. Boa sorte!

1 – Seja visual e direto

Um terço do cérebro humano trabalha com a visão, por isso é fundamental fazer com que o leitor realmente visualize o que você está escrevendo. Pinker explica que para o leitor ir de “eu acho que entendo” até “eu entendo” ele precisa ter uma visão ampla do que está escrito. “Muitos experimentos têm mostrado que os leitores entendem e lembram um assunto muito melhor quando ele é expresso em uma linguagem concreta que os permite formar imagens visuais”.

Outro fato interessante, agora não sobre o lado visual da escrita, mas a respeito desse conceito de ser direto, é que muitas pessoas acham que para escrever bem é preciso usar palavras complexas. A verdade é que já é cientificamente comprovado que o uso de uma linguagem complexa de nada tem a ver com inteligência.

Quando uma informação é fácil de ser processada por nosso cérebro, ela é tida como mais confiável do que aquela de um texto rebuscado que precisa ser lido diversas vezes. O segredo, portanto, é pensar em quem vai ler o seu texto como uma pessoa igual a você. Se sua intenção é impressionar, seu leitor pode se sentir burro e essa é uma das piores coisas que seu escrito poderia fazer. Sabe aquela história de que “menos é mais”? Pois é.

2 – Dominar um assunto não é necessariamente uma coisa boa

O cérebro humano é cheio de truques estranhos e, em alguns casos, isso resulta em uma auto sabotagem. Quando você tem um alto nível de conhecimento sobre determinado assunto, você pode acabar achando que aquilo é tão óbvio que, na hora de escrever sobre, acaba deixando algum detalhe importante de lado. O problema é que seu leitor pode não dominar o assunto tanto quanto você e, para ele, seu texto vai parecer incompleto.

Pinker chama esse fenômeno de “a maldição do conhecimento”, que nada mais é do que a nossa dificuldade em entender que nosso leitor pode não conhecer o assunto sobre o qual nós estamos falando e conhecemos tão bem. Uma boa maneira de resolver esse problema é pedir para que uma pessoa leia seu texto e diga a você se entendeu tudo.

Alguns estudos já comprovaram que tendemos a ser mais confiantes do que deveríamos ser quando falamos a respeito de um assunto que dominamos. Essa confiança extrema é capaz de nos deixar equivocados com relação à clareza daquilo que estamos escrevendo. Na dúvida, peça sempre a opinião de alguém.

3 – Vá direto ao ponto

Textos jornalísticos mais tradicionais são construídos com base em um esquema chamado lead ou lide, que nada mais é do que a prática de oferecer as informações principais logo no início. No jornal, isso ocorre porque muitas vezes o texto precisa ser editado e, para não correr o risco de cortar uma informação importante que está no último parágrafo, o lead propõe que os principais pontos estejam no começo do texto.

Para escrever um texto com um bom lead, certifique-se de que ele responde, já nos primeiros parágrafos, a estas perguntas: Quem? Quando? Como? Onde? Por quê? O quê? Parece complicado, mas é bem simples. Para provar isso, vamos inventar uma notícia aqui:

O palhaço Inácio (quem) fez uma apresentação (o que) nesta sexta-feira, 31 (quando) em uma escola de Curitiba (onde) em comemoração ao Halloween (por que). Depois de relembrar canções folclóricas (como), centenas de crianças começaram a chorar compulsivamente.

Se esse texto estranho continuasse, nós falaríamos mais sobre o palhaço, sobre a escola, as crianças e o choro comunitário. O leitor continuaria a leitura mesmo já sabendo o que tinha acontecido. Não é preciso, portanto, fazer suspense no início do seu texto. Vá direto ao assunto.

Importante lembrar que essa técnica do lead é ideal para textos jornalísticos, e ela foi lembrada por Pinker para nos fazer entender melhor a importância de não fazer muito suspense antes de chegar ao assunto principal do texto.

4 – Entenda que a linguagem evolui

É lógico que é preciso ter domínio da língua para escrever um texto. O que Pinker recomenda é não ficar escravo da norma culta e tentar entender que a linguagem está em constante mudança e adaptação. Não quer dizer que você deva fazer um texto cheio de gírias em uma redação de vestibular, mas você também não precisa ser muito tradicional.

Machado de Assis e Gregório Duvivier são dois escritores brasileiros. Ambos têm ótimos textos, mas a escrita de cada um deles é completamente diferente – nesse sentido, fatores como época e estilo literário também influenciam. A comparação é justamente para mostrar que a linguagem evolui e que talvez Duvivier não faria tanto sucesso se escrevesse como Machado.

5 – Para escrever, é preciso ler

Da mesma forma que você precisa comer uma lasanha para sentir vontade de fazer uma lasanha igualmente saborosa, para escrever um bom texto é preciso ler bons textos. Ninguém começa a escrever bem de uma hora para a outra, simplesmente digitando sem parar e criando obras espetaculares.

Ler bastante vai fazer com que você pontue seus textos melhor, aprenda mais coisas, aumente seu vocabulário e fique mais criativo. Que tal começar ainda hoje?

6 – Revise

Não espere que seu texto fique bom logo na primeira tentativa – isso raramente acontece. É importante sempre reler o que você mesmo escreveu e, para isso, é só encontrar seu ritmo: há quem goste de reler parágrafo a parágrafo e também tem quem curta reler o texto só depois de tê-lo terminado. O importante é nunca entregar ou publicar alguma coisa sem revisar.

Na revisão, vemos se não há algum problema de pontuação, se não tem uma maneira de falar melhor a respeito de um assunto, se determinada palavra não foi usada muitas vezes em uma mesma sentença, etc.

Chistian Rudder fala sobre a importância da revisão e da edição de texto usando o Twitter como um exemplo positivo, afinal o usuário precisa ser conciso e direto na hora de publicar alguma mensagem usando no máximo 140 caracteres. Então se você é desses que acha que a tecnologia nos deixa mais burros, saiba que não é bem por aí.

Fonte: Mega Curioso

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

avatar

Compartilhe com um amigo

Tags

Tem uma pergunta?
Nós estamos aqui para ajudar. Envie-nos um e-mail ou ligue-nos para (86) 3133-7070
Entrar em contato!
© 2017 iCEV Instituto de Ensino Superior